quinta-feira, abril 30, 2009

UMA NOTA APENAS

No "Pontapé de saída" que está no ar assiste-se a um verdadeiro show de periodização táctica com Tulipe e Freitas Lobo. Ainda bem que o Bruno está caladinho pois o silêncio nestas alturas nao é de prata mas de ouro. Que soneira! É nestas alturas que gostava de ver o José Maria Pedroto a ressuscitar para se rir como nunca se riu de tanta baboseira...

AFAGANDO O EGO

Eu, que como pó dos pinheiros às carradas, dia a dia (ando por aqui a trabalhar entre pinheiros e eucaliptos, e com muito gosto, digo), e as espécies que quero comer e não posso (as rolas que estão protegidas LOL, caiam numa sertã que nem um mimo), e depois de um dia de trabalho, em frente ao PC, e para descontrair, vir visitar este e outros blogs, e deparar-me com este post do MR: “Eugénio, investiga isto”…MR, eu n te conheço de lado nenhum nem faço questão, mas, sobre o teu post, aproveito para te dizer o seguinte: Investiga tu, pareces o Cid, o irmão do Tom Sawyer, um queixinhas do carago. Por vezes sinto que vivo num país cheio de “Cid’s”. Espero que não faças queixa desta minha “posta” à Tia Polly.PS: foi a primeira vez que opinei neste blog, mas visito-o todos os dias. O principal “cérebro”, eu admiro, pela coragem. Há muitos que aqui opinam diariamente que ficam confusos, já lhe chamaram benfiquista, portista, sportiguista, bem como, anti- estes três grandes. Eu vou continuar a visitar, diariamente, este blog, pois, Sr Eugénio, é dos poucos que (mesmo tendo o coração agarrado a um clube que nem sei qual é, apenas “ouvi” falar do Leixões), tenta ser isento. E tentar, nesta cadeia alimentar, é muito bom. E é neste país de Cid’s que os “Tom Sawyer´s sobressaem. Ou seja, é no tempo de crise que os melhores sobressaem.Parabéns ao blog, votos de continuação do seu excelente trabalho.
Gil Oliveira

domingo, abril 26, 2009

LUÍS GUILHERME


Luís Guilherme disse, numa entrevista à Antena 1 e ao Record, que um árbitro sem coragem não pode ser árbitro e considerou que o processo Apito Dourado teve um efeito positivo. Não é uma declaração politicamente correcta e que possa ser digerida pelo paineleiros que vivem atormentados com as leituras feitas pelas administrações dos clubes. Lembro aqui que Luís Guilherme teve o seu telemóvel sob escuta e que nada de substancial, do ponto de vista criminal, foi apanhado durante esse tempo.

sábado, abril 25, 2009

VIRGÍLIO MENDES

Vai hoje a enterrar Virgílio, o "Leão de Génova", um dos grandes nomes da história do FC Porto. Coube-me ontem a missão de falar de Virgílio a propósito dos piores motivos. Infelizmente, fui eu a transmitir a Carlos Duarte, seu antigo companheiro de equipa, a triste notícia. Depois de um longo silêncio, Carlos Duarte tentou revelar firmeza na voz quando disse não ter dúvidas que Virgílio foi o melhor defesa-direito que viu jogar. Eu não o vi jogar. Falei apenas uma vez com ele, no Lar do FC Porto, a propósito de um jogo do passado. E jamais esqueci as suas lágrimas de pura saudade ao falar daqueles heróis do seu tempo entretanto desaparecidos. As mesmas lágrimas que provavelmente Carlos Duarte deixou cair enquanto tentava não vacilar no retrato que lhe pedi sobre Virgílio. As grandes glórias do futebol português não deviam ser recordadas apenas quando morrem. Um futebol sem passado é um futebol sem futuro. Mas outros interesses, imediatistas, se levantam...

Aqui destaco um belíssimo comentário de um leitor do BnA:
Virgilio foi um dos ídolos da minha infância. Porque era jogador do Porto e porque era um grande jogador.Quantas vezes, eu e os meus companheiros de futeboladas infantis, nos imaginávamos ser o Hernâni, o Carlos Duarte, o Monteiro da Costa... o Jaburu! Eu gostava de adoptar uma pose à Virgilio e tentava imitá-lo naquilo que pensava que o Virgilio faria, mesmo sem nunca o ter visto jogar. É que nesse tempo não havia TV, ou estava ainda a fazer tentativas para aprender a andar e ver o F.C.Porto jogar numa aldeia perdida de Trás os Montes era algo que só poderia acontecer na minha infantil imaginação e na dos meus companheiros, todos portistas, com uma excepção, muito mal vista, mas bem aceite.Virgilio partiu, paz a sua alma! Mas continuará a viver na memória daqueles que o admiraram.Virgílio é um daqueles a quem o Poeta se refere quando escreveu sobre "Aqueles que por obras valorosas, se vão da lei da morte libertando".

sexta-feira, abril 24, 2009

PC 27



É com alguma relutância que aqui estou para falar, embora com algum atraso, dos 27 anos de presidência de Pinto da Costa.

Estava a ver se conseguir passar sem falar no assunto mas a sucessão de baboseiras que vi escritas nos últimos dias fez-me mudar de ideias.

Porque Pinto da Costa não merece tantas banalidades e não precisa que se repita o seu currículo como dirigente desportivo.

O presidente do FC Porto devia poder fazer um embargo a este tipo de parvoíces de pessoas que pouco privaram com ele e que o que dele conhecem foi o que leram aqui e ali.

Acompanhei o presidente do FC Porto durante muitas das suas iniciativas, de Toronto ao país profundo, em dias de alegria e outros (poucos) de tristeza, dele já mereci as maiores atenções e também algumas raivas que entendo.

Ele sabe, e eu sei também, que nunca houve contrapartidas nesta relação sobretudo consubstanciada quando trabalhei no jornal "A Bola", onde a direcção e a chefia de redacção fazia questão que fosse eu a acompanhar o presidente portista quando este viajava pelo país e pelo Mundo.

Não esqueço, pois, o dia em que fui surpreendido por alguém que nadava nas águas do Mussulo, em Luanda, ao encontro do nosso grupo e que era ele mesmo. Ou a viagem quase frustrada até às cataratas do Niagara, onde posou durante largos minutos sob um lampião para que o Paulo Santos conseguisse uma imagem decente do presidente nas célebres quedas de água.

