quinta-feira, novembro 30, 2006

No país das maravilhas

Com o Governo cada vez mais performante na sua obsessão pelos modelos nórdicos - depois da Finlândia, a Dinamarca mais a sua flexibilização laboral -, continuam a encher as albufeiras e a encerrar empresas que se mudam para a República Checa ou para o Cazaquistão. Não sei porque não se mudam para a Dinamarca ou para a Finlândia, talvez seja por causa do frio que lá faz, não vejo outra coisa, pois as gajas são fartas e fáceis e a cerveja de qualidade, tanto mais que foi também um país nórdico, a Suécia, que inventou os "Abba" e o Carlos Quaresma. Olhando para a Odete Santos e para o Nuno Melo, até apetece ser do PS mas, caramba, o "Príncipe Perfeito" e a sua corte já começam a repetir-se. Não falo do PSD pois é um partido que entrou numa fase de não existência a partir do momento em que elegeu Marques Mendes como seu líder máximo. E temos aí, a esbarrar com as compras de Natal, a questão do referendo do aborto, batalha perdida há alguns anos por causa do Portugal profundo que acredita nos padrecos e também em S. Judas Tadeu (não confundir com o director do 24 Horas, que também é santo, sobretudo depois daquela primeira página em que se assumia como líder da sua classe operária). O país anda também entretido na guerra dos semanários, da Veja, perdão, da Visão à Quarta-feira, perdão, à Sábado, do Sol ao Expresso, com alguns dos catedráticos dos jornalismo que já não dão uma notícia há 15 anos a entenderam que é por aqui mesmo que se faz jornalismo, embora estas revistas e publicações nos ofereçam regularmente capas subordinadas ao tema "Como Curar o Cancro" ou "Já há assaltos na Quinta da Marinha". Para não falar dos anúncios completamente rascas que tentam passar mensagens de irreverência mas que se fossem a sério eram bem capazes de confundir bastante as nossas criancinhas com menos de 5 anos, que as outras já sabem também o que esta casa gasta. Reparem: a RTP passa uma entrevista com o médico Fernando Póvoas, especialista em gordos, a propósito de anoréticos. Tá tudo louco? Talvez. Como diz uma amiga minha, quem dava um bom primeiro ministro era o Dr. House. Pode não ter os gémeos do Sócrates mas tem um génio do caraças...

SOCCER

Veja aqui como a maior potência mundial trata o desporto a que chama soccer:
http://www.uslsoccer.com/

Há dias assim




Há dias assim, dias sem stress. Como o Carlos Romero e o Nuno Amaral se cortaram, cravei o Toninho Mendes, meu companheiro de estrada, para uma surtida ao coração do Gerês, mais precisamente aos prados da Messe. Após duas horas sempre a dar-lhe a subir, o Toninho preparava-se para beber o iorgurte com bífidos activos que a Sara lhe mandou quando viu o...meu chouriço. Nada a fazer. O esforço valia o prémio, a que se juntou meia garrafa de Grão Vasco, umas vieiras galegas em conserva, um pão maiato e uma salada de frutas tropical, tudo rematado com um Davidoff da melhor colheita. Depois, foi quase sempre a descer, mais uma horita de caminho e um merecido banho nas águas termais, que saem a 77 graus, do Rio Caldo, no lado espanhol. Regresso a casa com serviço quase completo e a promessa de outras batidas na mais bonita serra portuguesa.

Há dias assim...

quarta-feira, novembro 29, 2006

TRAPALHADA

É a anedota do dia: o Tourizense penhorou parte do passe de Mantorras que ainda pertence à SAD do Alverca, que é uma coisa que não existe. A SAD do Alverca, evidentemente. Esta história da supertransferência do "senhor 18 milhões de contos" para Luz é uma trapalhada tão grande que até mete a equipa satélite do FC Porto. E estou a falar da equipa de Touriz e não do Alverca.

colarinho apertado

Fernando Santos disse hoje que o resultado do clássico dos clássicos, cada vez mais clássico e menos moderno, "só para os índios" pode ser importante em termos de moralização para o jogo que se segue com o Manchester United. Não tem mal algum chamar índios à tribo benfiquista. Mas cuidado. No último jogo, na Luz, um índio pedia ao treinador o seu fato. Se os resultados não aparecerem, cá e na Europa, não tarda nada e alguém irá pedir o seu escalpe...

terça-feira, novembro 28, 2006

INK BnA

Terminado mais um inquérito BNA, com um total aproximado de 140 participações, não é preciso recorrer à Maya (tanto mais que cobra bastante e já ganha a vários carrinhos) para prever o futuro de José Veiga. 18% dos participantes acham que vai acabar como paquete da Gestifute, 16% vêem-no como futuro presidente do Benfica e 14% têm a expectativa de o encontrar em Alcoentre na condição de bibliotecário.
Obrigado pelas participações
NOVA POOL JÁ ACTIVA. AJUDE BnA A DESCOBRIR O MELHOR PAINELEIRO DA TV PORTUGUESA

Problemas judiciais*

Num tribunal de uma pequena cidade, o advogado de acusação chamou a sua primeira testemunha; uma velhinha de idade avançada e avó. Aproximou-se da testemunha e perguntou:
- Srª Ermelinda, a senhora conhece-me?
Resposta:- Claro que te conheço. Conheço-te desde pequenino e, francamente, desiludiste-me. Mentes descaradamente, enganas a tua mulher, manipulas as pessoas e falas mal delas pelas costas. Julgas que és uma grande personalidade quando nem sequer tens inteligência suficiente nem para ser varredor. Claro que te conheço.

O advogado ficou branco, sem saber que fazer. Depois de pensar um pouco; apontou para o outro extremo da sala e perguntou:-Srª Ermelinda conhece o defensor oficioso? Responde a velhinha:
- Claro que sim. Também o conheço desde a infância. É frouxo, tem problemas com a bebida, não consegue ter uma relação normal com ninguém e na qualidade de advogado bem, aí...... é um dos piores que já vi. Não esqueço também de mencionar que engana a mulher com três mulheres diferentes, uma das quais, curiosamente, é a tua mulher.Sim, conheço-o.Claro que sim.
O defensor ficou em estado de choque. O juíz, então, pediu a ambos os advogados que se aproximassem do estrado e com uma voz muito ténue diz-lhes:
- Se a algum dos dois ocorrer perguntar à puta da velha se me conhece juro-vos que vão todos presos.

* Obrigado mister

SACO VERDE

PARA QUEM PENSAVA QUE O FAMOSO SACO DAS NOTAS ERA SÓ AZUL, A REALIDADE COMEÇA A MOSTRAR QUE AFINAL O SACO TAMBÉM PODE SER VERDE. NO FUNDO, MAIS DE ACORDO COM A COR DO RESPECTIVO PAPEL 5 À SEC.

Luis Fernando Montoya, 2 anos depois



Está a fazer 2 anos que o FC Porto venceu a Taça Intercontinental, em Yokohama, numa decisão através de pontapés da marca dos 11 metros. O treinador do Once Caldas, equipa que actualmente ocupa os últimos lugares da tabela do campeonato colombiano, era Luis Fernando Montoya. Não me vou esquecer nunca que falei com ele pouco depois de aterrar no Japão, na companhia do meu colega José Moreira. Apesar da pedrada do jet lag, corremos para o hotel onde estava o Once Caldas para verificar que estávamos a chegar bem no fim da conferência de imprensa de Montoya. Conseguimos interceptá-lo e roubar-lhe cinco minutos para uma curta entrevista. Sentimos logo que estávamos a ser vistos como enviados especiais do "inimigo" FC Porto. Acabámos por ficar amigos do seu adjunto, Valencia, antigo jogador, e só algumas semanas mais tarde viria a descobrir quem era afinal o grande n.º 8 do Benfica de que ele também falava - João Pinto, claro. Falei com Montoya mais uma vez. O FC Porto levantou o caneco e regressou em festa ao Porto. O Once foi para casa com a frustração de ter estado a um pénalti de uma grande conquista. Pouco dias depois, Montoya surpreendeu um bando de ladrões em sua casa e foi baleado na coluna, tendo ficado tetraplégico. O que é feito deste homem? As últimas notícias dão conta de uma homenagem no estadio Atanasio Girardot, de Medellin, no passado dia 5. 35 mil espectadores aplaudiram-no enquanto entrava no relvado numa cadeira de rodas, antes do jogo entre o Atletico Nacional e o Independiente Medellín. Foi a sua primeira aparição pública desde o acidente de 20 de Dezembro de 2004. O malogrado treinador voltará aos estádios no próximo dia 20, na despedida do médio Chico Serna, e os organizadores querem que oriente uma das equipas. Montoya consegue respirar algumas horas sem a ajuda do ventilador mecânico graças a um implante no diafragma, implantado em Setembro de 2005, mas continua muito limitado. Está vivo e é o que interessa. E não foi esquecido por quem com ele teve um contacto fugaz mas perene pelo que aconteceu pouco depois.

segunda-feira, novembro 27, 2006

Dança de treinadores

Um ponto da situação antes do bacalhau e das rabanadas que alguns ainda se arriscam a não comer. O FC Porto começou com Co Adriaanse mas o treinador descartou-se perto do início oficial da época porque PC não quis contratar os jogadores holandeses que tinha em carteira e o balneário estava um bocado farto das tiranices do treinador. Quem pagou foi o Boavista, que perdeu Jesualdo quando a época estava armada e teve de descobrir Petrovic, ao que consta indicado por Adriaanse para o lugar que hoje ocupa Luís Castro, ex-Penafiel, no comando técnico da estrutura do futebol jovem portista. Petrovic goleou o Benfica e kaput, dando o lugar a Jaime Pacheco, pela terceira vez contratado pelo clube do Bessa depois de uma bela e tranquila temporada de praia no Aterro. Os grandes de Lisboa escaparam a este fúria, com Paulo Bento firme como a rocha do conde de Óbidos e Fernando Santos a oscilar entre o Pragal e Sete Rios. No Sp. Braga, Carlos Carvalhal venceu o FC Porto e conseguiu a qualificação para a fase regular da Taça UEFA mas não chegou e aproveitou a vaga deixada em aberto em Aveiro por Augusto Inácio, que trocou 15 mil euros por 40 mil euros que lhe paga um clube grego com nome de croissant de microondas. Quem se tramou aqui foi a Naval, que perdeu o seu treinador e a embalagem, com Rogério Gonçalves a estrear-se com uma vitória sobre o Benfica. No Nacional da Madeira, Brito, como sempre, começou mal mas já é...4.º, mostrando ser o treinador competente que foi no Rio Ave e, já agora, também no Boavista. Em Leiria, a aposta em Domingos está para durar enquanto em Setúbal Hélio já foi à sua vidinha, dando o lugar a Toni, o treinador que fez milagres no Estrela mas que acabou trocado por Faquirá, o mister da cama elástica, que por lá continua, com evidentes sinais de retoma. Voltando à Madeira, o Marítimo de Ulisses é uma verdadeira multinacional e tem pontuado, tendo mostrado frente aos grandes que é uma equipa com estaleca à qual falta, porém, um bocadinho assim. No Paços, Mota & companhia, mas que mais havia de ser? Em Coimbra, Manuel Machado também confirmou os maus arranques mas a equipa, que tem um super orçamento, está finalmente a equilibrar-se, assim se provando que o professor pode não ser um génio mas faz muito por isso. Em Belém, Jesus não aquece nem arrefece e não tarda nada os velhinhos vão começar a roer-lhe na casaca... Por fim, Neca e o Aves voam baixinho mas estão na luta, que é o que interessa.

