quarta-feira, fevereiro 28, 2007

VITAMINA J

"Prejudiquei a minha carreira de jogador por ter acreditado em Jorge Jesus e nos outros responsáveis do Felgueiras. Arranjaram-me um advogado, mas ele queria defender o clube e não a mim. No intervalo do jogo com o Paços deram-nos algo para tomar como sendo vitaminas. Os atletas confiaram. O Jorge Jesus tinha conhecimento do que aquilo era. Fui ao controlo e acusei positivo"
Lopes da Silva, treinador do Bragança e ex-jogador do Felgueiras comandado por Jesus, ao Record.

TODA A VERDADE


Pimenta Machado, durante 24 anos presidente do Vitória de Guimarães, está a acompanhar com a atenção o momento eleitoral do seu clube mas não se quer alongar sobre o mesmo. “Os sócios é que têm de se pronunciar, apenas quero dizer que qualquer uma das três candidaturas está no terreno com um propósito salutar, com projectos desportivos, e não com sentimentos de ódio ou de vingança, com o único propósito, como aconteceu com a direcção cessante, de destruir a imagem de Pimenta Machado”, disse. O antigo presidente vitoriano só fala agora porque “não queria ser acusado de utilizar os mesmos meios desta direcção, que sempre me fez a vida negra durante o meu mandato, mas está visto agora que esta foi uma direcção que caiu de podre pela sua total incompetência e depois de não ter tido ninguém a incomodá-la, como aconteceu comigo”, desenvolveu, acrescentando uma das suas frases lapidares: “ Caíram de podre e desnudaram à saciedade a sua total incompetência”. A mudança em curso está a ter para Pimenta Machado um efeito positivo. “A saída iminente desta direcção já tornou o Vitória ganhador e o que espero é que haja apoio porque nada está perdido, ainda acredito que a subida de divisão é possível”, afirma, satisfeito por ver que o clube se livrou “das ervas daninhas”. Agora, o importante é que, “com o apoio dos sócios, que têm sido extraordinários, se ajude a empolgar a equipa e o seu treinador”. O que não faz sentido, no seu entender, é que já se fala no regresso do treinador Manuel Machado. “É haraquiri, é uma atitude completamente provinciana e o senhor Manuel Machado devia estar calado e respeitar o Vitória porque o Vitória tem um treinador e tem jogadores e o que é preciso é que os apoiem”, precisa. Pimenta Machado desafia ainda a actual direcção a publicar o resultado da auditoria que mandou fazer e que terá detectado, a 3 de Junho de 2004, quando Vítor Magalhães tomou posse, um passivo de 8 milhões de euros (verba entretanto inflacionada para 12 milhões ninguém sabe bem como...). O antigo presidente garante que o passivo era apenas de 2,6 milhões de euros. “Houve necessidade de enganar os sócios com essa encomenda/estudo para, através dessa cortina de fumo de uma eventual dívida brutal, conseguirem autorização para hipotecaram o património do clube”, acusa. “Durante dois anos fizeram uma gestão à custa dos dinheiros que obtiveram do logro a que levaram os sócios e depois de gastarem esse dinheiro resolveram fugir, deixando o Vitória completamente descapitalizado, o que configura uma gestão danosa”, ataca ainda. O antigo presidente lembra que só os passes de alguns dos jogadores que deixou no clube – Palatsi, Bessa, Abel, Fangueiro, Guga, Rafael, Rogério Matias, Marco, Manuel José, Nuno Assis, Flávio Meireles, Romeu, Hugo Cunha, Cléber, Medeiros e Djurdevic…– “vendidos ao desbarato a 200 mil euros cada era algo que dava para pagar o passivo do clube”. Mas o que aconteceu foi que Nuno Assis “rendeu 750 mil euros e deixaram sair o Abel a custo zero e este rendeu 1,5 milhões de euros ao Braga…” Pimenta Machado orgulha-se de ter deixado um património de cerca de 70 milhões de euros. “O que mais queria hoje é que a nova direcção confirmasse se é verdade ou não números que eu deixei no clube porque o Vitória não é das direcções, é dos sócios e os sócios têm de ter acesso aos números verdadeiros”, replica, triste por ver que entretanto o passivo do clube “aumentou desmesuradamente a pretexto de dívidas monstruosas que levaram ao engano os sócios”, junta. Pimenta Machado sintetiza: “Foi uma gestão ruinosa que para além disso colocou o Vitória na II Divisão e sem jogadores valiosos”.

PS - Uma gestão danosa que, entre coisas, com os seus submarinos judiciários evitou que Pimenta Machado pudesse regressar ao Vitória com um projecto à dimensão do clube e da cidade. Ou seja, os danos continuam a sentir-se e tão cedo tal não deixará de acontecer...

terça-feira, fevereiro 27, 2007

CRIME, DIZ MALHEIRO

João Malheiro vai deixar a tertúlia cor-de-rosa do programa de Fátima Lopes, que assim perde o seu único elemento masculino. Malheiro passa a ser o responsável - taram! - pela crónica criminal do mesmo programa. Crime, disse Malheiro, realmente um personagem multifacetado, ele que se notabilizou como organizadores de homenagens e jantares no Ramon de Vila do Conde, que foi voz singular nos comentário radiofónicos e que destacou como director de comunicação do Benfica. Para além de ser o biógrafo ofical do Pantera Negra e de se assumir como um D. Juan no meio jornalístico lisboeta e não só. Grande João!

segunda-feira, fevereiro 26, 2007

SIGA A RUSGA


Mais uma jornada, poucas novidades. O FC Porto teve uma entrada "soft" em Aveiro mas engrenou depois a maior goleada da época. Só ganhou 3 pontos mas colocou o moral lá no alto. O Sporting jogou primeiro e foi incapaz de vencer o Desportivo das Aves em casa. Decepcionante, em todos os aspectos, a performance dos leões. O Benfica fechou a ronda com mais uma exibição solta - com um calafrio no início da 2.ª parte, quando esteve à vista o 2-2 do Paços - mas mantém a pressão sobre o FC Porto e cavou o fosso para o Sporting. Jorge Costa estreou-se como treinador da Liga com uma vitória sofrida em casa, o Boavista finalmente entrou no pelotão do meio, o Belenenses confirma-se como uma equipa a ter em conta e o Marítimo de Ulisses continua a subir. Lá por baixo, a Académica de Machado não ata nem desata - sem que, surpreendentemente, se faça ouvir a mínima contestação... -, o Vitória de Setúbal continua asmático e o Beira-Mar terá feito um intervalo na recuperação. O campeonato segue interessante, embora algo morno, e parece que vamos ter assunto até Maio.