Nunca estive em sua casa e nunca viajei no seu carro, embora nele me tivesse sentado um dia quando ele preparava uma entrevista na TVI com o Henrique Garcia.

Dele recebi dez volumes encadernados da revista "Dragões" - com o primeiro número assinado - aos quais retribui com uma singela oferta de um livro sobre a vida de José Régio, que sei ser um dos seus poetas preferidos.

Sempre e disse, e nunca de tal duvidei, que Pinto da Costa é o que um dia António Oliveira classificou como um "adiantado mental". É um homem que vive para o seu clube e que sabe muito de futebol. Alguém que, apesar de muitas vezes mal rodeado, sabe gerir as tensões e que se faz respeitar na creche que é sempre um balneário. Um dirigente que respeita os seus treinadores se estes respeitarem não apenas o presidente.

Nos últimos anos, a vida de Pinto da Costa conheceu algumas atribulações. A relação com Carolina Salgado - pela qual esteve perdidamente apaixonado - não lhe deu muito saúde mas a verdade é que não lhe tolheu o juízo nem o comprometeu seriamente. Ou seja, Pinto da Costa conseguiu sobreviver ao furacão que foi a passagem pela sua vida da jovem Carol.

A caminho dos 72 anos, o presidente do FC Porto continua a coleccionar títulos. Mas isso não é o mais importante, ao contrário do que as últimas crónicas indicam. Importante mesmo é, para ele e para o FC Porto, manter viva a chama e nunca baixar os níveis de lucidez.

Pinto da Costa, meus amigos, fez há muito tempo o que só agora Hugo Chavéz se lembrou de fazer: adiantou o fuso horário portista e a concorrência ainda não reparou.

Agora, por favor, não façam é tanto barulho para nada. O herói desta história não merece ser já embrulhado em ruído fútil. Até porque os seus inimigos provavelmente vão ter de esperar muito pelo dia do seu funeral.
PS - Amigo Vila Pouca: não é por nada mas acho completamente desnecessário nos comentários que faz referir-se sempre a terceiros, o que obviamente me obriga a usar o "lápis azul". Infelizmente você, tal como outros, continua a confundir tudo. Pode ter a certeza de uma coisa: sei muito bem onde acaba a minha privada e começa a minha vida profissional, não preciso de lições nesse campo. Até estranho que continue a cair nesse erro pois você é uma pessoa que me conhece bem e, como tal, sabe o que a casa gasta. Quanto ao que os outros pensam de mim, é lá com eles.

GABRIEL, O PENSADOR


Confesso que fiquei confuso quando, há alguns dias, verifiquei que a revista do jornal "Sol" dedicou oito páginas à história de vida de João Gabriel, director de comunicação do Benfica. Diga-se desde já um excelente trabalho de José Fialho Gouveia, um retratista da palavra também com grandes performances na entrevista.
Mais, JG era também o tema de capa, sob o título "A voz da Luz". Já suspeitava que Gabriel era um homem com protagonismo no Benfica, onde chegou respondendo a um convite de Rui Costa. Uma recente aparição televisiva do mesmo confirmou apenas esta postura, se bem que esta seja uma palavra a banir do texto jornalístico pois, como me dizia um velho mestre, posturas têm os táxis e as meretrizes.
Não sei se os nossos leitores tiveram tempo para ler o longo trabalho inserido na "Tabu". Eu tive. Por isso, posso dizer-lhe que João Gabriel não se chama João Gabriel mas sim Juan Gabriel pois nasceu e foi registado na Venezuela do nosso amigo Hugo Chávez, que suspeito não se chamar Chávez mas Chaves.
Sem o querer maçar muito, posso acrescentar que João Gabriel, ou Juan Gabriel, esteve quase a ser assassinado quando, na condição de repórter da TSF, entrou à má fila na Jugoslávia que se fracturava e que ainda na escola primária já mandava artigos para jornais. Na condição de jornalista, todos devem estar bem lembrados que foi o primeiro a conseguir entrevistar Xanana Gusmão na prisão e o facto de Carlos Magno achar que fez mal só abona em seu favor. E quem fala em factos fala em fatos pois esta foi palavra que ainda não foi contaminada pelo acordo ortográfico, apenas para se dizer que uma das proezas de João Gabriel, ou Juan Gabriel, foi ter cedido um dos seus fatos a Xanana quando este foi condecorado em Lisboa por Sampaio.
Também podia dizer que está sempre a comer - se calhar já disse - mas não vem para o caso entrar na sua vida particular, tanto mais que se trata de um ex-colega meu na "Gazeta dos Desportos", numa fase em que este saudoso jornal desportivo foi assaltado por uma espécie de tropa de choque que combinava estratégias à noite no "Snob" e que por razões óbvias - e reparem que me estou a referir ao molho do bife - no dia seguinte esquecia todas as brilhantes ideias.
João Gabriel, ou Juan Gabriel, destacou-se também como assessor de Jorge Sampaio e o próprio releva o dia em que trocou de camisa com o então Presidente da República para que este não aparecesse em público com marcas de suor. Foi um acto de grande heroísmo, reconheço. E patriótico.
Podia aqui referir mais aventuras e proezas de João Gabriel, ou Juan Gabriel, mas não quero maçar mais o leitor, que ainda vai a tempo, antes da recolha de sobras, de ler na íntegra a peça jornalística de Fialho Gouveia. Um jornalista, também me dizia o tal velho mestre, nunca é notícia mas há momentos em que a excepção confirma a regra. Como dá para perceber, João Gabriel, ou Juan Gabriel, é a excepção. Diria mais, o excepcional.
Como voz do Benfica, destronou definitivamente o Luiz Piçarra.
Como director de comunicação, brilha mais que o próprio presidente.
Como jornalista, só não ganhou o Pulitzer porque não se chama John Gabriel embora dê pelo nome de Juan ou João Gabriel.O Benfica pode continuar na doca seca mas não restam dúvidas: tem um anjo que o guia. Aposto que João Gabriel não duraria mais de dois minutos na condição de director de comunicação do FC Porto. É, porém, brilhante no papel que agora lhe tocou. Como imagem e voz do Benfica é perfeito. Ou seja, faz muito barulho para nada e com nada. Mas diverte-nos. Muito.


