segunda-feira, junho 30, 2008

FRUTA AFINAL É UM MELÃO


BnA, sempre na brecha, fornece à sua clientela a parte substancial do despacho que juiz Artur Coimbra Ribeiro que se manifestou pela não pronúncia de PC, Reinaldo, Araújo, Paixão, Quadrado e Chilrito para julgamento:


Começou por indeferir as questões invocados pelas defesas quanto à inconstitucionalidade e nulidade das escutas, bem como quanto à incompetência do MP para reabrir o processo. "Escutas foram julgadas válidas em certidão extraída do processo originário, em Gondomar, considerando que estamos perante um crime de catálogo, serão válidas se não houver alteração do crime.

Quanto aos indícios, toda a gente sabe que o processo esteve arquivado e que foi reaberto com base num depoimento de Carolina Salgado. Teceram-se considerações quanto à validade do depoimento. Foi dada razão da sua ciência e veracidade devido à proximidade doméstica com Pinto da Costa. Num segundo depoimento, CS diz apenas generalidades sobre factos indiferenciados, o que disse já toda a gente sabia, pouco mais veio acrescentar.

Os arguidos têm o direito de contraditar todos os testemunhos e crime não pode ser mudado sem o arguido poder contraditar, tal como diz Gomes Canotilho. No seu depoimento em relação ao processo do jogo com o Beira-Mar Carolina foi um pouco precisa. Diz que não acompanhava muito bem os contactos de Pinto da Costa e que presenciou várias visitas a sua casa de árbitros de futebol. Bem, se não acompanhava de perto... O seu depoimento, neste caso, é desmentido pelas escutas. PC foi escutado desde Outubro de 2003 até Maio de 2004, durante 7 meses, quase uma época futebolística e o resultado foi...dois casos.

Nos termos expostos, testemunhos vieram definir factos concretos em tempo de lugar e modo. Recorda-se que embora não possa precisar a hora,Carolina disse que durante a tarde houve telefonema em que PC e Araújo falavam de prostitutas e das preferências de cada um, utilizando expressões como "fruta de dormir". Que não ouviu qualquer referência, só veio a saber do que se tratava quando Jorge Nuno lhe disse o que se passava, que não e recorda da hora da conversa, não podendo dizer se assistiu a um ou mais telefonemas. Dos sete meses de escuta apenas resulta escuta nos autos chamada às 13 horas de Araújo para PC. Foi possível constatar que a testemunha às 11 hioras e 3m ligou por telemovel ao arguido PC dizendo que estava tudo em ordem e que iria para a sua mãe em Gaia, vindo o arguido para o Porto, dizendo PC: "ok".
Às, 12.05 PC é contactado por alguém que trata por doutor e que o convida para almoçar no restaurante D. Manuel. Como ainda foi possível apurar, Carolina telefonou a PC às 15.02, confirmando que ia à bola à noite e que estava a secar o cabelo no cabelereiro.
Tendo acontecido a conversa entre Araújo e PC às 13.00, e tendo almoçado PC no D. Manuel enquanto Carolina estava em Gaia, é notório que a mesma prestou falsas declarações e incorre no crime de falsos testemunho agravado, porque náo assistiu ao telefonema e não podia ter conversa explicativa desse telefonema. O que foi corroborado por Vítor Baía, Jorge Costa e José Carlos Esteves. Pelo que se pede para extrair certidão para o DIAP do Porto.
Voltamos à estaca de partida, ao crime de corrupção. Destinado a altetrar ou falsear resultados.
No despacho de reabertura, diz a procuradora adjunta que teriam PC, Araújo, Luis Lameira e Reinaldo Teles cometido crime de corrupção desportiva activa e os arguidos Jacinto Paixão, Manuel Quadrado e José Chilrito crimes de corrupção desportiva passiva. É o que diz a acusação, PC e Araújo em co-autoria, Reinaldo em autoria, e 2 crimes aos arbitros. Lameira deixou de ser arguido e Reinaldo Teles co-arguido na reabertura. Lameira não prestou auxilio doloso relacionado mercandejar com o cargo, assim, não foi possível obter relação consistente, colaborando para o suborno e alteração da verdade desportiva.
Jacinto Paixão, através de empresário António Araújo, pediu o serviço de prostitutas, violando se necessario regras do jogo, isto segundo a acusação. Pediu a Lameira para este arranjar meninas para a noite e este telefonou a Araújo pedindo que o contactasse. Em que ficamos? Lameira participou ou não? Diz lameira que Araújo se ofereceu para quando ele fosse ao Porto arranjaria mulheres para encontros, Lameira disse que não precisava, conversa que surgiu no meio de outros assuntos que abordava com Jacinto. Lameira sabia que Araújo era empresário de jogadores e adepto do FC Porto, não tendo conhecimento de ligação directa com PC e nunca na conversa com Paixão falaram disto. Não tem suporte rogatório, nem existe prova de contacto entre Araujo, Lameira e Reinaldo teles. Despacho arquivamento contraria a fáctica acusação em relação a Lameira. Nao podem reverter-se como acusação no mesmo crime Araujo e PC.
Nao se pode colocar na acusação que Araújo proporcionava prostitutas em troca de favorecimento da sua equipa, violando asregras do jogo. E que conversas há entre Araújo e Paixão? Apenas a solicitação de prostitutas? Do que falam? Só por conjectura... Só é possivel por conjectura ou imaginação, apenas como prova existente nos autos. Os números não falam, ora só por imaginação... É socialmente inadequado pedir prostitutas? Não. Há alguma declaração de contrapartida por acto ou omissão dos seus deveres? Não.
Não se prova que qualquer dirigente do FC Porto tenha proporcionado favores sexuais.
A acusação escora-se no relatório pericial.
As transcrições das escutas também não se mostram correctas.
Por exemplo, quando Araújo fala de fruta, PC responde:

- Não é preciso, já foi mandada.

Quando falou em JP, PC diz que se referia a Joaquim Pinheiro. A própria Carolina se refere a Pinheiro como um dos indivíduos que intervinha neste tipo de serviços, inexistindo qualquer tipo de vigilância da polícia.
Entendemos, pois, que não foram prestados favores pelo FC Porto.

A livre convicção não pressupõe, dignifica que o tribunal deve apreciar os factos com capacidade crítica, afastando subjectivismos, dando como provado exame cientifico da prova.

A exigência surge como autêntico remédio e assegura que o processo se pautou por regras de seriedade e rigor.

Na verdade, erros apontados ao árbitro no jogo não são mais do que aqueles que foram considerados pelos agentes da PJe nao resultado de qualquer perícia. Por exemplo, diz-se que FC Porto inaugurou o marcador na sequência de um canto que nasce de um lance em que um jogador do FC Porto parece estar em fora-de-jogo.


(continua)

domingo, junho 29, 2008

UMA BREVE

Conhecido ex-árbitro de futebol hoje observador está a provocar um charibari do caraças porque zipou as árbitras de uma associação de futebol com um grau de dificuldade mínimo para eventualmente favorecer a sua protegida a quem terá dado o grau de dificuldade normal. Mas nem assim conseguiu que esta se destacasse... É o que me dizem e vendo-a pelo preço que não a comprei.

ANACRONISMOS

Ups, o que é isto?, querem desacreditar os cientistas da bola, velhinhos de cabelos brancos e fato de treino a ganhar a tipos bem parecidos de camisa justa e calça de executivo, nááááááá, não acreditem, é uma conspiração...

ÚLTIMA HORA*


Ricardo no Inter!
* uma notícia de Zé Manuel Simões Lopes

E VIVA A ESPAÑA

Os espanhóis fizeram a festa. Ganharam tudo. O caneco e Ronaldo. O professor Keiroga mais uma vez falhou as previsões quando disse que este ia ser um Euro de trampa. Não foi. O que lhe vale é que ninguém lhe tira o recorde de ter sido o único treinador do Real Madrid a perder cinco jogos seguidos. O que também é proeza.

IMPORTA-SE DE REPETIR?

Gilberto Madaíl em discurso directo no livro de Paulo Catarro "Os Senhores do Futebol" (que volto a recomendar):
«Foram de facto os homens da Nike que me falaram dessa possibilidade [contratar Scolari], quando já tinha tudo acordado com o Manuel José. Tinha conhecido o Scolari no Japão seis meses antes do Mundial e gostei muito dele, o que é fácil de acontecer. Também, em boa verdade, é muito complicado quando não gosta de determinada pessoa. Pensei que não era possível mas com a ajuda da Nike conseguimos fazer um contrato que implicava a gestão dos direitos de imagem por parte do próprio Luís Felipe Scolari e ele acabou por assumir mesmo o cargo de seleccionador nacional.»