O ENSINO EM PORTUGAL


Hoje ocupei toda a manhã a tentar resolver o problema de uma turma de miúdos de 6/7 anos que frequentam o 1º ano na Escola da Praia, em Leça da Palmeira, entre os quais a minha filha. Já vão perceber que continuamos muito longe do "modelo finlandês". A turma iniciou o ano lectivo com um atraso de duas semanas e nas primeiras duas semanas de trabalho teve logo 3 professores. Uma ali colocada à pressa, outra que a substituiu mas que acabou colocada noutra escola e finalmente uma professora grávida de 7 meses. Obviamente, um mês depois os miúdos conheceram o seu quarto professor da "época". Dobrado o ano, nova notícia: o professor que estava colocado ia dar lugar à professor do quadro, que estava de baixa há 3 anos e foi obrigada a apresentar-se por não ter visto validados por uma junta médico os seus eventuais problemas psiquiátricos. Já é é mau ir para o 5º professor da época, bem pior é que esse 5.º seja uma pessoa com eventuais problemas psiquiátricos. Os pais foram avisados já depois da colocação da professora e depressa ficaram a saber que a senhora só vai ficar 18 dias em função, posto que pedirá nova baixa. E o que vai acontecer aí? Ninguém sabe, mas a probabilidade de a 3.ª professora e de o 4.º professor voltarem não é alta, pois vão entrar no "mercado das colocações". Os pais começaram por falar com a escola, esta passou a bola à DREN e esta, por sua vez, chutou ainda mais para cima. Os pais estão no que se chama um beco sem saída, sobretudo aqueles cujos filhos têm sentido muitos problemas sempre que muda o professor. Mas pelo menos não vão permitir, como medida de protesto, que os seus filhos frequentem na quarta-feira uma escola na qual, como lhes foi dito, "os interesses dos professores se sobrepõem aos interesses dos alunos". Estamos a falar, repito, de crianças de 6/7 anos e da forma como elas são tratadas pelo Estado português, o mesmo Estado que este ano esteve a pagar a 3 professores ao mesmo tempo (a efectiva de baixa, a grávida de baixa e o colocado efectivo) e que até de tal foi capaz de se vangloriar quando os pais quiseram saber o que se passava.

Pobre país este que nos esvazia os bolsos e pouco nos dá, sendo que esse pouco é mau.

domingo, fevereiro 25, 2007

HONRA AO RUBRO


Liga de Honra ao rubro. São 4 galos com um pé no poleiro - Leixões, Feirense, Santa Clara e Rio Ave - e uma ave de rapina que começa a ganhar altitude - o Vitória de Guimarães. Manuel Cajuda com duas vitórias consecutivas coloca a sua equipa na rota da subida, embora parta para a última volta no fim da recta da meta e enquanto os outros fazem já a primeira curva.

CAROL




Carolina, o grande motor do segundo impulso do Apito Dourado, posou para a "GQ". O próximo número da masturbatória publicação promete, portanto. A ex-primeira dama do FC Porto, em cujo reinado teve direito a receber um ramo de flores dos SuperDragões em pleno relvado do Dragão, continua, por isso, a facturar e a fracturar. Até quando?, é a pergunta que se impõe.

O SPORTING


Confesso que não vi o Sporting-Aves, só vi o resumo, mas pelo que vi parece-me que as melhores oportunidades de golo foram do Aves. O que só quer dizer que a equipa do profe Neca, vulgo Manuel Gonçalves, não estacionou apenas o autocarro à frente da baliza de Nuno Espírito Santos, houve ali mais qualquer coisa... O que resulta deste empate é apenas a verificação de um facto: Paulo Bento não é este ano que vai lá! Com estatuto de quase intocável em Alvalade, a verdade é que o treinador do Sporting podia e devia estar a fazer melhor - está a atrasar-se irremediavelmente no campeonato e a Europa já foi à vidinha. É pouco mesmo num clube onde o nível de exigência é baixo e explica o facto de ser o 3.º grande do futebol português desde que os cinco violinos abandoram a orquestra (ou desde que deixou de ter jogadores da craveira de Manuel Fernandes e Jordão). O Sporting está sem margem para definir novas estratégias e está claramente confuso no plano directivo, com uma guerra latente entre os projectistas de um novo Sporting e os seus moços de recados que entretanto emergiram, com os primeiros a quererem ser os últimos a ter que pegar de novo na batuta para dirigir o que não vai lá agora nem com batota. O Sporting é, por isso, um clube que se vai esvaziando e cada vez mais pressionado para conseguir mais valias com os seus melhores jogadores, o que quanto mais não seja dispensará do Tempo Extra aquele contador do Rui Santos sobre o Nani, o Liedson e o João Moutinho (já agora, não se arranja um para o Paulo Bento?)

Para lá do Marão



Eis-me em Bragança, em pleno shoping, surpreendido pela objectiva da Amândia e com a bandeira do GDB como fundo. Já tinha saudades destas surtidas ao interior, onde me pude regalar com uma feijoada à transmontana, com meio jogo de futebol (com direito a 3 dos 8 golos marcados) e com um passeio a Rio de Onor (apenas a 22 km de Bragança). O resultado estará em breves nas páginas do jornal onde trabalho. Foram 600 quilómetros bem puxadinhos mas deu pelo menos para espairecer e verificar que um árbitro nunda deve ter como apelido Vigário. Quanto a Rio de Onor, meus amigos, só perde quem ainda não foi lá beber uma mini (Sagres ou Super Bock), dar meia de conversa com a gente local e descansar a cabeça enquanto o rio corre numa paisagem de sonho. Ufa! O pior mesmo foi ter de, na volta, enfrentar o Marão cheio de nevoeiro e batido pela chuva...

O neurónio de Pacheco




Continua a polémica Pacheco-Mourinho com o diagnóstico do primeiro: "Mourinho é um doente mental*!" Mais directa às canelas não podia ser esta frase de Pacheco, a quente sobre a importante vitória em Coimbra. Pacheco encheu o saco com Mourinho depois de ter ouvido o treinador do Chelsea afirmar que Pacheco tem um neurónio e mesmo esse está avariado. Ora bem, nem Mourinho é um atrasado mental - infelizmente não faltam não apenas no futebol - nem Pacheco tem tantos neurónios como uma loura das anedotas. A "pega" vem de longe, dos tempos em que Pacheco treinava equipas acima do nível das equipas treinadas por Mourinho (o que foi breve). Sendo certo que há coisas incomparáveis, a verdade é que o treinador do Boavista tem uma carreira como jogador que Mourinho não se atreverá a tocar, ele que não passou de um candidato a profissional. Como treinador, Pacheco foi excepcional ao conseguir fazer do Boavista campeão e esse é um feito que Mourinho se calhar jamais conseguirá igualar. Mas o treinador do Chelsea também já mostrou que sabe treinar. É ver apenas o que fez no FC Porto, não é preciso mais, uma Taça UEFA seguida de uma Taça dos Campeões é obra! Estamos perante dois grandes treinadores portugueses e é pena que ambos continuem neste tipo de jogos florais (no fundo, bem interessantes na monotonia da informação desportiva). Como disse um dia Mourinho numa qualquer conferência de imprensa, não há ninguém como a malta do boxe que saiba promover o espectáculo com picardias no lançamento dos combates. Será o caso. Neurónios e loucuras à parte, Mourinho e Pacheco talvez um dia se possam encontrar jogando com armas iguais. Até lá, vamos continuar a assistir de cadeira a este espectáculo de agressões verbais só possível porque Jaime Moreira Pacheco é, de facto, um homem sem medo e politicamente incorrecto. Por isso é que gosto tanto dele.