A coisa promete para a 2.ª volta.

A superpotência nacional


A evidência foi mostrada e demonstrada pelo insuspeito Rui Santos no último "Temo Extra", o melhor programa desportivo da nossa televisão: nos últimos dez anos, o FC Porto fez quase tantos jogos internacionais (um pouco mais de 100) como Benfica e Sporting juntos.

Mais palavras para quê?

domingo, novembro 26, 2006

Mais uma jornada apenas


Mais uma corrida, mais uma jornada... Cava-se cada vez mais fundo o fosso entre os 3 grandes e os outros. Pouca qualidade, logo pouca competitividade. Chega a ser contagiante. Por exemplo, o FC Porto de Jesualdo podia ter feito mais no Restelo mas acabou com um pequeno calafrio e não havia necessidade. O Benfica de Santos precisou de jogar contra 10 para mostrar algum futebol e ainda assim não deu para chegar ao fim em velocidade de cruzeiro. O Sporting de Bento safou-se a 2 minutos do fim na Figueira da Foz, onde Ronny conseguiu o jackpot quando já se apostava no azul e branco. Siga a rusga que não dá para mais.
PS 1 - 3 lances e só 2 aparentemente polémicos nos jogos em questão. Na Luz, Marcinho é MUITO MAL expulso por João Ferreira e, com 1-1 no marcador e o tempo a correr ao contrário para o Benfica, foi algo que fragilizou muito o Marítimo. Na Figueira, Liedson sofre mesmo falta para o livre do PÉ CANHÃO Ronny e o golo dos 3 pontinhos. No Restelo, Bruno Alves antecipa-se a Marco e permite a Postiga o desvio vitorioso. Tudo o que se disser para além disto é mera especulação...

PS 2 - Alguém que me esclareça. O remate-bomba de Ronny atingiu os 22o Km/hora como o bólide do ministro na A1 ou andou por volta dos 120 km/hora, ou seja, cumprindo o código da estrada? É que fiquei baralhado hoje ao ler o "Record" e "A Bola"...

Obrigado


BnA teve a honra de ser incluído na lista da FHM dos blogues portugueses que valem a pena. É gratificante ter caído nas graças de tão BOA e DIVERTIDA companhia.

sábado, novembro 25, 2006

camaradas

As más notícias chegam depressa. César Oliveira e André Romeiras, meus colegas no "Record", morreram num acidente de aviação algures na Patagónia. O André não conheci, o César sim. Era um jornalista de mão cheia, como poucos.

A morte sempre a surpreender-nos e chocar-nos sobretudo quando quem morre tem a vida pela frente. A mesma vida que faz correr o mundo à procura dos grandes espaços e do sentido original da existência e da natureza.

Adeus, amigos. A vida continua para nós com a certeza de que um dia o fim da estrada chegará independentemente dos pequenos/grandes problemas que por vezes nos absorvem.

sexta-feira, novembro 24, 2006

Porque amanhã é sábado

Duas amigas casadas, totalmente bêbadas, sentiram uma vontade
irresistível de fazer xixi. Apavoradas e bêbadas, sem outra alternativa,
pararam o carro e decidiram ir assim mesmo dar uma mijada no cemitério.
A primeira foi, se aliviou, e então se lembrou de que não tinha nada para se
secar. Pegou a calcinha secou-se e jogou-a fora.
A segunda, que também não tinha nada para se secar
Pensou: "Eu não vou jogar fora esta calcinha caríssima e linda."
Então pegou a fita de uma coroa de flores, que estava em
cima de um túmulo, e colocou para não molhar a calcinha.
No dia seguinte um dos maridos ligou pro outro e disse:
"- A minha mulher chegou ontem em casa bêbada e sem calcinha.. terminei o casamento".
O outro:
"- Você tem sorte, a minha chegou em casa com uma faixa presa na bunda com inscrição:
"Jamais te esqueceremos - Vagner, Moisés, Renato e toda turma da
faculdade"
Enchi ela de porrada"

quinta-feira, novembro 23, 2006

PC e a Pinhão

(...)Eles e elas, órfãos de uma hereditariedade que lhes deveria merecer maior respeito e a quem o melhor mesmo é votá-los ao desprezo. Pseudo-intelectuais, trajando ganga coçada como convém, de cabelo oleoso e desgrenhado, de comum com Miguel Sousa Tavares só têm o facto de escreverem no mesmo jornal, aí fazendo alarde da sua sanha anti-desportista, onde só o vermelho é que conta, não conseguindo já ocultar o único e exclusivo propósito que é o de atacar e tentar denegrir a imagem do FC Porto e do seu presidentem evocando permanentemente e de forma ardiloso princípios éticos que não possuem e que caem pela base quando se sabe, e só não sabe quem não quer, que faziam viagens pelo "Abreu" e a conta era paga pelo Benfica. É gato escondido com rabo de fora. Melhor dizendo, é preciso ter cá uma lata"
Pinto da Costa, na revista Dragões, presumo que sobre Leonor Pinhão

Chamou-lhe um Figo


Vai grande o alarido só pelo facto de Luís Figo ter festejado, no banco, o golo do Inter de Milão que afastou o Sporting dos oitavos-de-final da Champions.
Queriam o quê?
Que conste, não é o Sporting que paga a Figo um contrato milionário, nem os prémios por objectivos.
Mais a mais, Figo é adepto do...Benfica.

É o que consta, pelo menos, sobre o craque que recentemente o Sporting homenageou em Alvalade.

Gomes


Fernando Gomes, o bibota de ouro, fez esta semana 50 anos. Obrigado a acabar a sua carreira no Sporting, depois de ter liderado um levantamento de rancho na Madeira, que justificou inclusive a passagem de informação privilegiada para a agência Lusa sobre as minudências do acontecimento, Gomes ainda mostrou no Sporting que não estava finito e foi graças a ele que Cadete fez o seu trabalho de leão ao peito, assumindo-se como um goleador que acabaria por fazer história noutra equipa de verde e branca equipada - o "nosso" Celtic de Glasgow. Gomes ficou apenas a 2 golos da melhor marca de sempre no Campeonato Nacional da I Divisão, de Eusébio da Silva Ferreira, mas não fez questão de prolongar a sua carreira no Beira-Mar só para bater essa marca. Porque o que estava feito já ninguém lhe tira, ou seja, uma carreira gloriosa, necessariamente associada ao FC Porto, onde continua a ser o melhor marcador de sempre, à frente de António Teixeira. A forma como saiu do FC Porto e o seu carisma nunca ajudaram Gomes a reatar uma ligação efectiva com o clube. Mas a relação afectiva continua a ser um facto. Depois de ter colaborado com José Veiga, por volta do ano 2000, Gomes dedicou-se à sua vida extrafutebol e a verdade é que continua a ser um símbolo do FC Porto. Os seus amigos portistas continuam a ser muitos. Gomes é um homem do futebol e do FC Porto que muito ainda pode dar ao seu clube e ao nosso futebol. E que não tem pressa de voltar a ser feliz, o que também é importante.

Parabéns, campeão!

Ufa, a UEFA!

Fim de linha do Sporting na Liga dos Campeões e tudo em aberto na Taça UEFA, sem qualquer dúvida mais à medida da qualidade e da dimensão da "juventude leonina". Há males que vêm por bem.

quarta-feira, novembro 22, 2006

Jornalistas


Em Lisboa há um clube a que chamam dos jornalistas. Não é tanga. É mesmo um clube de jornalistas. Trata-se, obviamente, de uma organização paroquiana - mau seria se não fosse - dependente de alguns apoios mas que tem conseguido afirmar-se, para além de ter uma bela sede na Rua das Trinas, salvo erro, ali à Lapa, em Lisboa. Esse clube noutros tempos empenhou-se em organizar os jogos dos jornalistas, iniciativa na qual sempre foi mais importante o campeonato dos copos e das copas que propriamente o desporto - também como se compreende. Pois bem, esse é o mesmo clube que atribui os Prémios Gazeta de jornalismo, prémios que apenas pecam por necessitarem de candidatura dos concorrentes, limitando, deste modo, o universo em análise. Prémios que por norma são atribuídos ao mérito embora aqui e ali com forte cariz paroquiano, o que volto a entender. O CJ edita também uma revista, "Jornalistas", que toca temas por vezes interessantes quando não se centram em teses universitárias que não interessam nem ao menino Jesus que é santo. Outra coisa que dou de barato. Pois bem, o último número de "Jornalistas" inclui o relato de uma visita às redacções do "The Guardian" e da Reuters, em Londres. Vamos deixar o Guardião de lado que está demasiado na moda. O que me deixou um bocado abalado foi o relato da visita à Redacção da Reuters, quando fiquei a saber que cada jornalistas tem direito a uma secretária com 3 metros, a um telefone com gravador incorporado, a um computador com plasma, a outro plasma onde correm as notícias e a um terceiro que é uma televisão. Mais me informaram que a redacção tem "um excelente bar". São coisas assim que nos deixam com água na boca sobretudo quando reparamos na qualidade do ar das nossas redacções, nas TVs de vão de escada que lá moram, nos telefones que não tocam, na máquina de zurrapa a que chamam café e que nos obriga ainda a meter uma moedinha, na fotocopiadora que deixou de funcionar em 1994 e na impressora regra geral com falta de toner. Penso que o mal é comum. Aqui fica o registo, no jeito de choradinho, é verdade, mas só a verdade é revolucionária, como dizia o Mao e uma amiga do peito.