Não sei o que vossas excelências pensam disto mas cá por mim acho que é MUITO GRAVE.

sexta-feira, junho 27, 2008

NÓDOA AZUL E BRANCA

A "reentrada" na Liga dos Campeões da temporada que aí vem, a contratação de Crístian Rodriguez e a comemoração do sétimo título nacional consecutivo no hóquei em patins (selado na Luz) são motivos de sobra para Pinto da Costa andar feliz. O FC Porto continua a ganhar em várias frentes e tem a particularidade de, na maioria das vezes, vencer e provocar derrotas dolorosas aos seus principais "ódios de estimação": Benfica e Luís Filipe Vieira.Perante este cenário, já se esperava que o presidente portista não deixasse escapar a oportunidade para brilhar. E ele aí está, em pleno. Sucedem-se as aparições públicas com os tradicionais discursos ao ataque, recheados de ironia e sempre com os olhos postos nos inimigos.As vitórias (independentemente do terreno onde são obtidas), aliadas às derrotas do seu antigo amigo, transmitem-lhe a confiança que, não há muito, parecia faltar-lhe. Aparentemente, já lá vai o tempo em que pedia auxílio à "justiça divina". Agora, revigorado, Pinto da Costa está de regresso "à frente de combate". E não pára de fazer "estragos" no "exército vermelho"...Mas, mesmo em tempo de festa, Pinto da Costa tem de lidar com um problema grave, indiscutivelmente o mais complicado que alguma vez enfrentou enquanto líder máximo dos dragões. A sombra do envolvimento em actos de corrupção não se apaga de um dia para o outro. Nem mesmo o semi-triunfo na UEFA (a admissão na "Champions" 2008/09 não significa que o clube não venha a ser punido no futuro) impede que a imagem do FC Porto, em Portugal ou no estrangeiro, deixe de poder ser associada a actos menos lícitos.Michel Platini, presidente da UEFA, voltou a torcer o nariz ao campeão português - desta vez em entrevista ao jornal espanhol "Mundo Deportivo", dizendo não estar satisfeito com a inclusão do FC Porto na Liga dos Campeões, devido ao envolvimento do clube em actos de corrupção. Por outras palavras, para o francês, até prova em contrário... os portistas são batoteiros! É óbvio que Platini podia (e devia) apontar outros casos, mas para nós, portugueses, só este é que ameaça a credibilidade do actual campeão, mas também de todo o futebol luso.Pinto da Costa devia direccionar toda a sua energia para este "combate". Pode estar coberto de razão, mas enquanto não demonstrar ao Mundo que nada de ilegal se passou, a nódoa irá ensombrar todo o brilho que o clube conquiste. E ele, melhor que ninguém, sabe-o. Mesmo que não o admita.
LUÍS AVELÃS

ENQUANTO RUI COSTA DÁ NO DURO...

...LFV curte as ondas na Praia do Tubarão.

CONDENADO


O acórdão que sentenciou Espregueira Mendes, administrador da FC Porto Comercial, em 6 anos de prisão efectiva por burla qualificada:

Com aplicações geradas e transferidas para conta em nome da mulher, o arguido pagou despesas pessoais, fez depósitos, depositou noutros bancos no valor de 90 mil ontnotos, 100 mil contos, cheque 45 mil contos, 50 mil contos. O argudoio, mediante contrato com banco, foi funcionário desde Setembro de 95 a Março de 1999, altura em que foi despedido. Era subdirector da rede particulares, actividade sempre exercida no Banco Mello, depois integrado no BCP. Através da mello valore negociava titulos e acções, em especial a partir de 95, numa fase de crescimento sem paralelo do mercado de capitais. Actuou e aproveitando-se de facilidade das suas funções e de facilmente proceder informaticamente à abertura de contas. Usou esquemas para vantagens para si e terceiros à custa de capitais alheios. O arguido por si e através de subordinados que actuaram às suas ordens desenhou um esquema para ser executado. Oferecia aos clientes aplicaçao segura, tendo garantido a devolução do montante mais juros, estes juros eram superiores aos praticados no mercado e aos permitidos no Banco Mello. Os clientes, acreditando estar a fazer depósitos a prazo, entregaram diversas e vultosas quantias em dinheiro. Usava papel e timbre do Banco Mello. O arguido não podia efectuar estas aplicaçães financeiras, que não cabia no âmbito das suas funçoes, o que fez sempre sem autorizaçao. O dinheiro que entrava ficava registada como aplicação e era transferido para conta paralela que ficava domiciliada na agência, o que era penas do conhecimento do arguido e funcionários da agência. Sempre sem conhecimento dos clientes, transferia o dinheiro para essas contas paralelas para esconder verdadeira aplicação dos investimentos, escondendo dos clientes verdadeiro destino do dinheiro. O arguido não ficava obrigado a pagar-lhes a totalidade dos lucros apenas entregando o acordado como taxa de juro. O arguido subtraiu ao Banco Mello milhares de contos. O negócio da bolsa permitia elevados ganhos, ganhos de que se apoderou, fazendo deles o que bem entendeu.
O próprio arguido fez em seu nome esta aplicação financeira. Para além disso, concedeu financimanetos e empréstimos concedidos à revelia do Banco Mello, recebendo cheques pré-datados sem conhecimento do Banco Mello. Emprestou a amigos e à SAD do FC Porto, da qual era administrador. Emitiu cheques e fez levanamentos em proveito pessoal. Quando foi suspenso, em Abril de 99, fundos investidos bolsa e restante saldo da conta-bolo, cheques pré-datados, todos estes montantes não permitiram repor capital dos juros. Por isso, banco teve de tapar o buraco, sendo a diferença de 617 milhões de escudos. O banco ainda teve de pagar 130 mil contos em taxas e 1, 254 milhão escudos resultado de perdas de crédito mal parado tendo como garantia cheques pré-datados. O maior financiamento foi feito a Joaquim Oliveira, na ordem dos 10 milhões de euros. A SAD do FC Porto beneficiou de um empréstimo de 2,5 milhões de euros. Estas pessoas eram alguém das relações do arguido e tinham ligações ao FC Porto e à sua SAD da qual o arguido era administrador. Como o mercado de valores imobiliários permitiu mais valias durante muito tempo, dava inúmeras ordens de compra em Bolsa. Através de ficheiros no seu computador controlava tudo e geria a seu bel-prazer os montantes conseguidos em bolsa, que em regra depositiva na conta de sua mulher. Estas mais valias permitiam-lhe creditar juros, comprar mais títulos em bolsa, emprestar dinheiro a quem decidisse, gerir juros dessa conta, e ainda pagar despesas pessoais, fazendo depósitos dessa conta noutros bancos. O arguido actuou para obter quantias em dinheiro para despesas pessoais e outras, de benficiar conhecidos e amigos e o fcporto atraves da concessao de emprestimos muito superios ao que tinha autorizazao que concedia sem garantia de contrapartida exigidas pelo banco para remunerar. Causava ao banco prejuizo patrimonial tendo perfeito conhecimento nao so do riscos conhecidos mas tambem riscos inerentes aos emprestimos, prejuizo que o afrguido sabia serem elevados, para mais o arguido tinha conhecimento dos riscos bolsa, sabendo que podia haver quebra ou crash como aconteceu em 99 e que podia nao obter dividendos necessarios. Sabia que o seu comportamente era permitido. A astúcia do burlao pode consistir em invocar um facto falso. O burlão enganou o burlado, convencendo-o a praticar actos em seu prejuízo, mentindo com engenho e habilidade. Nas situações mais graves, há que contar com a mais elaborada inteligência e astúcia do burlão, como é o caso vertente. O arguido actuou como se ele fosse o banco, delineou esquema que lhe permituu subtrair dinheiro ao banco, dinheiro confiado pelos clientes, enganou os clientes, conseguiu que fossem efectuados vultuosos depósitos, tudo fez para alcançar enriquecimento, geriu a seu bel-prazer mais de 20 milhões de contos, enriqueceu-se com quantias que não se conseguiram apurar. Considerando vultuosos montantes, o arguido sabia que o prejuízo que causaria ao banco sempre seria elevado, tudo fez de modo consciente e sabendo que a sua conta é punida por lei. Actuou como se fosse não um bancário mas um banqueiro. Impota censurar de modo firme este comportamento. Se este caso é um extremo estatístico, importa dizer que o burlao nao é só aquele que vende um embrulho fazendo cres que está cheio de notas e que só tem um tijolo. Este é um processo mais complexo pelo emaranhado de estrategemas do arguidos que se condena a seis anos de prisão efectiva.