PS - Falta-me apenas confirmar uma coisa: este João Gabriel, ou Juan Gabriel, não era o mesmo que se assumia como indefectível sportinguista em famosas viagens presidenciais?...




também em:


NINGUÉM É SANTO


Alinhar à esquerdaVejam esta:

quinta-feira, abril 23, 2009

O PROFESSOR k.

Ok, o António Manuel Venda garante que ele é humano.

É que às vezes mais parece um alienígena.

quarta-feira, abril 22, 2009

222


...espectadores no Estrela da Amadora-Paços de Ferreira. Provavelmente a pior assistência da época. A essa hora devia estar mais gente no bingo do clube da Reboleira. Por estas e por outras, o nosso futebol continua alegremente a dar passos em frente na direcção do abismo.

PS - Como dizia alguém, há dias, no fabuloso "Florêncio", em Guimarães, "já fui a casamentos com mais gente", referindo-se a alguns jogo da Liga Sagres...

Paixão de Vistas Curtas

Aproveitando o intervalo, do jogo da meia-final da Taça de Portugal, na Ilha da Madeira, volto ao lance do golo anulado em Guimarães.

A generosa expressão de pé em riste, é uma forma de jogar considerada como jogo perigoso e, como tal, analisada como uma falta involuntária que o jogador pratica, apenas com a intenção de jogar a bola, podendo acidentalmente atingir o adversário, naturalmente sem gravidade. No entanto, os árbitros devem estar sempre atentos, a certas formas de entrar em pé em riste, pois procurando ou simulando atingir a bola, o fazem de tal forma, que facilmente provocam o contacto físico directo com as pernas e pés do adversário, sendo por vezes bastante perigoso e contundente.
Ora, esta forma de jogar, não pode ser considerada como mero acto de jogo perigoso, mas sim classificada, como uma das faltas graves da Lei 12 e punida com um livre directo.
Mas não foi grave a forma de jogar de Carriço no golo anulado, pois ele apenas cometeu pé em riste sobre Gregory.
Grave foi, uma vez mais, Bruno Paixão não ter assinalado qualquer falta, ter mesmo deixado seguir a jogada, correndo para se posicionar e quase assinalando o golo.
Foi necessário, o árbitro assistente Paulo Ramos, a largos metros de distância, ter assinalado a falta, recomeçando o jogo com um livre indirecto.
É caso para dizer, que Bruno Paixão, perto da jogada, continua a não decidir bem, quer seja ao longe, quer seja ao perto.
Certo é que, certamente, José Carvalho, o observador do árbitro, vai, ao exemplo de outros, uma vez mais pontuar de forma positiva, um árbitro internacional português, que não tem a capacidade e a categoria, de assinalar somente, tudo aquilo que todos vêm.

ILUSIONISMO

Continuam a acreditar em quê?

1- Na Virgem Maria?
2- Na Maria José Morgado?
3- Na colisão de um cometa no Dragão e Alvalade?
4- Na queda do Império Pintadacosteano?
5- No professor Bambo?
6 - Que Sócrates nada tem a ver com o escândalo do Freeport?
7 - Que José Castelo Branco é um homem?
8 - Na vida eterna.
9 - Nos benefícios do tabaco?
10- No Soares Franco?


DISTRITAIS DO PORTO


Tudo sobre o trepidante futebol distrital do Porto. Dê uma espreitadela.

domingo, abril 19, 2009

Golo bem anulado a Carriço


Alguns leitores deste espaço, solicitaram a análise ao golo anulado ontem em Guimarães. Vou reproduzir aqui o que os comentadores de arbitragem e Manuel Cajuda proferiram sobre este lance.

Na próxima terça-feira, no Jornal de Noticias, na coluna "Ao Raio-X" a explicação deste lance será muito mais pormenorizada.
A opinião é unânime: o golo apontado por Daniel Carriço, perto do intervalo, foi bem anulado pelo árbitro, uma vez que, antes de rematar, o sportinguista comete pé em riste sobre Gregory.

Manuel Cajuda disse no final do jogo que “Pé em riste é aqui, é na Vila da Feira, na Cochinchina, em qualquer lado, mas, se querem a minha a opinião, eu não teria marcado.”

Jorge Coroado no jornal "O Jogo" Sim, a decisão do árbitro em não considerar golo ajustou-se ao sucedido. Carriço fez jogo perigoso activo com o pé na frente, dando razão para o livre indirecto assinalado.

Antonio Rola no jornal "O Jogo" Sim, Daniel Carriço fez pé em riste sobre o adversário, quando este tentava jogar a bola. Bem o árbitro ao punir o jogador do Sporting no aspecto técnico.

Rosa Santos no jornal "O Jogo" Sim, tratou-se de uma entrada em riste de Daniel Carriço sobre Gregory, pelo que o árbitro esteve bem ao assinalar a respectiva falta.

José Leirós no "Jornal de Noticias" Golo bem anulado por Paulo Ramos, considerando jogo perigoso de Carriço.

sábado, abril 18, 2009

Obstrução

Fazer obstrução é quando um jogador impede um adversário de se colocar, de correr ou de alcançar a bola.
A Lei determina que, não jogando a bola, correndo entre o adversário e a bola, ou interpor o seu corpo de maneira a constituir obstáculo para o adversário, será penalizado o jogador que assim proceda com um livre indirecto no local onde a falta foi cometida.
Tem que se fazer a verdadeira separação entre obstrução natural do jogo e a executada incorrectamente. Em ambos os casos, não é permitido que o jogador seja impedido de disputar a jogada normalmente.
Para ser punida a obstrução, deve-se verificar que a vontade do jogador obstruir é nítida e agressiva e que se produza fora da acção do jogo ou quando o jogador, não tenta jogar a bola.
Temos que ter bem presente, que o facto de um jogador se colocar diante do guarda-redes, quando se vai marcar o pontapé de canto, sem intenção de jogar a bola, é punido com um pontapé livre indirecto.
É possível, um jogador que não joga nem tenta jogar a bola estar no caminho dum adversário e, entretanto, não ser culpado de fazer obstrução.
Nuno Gomes encontrava-se de costas, a colocar-se em posição.
Peskovic cometeu o erro tremendo, de não esperar pela obstrução do avançado.
Optou por empurrar descaradamente durante demasiado tempo e por alguns metros o adversário.
Nuno Gomes não fez obstrução e foi empurrado.
Marco Ferreira assinalou falta que não existiu sobre Peskovic, anulando o golo ao Benfica.
Isto porque o jovem árbitro madeirense foi iludido pelo guarda-redes da Académica, que após ter empurrado o adversário se deixou cair, levantando os braços a reclamar falta, quando viu a bola dentro da sua baliza.