PS - O CJ tem também um programa de televisão por vezes com um no mínimo irritante moderador, o famoso Bininho. Nem de propósito. Estava eu a passar a mão pelo pêlo do CJ e o mesmo Bininho moderava (?) um debate sobre a extinção da caixa dos jornalistas com um representante da caixa, um do sindicato e outro da casa de imprensa (suportada quase na sua totalidade pela caixa), sem direito a contraditório, ou seja, pelo menos à voz de um jornalista que perceba porque é que o Governo quer acabar com o nosso subsistema de saúde. Seria assim a democracia de o dr. Barreirinhas tivesse levado a sua no PREC de 75 - a propósito, no programa não faltaram depoimentos dos cromáticos e folclóricos Batista-Baptos e Fernando Dacosta, o primeiro um conhecido predador das redacções, tal como o Bininho, e o segundo um ainda mais famoso escritor sem leitores. Felizmente não é. Há que perceber que não estamos a falar de direitos adquiridos mas sim de igualdade. Lembram-se daquela palavrinha que a gaivota levava quando voava, voava?

2 apontamentos e 2 notas muito breves


- O primeiro para a determinação, a segurança e o controlo do FC Porto em Moscovo. E também para os seus talentos naturais: Quaresma com a influência de Deco, Lisandro a repetir Derlei, Lucho ainda melhor que Maniche e Postiga apesar de tudo ainda longe de McCarthy. Não estão lá Jorge Costa e Pedro Emanuel - Pepe e Bruno Alves estão, porém, a relevar-se uma dupla betonizada.
- O segundo para o triunfo que se impunha do Benfica sobre uma equipa da terceira linha europeia. Mi-Mi-ccoli de regresso aos golos, com assistências de Nuno Gomes, futebol pelas alas como se quer e uma luzinha no fundo do túnel de Manchester.

* O AEK que era Fernando Santos está às portas dos oitavos-de-final da Champions.
* Provado o fiasco que é a participação das equipas do Leste europeu
* Arsenal sem Henry no Dragão. Mas atenção ao...Hamburgo. O presidente do CSKA já confirmou que gosta de pagar prémios a equipas que não defronta directamente mas que podem ajudar o seu clube.

terça-feira, novembro 21, 2006

Celtic!



Gosto do Celtic de Gasglow. É um clube com história e com aquela que considero a melhor massa adepta do mundo. Quem gosta de futebol tem de passar um dia por Celtik Park. Num jogo qualquer. A "afición" não abranda. Apurado para os oitavos-de-final da Champions, o Celtic deixa agora para Manchester United e Benfica a outra vaga. Fernando Santos tinha razão: o jogo de Old Traford vai ser mesmo uma final. Que os encarnados se recordem do FC Porto de Mourinho e de Costinha... Quanto ao Celtic, as notícias que chegam é que em Glasgow está toda a gente a festejar. É mentira, obviamente. Naquela cidade escocesa há ainda o...Glasgow Rangers, os protestantes. Mas agora a festa é dos católicos, apurados com um golo de um japonês. Ora cá está mais uma prova da globalização e um prémio para o clube que estende sempre uma passadeira vermelha aos seus adversários, recebidos à porta dos balneários por um gaiteiro mas a sua machine fólica. Clubes como este representam a pureza do "association" e levam-nos a pensar que, afinal, o futebol ainda não tem a sua certidão de óbito preenchida.

Hermínio na PGR. Que pasa?


Hermínio Loureiro vai ser recebido amanhã pelo Procurador Geral da República, Pinto Monteiro. Trata-se de uma audiência que o presidente da Liga pediu para, junto do PGR, saber em que pé e em que ponto está o processo Apito Dourado, mais precisamente as 81 certidões que saíram do tribunal do Gondomar e que têm sido alvo de arquivamentos sistemáticos. Não acredito que a Liga vá para além disto e que accione os seus mecanismos judiciais no caso de obter alguma informação privilegiada. Seria o fim do mundo, ou quase, se a Liga fosse por aí num momento em que o caso avança para instrução no que diz respeito aos jogos do Gondomar e do Sousense, como se calcula processos altamente palpitantes a propósito de jantaradas de lampreias e de objectos de filigrana.

Veiga (2)

O senhor director de O JOGO vem hoje considerar estranho que o Tribunal depois de ter feito um arresto a Veiga por não ter conseguido cobrar uma dívida (1,5 milhões de euros), venha quase a seguir impor-lhe uma caução de 500 mil euros por causa de 3,3 milhões de euros que andam por aí a voar. Estranho porquê? Um é caso que avança para julgamento, o outro é um caso que avança para acusação. Um tem a ver com acções de uma empresa, o outro com a transferência de um jogador. E em tempo distintos. Teria de ser o Tribunal ingénuo ao ponto de, na hipótese apenas académica de poder relacionar os dois casos, admitir que Veiga não tinha condições, face ao arresto, para pagar uma caução tão alta? Só em absurdo. O que o Tribunal fez foi aplicar uma medida caucionária em função do valor do crime de que suspeita. Nada mais. Tudo o mais que se dizer não passa de baralhar para dar de novo.

segunda-feira, novembro 20, 2006

macaco da Ribeira*

http://www.youtube.com/watch?v=0n-u0ta_NDk

* Ai que saudades do Xico do Palácio!

Podia ter acontecido



Juiz - Senhor Veiga, estivemos a ver aqui uns papéis e faltam 700 mil contos na transferência de João Pinto para o Sporting...

José Veiga - Meretíssimo, eu só estive lá porque era, digo, sou amigo do João Pinto.

J- Mas ele diz que não viu a cor do dinheiro que saiu dos cofres do Sporting e que até lhe pagou uma comissãozinha...

JV - Meretíssimo, isso é uma calúnia, uma cabala, um conluio...

J- ...E que o dinheiro foi direitinho para uma off-shore no Canal da Mancha...

JV - Querem é manchar o meu nome? Por falar em canal, não fui eu que falei nele, foi o Santana Lopes.

J- Senhor Veiga, não se desvie do assunto que isto é muito grave. Afinal o que andou a fazer ao lado do João Pinto neste processo?

JV - Já disse, não destruça a minha imagem, fize-o porque sou amigo dele e queria ver se não era enganado pelo Vale.

J - Mas o senhor na época não era empresário de jogadores?

JV - Era. Mas ali estive apenas na condição de amigo, conheço o João desde o tempo em que era presidente da casa do FC Porto no Luxemburgo e ele tal como eu nasceu num bairro pobre...

J - Tem mais alguma coisa a declarar?

JV- Eu nunca declaro nada.

J - Estou a ver...

JV - E isto é uma cabala, um conluio, isto que me estão a fazer nem ao Fiúza se fazeria!

700 mil contos a voar


José Veiga mais uma vez na ordem do dia, agora a propósito da "transferência" de João Pinto do Benfica para o Sporting. Mais uma aparição em prime time do ex-director do futebol do Benfica e mais umas tantas calinadas ("fize-o", por exemplo, depois da "destrução"). Veiga alega que só está no caso porque apareceu nas fotografias relativas à saída de JVP. Mas parece que a história vai muito para além das fotos. Há 700 mil contos a voar. Que o Sporting pagou e que JVP não recebeu. Onde estão? Veiga diz que não sabe mas começa a apontar o dedo a alguns ex e actuais dirigentes do Sporting. É o que se pode chamar fuga para a frente. Só nos saem duques e cenas tristes, é o que me apetece dizer sobre esta cabala, perdão, conluio.

domingo, novembro 19, 2006

Disse Bruno Paixão?


Depois de Hermínio Loureiro, Carlos Pereira e Soares Franco terem deitado abaixo umas tantas "Corais" no bar VIP dos Barreiros, Bruno Paixão tornou-se protagonista do jogo ao assinalar uma grande penalidade incrível para o Marítimo. Não estava lá o Sem Luvas, mas estava lá o miúdo Rui Patrício e com a defesa que fez, à Rui Nereu, evitou uma semana de polémica a propósito do árbitro de Setúbal que trabalha em Gaia.

Ufa!

É SÓ MORAL


«Não vi o Benfica a jogar, só vi uns rapazinhos a correr»
LFV, depois da derrota em Braga


3 erros com influência no resultado:

- Os 2 frangos de Quim.
- A troca de Katsouranis por Karagounis ao intervalo.
- Recuo de Simão

sábado, novembro 18, 2006

kaput



O Leça, que andou na I Divisão e por onde passaram (entre outros) Sérgio Conceição e Ricardo Carvalho, corre o risco de ficar sem o seu estádio. Se até 4.ª feira não arranjar 50 mil euros, o seu estádio será vendido em hasta pública. 60 sócios estiveram presentes numa assembleia geral decisiva na qual sobretudo se apontou o dedo a possíveis culpados - os ex-presidentes Claudino Silva e Manuel Rodrigues. A verdade é que o Leça, que representa uma parte da cidade de Matosinhos, nunca teve "massa crítica" para andar por onde andou. O resultado está à vista: dívidas do passado a perturbarem o presente e a porem em causa o futuro.

Pois é...