SITE DO FCP ATACA DELGADO


"É recorrente e não surpreende, mas continua a esticar os níveis da decência. Assume-se como imparcial, pavoneia um cargo de chefia e tem direito a foto como enviado-especial ao Europeu. A sua missão, todavia, continua destapada. Hoje, nem uma linha sobre o campeonato da Suíça e da Áustria. Em contrapartida, muitas linhas em jeito de post num blogue vermelho. Será para isto que A Bola paga pernoitas a José Manuel Delgado?
Há clubes que querem ganhar direitos desportivos na secretaria e, pelos vistos, há também jornalistas que se dispõem a tudo para assumir a titularidade fora dos relvados, na defesa de um emblema, depois de anos a fio no banco de suplentes. Fica mal. A ambos. Mesmo que ambos partilhem os mesmos ódios.
O caso dos bilhetes, hoje difundido no jornal A Bola, explica-se em três parágrafos. E diz tudo sobre a índole de quem o cria e de quem o difunde.
Para que conste, quando emitiu a «Informação dos Preços dos Bilhetes» para o jogo com o F.C. Porto, o SLB definiu que, para o Piso 0 das Bancadas Coca-Cola/Sagres, os preços dos bilhetes destinados ao público seriam, respectivamente, 22 e 30 Euros, consoante se destinassem ao Piso 0 Inferior ou ao Piso 0 Superior. Na hora de enviar os ingressos para a F.C. Porto – Futebol, SAD, todavia, remeteu bilhetes de ambos os pisos, mas ao preço unitário de 30 Euros, facto que levou a LPFP a solicitar a rectificação do preço ou a substituição dos ingressos.
Como é seu apanágio, e apesar de o clube visitado não ter acatado a ordem da LPFP, enviando uma factura errada, a F.C. Porto – Futebol, SAD remeteu um cheque de 60.410 Euros, no dia 4 de Janeiro de 2008, para a liquidação dos ingressos facturados, com excepção daqueles respeitantes à Bancada Coca-Cola Piso 0, uma vez que ainda não estavam definidos os seus valores. O cheque foi devolvido pelo SLB a 13 de Fevereiro de 2008.
Face a este impasse, a Comissão Disciplinar da Liga optou pela justiça salomónica e multou os dois clubes. A F.C. Porto – Futebol, SAD decidiu, então, dirimir os seus argumentos em sede de recurso no Conselho de Justiça da FPF.
Este processo é tão cristalino como a cor clubística de quem agora o recupera em jeito de grande furo (?) jornalístico. O incumpridor é o SLB; o cumpridor e desavergonhado é o de sempre. É assim que a bola continua a rolar em Portugal."

BENFICA FORA DA TAÇA UEFA?


Não tenho muitos dados, apenas alguns indícios... O Benfica pode ficar fora da Taça UEFA! E porquê? Porque no momento em que o seu licenciamento para as provas europeias foi aprovado, ainda devia dinheiro ao América por causa de Alcides. Ficamos a saber que o Benfica só pagou essa dívida em Junho. Ora, pelos vistos a dívida existia e não terá sido declarada quando o Benfica fez o seu licenciamente, desrespeitando eventualmente este critério fundamental do manual de licenciamento, relativo à necessidade de inexistência de dívidas a clubes de futebol relativamente a actividade de transferência. O artigo reza assim:

"O candidato à licença deve provar que não tem dívidas a clubes de futebol relativamente a actividades de transferência em 31 de Dezembro do ano que precede a época a ser licenciada, salvo se, a 31 de Março do ano seguinte, as dívidas tiverem sido totalmente regularizadas, tiver havido um diferimento da dívida por mútuo acordo com o credor ou a dívida tenha sido objecto de um litígio não manifestamente fundamentado, submetido a uma autoridade
competente."

quarta-feira, junho 25, 2008

A TESE ACUSATÓRIA DO MP


O procurador Gonçalo Silva, em manifesto esforço, presume-se que devido a um problema físico, apresentou ontem ao colectivo do processo originário do Apito Dourado a sua tese acusatória, que BnA dá em rigoroso exclusivo à sua clientela*:


Quanto acrime de corrupção desportiva activa, "consuma-se quando se promete ou dá vantagem patrimonial por acto destinado a falsear um jogo. A consumação acontece no momento da promessa, não é necessário que o árbitro cometa actos contrários às leis do jogo.
Prática desportiva desenvolve princípios éticos (estampados na Lei de Bases) e foi por isso que o Estado instituiu medidas punitivas, tal é a importância que o futebol assume no dia a dia dos cidadãos e pelos valores que deve transportar e representar.
Interlúdio para que se sinta importância do desporto e do futebol na nossa sociedade e nos nossos sonhos que de algum modo foram postos em causa por actuações e processos como estes: um poema de Gedeão que nos diz eles nem sabem nem sonham que o sonho comanda a vida como bola colorida entre as mãos de uma criança. É dos poemas mais bonitos, a meu ver, da nossa contemporaneidade e aqui está expresso o valor da tal bola colorida, é para isso que há estas regras: para que todos possam sonhar, caso dos clubes pequenos, que também têm o direito a sonhar...
O árbitro é o vértice superior entre as equipas em competação, é a autoridade superior. Diz o regulamento disciplinae da FPF que deve pugnar pela lealdade e pelo respeito pela ética na actividade desportiva, tem que se abster de todo e qualquerr comportamento que possa pô em causa a verdade desportiva. Bem juridico é a prática desportiva. O núcleo de delito esgota-se no mercandejar com o cargo pelo agente.
O comportamenteo de José Luís Oliveira não pode ter justificação em querer que Gondomar não fosse prejudicado. JLO não conhece as regras do jogo que tornam desnecessária esta pressão...
Pinto de Sousa e Francisco Costa, presidente e vogal do CA da FPF, são considerados funcionários e a nomeação de arbitros estavam compreendidas no âmbito dessas funções. Preenchido elemento típico. Quanto às características da vantagem, se é patrimonial ou não, a verdade pode ser patrimonal ou não e o acordo pode ser tácito. Pinto de Sousa ao nomear árbitros do agrado do Gondomar é algo que só se compreende em termos de regras de experiência. Nomeações que efectuou a pedido de Oliveira eram como se fossem pedidas por Valentim Loureir. Em nossa opiniao, não as efectuaria se tnão tivesse tal pedido, como o diz a prova produzida em julgamento.
Quanto a 2003/2004, Valentim Loureiro era presidente da Câmara de Gondomar, da Metro do Porto, da Junta Metropolitana do Porto e presidente da Liga, além de ter sido sido presidente Boavista. Oliveira foi eleito presidente Gondomar e presidente da assembeia geral do Sousense, a partir de 2002/2003. Passou a ser presidente Gondomar a pedido de Valentim.

Pinto de Sousa era presidente do CA da FPF desde 1998 pelo menos até 2004 e foi durante anos dirigente do Boavista. Francisco Costa era membro do CA da FPF designado pela AF Porto, competia-lhe a nomeação de árbitros nomeadamente da zona norte. Luís Nunes era membro do CA da FPF indicado pela AF Veiro e competia-lhe nomeação de observadores e, além disso, é irmão de Henrique Nunes, treinador do Gondomar na época de 2003/2004. Gondomar SC é o clube mais representativa do concelho Gondomar. O futebol é um dos principais desportos, mobiliza multidões. Valentim e Oliveira tinham por ambição que Gondomar sc chegasse à I divisão nacional. Major Valentim Loureiro quer sempre mais e chegar mais longe. Major era presidente da Liga, tal cargo dava-lhe real poder, designadamente por a Liga ser o sócio com mais votos na FPF.
O cargo de presidente do CA da FPF é dos mais importantes e queridos por sócios da FPF, pelo que foi imposto ser eleito por 2/3 dos votantes e por isso em 97 não foi eleito CA da FPF. A seguir à Liga quem tem mais votos é a AF Porto, a AF Aveiro é das que tem mais votos e acresce o facto de Gilberto Madail ser oriundo dessa associação. A conjugação destas forças torna inviável eleição do CA da FPF Acresce que treinador do Gondomar SC foi o sr. Henrique nunes, tal treinador não era, escutas provam-no, sequer conhecido de Oliveira em Maio/Junho de 2003, foi-lhe indicado por Pinto de Sousa como sendo treinador "para subir", pensamos que a pedido de Luis Nunes.
Acresce que era do interese da AF Porto apoiar eleição de Pinto de Sousa apesar de Adriano Pinto ser “inimigo” de Valentim Loureiro, como resulta declarações de Manuel Vaz, mas Pinto de Sousa foi eleito atravee de negociação directa entre Valentim e Adriano Pinto, o que revela apoio de Valentim quer como presidente da Liga quer como amigo na eleição de Pinto de Sousa, que sabia que Valentim lhe dava acesso a corredores de poder. São estas vantagens que foram decisivas para sua eleição.

De cópia de livro de actas da FPF de 1998 e 2002 resultada que a lista de Madail só ganhou eleições de 1998 porque teve os 100 votos da liga. Lista de Duque teve 151 otos e ganhadora 334. Se passassemos votos, quem ganharia seria a lista de Luis Duque. Foi por a lista de Madail ter, em 2002 , apoio da Liga que Artur Jorge não conseguiu sequer ir avante com a sua candidatura...

Quanto ao suborno, não era preciso que Oliveira falasse em seu nome, tendo por trás Valentim Loureiro.


* Acho que o Boronha vai gostar desta peça

ALEGAÇÕES FINAIS


Começaram as alegações finais em Gondomar, no processo originário. O MP entrou ao ataque e apenas não pediu condenações para os árbitros Manuel Valente Mendes e Sérgio Sedas e para o assessor de arbitragem João Mesquita. Quanto ao árbitro António Eustáquio, pelo facto de ter falado o MP entende que deve ser beneficiado na sentença. Depois do procurador, os advogados. Primeiro o do assistente, os Dragões Sandinenses, Soft. Depois, Artur Marques, epifenómeno da barra nortenha, que começou a falar às 11.30 e ainda está a falar a esta hora. Já se ficou a saber que vai levar sopa do Tribunal Constitucional na contestação da validade das escutas. Neste momento, defende que a haver crime seja um crime continuado (medidas desesperadas). O juiz procura estar atento e concentrado enquanto Marques ameaça com recursos para os tribunais europeus...