* O conceito de "doente mental" é, como se sabe, muito lato. São mais os que assim estão identificados que aqueles que andam aí à solta...

sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Uma explicação para a crise da Imprensa


LAPIDAR


"Conhecemos as nossas limitações mas não sabemos quais são os nossos limites»

José Mota, treinador do Paços de Ferreira, na Sport-tv

OBRIGADO LUIGI

Dois tugas no deserto:- Olha que pedra mais esquisita. Parece uma pirâmide!Começam a escavar, sem ferramentas, e desenterram uma pirâmide enorme.- E agora?- Avisamos a equipa arqueológica americana. Essa Malta é profissional.- OK!Avisam à equipa arqueológica americana que vêm com os seus jeeps, trailers, caravanas e helicópteros, cheios de aparelhos científicos.Entram na pirâmide e reaparecem dois anos depois.- Fogo, tanto tempo. O que averiguaram?- É assim - responde o porta-voz dos americanos - Após laboriosas investigações, averiguámos que esta pirâmide foi construída entre 500 e 2500 antes de Cristo.- Só? Depois de dois anos apenas averiguaram isso?
Os dois tugas, chateados, decidem ligar aos alemães.- Esses sim, são muito metódicos.Vêm os alemães, entram na pirâmide e aparecem dois anos depois.- Atão?- Esta pirâmide foi construída no 2000 antes de Cristo.- E mais?- Bom, mais nada. Estes hieroglíficos são muito complicados.Os dois tugas, muito chateados:- Bom, a última solução é comunicar à GNR.Chegam dois GNR, entram na pirâmide e saem duas horas depois.- Pronto. Já está.- Averiguaram alguma coisa?- Averiguámos que a pirâmide foi construída entre 12 de Fevereiro de 1848 e 22 de Julho de 1857 antes de Cristo, conforme as ordens do faraó Ankhetop IV, e seu arquitecto Tutmosis o Jovem. No dia da inauguração estava chuva e um grupo de sacerdotes opunha-se à inauguração, por considerar que a noite anterior houve um eclipse parcial de lua em Capricórnio ... blá blá blá ... Participaram 2118 escravos não qualificados que tentaram uma revolta contra as lamentáveis condições laborais, que foi controlada no dia 5 de Setembro, com o resultado de 42 mortos e ... blá blá blá ... O custo total da obra foi de 48 milhões de libras de ouro puro e 13 libras de diamantes ... blá blá blá .. A esposa do faraó vestia um fato-casaco azul-turquesa de Perfilotis e... blá blá blá... A influência na língua pode ser comprovada no sotaque das terras altas que representavam a nobreza ... blá blá blá .- Ena, e como conseguiram saber tudo isto?- Bom, não foi fácil, custou-nos bastante, mas depois de uma hora de porrada, a múmia falou.

O CASO NANI

Nani deu uma cambalhota. Não é o que estão a pensar. Também não marcou um golo (e Paulo Bento bem gostava que assim fosse). Aconteceu apenas que Nani resolveu trocar de empresário. Trocou Ana Almeida, apenas uma figurante no mundo dos empresários, por Jorge Mendes, provavelmente o mais poderoso empresário de jogadores do mundo. Mendes fez apenas o seu trabalho, juntando à sua carteira um jovem craque com grande potencial. Nada de mais natural. O caso está agora em tribunal porque mais uma vez terceiros querem tirar algum proveito da matéria-prima que no fundo é obra apenas das escolas do Sporting. Mas as coisas estão assim: onde há "peixe" há sempre muita gente a pescar. O que Mendes faz não é ilegal, como o prova a licença da FIFA que possui. Aliás, ter licença é mesmo o mais fácil, o mais difícil é sempre representar bem os interesses dos jogadores, proporcionando-lhes bons contratos num tempo de carreira sempre curto. É o que Mendes tem feito, sem precisar de que os seus principais craques venham afirmá-lo publicamente, e usando processos que são comuns a todos os empresários, sobretudo aos grandes. O caso Nani não tem moral. É apenas mais uma jogada de um empresário para tentar "sacar" o seu, com o jogador a aproveitar para dizer que ganha pouco no Sporting. Ou seja, mais uma vez Mendes aproveitou uma oportunidade para valorizar o seu produto. O homem não dorme.

TEMPO EXTRA

O bem sucedido programa de Rui Santos, ao domingo, na SIC Notícias, vai começar a ir para o ar às 23 horas. A pedido de várias famílias que se levantam cedo na segunda-feira.

EMBUSTE

Hoje se ficou a saber que apenas 9.000 sócios do Vitória podem votar. Não se esqueçam que estamos a falar do mesmo clube que anunciou ter 26.000 sócios. A verdade é como o azeite...

quinta-feira, fevereiro 22, 2007

UMA REFLEXÃO


Passei o dia a confortar os meus amigos dragões com frases do tipo "fizeram um grande jogo", "ainda é possível", "o Chelsea já não é o que era". Mas está visto que não consegui vender o meu produto. A malta não se conforma pois entende que o FC Porto podia ter ganho este jogo, colocando a equipa de José Mourinho sob pressão. Perante isto, resta-me argumentar com a excelente primeira parte dos dragões e com as diferenças abissais de orçamentos e no um para um no dérbi da qualidade. É só começar a comparar, do gigantesco Cech com capacete de protecção ao superatlético Drogba, passando pela sintonia fina de Lampard, pelo bouquet de recursos de Ballack e pelo instinto assassino de Sheva. Para não falar nessas forças de natureza que dão pelo nome de Essien e Makelele. Sim, não esquecer o "nosso" Carvalho, que no Dragão jogou à Humberto, ou seja, fazendo o seu trabalho e conseguindo empolgar a equipa quando partia com a bola controlada para o ataque, furando a primeira linha portista. Contas feitas, verifica-se que o Chelsea teve mais posse de bola (52%), fez mais remates (15 contra 10), ganhou mais cantos (4 contra 3) e cometeu mais faltas (17 contra 16), neste último aspecto com a particularidade de o FC Porto só ter feito a sua primeira falta na segunda parte aos 80 minutos. O que dá para perguntar: foi o FC Porto que não foi agressivo ou o Chelsea que fez o seu jogo posicional-passivo como mais ninguém sabe fazer? É o desafio que deixo...
PS - Continuo sem entender a razão da troca de Raul Meireles por Marek Cech.

VIDA DE PALHAÇO


Benfica e Braga em frente na Taça UEFA, FC Porto ainda com chances na Champions. Estreia a ganhar de Jorge Costa depois de discurso pouco elegante para o homem que era o seu chefe. Rogério já foi a Braga levantar o cheque, é provável, pois, que agora já possa começar a explicar o que aconteceu. Haverá sempre lugar para ele na Figueira da Foz, caso Mariano continue a enfiar barretes depois de um início que prometia. A vida dos treinadores é mesmo assim. Hoje lá em cima, amanhã metidos na fossa. A virtude está em conseguir sobreviver sem problemas de descompressão e com um estômago capaz de digerir tudo e mais alguma coisa. Como dizia Quinito, o melhor treinador que conheci, "um míster nunca pode desfazer a mala". O circo está sempre a mudar de cidade e quando ninguém se diverte a culpa é sempre do palhaço. Ontem, hoje e amanhã.