Está explicado por que
o Benfica é o clube com
mais sócios no Mundo. Esta
é a menina do guichet
do gabinete de atendimento aos kits.

bora lá

AJUDE JOSÉ VEIGA A RESOLVER A SUA VIDA, VOTANDO NA MINI-POLL

porque hoje é sábado

O Presidente de Angola foi aos EUA e, na chegada ao aeroporto, passou revista às tropas americanas.Foi então que perguntou a um soldado americano:- Que farias pela tua Pátria? O soldado americano respondeu: - Pela Pátria eu mato e morro !!!O Presidente angolano ficou muito espantado com a convicção do soldado e perguntou-lhe porquê.O que o soldado responde:- Porque para mim a Pátria é tudo!! A situação inverte-se e chegou a vez da visita do Presidente dos EUA a Angola. Também ele passou revista às tropas angolanas quando chegou ao aeroporto e resolve fazer a seguinte pergunta a um soldado angolano: - O que farias pela tua Pátria? O soldado angolano prontamente respondeu:- Pelas Pátria mato e morro!O presidente americano perguntou ao soldado angolano o porquê daquela afirmação e este respondeu:- Porque se eles vem pelos mato eu fujo pelos morro, se eles vem pelos morro eu fujo pelos mato...

Volta, Manel, estás perdoado


Depois de ter deixado o "filho" Costinha a comer tapas na Grand Via, Luís Felipe Scolari abriu mais uma frente de batalha com Carlos Queiroz. Estou longe de ser um admirador do antigo seleccionador nacional mas desta vez ele tem razão. Scolari porta-se mesmo como o Senhor do Mundo, esquecendo-se que para além de ter direitos também tem obrigações (não estou a falar na 'Caixa'). Scolari-Madaíl foram uma dupla por vezes fascizóide, comportando-se como alguém que não precisa de defender decisões ou que está acima de qualquer tipo de crítica. E com atitudes destas depressa se cai no ridículo, vide as recentes declarações de Laurentino Dias a deitar por terra qualquer pretensão de Portugal organizar o Mundial de 2018. Penso que mesmo aqueles que gostam e apreciam o estilo de Scolari já estão a ficar um bocado fartos de tanta soberba de quem no fundo nada ganhou à frente da selecção portuguesa, embora a tivesse levado a níveis altíssimos, mas não propriamente ao Olimpo.

Está na hora de começarmos a pensar em Manuel José para o posto. Não estamos a falar de um arrivista. Mas sim do bicampeão africano de clubes. E de um treinador com um grande currículo cá na santa terrinha. Eu vou por ele. Tanto mais que teria sido ele o seleccionador a suceder a Oliveira se o sistema não tivesse actuado...

sexta-feira, novembro 17, 2006

João Loureiro - tudo o que precisava de ser dito


– Aceitou prorrogar por mais um ano o seu mandato presidencial mas deu para ver que hesitou antes de fazê-lo. O que se passa, afinal?
JOÃO LOUREIRO – Tenho quase 10 anos de sucessivos mandatos como presidente da direcção do Boavista e antes disso estive 2 épocas como presidente adjunto, numa direcção presidida pelo meu pai. São, portanto, 12 anos ao serviço do clube. Chega um momento em que temos de perguntar o que é melhor para a nossa vida. Ao contrário do que alguém possa pensar, a minha actividade no Boavista não é remunerada…
- E para si há vida para além do Boavista…
JL - Tem que haver. Tenho os meus próprios negócios, tenho a minha actividade de advogado, que tenho exercido sem a barra e que está muito sustida em virtude da minha actividade no Boavista.
– E a actividade política?
JL – Essa já está de lado há muito tempo. Há uma altura em que temos a obrigação de pensar um pouco no futuro. Tenho 43 anos, ainda sou novo, mas, enfim, tenho de pensar verdadeiro no que quero fazer pelo meu futuro. Presumo que se entenda que o meu percurso no Boavista teve marcos históricos indiscutíveis que espero que um dia se repitam.
– A verdade é que antes de aceitar prolongar o seu mandato…hesitou. Porquê?
JL – Para mim era importante ter a certeza de que as pessoas verdadeiramente estão sintonizadas com a minha forma de gerir o clube.
- Em algum momento duvidou de tal?
JL – Não é uma questão de dúvida, é uma questão de clarificação. Basicamente, o que eu disse, quer na reunião da direcção quer no conselho geral, foi que tenho um percurso como presidente do clube e da SAD e que neste último mandato tivemos de fazer uma gestão muito mais controlada e que essa gestão foi feita a bem do Boavista FC. Seria mais cómodo para mim fazer uma gestão de mãos largas mas fiz o que fiz no superior interesse do clube. E o meu problema neste momento é este: não me queria estar a comprometer com mais um mandato de 3 anos, assumindo um compromisso, mas também tinha a consciência que há processos em desenvolvimento que são fundamentais para o Boavista, processos que podem ser concluídos proximamente. Portanto, não seria responsável sair neste momento. O que disse foi que me disponibilizava para prorrogar o mandato até ao fim da época desportiva e que até aqui sinto que tenho condições para fazer as últimas reformas antes do relançamento do Boavista. E que nessa altura terei tempo para reflectir sobre o meu caso pessoal.
– Ou seja, daqui a um ano vai pensar se continua ou não como homem do leme?
JL – A parte pessoal é a última em que penso. A minha grande preocupação é o Boavista. Tenho a certeza que depois de tudo o que fizemos, em termos de controlo de custos, processo que foi muito difícil, pois em 3 épocas baixamos o orçamento para cerca de 40% dos níveis do Boavista da Liga dos Campeões, um novo ciclo se seguirá.

– A que se deveu este tempo de vacas magras?
JL – É muito simples. Construímos um estádio no qual investimos quase 50 milhões de euros e somos o único clube em Portugal que tem que pagar um estádio feito para o Euro 2004 na sua quase totalidade, à parte o 1,5 milhões de contos que recebeu do Estado. Todos os semestres, mercê de um financiamento que obteve, o Boavista despende 1 milhão de euros por causa deste processo, não tendo até aqui falhado nem num cêntimo o cumprimento desses compromissos. Ou seja, todas as épocas desportivas parte com menos 2 milhões de euros. E nada disto teria sido necessário se tivéssemos tido os apoios que os outros clubes tiveram. Na altura até houve uma série de promessas, que um dia vão explicitar melhor, que não foram cumpridas, o que criou uma situação difícil.
– Quanto é que o Boavista já amortizou?
JL – O Boavista já pagou sensivelmente 10 milhões de euros, tendo pago uma parte do estádio sido paga por outros meios.
– Qual é o orçamento do Boavista esta época?
JL – Com tudo incluído, rondará os 4 milhões de euros. Dá para ver que 1/3 do que podia ser o nosso orçamento normal deixa de existir. Ao que se junta o decréscimo de outro tipo de receitas. Nestas 2 últimas épocas, o Boavista tinha sensivelmente o 10.º orçamento da Liga, acima de nós estavam os 3 grandes, os 2 clubes da Madeira (que têm subsídios regionais fortíssimos) e pelo menos a Académica, o Sp. Braga, o V. Guimarães e o Belenenses. E nós, apesar de tudo, estivemos duas vezes às portas da Europa. O que me leva a dizer que a relação orçamento/resultados não foi má, embora não me tenha satisfeito, pois quero sempre o melhor. Mas, repito, a causa disto tudo é exterior ao Boavista porque não deram a este clube aquilo que deram aos outros.
– Mas quem é que não deu?
JL – Um dia chamarei os bois pelos nomes. Neste momento estou mais interessado em resolver os problemas. Há relatórios oficiais do Tribunal de Contas que provam o que estou a dizer mas não é difícil perceber: em 10 estádios do Euro 2004, cinco são municipais porque foram completamente custeados por dinheiros públicos, inclusive o do Guimarães, não obstante seja propriedade do Vitória; sobram 4, os 3 grandes e o Boavista; em Lisboa toda a gente sabe que, através da EPUL, houve apoios, no Porto o PPA beneficiou o FC Porto e o Boavista foi o único que ficou órfão nesta história toda.
- Não se sente enganado?
JL – Exactamente. Mais do que enganado, sinto-me triste. Como é que num país em que se fala de igualdade de oportunidade isto acontece? O que aconteceu no Euro 2004 acontece no dia a dia pois são conhecidos os apoios regionais e autárquicos a determinados clubes. Vamos entroncar na chamada concorrência desleal. Temos sido, a este nível, altamente prejudicados e até me questiona até que ponto isso não deriva do sucesso que tivemos.
– Quer explicar melhor?
JL – O Boavista começou a assustar muita gente.
– Quer dizer, o Boavista foi castigado pelo facto de ter sido campeão?
JL – Não tenho dúvidas quanto a isso. Qualquer pessoa que seja honesta sabe que isto é verdade e percebe que o Boavista a vários níveis foi o bombo da festa em Portugal e só se aguentou, e vai continuar a aguentar, porque há um grupo de pessoas que gosta do clube, que tem mão de ferro e que não desiste.
– É esse também o estímulo que o faz continuar?
JL – Podem ter a certeza absoluta que nunca deixarei o Boavista enquanto não considerar que está em velocidade de cruzeiro para novamente poder ser um clube de sucesso.
- O Boavista é o 4.º grande do nosso futebol?
JL – Já tenho lido muitas comparações a propósito deste tema. O que lhe posso dizer é que o que o Boavista fez em cinco épocas, e que muita gente tenta branquear, nunca foi conseguido por qualquer clube em Portugal para além dos 3 grandes. Fomos campeões nacionais, fizemos dois 2.ºs lugares, ou seja, por 3 vezes ficamos à frente da maior parte dos grandes. A que se junta uma meia-final da Taça UEFA e duas presenças na Liga dos Campeões com uma presença na fase final deste competição. Mas a dada altura houve uma conjunção de interesses que visaram o Boavista…
– Não lhe quer chamar um complot?
JL – Não. Não foi nada planeado. Agora, sim, houve uma conjunção de interesses que tornou a nossa vida, a partir desses momentos, muito mais difícil. Os 3 grandes têm o poder que têm e não tinham interesse em ver mais um a fazer parte do clube, até porque só há 3 lugares na Liga dos Campeões e são lugares cada vez mais cativos.
– O Sp. Braga nos últimos anos tem-se insinuado como concorrência à santíssima trindade do nosso futebol…
JL – Tem feito bem, elogio, mas nunca entrou no clube. Porque no dia que entrasse também iria sentir as repercussões e os empecilhos que nós tivemos. Não vou dizer que houve um complot, houve sim um conjunto de interesses quer dos 3 grandes quer o dos outros clubes…e aí entra a mesquinhez e a inveja que neste país são sentimentos que muito predominam. Quem for sério, honesto e isento não pode deixar de chegar a esta conclusão. Não foi só isto mas este foi um factor importante que nos atirou para esta situação e nos obrigou a fazer reformas duras, difíceis e às vezes mal compreendidas. Falando numa linguagem fácil de entender, se essas medidas não têm sido tomadas podíamos ter seguido o caminho de outras instituições que hoje não desapareceram mas que vivem situações extremamente difíceis. Conseguimos ir resolvendo as situações e hoje já temos as nossas receitas adequadas às nossas despesas.
– Equilibrado o clube, o que vai acontecer?
JL – Estamos numa situação não de folga mas de algum equilíbrio e agora podemos recomeçar a crescer. Fizemos um plano para 2006/2007 e 2007/2008, mantendo um plantel com custos controlados, mas conseguimos uma ou outra contratação que nos poderia recolocar num sento ascendente. E contratámos um treinador para corporizar esse plano. Sem sobressaltos, estaríamos hoje acima do lugar em que estamos actualmente.
– Não estava à espera era que lhe roubassem o treinador…
JL – Não ouvi a pergunta, desculpe… Não vou polemizar mais sobre este caso. Não retiro uma vírgula ao que disse. Mas é fácil de entender que não foi só a saída do professor Jesualdo Ferreira como também o momento em que aconteceu criou uma instabilidade que não podia ser sequer ser imaginada. Este plantel foi feito com base em determinada concepção de futebol, que era a concepção do professor Jesualdo Ferreira. Por minha vontade, tal não teria acontecido. Não gostei da forma como saiu do Boavista mas como profissional a sua capacidade é inquestionável e reafirmou esta ideia no tempo em que esteve aqui, o que me levou a fazer tanta força para não sair.
– Porquê a aposta em Petrovic?
JL – Porque não quis fazer com outro clube mais pequeno aquilo que foi feito ao Boavista. A aposta não deu resultados mas penso que o Petrovic é um treinador com qualidade e que vai ter sucesso. A minha possibilidade de escolha era muito reduzida, tinha ouvido bons comentários a seu respeito e de aí a opção. Sendo franco, havia, então, 2 treinadores possíveis: o Jaime Pacheco e o António Sousa. Mas não nos pareceu bom que o Sousa entrasse estando o filho dele a jogar no Boavista, até em virtude da instabilidade já criada. O Jaime Pacheco seria a minha escolha natural mas considerei que em Setembro os boavisteiros não estavam tão disponíveis para perceber a sua entrada.
– Contratar pela terceira vez um treinador não é inédito – o FC Porto fê-lo, por exemplo, com Pedroto – mas é pouco habitual…
JL – É uma boa comparação, está a ver? Nesta altura, com a equipa mal classificada e sentindo-se que começava a haver alguma descrença dos jogadores nas suas capacidades, já não dava para arriscar muito. Tinha de contratar alguém que me desse o máximo de garantias. O Jaime Pacheco pelo que já deu ao Boavista e até pelas suas características naturais de pessoa que gosta de trabalhar e que transporta com ele uma energia natural, pensei que seria a melhor solução.
– Foi fácil convencê-lo?
JL – Foi. Tivemos uma conversa muito longa mas para lhe explicar o que tinha acontecido, o tipo de plantel que tínhamos e como é que devíamos gerir a situação com a sua contribuição. Repito o que disse no dia da sua apresentação: foi-lhe pedido para daqui até à paragem de Dezembro tentar levar o Boavista para um melhor nível classificativo. Depois, logo veremos se temos margem para redefinir os nossos objectivos.
– E em Dezembro não vai aparecer ninguém a tentar contratar jogadores com a qualidade, por exemplo, de Linz?
JL – Em Janeiro não sai qualquer jogador a não ser por vontade do treinador. Não posso dizer o mesmo em relação ao final da época mas quanto a Janeiro será assim.
– Já teve alguma proposta pelo Linz?
JL – Não, se calhar até virtude de tudo o que tenho dito.
– Mas o Boavista precisa de vender jogadores…
JL – Por isso digo que no final da época não fecho essa porta. Não é só o Linz, não sai nenhum que o treinador entenda fundamental para o seu projecto, poderão é sair – espero que não – quem não coloque a equipa acima de si próprio, não conseguindo trabalhar aos níveis de que o Jaime Pacheco gosta.