(continua)

terça-feira, junho 24, 2008

Ainda as Classificações


Com a divulgação das classificações finais dos árbitros, encerra-se em definitivo a época de futebol, mas continuará por resolver o problema dos castigos aos árbitros.
Olhando para a tabela classificativa o primeiro lugar atribuído a Jorge de Sousa do Porto é perfeitamente normal e justo, pois ao longo da época todos os jornalistas e adeptos de futebol, verificaram que o árbitro portuense foi o que menos errou e foi o que nos jogos decisivos atingiu elevada percentagem de eficácia.
Artur Soares Dias o jovem arbitro prometedor da Associação de Futebol do Porto, após a impaciência inicial, fruto da sua juventude, viu o presidente dos árbitros depositar-lhe confiança e na segunda metade do campeonato atribuir-lhe nomeações que serviram para mostrar as suas capacidades e terminar a época num brilhante 3º lugar que abre as portas às insígnias da FIFA, pois a A.F.Porto vê partir um dos seus baluartes da arbitragem, Paulo Paraty, que fruto da época realizada poderia fechar a arbitragem com melhor número classificativo, se a ingratidão dos homens na arbitragem não fosse um ciclo quase sempre imoral, para aqueles que não se situam no sul do país. Uma palavra final para Elmano Santos, o árbitro madeirense que arbitrou muitos jogos de grau de dificuldade, não merecendo o ultimo lugar dos não despromovidos. Já Pedro Henriques, que tem sido sempre escolhido pela maioria da imprensa desportiva e por muitos adeptos, como o melhor árbitro português, esteve a 32 décimas de descer de divisão, provando que dentro do sector específico de arbitragem, não tem convencido os observadores a atribuir-lhe pontuações suficientes para ficar no lote dos melhores classificados, dando razão aos dirigentes e comentadores de arbitragem, que nos últimos anos verificam, que em quase todos os jogos é insuficiente no cumprimento integral das Leis do Jogo.

RIR É O MELHOR REMÉDIO

«um contributo de Jorge Reis [duplo clique na foto para ampliar]

A ÚLTIMA MISSÃO DE MADAÍL


Scolari já foi. Madaíl está para breve. Como em tudo na vida, também parece ter chegado o momento de na FPF se fechar um ciclo e traçar um novo rumo, necessariamente com ideias frescas e filosofia diferente. E outras pessoas, embora por lá exista quem tenha qualidade e trabalhe muito (e bem). Introduzir caras novas e ver sair de cena figuras já gastas não deve significar mexer em tudo e todos.Já me referi várias vezes a Scolari. Teve o mérito de saber vender como ninguém o seu produto; conseguiu ter a maioria dos futebolistas a puxar para o mesmo lado; uniu o povo em torno da equipa; fechou a Selecção aos interesses dos clubes nacionais (foi pena não ter bloqueado outro tipo de interesses...) e apresentou um conjunto de resultados interessantes. Mas, ainda assim, também falhou. E muito! Não precisávamos dos ataques de má disposição, da arrogância sempre que a conversa não lhe agradava, das lições de patriotismo e dos vários erros na hora de convocar, preparar jogos ou fazer substituições. E pior que tudo: não nos levou aos títulos. E mesmo descontando o Mundial de 2006, mantenho que em 2004 só tínhamos de ser campeões da Europa. E este ano, sabendo que nas meias-finais iríamos reencontrar uma Turquia que nem com os 23 jogadores disponíveis nos incomodava, estar na final era o mínimo. Enfim, já é história...Em relação a Madaíl, também sou capaz de apontar algumas falhas. No entanto, creio que essas não estão directamente relacionadas com a Selecção. Nesse particular, o homem esforçou-se: foi buscar um técnico campeão do Mundo (com auxílio exterior para pagar os ordenados), contribuiu para que Portugal organizasse um Europeu e concedeu condições de excelência para a equipa se preparar. As suas falhas não foram tão visíveis quanto as de Scolari. A inacreditável perda de qualidade do futebol luso ao nível dos escalões de formação e a gigantesca confusão em que se transformaram os Nacionais de II e III Divisão, por exemplo, não são assuntos muito mediáticos. Embora sejam bem mais importantes do que se pensa.Antes de passar a pasta, Madaíl tem, em mãos, a última missão: encontrar um novo seleccionador. E nem o facto de estar de saída lhe retira pressão sobre a escolha. Uma má opção pode ter consequências nefastas durante muito tempo, monetária e desportivamente.Não creio que a solução tenha de passar obrigatoriamente por um português. Não sou apologista de naturalizações na Selecção (faço questão de registar a qualidade das exibições de Deco e Pepe no Europeu, o que não me surpreende, pois ser contrário às naturalizações não significa considerar os jogadores em causa maus "artistas"...), mas não me incomoda ver um estrangeiro no banco. Ainda assim, se possível, votaria em Mourinho ou Queiroz. Só que o primeiro, por agora, é impossível e o segundo, para além de pouco provável, não consta ser devidamente apreciado na Federação.Numa segunda linha nacional, Humberto Coelho e Manuel José também me parecem nomes a ter em conta. O primeiro já tem experiência (e recordo-me que a equipa jogava quase sempre bom futebol), mas vai assumir o cargo na Tunísia, enquanto o segundo foi ganhando o respeito interno à custa de dúzias de vitórias em África.Fernando Santos, Jesualdo Ferreira e José Peseiro também são falados mas, sinceramente, não os vejo com "embalagem" para esta tarefa.Lá por fora, assumo, estou rendido a Guus Hiddink. Embora acredite que os russos estão dispostos a ofererer-lhe meia Praça Vermelha para continuar a contar com os seus serviços, creio que valeria a pena tentar. É que o homem tem o condão de fazer brilhar tudo onde mexe, independentemente de ser na Europa, Ásia ou Oceânia. Mas, no mercado internacional, o que não faltam são nomes sonantes. E, seguramemente, gente interessada em tomar conta de uma equipa com alguns dos melhores futebolistas da actualidade. Ter uma equipa notável e jovem é um óptimo cartão de visita. O problema é saber escolher quem tem "mãozinhas" adequadas para um "carro" assim. Pessoalmente voto contra brasileiros e italianos.PS - Chegou-me aos ouvidos que Madaíl pode estar tentado a abordar Cruyff, uma "paixão" antiga. Há quem diga que essa pode ser a grande surpresa. Veremos. Surpresa por surpresa, que seja o holandês e não Paulo Sousa como já li por aí...

LUÍS AVELÃS

S. João do Porto


Terminei mais uma noite de S. João do Porto e espero que todos os portuenses e visitantes se tenham divertido.
As habituais fêveras, chouriço e entrecosto na brasa, acompanhado por um Verde da Casa de Oleiros, abrigados da chuva miudinha que nao deixou lançar o balão.
A seguir, a sardinha assada que ainda não está no seu melhor, o caldo verde, terminando com um pudim caseiro e sempre muita alegria tripeira.
Antes da meia-noite assistir ao fogo de artificio e como manda a minha tradição, uma caminha, dando umas marteladas e usando o alho porro, até ao Jornal de Noticias, para comprar a edição do dia, pois adoro ler o resultado do Concurso das Quadras de S.João.
Mais logo, o delicioso cabrito, em família, para encerramento em grande da quadra do santo popular.

domingo, junho 22, 2008

DE CEBOLADA

Meus amigos, o problema não é o Benfica.
O problema é Pinto da Costa ter um fétiche com o Benfica.
Craque que ali brilhe fica logo na sua mira. Assim, com um só tiro mata dois coelhos: tira uma mais valia ao rival, acrescenta valor ao FCP.
Mais uma vez o Benfica só acordou quando o FCP já tinha tudo (con)tratado. O "Cebola" apenas andou a empalear...
É, sem dúvida, um grande reforço para o FC Porto, embora com ordenados altos. Fica a certeza também que Quaresma é para despachar. Mas nunca pelos tais 40 milhões...

AVISO DE TEMPESTADE

Afinal os tipos sem nome não destroem apenas Porsches também se dedicam à queima de autocarros. Quem trava estes energúmenos? O próximo campeonato vai ser...fogo. Crispação em alerta máximo. As autoridades, essas, assobiam para o ar... também é verdade que não podem prender ninguém, com a nova lei uma simples apresentação às autoridades evita estágios pagos!

http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=351690

"SPECIAL" QUE SE SEGUE


E O PRÓXIMO SELECCIONADOR É...


sábado, junho 21, 2008

A evolução da espécie


O jornal inglês The Gardian promoveu um concurso para a premiar as melhores montagens a propósito da ida de Scolari para o Chelsea. Esta imagem, sobre a evolução da espécie aplicada aos vários treinadores que passaram pelo clube nos últimos anos, foi a vencedora. Mas na galeria do The Gardian há mais montagens, algumas bem mais fortes, mostrando o lado mais macho de Felipão. Quem tiver curiosidade, aqui fica o link: http://www.guardian.co.uk/football

sexta-feira, junho 20, 2008

E ESTA, heim?