A VITÓRIA DA DERROTA

O incrível Franco considera uma vitória a derrota nas suas propostas. Queria 75 por cento, conseguiu 73, o referendo não passou mas, curiosamente, o actual presidente leonino ganhou. Com o ex-bastonário da Ordem dos Advogados ao seu lado, o mesmo causídico que defendeu os pais da pequena Maddie, o Franco-atirador menosprezou a inteligência dos sportinguistas ao considerar inexpressiva a manifestação de voto daqueles que não acreditaram nas suas propostas. Ora, 28% não é propriamente uma minoria. É sobretudo uma boa base para uma luta eleitoral que, acredito cada vez mais, terá de um lado o rosto do gigante acima reproduzido e do outro "o candidato de Dias da Cunha".

PLATINI DE LATA

Quando se comemoram os 200 anos das invasões franceses - que tanto afectaram o Porto sobretudo na 2.ª, através de Soult e do intendente-geral da polícia Perron -, na zona da histórica da cidade o líder da UEFA continua a ser devidamente "apreciado". Michel Platini, o gaulês.

PORTAL FUTEBOL

Todos os dias recebo pedidos para linkar blogues. Muitas vezes não sobra tempo para dar uma espreitadela e ver se vale a pena e por isso mesmo aproveito para pedir desculpa a alguns que terão passado por aqui e que ainda não justificaram uma presença nos Super Favoritos. O Portal de Futebol já lá está. É um blogue graficamente diferente e interessante, bem escrito, bem pensado. Vale a pena ir espreitando.

A LUTA CONTINUA


Confesso que tenho algumas saudades do país que se indigna por motivos válidos - e não porque recusa dar mais de si à missão que o Estado paga, como é o caso dos professores - e que não fica indiferente a um escandaloso vídeo no qual um empresário repete várias vezes que o primeiro-ministro é corrupto e burro. Por isso, esta marcha do Boavista é um acontecimento. Os adeptos do clube do Bessa sabem que o clube está na lonas mas não desistem. O protesto que realizaram ontem nas ruas do Porto foi sentido. Os adeptos não querem que o clube morra e a verdade é que o futebol português precisa do Boavista. É certo que há erros que se devem pagar. Mas aí, meus senhores, tem de ser usada a mesma bitola para todos. O Boavista, reconheça-se, foi o alvo fácil do Apito Dourado/Final. É a vítima de um processo com poucos culpados. Álvaro Braga Júnior é que não desiste. Ei-lo marchando e atrás de si um boavisteiros dos sete costados, o Cipriano, que faz o favor de ser meu amigo, um boavisteiro para todos os momentos. O faz-tudo do Bessa merece, mais que ninguém, que o Boavista recupere a saúde que outros lhe tiraram. E quando falo de outros não falo apenas das instâncias disciplinares.


DÃO-SE ALVÍSSARAS

Só gosta de saber como é que Jesualdo Ferreira conseguiu comunicar com José Gomes durante o jogo e se estava mesmo escondido na arrecadação das senhoras da limpeza...

quinta-feira, abril 16, 2009

O NOSSO HERÓI

Este homem não é presidente da República da Bolívia.
Não tem 60 milhões de euros para enterrar no Benfica.
Mas, graças à lei que temos e ao facto de ter acreditados em estórias da carochinha, tem tudo penhorado devido ao facto de ter passado pela presidência do Ericeirense.
Mano Silva, herói português, está há três dias em greve de fome em protesto pela delapidação do seu património por causa de uma...causa.
O problema de Mano Silva é que não entrou para o mundo do futebol com a intenção de vender mais prédios ou de garantir reservas em off-shores.
Mas como a vida é canina...ei-lo a penar e até a ser criticado por quem acha que a culpa é dele!

quarta-feira, abril 15, 2009

BRAVO FCPORTO!

Só esta bomba de Ronaldo conseguiu afastar o FC Porto do caminho que vai dar a Roma. Parabéns, FC Porto!

PS - A catarte benfiquista e sportinguista está em curso na caixa de comentários. Não é uma surpresa. Antes assim que a hipocrisia que costuma passear nas nossas vidas pequenas,

O BENFICA, HOJE

S.T.T.L.

NOMEAÇÕES DE ÁRBITROS


Eis uma proposta absolutamente revolucionária.


Aqui:

terça-feira, abril 14, 2009

ELES JÁ ANDAM AÍ


Precedidos por uma legião de gigantes barrigudos com ar de segurança de discoteca, surpreendidos com o facto de não terem encontrado Sol no Porto, os jogadores e técnicos do Manchester United foram acarinhados na chegada ao aeroporto Francisco Sá Carneiro. O Manchester confirma-se como uma equipa global e bem se podia dizer que estava a chegar a casa. Mas desta vez a legião de miúdas da geração Moranços com Açúcar não teve qualquer possibilidade de se aproximar de Ronaldo ou Nani. Os craques seguiram para o autocarro em passo de corrida e esboçando apenas um sorriso. Alex Ferguson foi o atrasado. E quando entrou no autocarro já toda a gente estava ligada à internet ou ao ipod.