curtas
AUMENTO DE CAPITAL. “Há um projecto de aumento de capital em marcha que passa pela emissão de 25,5% de acções do capital social da SAD do Boavista (11 milhões de euros, actualmente). Se fosse essa a nossa intenção, já teríamos conseguido vender a totalidade do capital. Mas o que o Boavista pretende não é só alguém que entre com capital mas também com ‘know-how’ e que faço connosco um contrato de parceria. Nos próximos 6 meses o processo pode estar concluído. Negociei com 5 grupos, todos estrangeiros, e há 2 que preenchem este tipo de requisitos. O nosso futuro parceiro participará connosco na gestão de um clube que tem um activo na ordem dos 85/100 milhões de euros face a um passivo de 60/75 milhões de euros. Quando há clubes que nem património têm. Somos ainda um clube que tem um bingo que rende cerca de 1 milhão de euros por ano.”
LIGA DE CLUBES. “O Boavista faz parte da direcção e continuará a participar na gestão da Liga. Mas vamos ter uma atitude muito menos participativa por dois motivos: entendo que devemos concentrar todas as nossas energias no próprio clube e também que devemos dar espaço a outros para intervirem neste nível. Por outro lado, sentimos que o Boavista pelo facto de ter sido um clube interessado e positivo na resolução dos problemas do nosso futebol profissional, acabou por ser penalizado por ter tido essa atitude. Que não fique a ideia de que o Boavista não vai colaborar, o Boavista continuará a colaborar mas não fará mais do que isso”
GILBERTO MADAÍL. “Acho que o nosso futebol não está em condições de desperdiçar todos aqueles que lhe podem trazer mais valias e o presidente da FPF pode-lhe ser muito útil pelos excelente contactos internacionais que tem, para além de ser um dirigente que tem mostrado trabalho e resultados. Há coisas a melhorar na FPF – como, por exemplo, o modelo organizativo da Taça de Portugal – mas no geral tem sido feito um bom trabalho e gostaria, por isso, de ver Gilberto Madaíl continuar à frente da Federação.”
APITO DOURADO. “Tenho tido uma intervenção discreta na Comunicação Social sobre um assunto no geral sob segredo de justiça. No que me diz respeito, as questões levantadas estão quase todas arquivadas. O que não compreendo e que situações na minha opinião muito semelhantes a algumas já conhecidas tenham tido um tratamento, pela parte da justiça, completamente diferente. Há pelo menos uma série de interrogações que não posso deixar de colocar”

Divagações

No fim de uma semana excêntrica, que começou com mais uma vitória de Ti Manel em África, somos atacados por anúncios que nos convidam a ler o jornal que o nosso "chairman" lê, o que não passa de uma variação da célebre máxima "sigam o cherne" que deu no que deu, ou seja, com Barroso a por-se a léguas e Santana Lopes inesperadamente em S. Bento, com o Paulo Portas no forte de S. Julião da Barra a fazer de conta que se chamava António Oliveira e a rever filmes com a Catherine Deneuve, enfim, é o o país que temos, o país de "O Príncipe", como muito bem chamou Hernâni Bitaites Gonçalves ao Sócrates dos tempos modernos, e a mais seremos obrigados nos próximos tempos, se bem que o masoquismo tenha limites e continuem a ser imperdoáveis sessões do canal parlamento, onde se encontra o refugo do refugo da nação e uns tantos extremistas que perderam pai e mãe e que por ora se contentam com uns tantos de jantares de borrego e a entoação da "Internacional", não há mesmo muito mais a fazer, há icebergues a encostar nas praias da Nova Zelândia, do outro lado do mundo, e o Verão da Austrália começou com chuaves de granizo e nós aqui com as folhinhas quase todas nas árvores graças a S. Martinho, que as castanhas e a água pé se recomendam, rematando tudo com o bolo-rei que já aí anda, até numa estação de serviço perto de si, como me aconteceu a mim quando ia comparar cigarros e jornais e me vi confrontando com um bolinho quentinho a sair do forno, é o progresso, é o progresso, o mesmo que nos permite comprar computadores por 60 euros no e-bay, imaginem quantos vou conseguir comprar com os 180 milhões de euros que a Mariza Cruz logo mais me vai dar, apenas mais uma alegria depois de ter visto o José Cid a comer alarvemente pastéis de nata do imperdível programa do homem da boina, tanto mais que esteve acompanhado pela Carla Caldeira, o psicólogo era dispensável mas até serviu para o Cid fazer mais umas palahaçadas, desculpem, mas gosto do homem e não é por causa da cabana junto à praia, do capachinho ou do olho de vidro, o homem vive numa das terras portuguesas com um nome mais bonito - Mogofores - e há 30 anos que nos chateia sem nos entediar, o que é obra, outros completam o trabalho em 6 meses apenas e ainda nos vão ao bolsinho do colete, por falar nele, era uma rubrica do Wilso Brasil, o jornalista brasileiro que nunca mais foi o mesmo depois de enfiar um braço inteiro no frasco dos pickles mas que distribuiu troféus pelo país inteiro e que se fosse vivo iria, com a ajuda da Nossa Senhora de Fátima, conciliar Vieira e Pinto da Costa num pavilhão gimnodesportivo do país profundo.

quinta-feira, novembro 16, 2006

Triste espectáculo

Discurso no mínimo miserablista de Vieira na aceitação da demissão de Veiga, tal como se previa. O presidente do Benfica bem se podia ter demitido do triste espectáculo que deu - bastava um simples comunicado - mas mais uma vez veio fazer o choradinho e falar do "Apito Dourado". A TVI fica proibida de entrar na Luz porque se limitou a dar uma notícia que lhe caiu no colo, ou seja, por fazer a sua obrigação, que era acompanhar o arresto de uma figura nacional e não o arresto do Zé das Iscas. Parece que a teoria da conspiração entre a justiça e a TVI já caiu, agora o que estará em causa é um certo decoro. Há quem lhe chamasse censura, noutros tempos.