E que tal a Turquia campeão da Europa depois da Grécia? Gregos e troianos de novo a definirem-se como grande potências. Bem vistas as coisas, os helénicos ganharam a guerra - após dez anos de esforços... - mas quem ficou com a Helena foi o Páris...

AFINAL...

...ainda pode cumprir o seu sonho

JB AUTÊNTICO

Embora com a sensação de que estou a fazer algo ética e deontologicamente reprovável, aqui deixo uma resposta do JORNALISTA Jorge Baptista [aquele senhor à direita do barbudo] a um comentário de João Paulo Meneses, no seu blog, a propósito de uma pretensa incompatibilidade entre o seu estatuto de colaborador da UEFA e de comentador:
Fui informado que o senhor (que nao tenho o prazer de conhecer) decidiu dedicar-me algum espaco na defesa daquilo que considera ser minha falta de etica na profissao de jornalista. Pois bem, meu caro, em 28 anos de profissao ja lutei mais por ela do que o senhor com ou sem blogue algum dia o fara. Curiosamente, é voce o proprio quem o diz neste seu blogue, que ele é a sua opiniao e nao a opiniao da TSF. Sera? E sera esta sua posicao etica? O que sabe voce de etica numa profissao que ha muito deixou a ter? Quem é voce e o que fez em prol do jornalismo para se vir alvorar em defensor de uma etica que voce desconhece? E quem é voce para vir por em causa a idoneidade de alguem que voce nao conhece nem como pessoa e muito menos como profissional? Onde é que voce ja me viu (ou ouviu) deturpar a minha condicao de comentador (ou jornalista) sem a mais pequena macula? Porque nao se entretem voce a denunciar alguns jornalistas - ate directores de jornais - que recebem dinheiro para escrever determinados artigos? E olhe que podia ficar aqui dias a explicar-lhe com que tipo de etica é que voce se devia preocupar. Apesar de ha muito estar desalentado com esta profissao e apesar tambem de nao possuir carteira profissional desde ha mais de 15 anos, fique sabendo que nao é a carteira que lhe permite ser ou nao etico em relacao ao que faz ou diz. Por isso, apesar de o senhor nao gostar e apesar de eu nao exercer efectivamente o jornalismo por que sempre lutei (devido ao boicote e à inveja de muitos dos seus (meus) colegas, considero-me jornalista de corpo e alma quer o senhor goste ou nao, tenha eu carteira ou nao. E fique tambem sabendo que nao lhe admito a si nem a ninguem que coloque em causa e minha isencao, honestidade e idoneidade. A mim, certamente, o senhor nunca me ha-de ensinar coisa nenhuma. Dou-lhe um conselho, se me permitir: leia com atencao os jornais, ouca com atencao as radios e televisoes e depois quando quiser falaremos de etica.Ja agora, para terminar, fique sabendo que para alem de comentador ha 13 anos, colaboro com a UEFA ha 10 e com a FIFA ha 18. Pelo visto so agora é que voce descobriu. Afinal onde é que tem andado? Passe bem.

quinta-feira, junho 19, 2008

NÃO CUSTA NADA ACREDITAR


Fomos de vela.
Sem espinhas.
Dois frangos de Ricardo - em lances semelhantes ao fatal golo grego na Luz - tiraram sobretudo a Deco o direito de seguir em frente. Portugal abriu-se, a Alemanha entrou pela brecha.
Simples. Fácil.
Saímos do Euro, como disse Scolari, "entre as oito melhores equipas" da competição.
Triste consolo.
Scolari, esse, vai à sua vidinha. Foi finalista vencido do Euro que organizámos, apurou Portugal para o Mundial (o que também fizeram José Torres e António Oliveira) e morreu na praia (meia-final), apurou Portugal "à rasca" para o Euro que ainda decorre e ficou-se pelos quartos com vista para a final. O que ganhou Felipão? De concreto, nada. No geral, prestigiou a equipa de todos nós. Que antes da sua chegada tinha garantido uma presença no Mundial e tinha tido presenças muito honrosas no Euro de 2000 (com Humberto Coelho) e no Euro de 1996 (com António Oliveira), falhando um Mundial pelo meio com Artur Jorge por causa de um tal Marc Vatta que ontem foi 4.º árbitro.
Feitas bem as contas, Scolari na selecção portuguesa pouco valor acrescentou. Foi mais "show off".
Ok, reconheço, tornou Deco tão português como o Murtosa de sempre.

O CAMPEÃO DO RIDÍCULO


"Um bom treinador pode melhorar uma equipa no máximo em 10%; no entanto, um mau treinador torna uma equipa pior em 50%". Segundo Reinhard K. Sprenger, consultor financeiro e autor de um livro ("Bem Posicionado", edição da Centro Atlântico.pt) sobre estratégias do futebol aplicadas às empresas, esta frase lapidar de Giovanni Trappattoni é "uma das mais importantes opiniões que o futebol pode pôr à disposição da economia". Nem mais.A "Velha Raposa" italiana acrescentou 10% à equipa do Benfica que venceu o campeonato 2004/2005 mas, em condições normais, tal dificilmente seria suficiente para lhe dar o título. O que só aconteceu porque em Dezembro de 2004 o Apito Dourado rebentou também nas mãos de Pinto da Costa e atingiu o FC Porto dos pés à cabeça, criando entre os árbitros uma espécie de mecanismo de defesa sempre que dirigiam jogos dos azuis e brancos. Ou seja, na dúvida, raramente beneficiaram a equipa portista. Resultado final: Benfica campeão, depois de uma longa travessia do deserto.É certo que nessa época o FC Porto também deu alguns tiros nos pés. Luigi Del Neri foi despedido à má fila depois do estágio na Holanda sob o argumento de que se tinha atrasado no regresso, Víctor Fernández foi campeão do mundo mas não convenceu e cedeu depois de ver os Super Dragões invadirem o terreno onde treinava e José Couceiro não conseguiu reparar os estragos, assinando uma das mais humilhantes derrotas da história do FC Porto, em casa, com o Nacional da Madeira de José Carlos Pereira, o treinador que copiou o sobretudo de José Mourinho (e não só).Voltando à frase de Trappattoni - treinador que o Benfica fez pouco para convencer a ficar depois de proeza tão grande - que Sprenger valorizou, podemos também aplicá-la aos dirigentes. Mas aqui talvez com outros valores. Quanto vale um presidente na maximização das potencialidades de uma equipa? No caso concreto de Jorge Nuno Pinto da Costa, será exagero dizer que tem um valor acrescentado de 20%? Acho que é pecar por modéstia... Sem ser preciso enumerar os títulos conseguidos pelo FC Porto sob o comando do seu líder, até os seus adversários mais empedernidos pela doença do fundamentalismo reconhecem que se o actual presidente do FC Porto continuasse a vender fogões a hegemonia desportiva portista dos últimos anos não passaria de um sonho.Os adeptos do FC Porto sabem o que devem a Pinto da Costa. Só por isso é que sempre lhe deram o benefício da dúvida mesmo quando sentiram que o clube podia ser penalizado por actos praticados, à margem da lei, pelo presidente. Actos - ainda não provados - ainda assim cometidos em favor do FC Porto. Numa situação de guerra, os crimes por norma justificam medalhas. E não é de uma guerra que, afinal, estamos a falar?Uma guerra que o Benfica de Luís Filipe Vieira continua a querer perder. Agora pelo ridículo de mais um ataque. Pedir à FPF uma indemnização de 30 milhões de euros pelo facto de não ir à Liga dos Campeões na vaga do FC Porto não só é ridículo como também escabroso. O Benfica não merece estar na Champions. Na última época desportiva, nada fez por isso e até pelo Vitória de Guimarães foi comido de cebolada. A presença na Taça UEFA é um prémio se calhar imerecido. O Belenenses fez muito mais por ela...É certo que a guerra do Benfica parece ser outra. Não consegue ganhar no campo, tenta ganhar na secretaria e nos tribunais. Mas nesse campo não se assume. Apostou num cavalo e chamou a si créditos que não lhe pertencem. E quando pretende reforçar esta frente só contribui para a descredibilização do processo. De tiro no pé em tiro no pé, o clube da Luz continua a viver na expectativa de um milagre.Ora, que se saiba, apenas Pinto da Costa costuma frequentar o santuário de Fátima.