TÁ BONITA A FESTA, TÁ

Mas que ganza! Anda tudo louco no pequeno admirável mundo velho da Comunicação Social portuguesa com a contratação de João Marcelino e o seu dream team para a Global Notícias de Joaquim Oliveira. Os tachistas do costume estão com receio de perderem o que não custa nada a ganhar, os descontentes vêem aqui uma oportunidade de fazer um refresh e as chamadas chefias intermédias temem que de algum modo possam vir a perder os 400 euritos de compensação pelo incómodo de ser capataz mas pouco capaz. Cá por mim, acho que esta é uma boa notícia para um sector em crise declarada. Não só porque vai mexer na estrutura de diversas redacções mas sobretudo porque provocará uma "nova ordem" muito interessante e que também poderá agitar um mercado que está ir a pique. Ao mexer em todas as publicações do Grupo Joaquim Oliveira, O JOGO incluído, Marcelino vai também provocar a concorrência directa e fazer com que esta dê à perna para que o já proclamado "Mourinho dos jornais" não possa um dia dizer que é ele o "The Special One" da nossa Imprensa. E não faltarão agora elogios ao novo director de publicações da Global Notícias, na perspectiva daquilo que sabem... O que eu sei é que os jornais portugueses precisam daquilo a que os ingleses chamam "o editor", ou seja, alguém que idealize o "produto" e que faça um controlo rigoroso de qualidade sobre o mesmo, não o deixando cair nos bares e nas tertúlias, onde todos são os melhores jornalistas do mundo, ou seriam se os deixassem ser, embora não façam nada por isso... Com tantos lobbies para sustentar, o mercado já deu 3 voltas sobre os suspeitos do costume e parece estar a chegar a hora de quem tem unhas tocar guitarra clássica depois de ter brilhado no acórdeão. Os primeiros e segundos violinos que se cuidem, portanto. Muita coisa tem de mudar no nosso jornalismo de papel se não se quiser perder o futuro e quanto mais não seja esta "deslocação" de Marcelino do Grupo Cofina para o Grupo Quim Oliveirinha vai agitar um ambiente fétido. E vai ser bonito ver a malta do costume a rabiar à procura do seu buraquinho quente...
PS - Com isto tudo quase esquecia o empate do FC Porto com o Chelsea. Um empate com sabor azedo porque os azuis e brancos jogaram para ganhar mas, lá está, os "blues" apanharam-se com o empate, fizeram a ronha do costume e agora preparam-se para o 0-0 em Stamford Bridge. Houve duas coisas que não percebi no jogo: a saída de Raul Meireles e a substituição do substituto Robben. Acho que Jesualdo e Mourinho se quiseram baralhar e acabaram eles próprios baralhados.

terça-feira, fevereiro 20, 2007

NOTÍCIAS DA CASERNA

Apesar do hiato carnavalesco, parece que se confirma o bom sucesso da investida de Oliveirinha no grupo de Paulo Fernandes. Mas o melhor mesmo é deixar passar o corso...

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Orfandade


José Veiga deu uma entrevista à SIC Notícias, onde não foi capaz de esconder o encantamente derivado ao facto de estar a ser entrevistado por quem foi, para desmentir que esteja a pensar abrir de novo actividade como empresário de jogadores. Surpreendente foi ouvi-lo dizer que está disponível para trabalhar, como director desportivo presumo, em qualquer clube... Cheira-me a "bluff". O que Veiga quer é continuar no Benfica e o Benfica bem precisa dele. Não esquecer que Veiga chegou ao Benfica no final da época de 2003/2004 - a época do Apito Dourado -, vindo do Estoril, onde era o patrão, tendo conseguido chegar à primeira. Veiga ganhou logo uma Taça e no ano seguinte foi campeão. Ele e Vieira falam a mesma linguagem e as diversas tentativas para se encontrarem clivagens entre os dois foram falhando. Só mesmo o caso JVP iria conseguir quebrar o laço de Veiga com o Benfica. Parece claro que o ex-director desportivo do Benfica nada ganhou com o negócio, que foi o Sporting que quis fugir ao pagamento de impostos, mas a verdade é que o tribunal continua sem levantar as medidas de coacção a Veiga e sem passaporte este não pode voltar ao Benfica. Mas voltará caso o tribunal resolva impor alguma celeridade no processo. O Benfica bem precisa dele para o que falta jogar esta época pois neste momento vive uma certa orfandade. Enquanto o Sporting tem Carlos Freitas e o FC Porto o mais discreto mas não menos influente Antero Henrique, o Benfica tem um buraco numa posição que, ao contrário do que pode parecer, está longe de ser de charneira. Veiga de regresso ao Benfica é fundamental para a ambição da equipa de Fernando Santos. E hoje até aqueles que, no Benfica, não gostam dele já começam a pensar assim...

BRAGA POR UM CANUDO


Terceiro treinador no Sp. Braga esta época. Não é inédito na Bwin Liga mas num clube com a dimensão do Sp. Braga dá pelo menos que pensar. Carlos Carvalhal conseguiu colocar a equipa pela primeira vez na fase regular da Taça UEFA e...saiu. Rogério Gonçalves está a um passo de levar a equipa ainda mais para a frente na mesma competição e...saiu. Quem pode dizer que Carvalhal e Gonçalves são maus treinadores? Bem, sempre haverá alguém... A verdade é que Rogério trabalhou no Braga sempre com rede, ou seja, com Jorge Costa, este, sim, grande aposta da SAD. O antigo capitão portista estava na calha para, mais dia menos dia, assumir a posição de n.º1, que é natural em si. Aí está. Terá de ser ele a responder perante o exigente Salvador, o presidente que fez enriquecer a SAD e que continua zangado com os seus adeptos, de que é exemplo a fraca assistência ao Braga-Parma. Não ganha muito o empreendedor empreiteiro em manter esta guerra com os adeptos do seu clube, melhor seria fazer algum charme, mas há estilos muitos difíceis de mudar sobretudo para quem está habituado a lidar com mestres de obras, picheleiros e trolhas. Salvador sente que tem tijolo, ferro e madeira para se candidatar ao título e já viu que não será esta época. Custa. Porque tem uma boa equipa, o melhor estádio português e as maiores reservas de capital. Mas está visto que para se vencer no futebol é preciso algo mais. Génio, por exemplo, como o de Pinto da Costa. Esperteza, como a de Vieira. Só para dar dois exemplos. Salvador ainda é novo, ainda pode aprender...
PS 1 - Esta mudança vai transformar o cada vez mais próximo FC Porto-Sp. Braga num jogo muito interessante, com Jorge Costa na condição de treinador principal a ter que "torcer" contra a equipa do seu coração, a equipa que o deixou partir sem uma festa de homenagem (é mais um para se juntar a uma extensa lista)
PS 2 - O inevitável José Pereira, presidente do sindicato dos treinadores, já saltou a terreiro para afirmar que Jorge Costa não tem sequer habilitações para treinar clubes da Liga de Honra. Com uma fugaz passagem pelo Campomaiorense, salvo erro, e como interino, o senhor Pereira devia pensar duas vezes antes de falar de Jorge Costa e de habilitações porque, primeiro, está a falar de um campeão e, segundo, toda a gente sabe que nos nossos cursos de treinadores nunca chumbou ninguém mesmo quem chumba por faltas!

ALMOFADA


Benfica a 4, como estava, Sporting a 5, como não estava. Ou seja, o FC Porto acaba de colocar uma almofadinha na sua posição. Pode perder que continuará líder. Nunca esquecendo que recebe em breve o Sporting e depois vai ao inferno da Luz. A batalha naval acabou por ser fácil de ganhar, a baleia assassina acabou por não emergir...

PS - Com Rui Alves na posição de adjunto, Carlos Brito viu o Benfica vencer com 2 golos de Mi-Mi-colli. O homem vale o que pesa e tem personalidade, como o demonstrou quando fugiu da palmadinha amigável que Santos lhe quis dar no final...

sábado, fevereiro 17, 2007

E tudo o Bento levou

Há coisas que não consigo entender. Esta é uma delas: o Sporting está a vencer por 1-0, a meio da 2.ª parte, está a ameaçar com o segundo golo e...o treinador leonino faz duas substituições, tirando Yanick e Bueno e apostando em Carlos Martins e em Alecsandro. Resultado, o empate do Paços. Vem depois Paulo Bento falar num golo sofrido na transição. Ora cá está o que faltava: a transição. Já não há pachorra. Acho que desta vez a vitória escapou ao Sporting exactamente por excesso de transição, o treinador leonino quis segurar a magra vantagem e sofreu o empate, mexeu no que estava bem e tramou-se. Não há palavra para isto no novo léxico do futebol mas eu chamo-lhe apenas aselhice.