O Dragão

3 anos depois de ter sido inaugurado, o Estádio do Dragão confirma-se como um equipamento de excelência - pese a fraca visibilidade do 2º nível de bancadas, muito afastado do relvado - e sobretudo como factor de rentabilidade, como o atesta uma média de espectadores a caminho dos 40 mil espectadores por jogo nos 70 jogos já ali disputados. Como um disse dia Pinto da Costa, as saudades das Antas iam ser muitas mas depois de ver o Dragão tal era um sentimento que depressa se iria esbater. O FC Porto tem hoje um magnífico estádio - perdoem-me mas o mais espectacular para mim é a La Pedrera - e não tarda nada e os 50 mil lugares que tem de capacidade serão poucos.

E os candidatos são...

[para o lugar de Veiga]
1 - Cunha Leal (ex-Liga)
2- Paulo Gonçalves (ex-Boavista e FC Porto)
3- Camilo Lourenço (jornalista)

E o vencedor é...

1.º Gabriel Alves, 20%
2.º António Tadeia, 18%
3.º João Querido Manha, 12%
4.º Álvaro Braga Júnior, 11%
5.º João Rosado, 9%
6.º Luís Sobral, 8%
7.º Costa Monteiro, 6%
8.º Manuel Oliveira, 5%
9.º Joaquim Rita, 4%
10.º António Fidalgo, 3%
Número de participações: 159
Margem de erro: alta

Surpreendidos com a vitória de Gabriel, o pensador? Eu não. Tiques à parte, é um comentador com estilo próprio e, como se confirma num contacto directo, alguém que se interessa profundamente por futebol. O 2.º posto de Tadeia é apenas a confirmação de um talento em velocidade de cruzeiro enquanto se saúda a medalha de bronze de João Querido Manha, o mais bem documentado de todos os comentadores de futebol. A liderar o 2.º pelotão, João Rosado, uma voz esclarecida, num grupo no qual me surpreende pela negativa a posição de Joaquim Rita, um teórico da bola. Fidalgo, um comentador com patine na RTP, fecha o pelotão.
Houve aqui dois esquecimentos quase fatais aquando da elaboração do painel: Jorge Batista e Luís Freitas Lobo. A freguesia do BnA encarregou-se rapidamente de me lembrar a imperdoável falha, sobretudo porque são dois comentadores que aprecio bastante, cada um no seu estilo.

quarta-feira, novembro 15, 2006

recordar é viver


Todos os negócios
de José Veiga com
o FCP






1994
Emerson compra Belenenses
Fernando Couto venda Parma
1995
J.Manuel Pinto compra Belenenses
Emerson venda Middlesbrough
Zahovic compra V.Guimarães
Butorovic compra* H.Split
1997
Domingos venda Tenerife
Peixe compra Sporting
Costinha compra Sporting
Krajle compra** H.Split
1998
Fehér compra Gyor Eto
Chainho compra E.Amadora
1999
Doriva venda Sampdoria
Zahovic venda Olimpiakos
Rodolfo compra E.Amadora
P.Ferreira compra E.Amadora
S.Conceição venda Lázio

Direitos televisivos


Fiquei a saber no blog de António Boronha - que mantém um nível altíssimo não apenas textual mas sobretudo ao nível contextual - que o Real Madrid vai receber 800 milhões de euros de direitos desportivos pelas próximas 7 épocas, o que dá mais de 100 milhões de épocas. O Real é o Real - tem arcaboiço, inclusive, para gramar com as asneiras do iluminado Valdano - mas, caramba, é grande a diferença entre esta grana e os pouco menos de 10 milhões de euros que a Olivedesportos paga aos 3 grandes da nossa nação. Com a agravante de o Sporting já ter antecipada estas receitas até...2018 e o Benfica ter feito o mesmo até...2014. Depois, queixem-se. Ou melhor, quem vier a seguir que feche a porta e apague a luz.

LOUROS PARA HERMÍNIO

Mais uma excelente performance do presidente da Liga no "Trio de Ataque", com os 3 comentadores rendidos aos argumentos e sobretudo às ideias de Hermínio Loureiro. O novo presidente da Liga é o o homem certo no lugar certo. Só tenho dúvidas se chegou ou não ao cargo no tempo certo. É o que iremos ver.

Vizinhos

Quanto à propalada teoria da conspiração que acaba por ser recorrente, BnA está em condições de afirmar (bonita expressão, hein?) que foram os vizinhos de José Veiga quem deram o alerta para a TVI de que a PSP estava à porta do ex-presidente da casa do FC Porto no Luxemburgo e que estavam a descarregar mobílias...
Tudo o que se disser para além disto são balelas.

terça-feira, novembro 14, 2006

pinóquio

BRANCA DE NEVE, A BRUXA E PINÓQUIO ENCONTRAM-SE NA FLORESTA:- SOU A MAIS LINDA DO MUNDO ! - DIZ BRANCA DE NEVE- SOU A MAIS FEIA DO MUNDO ! - DIZ A BRUXA- SOU O MAIOR MENTIROSO DO MUNDO ! - DIZ PINÓQUIOE ENTÃO ENTRAM, UM DE CADA VEZ, NA GRANDE CAVERNA, PARA FALAR COM O SÁBIO DAFLORESTA, O POSSUIDOR DO ESPELHO MÁGICO DA VERDADE.- BRANCA DE NEVE ENTRA E SAI MUITO FELIZ: - SOU MESMO A MAIS LINDA DO MUNDO!- A BRUXA ENTRA TAMBEM E SAI TODA SORRIDENTE: - SOU MESMO A MAIS FEIA DOMUNDO!-PINÓQUIO ENTRA POR ÚLTIMO, SAI ENFURECIDO E PERGUNTA:- FODA-SE !!!! QUEM É O SÓCRATES ????

Só a verdade é revolucionária*


Há 500 formas de mostrar como se vendem jornais em Portugal.
Esta, uma amostra de um quiosque português, é apenas uma delas.

Inquestionável.


* Mao Tsé-Tung

Exemplar


- Quantos cigarros fuma?
- Entre dez cigarros e 2 maços.
- Sempre fumou?
- Sempre, mas controlava. Fumava 12 à terça e quarta-feira, seis à 5.ª e 6.ª, 4 ao sábado e um no dia do jogo, depois do almoço. Depois do jogo, fumava à vontade.

Paulo Futre, entrevistado pelo "Correio da Manhã"

FOI-SE


Da pior maneira possível - com imagens do arresto de parte do recheio da sua casa, alegadamente devido a uma acção na ordem do 1 milhão de euros -, José Veiga demitiu-se do Benfica. Naturalmente. Era algo que estava latente. Falta agora saber quem foi que avisou a TVI para filmar aquelas cenas tristes. José Veiga no Benfica era um filme para o qual já não havia bilhetes. Acho que alguém respirou fundo na SAD do Benfica...

segunda-feira, novembro 13, 2006

perguntar não ofende

QUEM FOI O DIRIGENTE DESPORTIVO PORTUGUÊS PROFISSIONAL QUE SE OFERECEU AO CRYSTAL PALACE?

O que falhou no "Bragalhal"

Há momentos em que, confesso, não sei quem é o presidente do Braga. Se Salvador, se o cónego Melo, se o duplo M, se Jorge Mendes. Aceite-se que é um clube gerido por um concílio de cardiais, cada um com o seu mister. Situação que ajuda a explicar o que falhou no Bragalhal que Rui Santos assim baptizou. Carlos Carvalhal, segundo palavras de Salvador, conseguiu fazer história no "seu" Sp. Braga, vencendo o FC Porto de Jesualdo (e assim resolvendo um problema psicanalítico) e qualificando a equipa para fase regular da Taça UEFA. O novo treinador gerou novas expectativas e na Pedreira registaram-se assistências médias na ordem dos 15 mil espectadores (bem bom). O que falhou, então? No essencial, aquilo que já se temia: domínio sobre o indomável João Pinto e reforço da confiança do treinador na hora de punir. É inaceitável que um treinador fique suspenso no ar pelos colarinhos só porque um jogador não aceitou uma reprimenda depois de um jogo muito mal perdido. Nem no Pedras Rubras tal acontece.

Évora


Este fim de semana estive em Évora, que se anuncia como património mundial. Évora não nos mente. Tem mesmo para oferecer património e humanidade. Não falo do Templo de Diana ou das inúmeras igrejas, falo das ruas estreitas, dos pátios cheios de arabescos e de árvores de fruto e falo também deste Outono manso que se seguiu às cheias que ainda se notam na Vala Real ou na ribeira de Muge (que ficam em caminho). Estive num casamento com música de viola e flauta, vinho do Dão e vinho alentejano, queijos curados e farinheiras fritas. Para mim chegou. Sou um moço que se contenta com pouco, se por pouco entendermos o muito que a nossa terra ainda nos pode dar. "É o que se leva desta vida", dizia alguém. Concordo a "100 por cento", como se diz agora. Apesar das quilómetros e do "stress" que às vezes os casamentos geram (o que nem foi o caso), estes dois dias em Évora deram para reencontrar o que de melhor Portugal tem para oferecer aos portugueses. Aceitem, pois, a sugestão: em vez de se meterem no cinema ou na casa dos sogros, na próxima oportunidade tirem o azimute de Évora. E se quiserem comer e beber tarde, tomem o caminho do "Molhobico" mas tenham cuidado com a sopa de pedra e com sonos e digestões difíceis.

sexta-feira, novembro 10, 2006

Tamos kites!


Estava a pensar gozar com o facto de o presidente do Benfica convocar uma conferência de imprensa para anunciar que o seu clube entrou no Guiness Book of Records pelo facto de ser aquele que tem mais sócios no Mundo. O GB é, como todos sabem, aquele livro onde se registam as proezas dos arrastadores de camiões TIR, das maiores tortas do mundo ou do tipo que consegue comer 30 francesinhas em 5 minutos. Era por aí que estava a pensar ir até ver, no noticiário da SIC, um velhinho, entrevistado junto ao Estádio da Luz, a chorar copiosamente devido à proeza, destilando gratidão para com Vieira por todos os poros.