quarta-feira, junho 18, 2008

O PORTO NA FRENTE

[actualizado]
Aí está a classificação dos árbitros da época de 2007/2008:
1.º Manuel Jorge Neves Moreira de Sousa 3,726
2.º Olegário Manuel B. F. Benquerença 3,720
3.º Artur Manuel Soares Dias 3,680
4.º Duarte Nuno Pereira Gomes 3,652
5.º Pedro Proença de Oliveira Alves Garcia 3,634
6.º Bruno Miguel Duarte Paixão 3,632
7.º Carlos Miguel Taborda Xistra 3,632
8.º Rui Jorge Rodrigues da Silva 3,615
9.º Lucílio Cardoso Cortêz Baptista 3,601
10.º Vasco António Moreira dos Santos 3,599
11.º João Carlos dos Santos Capela 3,594
12.º Paulo Jorge Lourenço Baptista 3,593
13.º Cosme da Cunha Machado 3,589
14.º Luís Alberto Cansado Reforço 3,585
15.º Hugo Filipe Ferreira de C. Moreira Miguel 3,580
16.º Marco Bruno dos Santos Ferreira 3,578
17.º João Francisco Lopes Ferreira 3,569
18.º Rui Manuel Gomes da Costa 3,556
19.º Paulo Manuel Gomes da Costa 3,538
20.º Pedro Jorge Carvalheiro Henriques 3,526
21.º Elmano Carlos Fernandes Santos 3,513
22.º Joaquim Paulo Gomes F. Paraty da Silva 3,496
23.º Augusto José Bastos Duarte 3,488
24.º
Paulo Cesário Barbosa Pereira 3,467
25.º
João Carlos Fonseca Vilas Boas 3,459


Nota principal: Dois árbitros do Porto no pódio e três no top ten.
Outras: confirmada a recuperação de Duarte Gomes após um início de época desastroso, Proença, Paixão e Xistra a manterem performances altas, Olegário confirmado no top dos internacionais com Lucílio a uma prudente distância, grande 8.º lugar do vilarealense Rui Silva, suspenso 20 meses pelo CD da FPF porque aceitou uma pulseira em ouro do Gondomar, 11.º do estreante João Capela não foi mau, o mesmo para o também lisboeta e Hugo Miguel, com o "Collina" Cosme Machado também a não se sair mal. Má posição para o internacional Paulo Costa, penalizado pelo facto de não ter feito o "cooper" no Alfeite devido a um problema físico e não bonificado quando repetiu o teste e fez mais 5 voltas que o mínimo. Elmano Santos salva-se da descida por uma unha negra, Paraty despede-se em posição de descida (penalizado nos últimos jogos) enquanto Braga perde dois árbitros (Augusto Duarte e João Vilas Boas) e Viana do Castelo (Paulo Pereira) um... Sobem de categoria André Galha, de Santarém, que já passou por aqui, António Costa, o carteiro de Aveiro, Nuno Roque, de Coimbra, árbitro que já desceu da 2.ª para a 3.ª categoria, e Bruno Esteves, de Setúbal. Luís Catita, de Évora, fica na expectativa do recurso de Rui Silva...pois o plenário da CD da FPF decidiu que deve prevalecer o regulamento de arbitragem da FPF e, sendo assim, na eventual vaga de Rui Silva sobe o 5.º classificado da 2.ª categoria e não o primeiro a descer da 1.ª categoria. Quanto a Carlos Duarte, grande candidato a primeiro classificado na 2.ª categoria, ficou em 7.º lugar...porque levou uma martelada final e não foi do juiz António Carneiro da Silva.

DOR DE...


« UM CONTRIBUTO DE PEDRO COELHO



- Sabem porque é que o FC Porto não tem ciclismo ?
- Porque é o único desporto que não tem árbitro….z

- Sabem quem é o melhor marcador do FC Porto ?
- É o Vidoso. Em quase todos os jogos do FC Porto há um golo do Vidoso….

- O que representa Pinto da Costa num autocarro com 40 árbitros ?
- Ali Babá e os 40...árbitros

- O que significa ANTAS ?
- Associação Nacional de Todos os Árbitros S...

- Qual é o concelho com mais portistas ?
- É o conselho de arbitragem

terça-feira, junho 17, 2008

QUIZ ARBITRAGEM


Com base no manal "Perguntas e Respostas - Futebol de Onze", do árbitro-formador Sérgio Pereira, aqui se inicia um desafio aos nossos leitores que se dizem entendidos na matéria.


P - Diga duas situações em que um jogador de uma equipa obtém golo e, mesmo assim, cabe executar a essa equipa o pontapé de saída.

RESPOSTA - Golo marcado na própria baliza. Golo obtido no final da 1.ª parte pela equipa contrária aquela que tinha usufruido do pontapé inicial de jogo.

ALBERTO GONÇALVES E SCOLARI


"Não sou mais que os outros, e por isso tenho vivido com natural ansiedade a crise que o país atravessa, resultado da globalização e do capitalismo selvagem. Como toda a gente, passo noites em claro a ponderar, aflito, os incontáveis riscos da situação: e se a saída de Scolari desmotiva os jogadores no "Euro"? E se a equipa perde o respeito a um indivíduo que, incompreensivelmente, muda de emprego a troco de um salário melhor? O anúncio não terá sido prematuro? E depois do "Euro", que substituto estará à altura do homem que um dia afirmou "Matraquilho é pimbolim"? Madaíl resolverá a situação a tempo útil? A situação é resolúvel? Que figura faremos na África do Sul, admitindo que a África do Sul interrompe a imolação pública de estrangeiros para receber o campeonato do mundo? Valha-me Deus: não sei. Não sei o que será de nós. Sei que o sono não chega e que, em breve, Scolari parte. Scolari, a família de sempre, os amigos de sempre e, é claro, o Murtosa de sempre. E Portugal, o Portugal de sempre, cá fica."
in DIAS CONTADOS, "Diário de Notícias"

GERMANOS, CUIDEM-SE

Venham os boches nem que seja disfarçados de sioux. Pelo menos o alvo está bem definido para o bombardeamento. É mais uma águia para depenar.

Diz Luís Avelãs:
Confirmaram-se as previsões: o adversário de Portugal nos "quartos" do Europeu vai ser a Alemanha. Em teoria, este era o opositor a evitar, mas mesmo depois de terminarmos a "poule" A na frente lá temos de apanhar com eles. Só que, após ver os três jogos dos germânicos no Grupo B, não sei se tivemos sorte ou azar. Depende... Se calhar, os croatas (que "limparam" o seu agrupamento, mesmo jogando o último jogo com os suplentes) eram mais complicados, até porque todos iriam dizer que Portugal estava obrigado a vencer. Assim, sempre nos escudamos na habitual conversa dos 50 por cento para cada lado.Gostei muito do desempenho alemão contra a Polónia; considero que não fizeram nada de jeito com a Croácia e foram apenas razoáveis perante uma esforçada mas visivelmente incapaz Áustria. Por outras palavras, não sei qual o real valor desta Alemanha, sendo certo que, quando acertam o passo, são - indiscutivelmente - uma equipa poderosa.Independentemente do "naufrágio" perante os croatas, penso que a Alemanha ainda não apanhou ninguém do calibre de Portugal. Se a Selecção Nacional jogar o que pode e sabe - dentro da linha do que mostrou ante turcos e checos - não creio que seja impossível afastar os alemães. Bem pelo contrário. Se eles são bons, nós também somos. E se nós podemos ser batidos, eles também...Curiosamente, quis o destino que fosse um futuro jogador de Scolari no Chelsea a assegurar o embate entre alemães e portugueses. Ballack, com um "disparo" incrível, colocou um ponto final no bonito sonho dos comparsas austríacos. A força e a capacidade atlética são, por norma, o grande problema luso quando pela frente surgem alemães. No entanto, tendo em conta o maior descanso dos nossos atletas, até essa desvantagem pode ser minimizada de forma evidente. Dava jeito era que Schweinsteiger continuasse de fora. É que o rapaz tem a mania de marcar golos a Ricardo...Quinta-feira logo veremos que Alemanha nos vai sair em sorte. Mas, mais importante que isso, é podermos contar com todas as nossas "armas" em pleno. Se, por exemplo, Cristiano Ronaldo provar, mais uma vez, que é o melhor futebolista mundial da actualidade; se Deco arrancar umas quantas assistências; se Petit e Moutinho se agigantarem contra um meio-campo atlético e se a dupla Pepe-Ricardo Carvalho voltar a exibir um entendimento quase perfeito... as meias-finais são nossas. Continuo a acreditar!PS - A UEFA já garantiu a presença do FC Porto na próxima edição da Liga dos Campeões. Só que, infelizmente, não o fez "limpando" o nome do campeão nacional, mas apenas porque não parece existir tempo para o Conselho de Justiça da FPF se pronunciar antes da "Champions" começar. Quer isto dizer que, tal como previa, esta "novela" ainda vai ter muitos episódios, para mal da imagem internacional do futebol português. Os dragões vão jogar, mas continuam a ser suspeitos de comportamentos irregulares o que, convenhamos, é um péssimo cartão de visita.