A VIDA NAS REDACÇÕES É MUITO PERIGOSA


É muito fácil perorar sobre o bom jornalismo, sobre independência e sobre credibilidade quando se está lá fora a rachar lenha. Muito mais difícil é conseguir esta excelência. Reconheço que não é para todos e mesmo para quem não é todos os dias, nem todas as semanas e muitas vezes meses ou até anos. Por duas razões grandes: a razão estrutural e obviamente a razão pessoal. Muitas vezes a estrutura sobrepõe-se à vontade e ao talento para conseguir chegar lá - é o caso de certas redacções regidas sob doutrinas pseudomodernas mas que de dinamismo têm muito pouco, onde o convite à acomodação e ao laxismo até podia estar na agenda. Pessoalmente, é muito mais difícil chegar lá porque dar notícias, estar em cima da actualidade, informar com isenção e apenas com o dever inerente, tem muitas vezes custos pesados, atirando quem o faz não só para o grupo dos chatos que incomodam internamente como também para a categoria de persona non grata daqueles que são visados pelas notícias e cujo poder muitas vezes se sente também nas reuniões de direcção dos jornais. Essa ideia romântica do jornalismo é mesmo apenas isso - uma ideia. A vida nas redacções é muito perigosa. Há em Portugal bons jornalistas - alguns deles hoje reduzidos à posição de cronistas, pois assim não incomodam tanto... - mas a verdade é que os jornais fazem muito pouco por aproveitá-los. Nesta terra de cegos quem tem um olho arrisca-se a ficar sem ele. Só assim se compreende que nos 4 últimos dias um jornal desportivo tenha ignorado que Pinto da Costa viu mais dois processos com pedido de reabertura no "famigerado" Apito Dourado, preferindo elaborar teses conspiratórias sobre a não despenalização de Quaresma (que a acontecer seria muito mau para uma Comissão Disciplinar da Liga que, finalmente, está a fazer um trabalho sério, sem se vergar a pressões). É no que dá o "engachamento" ou, se preferirem, o "agachamento", mas eu sou suspeito para falar porque para alguns dos clientes do BnA não passo de um vendido, o que me surpreende muito quando todos os meses recebo o extracto do Barclays. Alguém me está a roubar, suspeito... Ainda a propósito deste último assunto, consigo perceber a estratégia mas o mesmo já não consigo quando olho para outros jornais do mesmo ramo e reparo que não é feito o mínimo esforço para tratar "como deve ser" um assunto tão delicado como o Apito Dourado. Sim, é irrefutável que é um tema que incomoda mas não o querer ver é quase o mesmo que ignorar que nos entrou em casa uma manada de elefantes em trote rápido.

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Marte ataca

O bar "Snob", em Lisboa, deve estar ao rubro. Joaquim Oliveira demitiu a direcção do DN, vai mudar o director do "24 Horas" e pode mexer também na TSF. É o que se sabe e o que se diz. Mas o grande pivot desta revolução nos media dá pelo nome de João Marcelino, que estará a ser namorado (não sei se já chegou a fase de noivado). Paulo Fernandes está, porém, atento e prepara-se para medir forças com o patrão da Global Notícias. O jogo está ainda na primeira parte e como não há árbitro é bem capaz de ganhar o melhor...

Augusto e Jacinto

Fez o árbitro Augusto Duarte uma arbitragem tendenciosa no Nacional-Benfica agora em equação? As crónicas dos jornais e o relatório de peritagem, dizem que não. . Numa partida em que a equipa madeirense conseguiu os seus 3 golos em lances de bola (1 livre e 2 cantos), o árbitro de Braga aparentemente não teve qualquer influência no resultado. E será um dado que irá jogar em sua defesa, quando em breve for ouvido pela equipa de Maria José Morgado.
Aliás, o relatório de peritagem feito pelos antigos árbitros Vítor Pereira, Adelino noAntunes e Jorge Coroado detectou apenas dois erros de arbitragem, um em benefício de equipa. No final do jogo , José António Camacho não se queixou da arbitragem e só Nuno Gomes protagonizou um desaguisado no túnel. O avançado benfiquista envolveu-se com dirigentes do Nacional, que acusou de terem incitado à violência os jogadores locais. A tese da acusação perde também gás graças a uma afirmação de José António Camacho na projecção do jogo com o Nacional, na 23.ª jornada. Frase que até foi manchete do Record: “Objectivo é a Liga dos Campeões”. Para o treinador do Benfica, o 2.º lugar “já será positivo”. Ora, o MP alega que o FC Porto, através do seu presidente, quis manipular o árbitro com o objectivo de afastar o Benfica de uma luta por um título que o próprio treinador dos encarnados já via quase como algo que se esfumara… No fim da jornada em questão, o FC Porto somava 59 pontos contra 52 do Sporting e 47 do Benfica. O Sporting empatou nessa ronda em Barcelos, num trabalho de nota 2, com o Sporting a ser penalizado pela expulsão de Rui Jorge aos 47’ e a reclamar de um fora-de-jogo mal assinalado a Liedson, aos 24’. Terão ficado 2 cartões vermelhos por mostrar a jogadores do Gil, que fez o seu golo de penálti. “É o sistema em todo o seu esplendor”, foi como Dias da Cunha comentou o jogo. Na jornada seguinte, o Sporting venceu o Marítimo por 1-0), com uma arbitragem sem cartões e sem críticas de Martins dos Santos, o FC Porto foi a Coimbra vencer pelo mesmo resultado (com um trabalho fraco de António Costa, com prejuízo para os estudantes) e o Benfica empatou em casa com o Moreirense a uma bola, ficando a 12 pontos do líder. Este jogo foi arbitrado por Jacinto Paixão (auxiliado por José Chilrito e Manuel Quadrado), que anulou um golo ao Benfica e condescendeu disciplinarmente com alguns jogadores visitantes já amarelados. Sempre em foco este trio de árbitros alentejanos que terá sido presenteado com "fruta para dormir" no famoso FC Porto-Estrela da Amadora que aguarda despacho de reabertura...

quinta-feira, fevereiro 15, 2007

P.



O "Público" mudou de imagem, anda pra aí a ser oferecido e vai à procura dos leitores que perdeu ou que se perderam. É um desejo legítimo. O "Público" agora é só "P" mas não vejo mal nenhum nisso embora os antigos avisassem para os perigos de uma mudança de logótipo. E o logo do "Público" era bonito... Mas estamos assim. Quando queremos mudar a imagem de um jornal, contratámos espanhóis - grupo JN - ou ingleses, esquecendo-se depressa que temos na terra excelente gráficos, de que o Cayate é exemplo maior, embora não faça o meu estilo. É triste que assim se continue a passar um atestado de menoridade intelectual e profissional a quem tem talento e deixou nos jornais sangue, suor e lágrimas. Mas, como diz o empresário Araújo, manda quem pode, obedece quem tem juízo, não vá parar a uma qualquer lista de dispensáveis. Acho que é cedo para se avaliar esta mudança porque por norma o que é bom e funciona primeiro estranha-se e depois entranha-se. Pode ser. Mas jornalismo não é só imagem, é também notícia e actualidade e aí o "P" continua igual ao "Público", de que foi triste exemplo a sua segunda manchete com novo look, com o Iraque em destaque enquanto morria gente no Tua... Elementar. O "P" tem também um suplemento. É bonito, sim senhor, mas, por Deus, que me interessam as mulheres que em Israel pegam em armas ou as peles que usam os russos? Não há nada de magazinesco a acontecer por cá? Sim, já sei, as agências internacionais debitam muitas fotos bonitas... É o facilitismo do costume. Sou leitor do "Público" e acho que continuarei leitor do "P" porque sim. É um jornal arrumado, bem escrito, um jornal tipo Alfa (bem esticadinho dura um Porto-Lisboa), só espero que o "P" não faça dos seus leitores alfabéticos estúpidos. Espera-se sempre mais do "P". E esse mais e melhor está longe de estar à vista nos seus conteúdos e numa pseudo modernidade sem ponta de tempero e de graça.