Perante manifestações com este grau de pureza, por aqui me quedo com o registo simples de uma proeza do Glorioso e dos seus 160 mil sócios devidamente kitados.

quinta-feira, novembro 09, 2006

Mais do mesmo

Amigos tenham cuidado!
Não sei quantos de vocês fazem compras nos hipermercados, mas esta informação pode ser de muita utilidade.Mando esta informação para avisá-los que fui vítima de um assalto num deles, mas poderia ter sido em qualquer outro hipermercado. Funciona da seguinte maneira:Duas garotas bem boas, chegam perto enquanto uma pessoa está a guardar ascompras no porta-malas e começama limpar o pára-brisas com esponja e produto de limpeza, dizem que é um novo>produto que pode ser usado sem água e que elas são demonstradoras. Os seus seios praticamente saem de suas camisas, ficando impossível não olhar. Eu até quis dar uma gorjeta, mas não aceitaram e perguntaram-me se eu ia passar próximo do outro hipermercado, pois elas iam para lá. Eu disse que sim, que não havia problema e entraram as duas no banco de trás>e pelo caminho começaram a>beijar-se e em seguida começaram a fazer amor. Logo em seguida uma passa para o banco da frente e começa a praticar-me sexo oral, enquanto a outra me rouba o dinheiro que estava no meu bolso de trás das calças. Estejam alerta, pois poderá acontecer também com vocês! Roubaram-me na segunda-feira, na terça duas vezes, na quarta, na quinta... e amanhã vou lá outra vez!

Vendo esta pelo preço de compra

Assunto: Viagem ao Dragão
Estavam 3 Benfiquistas e 3 Portistas na estação do Oriente, à espera decomboio para irem ao Dragão ver o Porto-Benfica.Os três Benfiquistas vão até à bilheteira e compram três bilhetes. A seguir,vão os três Portistas até à bilheteira, mas só compram um bilhete.OsBenfiquistas ficam espantados e perguntam:- Como é que vocês são três e só compram um bilhete? Vocês não têm hipótesede fazer a viagem e passar o mesmo bilhete para os três!... - Não se preocupem que vocês vão ver... - respondem os Portistas.Mal entram no comboio os três Portistas dirigem-se à casa de banho eapertam- se lá dentro o melhor possível de maneira a fechar a porta. Quando vem o Revisor, pica os bilhetes dos Benfiquistas, vê a luz da casa de banhoacesa,bate à porta e diz:- BILHETE, por favor!!!A porta abre-se só com uma frinchinha, através da qual sai uma mão com o bilhete. O Revisor, agradece e segue. Os Benfiquistas acham a ideia fantástica, e decidem fazer o mesmo, naviagemde regresso!- Estes Portistas são uns génios!... vamos fazer o mesmo. No regresso,ostrês Benfiquistas compram só um bilhete, mas os Portistas não compram nenhum.- Como é que vocês vão viajar sem bilhete? É impossível!!!- Vocês vão ver, está tudo sob controlo - objectam os Portistas.Quando entram no comboio, os Benfiquistas espremem-se todos para dentrodeuma casa de banho, e fecham a porta.Os Portistas fazem o mesmo na casa de banho da carruagem ao lado.Passado uns minutos, sai um dos Portistas, bate à porta da casa de banho dosBenfiquistas e diz: - BILHETE, por favor!...

Éter desportivo


Acabo de ler um artigo de Octávio Ribeiro, na revista de TV do "Correio da Manhã", com o qual só posso concordar quase plenamente. Diz o ex-jornalista da TVI, onde conduziu interessantíssimos espaços de informação e debate desportivos, que os melhores formatos de desporto estão na SIC Notícias - "Tempo Extra" e "O Dia Seguinte". "Com lugar marcado para lá da meia-noite e a condução segura de Sousa Martins, o formato da TVI represente um reinvestimento sem muita convicção e totalmente despido de inovação", escreve sobre o programa que julgo chamar-se "Super Liga" e que não passa de um "Domingo Desportivo" recauchutado, abreviado e com um inacreditável apêndice a que chamam fórum. Os comentários de Jorge Coroado ferem pela sua parcialidade e sobretudo pelo seu ressaviamento em relação a alguns árbitros no activo. Acrescento apenas um reparo aos comentário do Octávio: a RTP tem feito um bom esforço no sentido de oferecer programação desportiva. O "Trio de Ataque" não deixa de ser redundante mas vale pela esforço. E a "Liga dos Últimos" é um ícone não só da Internet... O programa das quintas-feiras à noite, na mesma estação, "Pontapé de Saída", é também um caso para seguir com atenção e tem tido o mérito de dar algumas cachas, como aconteceu com o anúncio do fim da carreira de Jorge Costa.
Bem, mas podem dizer o que quiserem que nenhum destes programas tem ou terá jamais o impacto do extraordinário "Donos da Bola Desesperados", de Schnitzer, Neves & companhia.

2 dicas

- Sucessores de Jesualdo no Sp. Braga e no Boavista...já eram
- Petrovic ganhou ao Benfica, Carvalhal ganhou ao FC Porto...e já eram

quarta-feira, novembro 08, 2006

Sousa, o Madaíl II

O sr. Paulo Sousa, a quem ninguém tira o facto de ter sido campeão europeu com as camisolas da Juventus e do Borussia Dortmund, é para alguns um potencial candidato a presidente da Federação Portuguesa de Futebol. Bem, se Madaíl o é... Paulo Sousa sempre foi, como jogador, uma espécie de "outsider" mas, surpreendentemente, surge bem dentro do sistema depois de um período sabático que se seguiu ao pendurar as chuteiras. Habitual freguês das revistas sociais, Sousa integra também os quadros técnicos da FPF, onde soma resultados no mínimo ridículos no comando dos sub-15. Senhor de um feitio complicado, Sousa já surgiu a negar, com pouca veemência, porém, o desejo de suceder a Madaíl, passando a tributar a estes elogios que não ficam nada bem na boca de quem é empregado e está a falar do empregador. Mas enfim. Paulo Sousa presidente da FPF? Tudo pode acontecer. Mas o anoréctico agora treinador ficaria muito melhor numa qualquer revista de moda...

BRAGALHAL, the end

Era à partida um projecto de risco para o clube e para o treinador. Para o clube porque ganhava um treinador da casa, sabendo-se que neste caso o caseiro nem sempre é a melhor receita. Para o treinador porque a fasquia foi colocada muito alta depois de duas séries magníficas de Manuel Cajuda e Jesualdo Ferreira, cada um no seu estilo, ambos com resultados reconfortantes, colocando o Sp. Braga logo atrás dos 3 grandes mas não necessariamente em pé de igualdade. Única SAD do país com lucros consistentes, a do Braga sonhou e sonha com o título. Mas toda a gente sabe que o projecto tem sustentação externa e quando assim é muitas vezes as coisas complicam-se ao nível interno. A saída de Artur Monteiro, provavelmente o melhor director desportvo do país, foi apenas o prenúncio da crise agora em vigor. Carlos Carvalhal deixa o clube com esta com grandes chances de seguir em frente na Taça UEFA e em águas mornas no campeonato. Não foi uma missão falhada mas também não foi uma missão cumprida (ou comprida).

terça-feira, novembro 07, 2006

MAURINHO



O "the special one" tem razão quando se queixa do árbitro na última derrota do Chelsea. Mas mais razões de queixa tem a sua concorrência, sobretudo ao nível do Tottenham. O Chelsea contrata quem quer e como quer. Em teoria, deveria ser uma máquina de guerra imparável. Para lá caminha mas com alguns acidentes de percurso. E são estes acidentes de percurso que tornam o futebol um jogo tão interessante, no qual nem sempre ganha o mais forte e o melhor.

Por isso é que dá um certo gozo ver Mourinho a amuar.

ATENÇÃO SCOLARI



Atenção Scolari e todos os membros do Clube Caixa. O Cazaquistão vai apresentar em Portugal uma defesa reforçada. Borat estará escorado por cinco defesas recrutadas na discotecas "Chic" e "Via Rápida". É a velha história de Maomé (não foi de propósito) e da montanha.

Traumatismo ucraniano



Grande alarido a propósito de uma eventual "saída à comandante" de Paulo Costa ontem no dérbi da Ucrânia, que o Dínamo de Kiev venceu por 1-0. Queixas sobretudo do treinador do Shaktior Donesk, o conhecido Mircea Lucescu, que o árbitro português expulsou ao intervalo depois de o primeiro ter entrado em campo com o jogo a decorrer. Com 2 expulsões para cada lado - uma delas devido a uma patada -, a de Lucescu e a de um jogador já no final do jogo, num sururu à brasileira, Paulo Costa acabou por ter uma excelente nota, 8,7, do observador do jogo e foi felicitado pelos jornalistas locais pela coragem que teve sobretudo em dar ordem de expulsão a Lucescu, que é uma espécia de prima dona do futebol ucraniano. Tarimbado com dois dérbis do Irão, Paulo Costa prestigiou a arbitragem portuguesa e não merecia que se destacasse o facto de ter abandonado o campo sob protecção policial. As imagens vão acabar por esclarecer que foi mais aparato que outra coisa e que, no fundo, o árbitro portuense marcou pontos para a nossa arbitragem.

NOVA POLL

No café que frequento, o Mar à Vista, no Cabo do Mundo, é um assunto muito debatido: a qualidade dos nossos comentadores desportivos do meio audio e visual. Escolha o melhor e comente.

CHAPA 3

O Benfica sem estrela*.
O Sporting com ela.
O FC Porto sem precisar de nada disto.