TIRO NELE

Excerto de uma entrevista de António Lobo Antunes (ALA) à revista Visão onde, às tantas, se evoca a dita "guerra do Ultramar", em Angola, em que o ilustre Autor tomou parte.
V: Ainda sonha com a guerra?
ALA: (...) Apesar de tudo, penso que guardávamos uma parte sã que nos permitia continuar a funcionar. Os que não conseguiam são aqueles que, agora, aparecem nas consultas. Ao mesmo tempo havia coisas extraordinárias.Quando o Benfica jogava, púnhamos os altifalantes virados para a mata e, assim, não havia ataques.
V: Parava a guerra?
ALA: Parava a guerra. Até o MPLA era do Benfica. Era uma sensação ainda mais estranha porque não faz sentido estarmos zangados com pessoas que são do mesmo clube que nós. O Benfica foi, de facto, o melhor protector da guerra.E nada disto acontecia com os jogos do Porto e do Sporting, coisa que aborrecia o capitão e alguns alferes mais bem nascidos. Eu até percebo que se dispare contra um sócio do Porto, mas agora contra um do Benfica?
V: Não vou pôr isso na entrevista...
ALA: Pode pôr. Pode pôr. Faz algum sentido dar um tiro num sócio do Benfica?

» um contributo de Pedro Coelho

segunda-feira, junho 16, 2008

OLIVEIRENSE*

Com tanta informação para digerir - Euro, Apito Final, Ronaldo/Nereida, Scolari no Chelsea... -, será que alguém reparou que a equipa de Hermínio Loureiro subiu à II Liga?

* Não confundir com Oliveirinha

LIVROS, AINDA*

A "Esfera dos Livros" continua a dar-lhe. Ao mesmo tempo que lança, de Eduarda Maia, aquela giraça do "Juiz Decide", "Sócrates - o menino de ouro do PS", dá a estampa também, de Ricardo Marques, jornalista da "Sábado", "Assim se Matam os Portugueses".

ESTRATÉGIAS DO FUTEBOL APLICADAS ÀS EMPRESAS

"Não há nada que seja tão empolgante como a economia, excepto o futebol". O mote de "Bem Posicionado - estratégias do futebol aplicadas às empresas", uma edição da CentroAtlantico.pt, é cumprido em 248 páginas de boa leitura, numa livraria perto de si ou em http://centroatlantico.pt/titulos/desafios/bemposicionado.php3. Aí se fica a saber, por exemplo, que uma das mais importantes opiniões que o futebol pode pôr à disposição da economia, provém de Giovanni Trappattoni: - Um bom treinador pode melhorar uma equipa no máximo em 10%; no entanto, um mau treinador torna uma equipa pior em 50%". Reinhard K. Sprenger, consultor de gestão e especialista em liderança em quase todas as empresas do DAX, é o autor deste belo ensaio. Que recomendo.

UFFFFFFF, BENFICA NA UEFA


A pedido de várias família, cá vai: a decisão da UEFA de manter o FCP na Champions não surpreende. No Júri de Apelo já tinha ficado no ar esta possibilidade. Vistas bem as coisas, está bem que seja assim. Há que acreditar na justiça desportiva e se a FPF afirma que o processo do FCP não transitou em julgado é porque é assim. Deverá assumir por inteiro essa responsabilidade. Há direitos e garantias para respeitar e, se é assim, pelo menos dizem que é, o FCP não poderia ser penalizado por algo que ainda não está decidido em definitivo e não o será a tempo do sorteio da Champions, embora o presidente do CJ tenha dito há poucas semanas que tudo estaria pronto até ao dia 11 de Junho. Sabia-se que dificilmente tal poderia acontecer. Confirma-se. A complexidade dos acórdãos da CD da Liga exige um certo respeito e tempo. Qualquer decisão tomada em cima do joelho seria uma má decisão. A UEFA não quer batoteiros nas suas competições mas não é por isso que tem de fazer batota nestas coisas. Para os adeptos do FCP, a notícia de hoje é mais uma boa notícia de uma época de sucesso. O FCP fez, em 2007/2008, por merecer o lugar que vai ocupar na Champions. Mas outra coisa é que continua em causa. Isto é, um processo no qual o FCP está acusado de tentativa de corrupção - a correr nas instâncias desportivas. E mais um processo por corrupção desportiva já com julgamento apontado (Beira-Mar-FC Porto), outro que aguarda debate instrutório (FC Porto-Estrela da Amadora) e mais um que não tarda nada está a ser recambiado para o tribunald e Gondomar (Nacional da Madeira-Benfica). Andou bem o departamento jurídico nas últimas semanas, quando correu atrás do prejuízo. Benfica e V. Guimarães fizeram o seu papel, ou seja, foram à babugem. O FCP faria o mesmo. O programa segue dentro de momentos.

PS - Não está porta de parte a possibilidade de o FCP iniciar a Champions e, no caso de entretanto o CJ confirmar os acórdãos do CD da Liga, ser afastado da competição com esta a decorrer...

domingo, junho 15, 2008

SEGUE PARA PROLONGAMENTO


Neuchatel, Genebra, Basileia ou... Nyon. Na Suíça, por esta altura, só dá Portugal. Por mais que os pacatos helvéticos tentem passar ao lado da "invasão" lusitana, a verdade é que isso é impossível. O problema é que, infelizmente, o País não é só falado pela qualidade dos seus futebolistas ou pelo sensacional entusiasmo dos emigrantes. Há sempre um lado negativo e esse, como não poderia deixar de ser, é protagonizado por alguns dos principais emblemas cá da terra que, por estes dias, resolveram "encher a cabeça" dos senhores da UEFA por causa da nossa cíclica tendência para o "futebol subterrâneo".Continuo sem saber se o FC Porto é ou não culpado daquilo que é acusado. O que tenho a certeza é que o futebol português não sai prestigiado com as constantes "guerras" e "guerrinhas" em que se envolve. Quando a coisa deixa de ser uma questão interna e alastra lá para fora, é toda uma indústria que fica em causa. Um País que tem uma Selecção tão forte e que possui o melhor jogador do planeta devia saber tirar todo o proveito disso. Mas os portugueses, sempre com queda para o deslize, parecem ter prazer em fazer tudo ao contrário e arranjar confusão. Enfim, faz parte do nosso código genético...Objectivamente, creio que o FC Porto conseguiu empatar, em cima do apito final, um "jogo" que parecia perdido. No entanto, como sempre sucede nas partidas que seguem para prolongamento e/ou grandes penalidades, agora tudo pode acontecer. E como são clubes portugueses envolvidos, a "partida" não vai, seguramente, terminar com o último "apito" do "árbitro". Alguém quer apostar?PS - Ricardo aproveitou uma conferência de imprensa da Selecção para exibir a sua já famosa queda para a vitimização. E com um sorriso nos lábios "bateu" forte naqueles que apelidou de "profetas da desgraça". Curiosamente, não apontou nomes, nem factos. Será que todos os que ousam discordar desta ou daquela opção do treinador (como manter a titularidade de Ricardo depois de uma época fraquinha...) serão, automaticamente, profetas da desgraça? Não me parece. E já agora, para que conste, conheço muita gente que não morre de amores por Scolari, nem pelo guarda-redes Ricardo. No entanto, todos eles, porque são portugueses, sofrem com a Selecção e desejam o título europeu. Se Ricardo conhece anti-patriotas que torcem contra tem o dever de os denunciar publicamente. Caso contrário, é melhor concentrar-se no seu trabalho e, por exemplo, melhorar as saídas aos cruzamentos. É isso que todos nós queremos!


LUÍS AVELÃS

SOCCER CAR*

* aceita-se seguradora

CONTRABANDO DE PROVAS

A lei processual penal tem regras rígidas quanto à produção, utilização e valoração da prova, não obstante o princípio da livre apreciação da prova que concede ao julgador larga margem de manobra na apreciação das provas. Pela importância que a prova assume na verificação ou não do crime, na punibilidade ou não do arguido e na determinação da pena ou medida de segurança, ou seja na busca da verdade material, não pode reinar uma lógica de vale-tudo. E não pode porque estamos a lidar com direitos fundamentais, com protecção constitucional que veda em absoluto o contrabando de provas.Vem isto a propósito da utilização, num processo disciplinar, de meios de obtenção de prova, no caso escutas telefónicas, ordenadas no processo-crime. À luz da lei, tal utilização não pode ser feita. Os métodos proibidos de prova incluem os meios de prova e os meios de obtenção de prova. Logo, é proibida, quer pela Constituição quer pela lei processual penal, a utilização de escutas telefónicas fora do processo-crime. E não é por uma questão de lógica, como diz Vital Moreira, que defende, de forma bizarra para um constitucionalista, esta utilização. É para defesa do Estado de Direito e do direito à intimidade que só pode ser restringido no processo penal e não em qualquer processo de importância menor, como é o caso do processo disciplinar na jurisdição desportiva. Mesmo no processo penal, esta prova só é aceite como excepção para crimes de gravidade mais robusta e com certa especificidade. A certeza jurídica, a verdade material que se pretende obter com a produção de prova nunca é absoluta, o que significa que a proibição de utilização de certa prova funciona como um limite a essa descoberta. Ainda bem que é assim. É um sistema equilibrado assente numa exigência de superioridade ética do Estado que, sob a égide de um justiça penal eficaz, não esquece os direitos fundamentais, não esquece 40 anos de atropelos, que valem, como diz Costa Andrade, como direitos de defesa e proibições de intromissão ou agressão por parte dos poderes públicos. Agir de acordo com as regras preestabelecidas e no respeito pelas garantias de defesa do acusado é o caminho a seguir. De acordo com a teoria penal da ‘árvore envenenada’, o processo disciplinar que utilize – e, pior, valorize – as escutas telefónicas está envenenado e contaminado e, por isso, viciado.