El Gordito



Miccoli marcou um golo. A questão agora é: quando é que "marcará" de novo uma tendinite, uma microrruptura ou uma hérnia qualquer?

APITO MORGADO

Um plasma, um computador portátil e um telemóvel para os vencedores do concurso "quem é?" no Apito Dourado.
- Quem é o padre da freguesia das Antas?
- Quem é o engenheiro máximo?
- Quem é o Bartólas?

Fórmula Jesualdo


Conheço o treinador portista há algum tempo. Acompanhei o Benfica de Jesualdo e Toni que chegou a uma final da Taça dos Campeões Europeus e conheci melhor o professor quando ele foi com Toni para o Bordéus, onde não ficaram muito tempo. Excelente conversador, melhor observador, Jesualdo já teve oportunidade de, como treinador principal, treinar dois dos três maiores clubes portugueses. No Benfica não teve tempo para mostrar serviço frente a um FC Porto preparado por José Mourinho - de quem não quis ser adjunto no Benfica... - e, depois de três anos e meio de bons serviços em Braga, num registo próximo do conseguido por Manuel Cajuda, ei-lo no FC Porto e a liderar o campeonato e nos oitavos-de-final da Champions. Pode parecer pouca coisa mas não é, embora as 3 derrotas averbadas nos últimos 4 jogos tragam para o Dragão nuvens de tempestada. Jesualdo, porém, segue a máxima de um seu amigo e gosta de andar sempre à frente da nuvem. Não vai ser fácil suportar a pressão de dois concorrentes que se insinuam no retrovisor do seu Fórmula 1, que não será propriamente um topo de gama mas já mostrou ser capaz de boas acelerações. O professor sabe de futebol, sabe como motivar os jogadores, falta apenas saber como encaixou na estrutura portista e como o balneário está a reagir às suas medidas e contra-medidas, estando por contar a verdadeira história de Adriano, o melhor ponta-de-lança do FC Porto que foi transformado em última opção, surpreendentemente atrás do "handicapado" Tomo Sokota. A pressão no FC Porto de hoje não se mede apenas pela tabela classificativa, mede-se também pelas viagens das equipas de Maria José Morgado ao Porto e por um naipe de árbitro claramente complexados por todo este imbróglio. Mas o futebol é um jogo altamente improvável e no campo talvez seja possível, com a ciência do professor e o seu bom senso, conseguir manter a liderança até à última volta do campeonato. Convém, porém, que a equipa da boxe esteja bem preparada para qualquer eventualidade...

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

TERRAMOTO


Fernando Santos disse que os romenos vão sentir bem os efeitos de um terramoto em Lisboa. Não foi uma frase feliz. Mais uma vez. É curioso como os nossos treinadores são capazes de revelar esta agressividade verbal nos jogos com equipas estrangeiras mas nos "nossos" fazem tudo para não mexer com o sistema. Sim, porque hoje um treinador está a treinar o Benfica e amanhã pode estar a treinar o Sporting, o FC Porto, o Estoril ou o Estrela da Amadora.
Vamos lá ver em breve o que o Zé Kalanga tem para dizer sobre o sismo previsto por Fernando Santos.

ESTA TEM PIADA


Após Simão Sabrosa ter estado na apresentação do Windows Vista na FNAC do Colombo, a SAD do F.C.Porto vem informar que Ricardo Quaresma irá estar no lançamento oficial da versão pirata, na Feira de Custóias.

terça-feira, fevereiro 13, 2007

APITO MORGADO

Há dez jogos que envolvem clubes da I Liga com processos pendentes em diversas comarcas e alguns deles a serem analisados directamente pela equipa de Maria José Morgado. É uma espécie de selecção nacional. Não acredito que todos eles caminhem no sentido das acusações mas alguns irão certamente. Está visto que o megaprocesso está a emagrecer, uma forma de ganhar alguma eficácia que se compreende. O caso dos jogos do Gondomar vai à frente e dia 6 de Março se saberá se avança para julgamento. Tudo indica que sim. Este será o ponto de partida para novas acusações, como as que já estão preparadas em relação ao Marítimo-Nacional e ao Naval-Chaves, para além do Machico-Sacavenense. É curioso como o MP do Funchal e o MP de Coimbra trabalharam depressa, em contraste com os poderosos DIAP's de Lisboa e do Porto, onde está a fina nata dos procuradores. De todos estes casos, o FC Porto-Estrela da Amadora é a estrela da companhia mas, atenção, o processo ainda está a aguardar despacho de reabertura, se for reaberto poderá ir para instrução (mais 3 meses), seguir-se-á ou não o debate instrutório e só depois a respectiva decisão. Acredito também que pelo menos um dos cinco casos que envolvem o Boavista também avance neste sentido, faltando saber se envolvendo ou não João Loureiro (é arguido em 3), porque se envolver aí o Boavista poderá apanhar por tabela, arriscando uma penalização desportiva. No fundo, os grandes processos do Apito Dourado passam por este jogos, pois em causa está a eventual despromoção de clubes, que o Gondomar também poderá cair mas é da Liga de Honra e não tem tanto impacto. Veremos o que Morgado e a sua equipa conseguem fazer nos próximos meses sobre o trabalho que já estava feito e em alguns casos até arquivado. Pimenta Machado já disse que deram a Morgado "um presente envenenado" e até pode ter razão. Mas quem conhece bem a procuradora geral sabe que dificilmente esta se deixaria apanhar numa armadilha. Este é outro assunto para acompanhar, outra guerra certamente, mas também com muitas nuances, pois mexe com uma classe de intocáveis que bem precisa de ser abanada. Ou seja, o Apito Morgado quanto mais não seja já teve o seu efeito profiláctico e já pôs os homens e mulheres de negro a discutir o que normalmente não acham que tenha discussão.

segunda-feira, fevereiro 12, 2007

coMILÃO

Ronaldo voltou a Milão - agora para o AC Milan de Berlusconi. Nem um nem outro são aquilo que foram. Mas eu quanto ao Ronaldo, o original, tenho sempre reservas. Não esqueço que um dia disse ao Alberto Gonçalves, o melhor cronista português, que o Ronaldo estava finito e ele foi campeão do mundo e brilhou alto. Confesso que pouco percebo de joelhos e ligamentos mas hoje não dá para acreditar muito no regresso de Ronaldo. Está gordo, dizem e as imagens não o desmentem. E, caramba, aquele n.º 99 não abona nada... Custa-me ver estes grandes astros a arrastarem-se nos relvado. Mas Ronaldo Nazário não será o primeiro a fazê-lo. Nem o último. E quanto mais não seja fá-lo com a camisola de um grande clube...