segunda-feira, abril 13, 2009

A CRISE BENFIQUISTA


Tendo Luís Filipe Vieira 60 milhões de euros "enterrados" no Benfica, fazendo fé no que me dizem, é evidente que não vai querer abdicar do posto que ocupa. Este é o ponto principal. Quanto a Rui Costa, é certo e sabido que entrou em rota de colisão com o presidente, ou melhor, este é que entrou com Rui Costa, a quem foi pedir satisfações sobre os resultados de um investimento altíssimo feito esta época. É no que dá apostar em jogadores que sempre foram ricos para cargos deste nível de grandeza: para eles, o noção do dinheiro é outra... Falta saber agora se Rui Costa se aguenta ou se ele próprio se assume como candidato a presidente ou então se aparece ao lado de outro candidato. Todas as hipóteses são possíveis, inclusive a sua permanência. Quanto a Quique Flores, a sua continuidade só passará se Rui Costa conseguir acalmar o presidente e se depois o conseguir convencer que o espanhol tem futuro. Não será fácil, tanto mais que uma série de treinadores já se colocam em linha, com Scolari à cabeça, Jorge Jesus logo a seguir (e também disputado pelo Sporting) e com Mourinho-nunca-se-sabe... A Taça da Liga foi um paliativo e pela frente estão longos meses de vazio. Preenchê-los é algo que vai dar muito trabalho ao João Gabriel ou ao Camilo Lourenço...

sexta-feira, abril 10, 2009

É PRECISO TER LATA


«Não digo que não mas também não digo que sim»

Guilherme Aguiar, ao "O Gaiense", sobre a possibilidade de ser presidente da Liga

quarta-feira, abril 08, 2009

ROAD TO THE FINAL

Tinha a sua graça o FC Porto conseguir passar às meias-finais da Champions sem vencer um jogo. Depois dos empates a duas bolas em Madrid e em Manchester e do empate a zero com o Atlético no Dragão, a verdade é que um empate a zero ou a uma bola também coloca os dragões no caminho da final de Roma...o que acontecer será o 49.º empate do percurso europeu de Pinto da Costa-rei, num total até aqui de 216 jogos no qual se contam 100 triunfos e 67 desaires, estes menos 4 que a idade somada pelo homem para quem largos dias têm 100 anos...

AZENHA DE LUXO


A TVI 24 mostrou ontem a "Kasa do Futuro" que é obra de Carlos Azenha, ex-treinador adjunto do FCP e comentador (com mérito) do "Domingo Desportivo". É um projecto fantástico que está no mercado pelo extraordinário preço de 4 milhões de euros. Há quem se dedique a hobbies muito menos complicados. O engenho de Azenha é apenas mais uma demonstração da capacidade dos portugueses para se surpreenderem a eles próprios.


terça-feira, abril 07, 2009

GOLO GOLO GOLO PORTO


Confesso que foi o maior grito que dei a festejar um Golo, o do empate em Inglaterra. Deve-se ter ouvido em Leça do Balio, pois puxei bem pelos pulmoes.

Mas este FC Porto, que jogou em Old Traford, bem mereceu este resultado e até a Vitória.

Também confesso, que não gosto nada destes bifes...e sou daqueles milhões de portugueses, como disse o Jesualdo Ferreira, que hoje torcia pela vitória.

Quanto ao árbitro austriaco Konrad, uma ou outra falha, em prejuízo do FC Porto, mas protagonizou uma belissíma arbitragem, tornando-se no legitimo sucessor, do seu antepassado austriaco, que bem representou a arbitragem do seu país e europeia.

Amanhã, como habitualmente, podem ler a análise ao trabalho da equipa de arbitragem, no Jornal de Noticias.


E, o meu cunhado Nuno, em Londres, vai amanhã trabalhar muito mais satisfeito, com a vitória do seu clube.

ANO MARIANO

Grande atitude do FC Porto no "Teatro dos Sonhos", com um resultado que permite muito mais que sonhar. Agora terá de ser o Manchester United a correr atrás do prejuízo. No Dragão, os red devils vão meter toda a carne no assador. É uma equipa com grande potencial e por isso a eliminatória não está fechada. De qualquer dos modos, mais uma vez o FC Porto representou com grande dignidade e com qualidade o futebol português, mostrando ser, de facto, a melhor equipa do nosso universo futebolístico, capaz de ombrear com as melhores da Europa. E como todos os caminhos vão dar a Roma...
PS - Dou a mão à palmatória e retiro o que disse e que já justificou aqui dois comentários azedos.

LAPIDARES


«Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa»

HERMÍNIO VAIA OU RACHA

Como é que uma Liga que se assume moderna, ainda não entregou o troféu de campeão nacional ao FC Porto relativo à época passada?
Já devia ter sido entregue. Mas repare, uma Liga moderna actualiza os regulamentos e, para a presente época desportiva a entrega do troféu está devidamente regulamentada, ou seja, na primeira jornada em casa depois de um clube se sagrar campeão, o troféu é entregue. É o modelo inglês. Para quê? Para que os atletas que conquistam esse título possam fazer a festa e partilhá-la com os adeptos, no momento. E não como acontecia no passado que era outros atletas que nada tinham contribuído para essa vitória estarem ali com o 'caneco'. E, portanto, esta Liga melhorou, nessa matéria e regulamentou de forma clara e objectiva como é que se entrega o troféu. Mas repare que não foi entregue o troféu ao FC Porto, como não foi entregue ao Trofense, (Liga Vitalis) como não foi entregue ao Santa Clara (Taça Fair Play da Liga Vitalis). O único que recebeu o troféu foi o Rio Ave, (Taça Fair Play da Liga Sagres). Para a presente época desportiva já está definido como vai ser. E para o caso que me está a colocar, também já está decidido. Este sábado, dia 11, que o FC Porto vai receber a Taça no Estádio do Dragão, antes do jogo frente ao Estrela da Amadora, entregue pelo presidente da Liga.
E está preparado para a vaia?
Claro, como é evidente, com toda a naturalidade. Faz parte da cultura desportiva. É perfeitamente natural que os adeptos reajam vaiando, assobiando.
Isso denota um esforço da sua parte de tentar normalizar as relações com o FC Porto. Sente-se a lutar contra moinhos de vento?
Eu gosto de ter boas relações com todos os clubes.
Sim, mas há um problema com o FC Porto...
Repare, essa situação do troféu foi bastante empolada. A Liga já devia ter entregue os troféus, ainda não o fez também por a sua estrutura não ser tão profissional como devia. São momentos que tem de ser preparados com toda a dignidade. O FC Porto foi campeão como todo o mérito e portanto não há aqui nenhuma animosidade, nem nada que se pareça, relativamente a essa matéria. Eu vou dar um exemplo: em 30 de Abril de 2005, e sublinho, em 30 de Abril de 2005, o FC Porto recebeu o troféu de 2004. Viram algum barulho nessa altura? Foi num jogo com o Marítimo e o troféu foi entregue pelo major Valentim Loureiro e não houve barulho nenhum. Agora criou-se algum burburinho e é uma situação que me deixa preocupado porque eu não quero que haja ruído sobre as questões acessórias. Eu sou favorável ao normal funcionamento das instituições.
Não o preocupa este divórcio com o FC Porto?
O FC Porto é tratado como qualquer outro clube da Liga, são todos tratados por igual e ninguém pode dizer o contrário. Ninguém.
Que comentário lhe merece o patrocínio da PT ao recente encontro amigável entre Boavista e Benfica, alegadamente para ajudar os "axadrezados" a atravessar uma situação económica e desportiva muito difícil?
Espero que o sinal da PT não seja só para o Boavista. Era uma obrigação da PT fazer aos outros clubes da Liga Vitalis o que fez ao Boavista.