* Apesar da elevada nota artística do pequeno Mi-Mi-Micolli

segunda-feira, novembro 06, 2006

LFV na linha de sucessão de PC

Por incrível que pareça, Luís Filipe Vieira ganhou as "eleições antecipadas" que BnA proporcionou a propósito da sucessão de Jorge Nuno Pinto da Costa. O homem que quer tornar o Benfica o maior clube do mundo é, como todos sabem, sócio do FC Porto e nessa condição pode assumir uma candidatura presidencial, bastando-lhe para tal angariar uns milhares de assinaturas. Mas isso pouco interessa agora. O que importa relevar é o excelente score que LFV conseguiu numa sondagem com um total de 100 participações (que agradeço): 28%. Não é uma maioria absoluta e até podemos admitir que quem votou em Vieira fê-lo numa de "fina ironia". Para bem da nossa sanidade mental, quero crer que sim, que foi isto. O 2.º classificado foi um candidato bem mais natural: António Oliveira, o actual presidente do Penafiel. O homem que mandou cravar em Alvalade a célebre placa "por cada leão que cair outro se levantará" e que se ria com o facto de Lisboa ter o Palácio das Necessidades e o Cemitério dos Prazeres angariou 19% dos votos, bem à frente dos 13% de Fernando Gomes bibota de ouro, outro dragão que vestiu a camisola do Sporting. Oliveira tem a vantagem de ser o maior accionista individual da SAD portista para o futebol, com 11% do capital, e de ter tarimbado no Penafiel como presidente. Para além disso foi, segundo Pedroto, mito do clube, "o maior jogador" que passou pelo FC Porto. Gomes, por seu lado, corre por fora, depois de ter tido uma experiência na empresa de José Veiga, o que propriamente não o recomenda. Com 10%, Vítor Baía é o terceiro do ranking mas atenção à afirmação de Rui Moreira (presidente da Associação Comercial do Porto), que colectou 9% do votos, ficando par a par com Manuel Serrão, ex-sócio do Benfica. O conhecido "entertainer" continua a liderar o lobby de oposição sistemática a quem não se chama José Mourinho mas tem grande poder mediático. Jorge Costa tem um resultado algo decepcionante enquanto Fernando Gomes, actual administrador e homem forte do basquete, não se deixa afundar na tabela e apresenta 4% de preferências. Em desgraça completa estão os homens que tornaram possível a cidade do Dragão - Fernando Gomes e Nuno Cardoso (ex-presidentes da Câmara do Porto, antes do advento de Rui Rio), respectivamente. Ingratos, os nossos votantes!

O RANKING FINAL
1.º Luís Filipe Vieira, 28%
2.ºAntónio Oliveira, 19%
3º Fernando Gomes bibota, 13%
4.º Vítor Baía, 10%
5.ºs Rui Moreira e Manuel Serrão, 9%
7.º Jorge Costa, 7%
8º Fernando Gomes administrador, 4%
9º Nuno Cardoso, 1%
10º Fernando Gomes Galpenergia, 0%

goooooooo..gleglegleglegle


Principal ferramenta de trabalho de quem recorre à net, o motor de busca que dá pelo nome de "Google" já se tornou num verbo que muitas vezes também é de encher. Como já tenho visto em algumas páginas de jornal, o amor pelo Google é tal que alguns cronistas, mesmo aqueles com qualidades natas, a ele recorrem de forma descarada, chapando tudo o que encontram logo na primeira página, obviamente sem citar a fonte natural, a wikipédia. É no mínimo confrangedor que se preste ao leitor um serviço que está à disposição de uma criancinha de 6 anos que aprendeu a ler há poucos meses. É mais fácil cair no ridículo que encontrar um bom cimbalino num café de Lisboa mas fico triste sobretudo quando quem googla assim é gente com talento para trabalhar sem...rede. Como nos bons velhos tempos.

Mais uma lapidar

"Sem sair o ás nunca se deve jogar a bisca", Manuel Machado, a propósito do facto de Hélder Barbosa, o melhor em campo no Académica-Estrela, não ter sido titular.

Dinheiro em caixa


Seria no mínimo interessante que a Caixa Geral de Depósitos e a FPF esclarecessem esta história do milionário contrato que Scolari assinou com o banco que tem como único accionista o Estado português. O "Público" falou num contrato de 16 milhões de euros, mas a Caixa desmentiu números realmente obscenos. É bom que se note que Scolari já tem um excelente salário (30 mil contos), salário que outros seleccionador, igualmente bem sucedidos, como foram os casos de Humberto Coelho e António Oliveira, nem sequer cheiraram. Tá bem: fomos vice-campeões da Europa a jogar em casa e 4.ºs no último Campeonato do Mundo. Dados irrefutáveis. Mas, caramba, não estará Scolari a cobrar muito acima da tabela num país que ainda há poucas semanas estava de tanga?

domingo, novembro 05, 2006

LIEDsON

Louvo a criatividade, o empenho e a arte daqueles que continuam a procurar explicar o apagão de Liedson esta época. Hoje, in A BOLA, ficamos a perceber que afinal o problema não é o Liedson - mas sim o Ronaldo, o Svenchencko, o Paulino dos Caçadores das Taipas e o Martins do Torre D. Chama.

Tamos esclarecidos.

Ainda o clássico


«Ao contrário do que alguma imprensa quis passar, o Benfica não controlou jogo nenhum. Mesmo na segunda parte em que teve um maior ascendente não criou qualquer oportunidade. Fez um golo de bola parada e um em contra-ataque», Jesualdo Ferreira

Acho que ainda há alguma margem para um pequeno debate técnico-táctico sobre a aparente forma como o Benfica depois de estar à beira da goleada não soube vencer o FC Porto, perdendo inclusivamente o jogo.

sábado, novembro 04, 2006

Pela Madeira dentro

Importo descaradamente para o BnA o grafismo do Sportugal.pt a propósito da notícia de um jogo amigável entre o Marítimo e o Nacional devido a uma causa dita nobre de que já não me lembro, sob o patrocínio do BANIF, o banco com sede na Madeira que também apoia
este dois clubes fortemente subsiados pelo Governo Regional da Madeira com verbas absolutamente pornográficas e que, entre outras coisas, provocam um ambiente de concorrência desleal com os restantes clubes do mesmo nível, ou até superior, que militam na I Divisão nacional. Mas não é este assunto que aqui me convoca neste sábado pachorrento de Outono. Vem isto a propósito do facto de Rui Alves e Carlos Pereira terem surgido lado a lado na apresentação do jogo, negando eles qualquer cisão cultural, ideológica ou apenas roscofe entre os 2 clubes ou as respectivas personalidades. Importam-se de repetir? No fundo, cá está a prova provadíssima de que estes tipos da Madeira não são os broncos porque muitas vezes são tomadas - é assim que eles nos vão mantendo na expectativa do "que raio mais ainda lhes poderá acontecer ou ocorrer?" Quanto mais não seja, e para além da sua beleza natural absolutamente inatacável, sobretudo quando comparada com os calhaus espanhóis a Sul ou do Mediterrâneo, a Madeira pode mexer com o nosso bolso mas é crucial para a nossa boa disposição.

Deixem-me rir mais um bocadinho, portanto.

Muito preocupante

http://leixoessc.com/index.php?option=com_content&task=view&id=389&Itemid=2

sexta-feira, novembro 03, 2006

SONDAGEM


Um apelo renovado à vossa participação no inquérito "Quem deve ser o sucessor de Pinto da Costa?" ( no ano 2030). Informo que Luís Filipe Vieira continua na frente, seguido de perto por António Oliveira e Fernando Gomes-bibota.

SEM PENA

A queixa do FC Porto sobre Katsouranis, a propósito do lance que atirou o prodigioso Anderson para a mesa de operações, morreu na praia. Extrapolado, o lance tem, de facto, um valor que não implica qualquer pena extra. Mas, tal como referiu, e bem, Jesualdo Ferreira, se acrescentado a outros protagonizados por jogadores do Benfica, já não parece tão benévolo como isso. Aceita-se a decisão, rapidíssima, como deve ser, sobre o caso, apenas com uma ligeira advertência para o árbitro que não assinalou falta nem mostrou cartão amarelo ao jogador do Benfica.
PS - Gostava, sinceramente, de ver o alarido que não iria causar uma lesão de João Moutinho num lance idêntico...

AINDA O TÚNEL DO DRAGÃO

Ainda está por esclarecer o que se passou no túnel do Dragão. Não no rodoviário mas no do estádio, bem entendido. Segundo o que consegui apurar, o casaquinho de José Veiga foi medalhada com umas tantas bisgas e o director-geral do futebol do Benfica não se livrou de levar um valente cachaço. Consta que dado por Pinto da Costa. Mas não estou a falar do presidente do FC Porto, estou a falar de outro personagem bem conhecido no mundo da restauração. Mas se calhar são só más línguas e Veiga até teve direito a uma engraxadela dos sapatos no túnel do Dragão e à oferta de um kit portista. Louvo-lhe porém a coração de se meter na boca do dragão, não saíndo do estádio escondido dentro de uma ambulância. No fundo, a cachaçada também foi mais aparato que outra coisa...

quinta-feira, novembro 02, 2006

Os 3 grandes


Acho que é uma base para um debate esta sondagem de diariodeumquiosque.blogspot.com sobre jornais desportivos e clubites agudas. O universo de participantes pede meças a uma qualquer sondagem da Markteste com a vantagem de esta ter sido uma borla do ardinário que já é estrela na blogosfera (e não só, também no "Record").
E o que dá para perceber desde logo com esta sondagem? Antes do mais, que o Record é o jornal dos sportinguistas, enquanto A BOLA se confirma como o jornal dos benfiquistas mas com o Record não muito longe e com O JOGO numa posição residual. Ainda assim, leva maioria absoluta.
Entre os adeptos do FC Porto, O JOGO ganha sem surpresa mas o Record surpreende com um segundo posto alto, enquanto A BOLA se fica nas covas embora tenha quase todos os dias uma capa para o grande Porto.

Sondagens são sondagens, valem o que valem, até admite que haja por aqui alguma adulteração. Mas fica o registo e o convite para a vossa participação.

Força.

Três notas apenas

Grande exibição do Sporting em Munique, com um enorme João Moutinho. Pontuar em S. Siro é obrigatório e se jogar assim é também perfeitamente possível para os leões.
Benfica à procura do terreno perdido, é das 3 equipas a que tem menos pontos (4) e possibilidades mais remotas de apuramento.
FC Porto com estofo, com tudo na mão para seguir em frente na Champions. Dupla argentina continua a desequilibrar numa equipa onde começa a ser difícil acabar jogos sem sofrer golos.

Enfim, uma bela jornada europeia, dedicada aos detractores do nosso futebol e completada por um triunfo robusto do "Bragalhal".

Por favor, não pisem os malmequeres!

  Ia escrever qualquer coisa sobre isto mas o João Freitas - um dos melhores jornalistas que conhece - tirou-me todas as palavras da boca. ...