CHOQUE FRONTAL

Rui Santos lançou hoje em Lisboa o seu livro "Estádio de Choque". Nas entrevistas *** que já deu a esse propósito, o Rui, de quem sou amigo sobretudo desde que deixamos de trabalhar n'A BOLA, tem sido bastante crítico em relação ao jornalismo desportivo que se pratica. Há quem veja nisto algum ressentimento. Eu não. O Rui tem este feitio e a verdade é que tem também alguma razão. Mas nem tudo é mau. O jornalismo desportivo que se faz pode não ter as grandes canetas do passado mas não é muito diferente daquele no que se refere à sua colagem aos chamados grandes clubes. A nossa memória é que costuma ser curta. Uma visita a uma biblioteca perto de nós com arquivo de jornais depressa nos leva a esta conclusão. É colossal a diferença de nível literário mas há que reconhecer que hoje os jornais são diários e que o espectáculo e o público também mudaram. Querer reduzir isto tudo ao menor denominador comum não é correcto embora possa ser útil no jeito de grito de alerta. O conformismo nunca fez nada a ninguém e nesse aspecto o Rui é rei. Pelo menos para mim, embora nem sempre concorde com ele.
***"Sou muito crítico da nossa imprensa desportiva, porque acho que ela, que também tem um papel útil sem dúvida, enferma de uma ligação demasiada afectiva entre quem a dirige ou edita e os principais protagonistas do futebol. Com uma particularidade ainda mais negra, na sua relação com os empresários." In O JOGO

O convénio (a saga continua)


Deus estava com o "tao", como dizia a minha avó. Não é nenhuma orientalice, é apenas uma forma de dizer que um gajo está aziático.
Depois de um silêncio embaraçante, dirigiu-se ao Papa e perguntou:
- Cum, raio como é que foi vencer o não?
Uma miúda com ar de bimba, no fundo da mesa, respondeu:
- Sei lá.

Deus chamou o anjo Cusca e segredou-lhe: - Quem é a gaja?
Esclarecido, pediu-lhe que se aproximasse e mandou-a sentar-se ao seu colinho.
Visivelmente a recuperar a sua habitual bonomia, voltou a falar à assembleia:
- Meus amigos, acabou de vez essa história de atirar pedras para o mar, que tenho um amigo que tem um bar na Caparica e comissão nos shots. E a minha clientela de Madrid não gostou nada de ver os castiçais a abanar...
A Assembleia dobrou a espinha, com a excepção de S. Judas Tadeu, director do 25.ª Hora do céu.

Deus prosseguiu:
- Este Al Gore por acaso é árabe?
(Deus às vezes tem estas coisas, parece um menino da escola, mas como nunca dá ponto sem nó a malta desconfiou e só falou o tipo do costume).

Um tipo de bigodinho curto e melena negra:
- Todo-poderoso Deus que morreu e renasceu das cinzas, mentor da V-2 e dos fornos solares, pai da raça ariana e dos golfinhos da Marinha americana, Aquele que tudo vê sem precisar de serviços de espionagem, omnipotente criatura criadora do Universo e do Multibanco, não é árabe mas também é muito chato.

Deus tava a tentar ligar-se à net pelo Kanguru mas mais uma vez não conseguiu rede 3 G.
- Porra! - queixou-se

Estabelecida a ligação com a Terra, ficou a saber que o Varzim acabara de eliminar o Benfica. O que não alegrou propriamente o seu dia pois antes de Deus se assumir como tal já o Benfica era o maior clube do Universo. Foi então que um grande acontecimento o perturbou. Deus ficou a saber que Carolina, a santa que recebe mais cartas que a irmã Lúcia, passara a noite a dançar numa discoteca de Coimbra.
- Meus senhores, isto que não volte a acontecer. A minha santinha já sofreu muito. Façam alguma coisa.

7 asas picaram na direcção de Vila do Conde com a ajuda do GPS e do Google Earth. João Malhador estava a tentar partir um rojão no Ramon quando foi surpreendido pelo ataque. Fulminado por 7 raios, ainda conseguiu ditar o seu próximo livro ao empregado de mesa.

Um segundo depois estava ao lado de Deus. Que lhe entregou o cartão de sócio e o mandou sentar-se à sua direita.
- Pecador, confessa-te. O que fizeste à santinha.
Malhador respondeu:
- Sei lá.
A bimba, que tinha desaparecido debaixo da mesa, levantou a cabeça e pediu um copo de água.
- Eu conheço-te, disse Malhador.
Posto o que Deus mandou destroçar. O dia podia correr mal mas não ia perder "O Preço Certo em Euros".

Eles & elas



Uma nova galeria é inaugurada no BnA: "Eles & elas". Tomas Rosicky e a sua mais que tudo Radka Kokurova. Uma beleza eslava que bem merece a coroa dourada que o craque segura...

O RECICLADOR

O CM de hoje mostra-nos uma Carolina Salgado em grande forma, na companhia do "amigo" João Malheiro. Muitos abraços, muito carinho na noite de Coimbra, daquele que é o par do momento. O biógrafo de Eusébio continua a facturar na noite, onde agora Carolina Salgado é sua passageira frequente. Um guarda-costas assim nem a Whitney Houston no célebre filme com o Kelvin Costner...
PS - O que estão a dançar Carol e Malhas? a) Ò Malhão, Malheiro... ;b) A macarena; c) Ò meu Porto de eterna mocidade...; d) Hip-hop; e) Afinal havia outro...; f) Apita o comboio...

domingo, fevereiro 11, 2007

TODA A VERDADE


Pimenta Machado desmonta a tese que, no fundo, provocou em Guimarães uma catástrofe só comparável ao dia em que Afonso Henriques ganhou a batalha de S. Mamede.

ps - só a gravata não combina com os estofos das cadeiras

ASSIM, SIM


Quando hoje, sobre a hora do fecho das urnas, fui dizer "sim" à despenalização do aborto, fiquei com a sensação de que a resposta podia ser "não", tantas eram as velhinhas que a custo subiam a escadaria de acesso às urnas de voto, no pavilhão nascente do liceu que frequentei em Matosinhos. Mas não foi não - foi sim a resposta dos portugueses. O referendo do aborto mais uma vez mostrou as duas faces do país: o país moderno e progressista de Coimbra até ao Algarve; e o país ainda puritano e conservador a Norte e nas ilhas. É curioso como um país tão pequeno pode ser tão diferente no plano da moral e dos bons costumes. É o que temos, sendo o futebol também um reflexo desta realidade, embora à sua escala: de um lado um Norte que não se consegue "descomplexar" depois de se ter tornado dominante; do outro um Sul bipolar e que serenamente nos últimos anos não apenas equilibrou forças como também conseguiu alguma supremacia quantitativa, como o atesta uma I Liga apenas com 5 clubes a Norte da linha do rio Douro.

A VERDADEIRA TRIPEIRA

Na Ribeira:**- Ó Guida, logo à noite bais ás Antas?* *- Naue, bou ó cinema.**- Bais ber o quiê?**- Olha, bou ber os "Colhões de Nabarone". Parece que é boum. * *- Ó Guida, naum é os "Colhões de Nabarone" ; é os "Canhões deNabarone". * *- Ó??? Fuoda-se!!! Atoun...., bou mas é às Antas!!!*

COLAÇA QUEIMADA

António Pragal Colaço publicou ontem o seu último artigo no Sportugal. É pena. O ex-advogado de Jacinto Paixão não só sabe redigir como também tem boas ideias e melhores abordagens sobre o mundo e o futebol que nele se joga dentro e fora das quatro linhas. Apesar do tom niilista da última comunicação, Colaço, que foi candidato a candidato à presidência do Benfica, não fechou a porta. Um dia vai voltar, se calhar para um Sportugal pujante e vencedor. Ambos bem o merecem.