Veja tudo in http://aeiou.visao.pt/estou-preparado-para-as-vaias-no-dragao=f503918

ASSALTO À LIGA


É um facto.

A operação de sapadores já começou.

Hermínio Loureiro está no ponto de mira sobretudo do FC Porto.

O clube portista tudo irá fazer para o fazer cair do duplo poleiro (presidência da Liga e vice-presidência da FPF).

O nome que surgiu a semana passada - Guilherme Aguiar - não passa de uma cortina de fumo. O antigo director executivo nunca foi uma figura consensual, nem no tempo do organismo autonómo, quando a Liga era dirigida efectivamente por Ângelo Ferreira.

A saída do Boavista da direcção da Liga é apenas mais um sinal da guerra que aí vem. Há duas semanas estava tudo bem entre o clube do Bessa e a Liga e na reunião da direcção em que foi apreciada a saída do Sporting os axadrezados não mostraram qualquer intenção de sair. Pelo contrário...

Na gíria diz-se que chegou a altura de contar espingardas. Nunca a expressão foi tão apropriada. Porque o que dá para ver é que Hermínio neste momento tem mais espingardas e apenas uma bombarda (o Benfica). As grandes peças de artilharia estão na outra trincheira.

Com o seu mandato a terminar em Outubro, Hermínio tem como primeiro objectivo completá-lo e dificilmente perderá quorum na direcção. Mas pode perder toda a legimitidade se na próxima assembleia geral da Liga não forem aprovados os pressupostos que idealizou para a homologação das equipas dos próximos campeonato profissionais... Quando e se tal acontecer, é muito provável que outro nome já tenha sido sugerido como candidato a presidente e não candidato a candidato.

Há várias possibilidades.

A saber:

- Álvaro Braga Júnior.

- Rui Alves.

- Carlos Pereira.

- Dias Ferreira.

- Vítor Baía


A minha zebra é o mais laureado dos futebolistas portugueses.

A DEVIDA COMÉDIA...


Li na Visão e gostei do que li.

O jornalista Miguel Carvalho colocou na ordem Alvaro Braga Jr.

E com a devida Vénia, transcrevo com prazer o artigo publicado "Olhe que Não, olhe que Não".

E que seja um NÃO definitivo a estas porcarias, que não interessam nem ao Futebol, nem à arbitragem.

Passo a transcrever o artigo:

O Boavista e a suspeita sobre o presidente da Liga.

Se o futebol português já não tivesse um historial típico de um sketch fedorento esta seria uma história de espantar. Como a fama vem de longe, é apenas mais um momento de humor a juntar a outros tantos.

Explique-se: o Boavista anunciou o seu provável abandono da direcção da Liga de Clubes insatisfeito com as arbitragens que, segundo a tese conspiratória do Bessa, o têm colocado perigosamente em risco de descer novamente de divisão, desta vez por via matemática.

Se o leitor pensava que os vários meses de salários em atraso aos jogadores e a lastimável situação financeira do clube explicam alguma coisa quanto à débil posição do Boavista na II Liga, desengane-se.

Na verdade, Álvaro Braga Júnior, presidente da SAD, está preocupado com o alegado favorecimento dos árbitros à Oliveirense, um dos rivais na luta para não bater mais fundo.

Não satisfeito, aquele dirigente insinuou publicamente haver cumplicidades do presidente da Liga na suposta marosca: "Gostaria de saber se Hermínio Loureiro, às 13 e 15 de domingo, três horas antes do jogo com a Olhanense, chegou, ou não, ao estádio da Oliveirense. Se chegou com outras pessoas, tocou a uma porta e, como não a abriram, fez um telefonema para poder entrar", questionou ele, em afirmações reproduzidas pela Comunicação Social.

Ora, sem deixar de elogiar a precisão quase cirúrgica de Álvaro Braga Júnior quanto aos pormenores (já explico o quase) uma coisa é certa: o administrador da SAD boavisteira tem bons e fiáveis amigos em Oliveira de Azeméis.

Porque, de facto, às 13.15 horas, Hermínio Loureiro estava à porta do estádio da Oliveirense.

Porque, de facto, chegou com outras pessoas.

Porque, de facto, tocou à porta do estádio e não a abriram.

Porque, de facto, fez um telefonema para poder entrar.

Não fosse o "quase" e seria uma tese conspirativa perfeita.

Pena é que, àquela hora, naquele dia, naquele portão e naquele estádio, Hermínio Loureiro tenha apenas adiado um pouco mais a sua hora de almoço para, a pedido dos jornalistas da VISÃO e para efeitos de uma entrevista a publicar esta quarta-feira, se deixar fotografar no relvado da Oliveirense.

No fim, fomos todos almoçar.

Cada um para seu lado, bem entendido.

Por causa das conspirações.

domingo, abril 05, 2009

RONALDO ou A SUA SOMBRA?

A questão que agora se coloca é: que Ronaldo vamos ter frente ao FC Porto? O da selecção ou este que joga e factura? Obviamente, sete milhões de portugueses estão intimamente (com a excepção do Domingos Amaral) interessados em ver o Ronaldo do Manchester United...

sábado, abril 04, 2009

AINDA O APITO...