Rui Rangel, juiz, no CM

sábado, junho 14, 2008

NÃO AFIRMA PEREIRA


Estranho e ensurdecedor silêncio de Vítor Pereira, líder da Comissão de Arbitragem da Liga, a propósito da tomada de posição de todos os apitadores do quadro principal em defesa de Rui Silva, árbitro barbaramente castigado pelo CD da FPF só porque aceitou um fio de ouro do Gondomar e rejeitou um segundo, não mencionando estes factos no relatório do jogo. Será que já encontrou as sapatilhas coloridas que perdeu em Leiria?

A BATALHA DE NYON E O CONDE REDONDO

"O Jogo" de hoje, num texto filh de pais incógnito, faz o elogio de Adelino Caldeira, "razoável jogador de golfe" e responsável por "xitos jurídicos" a Co Adriaanse e Luigi Del Neri. Também é aí carinhosamente tratado por "Conde Redondo". Caldeira é apresentado como o grande vencedor da batalha de Nyon e seus detractores são desde logo fulminados, colocados (quiçá precipitadamente) na galeria dos vencidos - de Hermínio Loureiro a Rui Moreira. O que é feito com um desplante e uma certeza que me levam a pensar que o FC Porto vai ganhar esta guerra. Ou será que esta questão é também redonda como a bola e ainda vêm aí algumas surpresas para os condes e barões do nosso futebol? Para já, tive uma: ver o Vitória de Guimarães tão empenhado na defesa dos seus "interesses". Um dia o clube da cidade-berço tinha de acordar. Depois de ter perdido Rabiola em Janeiro, agora foi a vez de o "amigo" FCP rejeitar o prolongamento do empréstimo de Alan. Cá se fazem, cá se pagam. Não é só na nossa casa que levamos goleadas...

PS - Interessante, no mínimo, o texto assinado hoje por JMD in A BOLA sobre o facto de o recurso de Pinto da Costa só poder aproveitar ao FCP no processo relativo ao jogo FC Porto-Estrela...
PS 2 - Meus amigos, mais atenção e empenhamento: 1-0 é um mau resultado para o FCP num jogo com o Benfica...

IBERISMO

Enquanto os ingleses bebem pints e franceses, alemães e italianos ainda têm muito que pedalar, a Península Ibérica apurou duas das suas selecções para os quartos-de-final do Euro. E só duas porque Andorra, a Catalunha e a Região Autónoma da Madeira não estão lá...

sexta-feira, junho 13, 2008

Ronaldo lá acertou...


O atacante brasileiro Ronaldo arranjou nova namorada e desta vez parece ter acertado no sexo. Chama-se Nicole, tem 22 anos, é modelo e foi recentemente considerada a musa da edição de 2007 do Brasileirão. Pelas fotos parece-me dotada de todos os apetrechos normais de uma rapariga (embora aqueles airbags tenham o carimbo do Silicone Valley), mas para evitar surpresas o craque brasileiro tratou de confirmar in loco os atributos da morena. Ambos foram apanhados por fotógrafos à saída de um hotel. Vai-te a ele, Ronaldo! Quer dizer, vai-te a ela!

quinta-feira, junho 12, 2008

NO ENTANTO...

...ELA NÃO SE MOVE

O processo de licenciamento do FC Porto na Champions 2008/2009 volta à "comissão disciplinar" da UEFA. Por duas razões: para sanar o incidente processual que não foi permitir que Benfica e V.Guimarães se constituissem como assistentes; e para esclarecer de vez se a decisão da comissão disciplinar da Liga de que o FC Porto não recorreu transitou ou não em julgado. Uma coisa é certa: ainda não há vencidos nem vencedores embora o FCP tenha ganho um tempo que só será precioso se o CJ da FPF decidir a tempo e se essa decisão contrariar os acórdãos da equipa de Ricardo Costa. No estado em que está a FPF, tudo é possível.

A REVOLTA DOS APITADORES


DECLARAÇÃO PÚBLICA
Os abaixo assinados, Árbitros do Futebol Português, tendo tido conhecimento do Acórdão proferido pelo Conselho de Disciplina (através do qual seus colegas Árbitros são condenados, por alegada falsificação de Relatórios, em pesadas penas de suspensão), por terem omitido nos Relatórios de Jogo a menção da entrega de oferendas que receberam das vários Clubes cujos jogos arbitraram, vêm, em nome da VERDADE e da JUSTIÇA, dar a conhecer e esclarecer o seguinte:
1 - Desde que existe Futebol, todos os Clubes – e a própria FPF - presenteiam os Árbitros designados para os seus jogos com lembranças, sendo tal facto conhecido de todos os intervenientes na partida, desde a equipa adversária aos vários Delegados aos jogos;
2 - Nessas lembranças incluem-se além de merchandising dos Clubes, tais como galhardetes e medalhas e, bem assim, outros produtos de cariz local ou regional (da área onde o Clube visitado se insere).
3 – Enquadravam-se nesse tipo as pequenas lembranças que a esmagadora maioria dos clubes visitados, inclusive o Gondomar SC, presenteava as equipas de arbitragem que o visitavam, como é do conhecimento de todos quanto estavam ligados ao Futebol, tanto assim que
4 – era do inteiro conhecimento da FPF quer a existência de tais lembranças quer o facto de a oferta de tais lembranças nunca ter sido, por nenhum Árbitro, relatada/inserida/escrita no Relatório de jogo, e nunca, por tal facto, a FPF levantou ou puniu qualquer Árbitro;
5 – Tanto assim que nunca – até ao passado dia 6 de Junho – a FPF informou os Árbitros, e os demais Agentes do Futebol, que deveriam mencionar a entrega de tais ofertas no Relatório de Jogo;
6 – Bem como nunca foi dito aos Árbitros, nas diversas acções de formação da FPF, quer as realizadas sob a égide da FPF quer da LPFP, que tal procedimento era obrigatório e que a omissão seria punida;
7 - A própria UEFA, em circular do ano de 2002, autorizou que os Árbitros fossem presenteados por lembranças desde que o valor das mesmas não excedesse os 200 francos suíços (actualmente algo como 150 euros), nada referindo que, apesar de tal “autorização”, essa oferta teria de ser inserida no Relatório de Jogo;
8 - Em face desta situação, os Árbitros abaixo-assinados não compreendem o acórdão do Conselho de Disciplina da FPF que aplicou penas de suspensão aos árbitros que, assumiram tais procedimentos, os quais e pelas razões expostas entendem que não constituem infracção disciplinar, manifestando-lhes sua solidariedade pessoal e institucional.


* Texto do abaixo-assinado rubricado pelos árbitros portugueses em defesa dos árbitros castigados pelo CD da FPF por "falsificação de documento"

A SAGA




Nunca pensei ver o jornal "O Benfica" destacar um dragão na primeira página. A saga continua esta semana com um ícone de manifesta manipulação...

É MUITO GINÁSIO!

FRÁGIL, SINTO-ME FRÁGIL

Ricardo esteve 172 minutos sem fazer uma defesa no Europeu. E antes de tal acontecer, sofreu este golo. Não é que tenha culpa directa mas a verdade é que a nossa defesa nunca pode contar com ele nos cruzamentos. O melhor é mesmo não contar pois quando Ricardo sai...é uma aflição. Escreve Mourinho hoje no DN, que não oferece só pedras de xadrez em mármore de Marrocos, que a fragilidade portuguesa no jogo aéreo é preocupante. Ok. Acontece, porém, que dois jogos volvidos, Portugal tem 5 golos marcados e só sofreu um - e garantiu a passagem aos "quartos". Não seis se o "Special de Corrida" faria melhor.

A isto acrescenta-se:

"A vitória portuguesa não foi uma vitória fácil, sobretudo porque a equipa mostrou ser pouco rigorosa e pouco forte nos lances de bola parada. Sofremos o emapte na sequência de um pontapé de canto e quase sofríamos um segundo golo, que nos colocaria atrás no mercador, numa situação idêntica. Com Ricardo muito preso entre os postes e uma equipa constituída por elementos pouco altos (olhemos para Paulo Ferreira, Deco, Petit, Simão, por exemplo, sendo Pepe, Ricardo e Cristiano excepções, com a agravante de este últimos não estar bem defensivamente) somos frágeis nos lances em que a boal circula pelo ar".

José Mourinho, no DN

Por favor, não pisem os malmequeres!

  Ia escrever qualquer coisa sobre isto mas o João Freitas - um dos melhores jornalistas que conhece - tirou-me todas as palavras da boca. ...