Como diz um velho ditado judeu, "o Mundo é uma ponte estreita onde se deve caminhar sem medo". O chamado megaprocesso do Apito Dourado foi, e é, para muitos de nós a imagem perfeita dessa ponte estreita. Como será fácil entender, o processo não foi inventado por ninguém. Começou numa investigação aos jogos do Gondomar SC, nas épocas de 2002/2003 e 2003/2004, e, por vontade do procurador Carlos Teixeira, foi alargado ao mundo do nosso principal escalão, a partir do momento em que os telemóveis de Pinto da Costa, João Loureiro, de outros dirigentes e de árbitros foram postos sob escuta. O processo originário já foi julgado e culminou (não se leia terminou porque os recursos ainda estão a correr) com a condenação de 14 dos 21 réus, entre os quais Valentim Loureiro, ex-presidente da Liga e ainda presidente da mesa da assembleia geral da mesma instituição. Foram extraídas 81 certidões, a maior parte delas arquivadas por falta de indícios, e alguns desses processos, como o caso da fruta, terminaram na fase de instrução, como aconteceu também com o processo relativo ao jogo Naval 1º de Maio-Chaves, que envolvia Valentim Loureiro e o árbitro Paulo Baptista e ainda com o processo respeitante ao jogo Nacional da Madeira-Benfica, no qual foram arguidos Pinto da Costa, Rui Alves, Augusto Duarte e António Araújo. Este último processo terminou mesmo no tribunal de Gondomar, onde o árbitro Martins dos Santos e o antigo dirigente do CA da FPF António Henriques, compadre de PC, foram condenados por corrupção desportiva. Está a correr, por outro lado, em Fafe o julgamento de José Luís Oliveira, antigo presidente do Gondomar e único dos 200 arguidos que cumpriu prisão preventiva, e do antigo árbitro Licínio Santos, enquanto no tribunal de Santa Cruz, na Madeira, se espera pelo acórdão que pode condenar António Henriques e Azevedo Duarte (pai de Augusto e ex-membro do CA da FPF). Para breves estão os julgamentos do processo Boavista-Estrela (Valentim, João Loureiro e Jacinto Paixão são arguidos) e os cinco processos centrados na actuação do árbitro Pedro Sanhudo. O mesmo acontece com aquele que será o mais complexo processo de todos: o da viciação das classificações dos árbitros, mandado para julgamento, no Tribunal da Boa-Hora, pelo superjuiz Carlos Alexandre, no qual o principal arguido é José António Pinto de Sousa. Penso que falhei dois ou três casos mas o essencial está aqui.

Com isto não quero provar nada, apenas entendo que será no mínimo forçado dizer-se que o processo Apito Dourado foi uma montanha que pariu um rato.

Não foi. O processo penal é uma etapa complexa que se segue à investigação dos factos. Num país com meios escassos para a investigação e no qual os próprios magistrados são alvo de pressões, não é fácil perceber onde acaba a busca da verdade e da justiça e começa o exagero. Neste processo, como noutros, o risco foi pisado. Desde o início que se percebeu que a magnitude do processo funcionava contra o mesmo. Os resultados estão à vista. As escutas telefónicas, per si, não passam muitas vezes de peças humorísticas e quanto mais não seja revelam um mundo venal. Não é preciso dar exemplos pois estes entranharam-se já no imaginário colectivo, com destaque para a "fruta para dormir" que PC mandou Araújo servir.

A clubite aguda neste caso fez soltar ainda mais as pontas. Para os atingidos, o processo foi sempre uma arma de arremesso e uma campanha negra. Para os outros, foi seguido de palanque, na expectativa de ver atingidos os alvos e de assim se reduzir o potencial do clube que tem dominado o futebol luso desde que Pinto da Costa decidiu ser dirigente desportivo na área do futebol.

Para os jornalistas, foi uma batata quente, sobretudo para os da área específica do futebol. Não apenas por ser uma matéria nova mas sobretudo porque quem pegasse nela corria sempre o risco de se chamuscar. E reparem que não estou a falar de editorialistas em permanente persignação face aos poderes dominante, estou a falar dos cabouqueiros que passaram dias e noites à porta do tribunal de Gondomar e que seguiram inquéritos, instruções e julgamentos. Cumprem-se, no próximo dia 20 de Abril, cinco anos desde que o processo Apito Dourado foi tornado público. Foram cinco anos muitos intensos e inesquecíveis. Que na parte que me toca deram pano para mangas. O material está reunido apenas à espera de algum tempo para ser organizado e quiçá editado.

Quanto às críticas, que encaixo, sobretudo por virem algumas de colegas que aprendi a admirar embora não me reveja na forma porosa como entendem o mundo do futebol e o das paixões clubísticas, é para isso mesmo que aqui estamos sem dever nada a ninguém, com a excepção do crédito hipotecário que temos num banco com sede em Londres e não num qualquer off-shore da Nova Zelândia.

A OESTE NADA DE NOVO


Tal como BnA tinha antecipado, Pinto da Costa, Augusto Duarte e António Araújo foram absolvidos. Ainda não li o acórdão mas presumo que a juíza na dúvida favoreceu os réus e não deu qualquer crédito à história de Carolina. O MP recorreu depois de ter passado o julgamento todo a levar sopa da juíza a que calhou este processo, mesmo quando quis chamar uma testemunha de que a defesa de PC prescindiu inesperadamente (Ana Salgado). Para PC e Augusto Duarte, a justiça civil chega tarde porque a justiça desportiva já actuou. O processo disciplinar não tem a profundidade nem a complexidade do processo em tribunal mas este caso é paradoxal pois basta comparar acórdãos produzidos por juízes do processo Apito Dourado com os acórdãos do Apito Final para pelo menos ficarmos a pensar que a justiça (a)final é uma ciência pouco exacta e com um grande grau de subjectividade. Ou seja, a justiça dos juristas não é a mesma da justiça que é aplicada pelos profissionais da barra, sendo inexplicável que se gaste dinheiro em tantos pareceres quando no fundo tudo depende da opinião de um juiz ou de uma juíza que passa os seus dias a levar com o entulho da sociedade.

quinta-feira, abril 02, 2009

MORREU UM JORNALISTA

Morreu hoje Vítor Direito, um jornalista que fez história na Imprensa portuguesa ao fundar, lançar e consolidar o "Correio da Manhã", hoje o grande fenómeno do universo mediático em suporto papel, com vendas superiores a 115 mil exemplares/dia. Vítor Direito foi meu director de 1988 a 1991 e apenas falei com ele duas vezes. Numa delas quando, numa das suas raras "descidas" à redacção, alguém me tocou nas costas para me dar os parabéns após um raide por Itália e a Bélgica, para reportagens com Rui Barros (que acabara de ingressar na Juventus) e sobre o julgamento de Heysel Park. Na outra foi no seu gabinete, onde me dirigi para lhe comunicar que ia sair do jornal, para voltar ao mundo do jornalismo desportivo. Já passei por muitas casas e Vítor Direito foi o único director que não se zangou com a notícia do meu auto-despedimento e até me desejou toda a sorte do Mundo. Tenho orgulho em ter pertenciado à chamada "família CM", onde deixei e fiz muitos amigos, tendo tido o privilégio de estar presente quando o jornal lançou o seu suplemente desportivo. Quando saí ganhava 160 contos, o que era muito dinheiro para a época, e resultou de sucessivas actualizações que premiaram o meu esforço. São raros estes momentos e também por isso recordo hoje com saudade Vítor Direito e esses tempos de transição da Rubens Leitão, onde o jornal nasceu na cave, para a Mouzinho da Silveira.

PONTO FINAL


Vai para aí um grande banzé a propósito do castigo aplicado a Lisandro por simulação de uma grande penalidade, mesmo entre os puristas das novas tecnologias.

Expurgando clubismos e fanatismos (o que vai dar ao mesmo), ficou claro que o argentino simulou, e bem, a grande penalidade que permitiu ao FC Porto reduzir os danos na recepção ao Benfica.

Ora, tardou ainda um pouco até cairmos na real e percebermos que no Regulamento Disciplinar da Liga foi introduzida uma alínea que pune este tipo de situações, no caso de o árbitro considerar que foi enganado pelo jogador. Fomos todos enganados. Para uns, bem. Para outros, mal.

O problema é que a lei existe e se existe é para ser aplicada.

Foi o que fez mais uma vez a CD da Liga. Esta CD que tanto incomoda porque, ao contrário de outras, não navega ao sabor dos interesses particulares do clube. Em síntese, não cai na tentação do tráfico de influência - e delibera!

Obviamente, todas as suas deliberações podem ser contestadas. O que tem acontecido. O último resultado é conhecido: o Conselho de Justiça da FPF não só vem afirmar, no caso dos recursos do Apito Final, que não só não foram juntos novos meios válidos de prova como também a prova produzida foi suficiente, independentemente das escutas. Não foi isto que hoje vi em destaque nos jornais mas sim o facto de PC já poder falar de futebol... É triste verificar que a nossa Imprensa segue também o caminho mais fácil, não valorizando o genérico e sublinhando o particular, o que resulta essencialmente de duas razões: uma certa cumplicidade com os produtos que são vendidos e ignorância de quem pratica o ofício. Mas essa é outra questão...

A que aqui me traz é outra - a verificação de que, afinal, os processos disciplinares desportivos que resultaram do Apito Dourado estão validados pela justiça desportiva e que não foram martelados, ao contrário de outros, num tempo em que os órgãos disciplinares do nosso futebol estavam povoados por juízes desembargadores que conhecem uma bitola para a corrupção desportiva mas nunca mexeram uma unha para a combater.

Sei que é difícil quem foi penalizado - na minha opinião até com alguma benevolência, no caso do FCP - reconhecer que se fez justiça e que a acção desta CD da Liga e dos dois CJ da FPF representam uma espécie de salto quântico no nosso futebol. Salto que só poderá concretizar-se quando deste mundo saírem aqueles para quem, durante anos, os fins justificaram todos os meios. E aqui não estou a falar só, ao contrário do que possam pensar, nos suspeitos do costume...

Quando estamos a horas de conhecer o acórdão do único processo relativo a Pinto da Costa que foi a julgamento - e que, na minha opinião, acabará com a absolvição dos arguidos por falta de indícios e, como tal, in dubio pro reu... -, fica este sublinhado sobre o trabalho exemplar de uma Comissão Disciplinar da Liga que recebeu um processo cheio de teias aranhas das gavetas onde tinha sido arrumado e que conseguiu, em tempo recorde, produzir acórdãos que mais tarde ou mais cedo acabarão num lugar de destaque na história do nosso futebol.

quarta-feira, abril 01, 2009

ERWIN SANCHEZ

Descoberto mas não potenciado pelo Benfica - mais um... -, Erwin Sanchez foi um dos melhores futebolistas que passaram pelo nosso futebol, tendo sido pedra basilar do Boavista campeão em 2001. Agora no comando da sua selecção, acaba de dar 6-1 à Argentina do arrogante e esquizofrénico Diego Maradona. Com o desconto dos mais de 3000 mil metros de La Paz, foi uma vitória concludente e histórica. Parabéns, Sanchez!

HOJE É DIA DE PORTUGAL

Quinze dias sem campeonato...
Mais um empate da selecção em casa...
Carlos Queiroz a falar todos os dias...
António Salvador proibido de falar de futebol durante dois meses...
Cristiano Ronaldo mais uma vez mandou o irmão jogar na selecção...
Apito Dourado à espera do acórdão de PC no caso do envelope...
Gilberto Madaíl de quarentena...
Idosas de bigode agredidas por energúmenos...
V. Setúbal com 4 meses de salários em atraso e ainda a jogar...
Caso Freeport apenas à espera do golpe de misericórdia...
Caso Casa Pia a marinar...
Falências e insolvências...
E a bolsa que continua a cair...

Obviamente, como hoje é 1.º de Abril nada disto é verdade.
A morte também não existe. Esta semana, pelo menos...

DÁ-ME LUME

Porto, Clérigos.

Por favor, não pisem os malmequeres!

  Ia escrever qualquer coisa sobre isto mas o João Freitas - um dos melhores jornalistas que conhece - tirou-me todas as palavras da boca. ...