TAÇA É PRA QUEM TEM RAÇA

Bem diziam os varzinistas que há muitos anos o Benfica não ganhava na terra do Cego do Maio. E ninguém teve também em conta o facto de Diamantino Miranda nunca ter perdido na Póvoa. Na sua estreia, aquele que foi um dos melhores de sempre do Glorioso marcou pontos. Lá tivemos mais uma vez Fernando Santos com um discurso híbrido, sem recorte crítico, à imagem da exibição pouco galvanizante da sua equipa, que mereceu perder. Mendonça foi a figura do jogo. Este é o Palanca que realmente interessa, pois tem as peças todas e até está a terminar contrato com o Varzim, só espero que não acabe em Moscovo ou num clube dos confins da Roménia... Da jornada taceira resultou ainda outro facto interessante: a eliminação do Atlético com um remate de Pitbull. Andava o FCP a pagar-lhe o ordenado para nada e eis que pelo menos fica justificado o subsídio de refeição.

sábado, fevereiro 10, 2007

APITO MORGADO

Mais uma manchete delirante do CM. Tá certo, anda aí um fortíssimo surto gripal...

RIQUEZA


O país e o mundo acordaram ontem com a notícia de que o Benfica entrou no clube dos 20 mais ricos do mundo. Tudo bem. Mas continuo sem perceber o número de proveitos apurados. Numa consulta ao último relatório e contas do Benfica, verifico que a SAD encaixou de receitas 59,1 milhões de euros contando as vendas de jogadores, o que dá 52 milhões sem estas. Está longe do badalado 85,1 milhões de euros divulgado... O FC Porto fechou o ano com 46,2 milhões de proveitas (vendas de jogadores à parte) e o Sporting com 28,7 milhões. Serei eu que estou a fazer mal as contas ou alguém se enganou?

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

AZERT


Ainda sou do tempo em que o chefe num jornal era um tipo respeitado e até venerado. Como numa tribo de Sioux ou Apaches. Era o chefe e ponto. O resto da maralha batia a bola baixo e trabalhava. Admito que os tempos mudaram mas continuo sem trocar o carismo e o mito do chefe pelos novos modelos de liderança, disponíveis numa prateleira de uma FNAC perto de si. Estou convencido que esta espécie de gurus ganha bem a vida enganando a clientela de forma um tanto ou quanto descarada, ao estilo dos vendedores de chaves da sorte para o euromilhões. Vem isto a propósito exactamente de alguns momentos de saudável anarquia que tive oportunidade de viver na minha carreira, como aconteceu na Gazeta dos Desportos, quer na rua de S. João, quer na rua Poço dos Negros, no Porto e em Lisboa, respectivamente. O culpado deste rivalismo é o Paulo Silva, que hoje motivou a conversa de treta no msn, e o Paulo é um tipo que tenho sempre em conta, sobretudo depois daquela cena do mapa de folgas (mas aí era eu que me estava a armar em...chefão, coisa que, de facto, não me está nos genes). Na rua de S. João, recordo 3 episódios: o mistério do cu gravado no pó da banheira; a energia cinética do elefante de porcelana do Augusto Martins; e o pau do telecomando que o Paulo Montes elegeu como símbolo do seu poder. Há outros mas destaco estes. Em Lisboa, na Poço do Negros, não esqueço os jogos de ping-pong depois do fecho da edição, com blocos a improvisar raquetas e livros a fazer de rede; os encharcados ao Óscar quando era voltava do escritório que era a tasca do andar de baixo; e a famosa caça à ratazana, para não falar no sofá onde o Bonzinho dormia ou para o cagalhão que um dia o Mário Pereira depositou na gaveta de uma secretária de uma dama pela qual o Luís Graça se apaixonou. Como dá para imaginar, foi um tempo glorioso, exactamente porque não havia...chefe, ou se havia ninguém notava. Tá bem, tínhamos lá o Virgílio Neves com as suas histórias americanas, o Tó Pasteleiro com a basófio do costume e o velho Viriato a fazer de conta que não achava piada à energia da canalhada. O comandante Barquinho, esse, também fazia de conta que não percebia que havia um motim permanente na Bounty. A verdade é que o jornal respeitava os fechos e vendia sem precisar de recorrer a técnicas de liderança, campanhas de marketing ou lições de moral (das 3 a pior). Bons tempos. Bons velhos tempos do jornalismo em azert.

APITO MORGADO

Já há um "garganta funda". E não tarda nada...dois. A coisa promete.

DESCALABRO

O Sporting paga dez mil euros por dia de juros à banca. Não sou é que o digo, foi Soares Franco quem o confessou numa entrevista ao PÚBLICO. Está quase ao nível do capitão do Titanic, quando este pediu à orquestra para continuar a tocar. Com a vantagem de que o homem do leme concorreu e venceu as eleições para o clube de ténis do bairro dele.

O HOMEM DA MARATONA


No seu último editorial na revista Dragões - cuja qualidade, gráfica e literária, é hoje um facto -, Pinto da Costa fala de um amigo leal - Fernando Martins. PC usa mesmo o título "O Amigo Leal", o que por momentos me deixou algo perplexo, pois fiquei com a sensação de que o presidente confessava só ter um amigo leal. Mas não. Terá outros. Não muitos mas certamente mais alguns que um simples amigo leal. Para PC, um amigo leal é aquele...que é leal e ponto. Não deixa de ser uma divagação interessante do presidente numa altura em que tantos o querem ver cair - acreditem, não é a primeira vez que tal acontece nem será a última. Como não sou amigo de Pinto da Costa, embora o considere o melhor dirigente desportivo português dos últimos 30 anos, uma pessoa inteligente e um personagem fascinante, estou à vontade para dizer que apenas lhe agradeço a disponibilidade que muitas vezes revelou (sobretudo em esperas geladas na torre e no estádio das Antas, ai que saudades, ai, ai...) e as colecções da revista Dragões que me deu num tempo em que tínhamos mais contacto. De PC sempre dei as boas e as chamadas más notícias pois é para isso que me pagam e aqui, como facilmente compreendem, não entra amizade nem lealdade. Confesso que prefiro dar as boas e com isto não estou apenas a querer irritar o admirável blogger das neves. Continuo a acreditar que Pinto da Costa vai sobreviver também ao Apito Dourado. Não é eterno, todos sabemos, mas convém não esquecer que este é o homem que só sabe que não vai por aí e que é filho de Deus e do Diabo.

quinta-feira, fevereiro 08, 2007

ÀS VEZES ACONTECE

Graças ao meu amigo Simões Lopes, eis um grande momento da cultura portuguesa - Sofia Alves em todo o seu esplendor durante o "Ballet Rose".

E ainda dizem que há trabalhos difíceis!

AQUECIMENTO GLONUAL



A prova provada de que

o Planeta

está a aquecer

O CASO LEIRÓS [actualizado}

Antes do mais, um ponto prévio: José Leirós é meu amigo desde os tempos do liceu. Na década de 90, ele foi um dos mais promissores árbitros portugueses. Tinha um estilo muito próprio e próximo do que é hoje a cartilha moderna da arbitragem. Leirós esteve várias vezes à beira de atingir o estatuto de internacional mas nunca chegou lá. Sobretudo depois de, em Outubro de 1997, ter denunciado à Liga uma tentativa de corrupção, na qual Carlos Pinto, ainda hoje secretário da Comissão de Arbitragem da Liga, surgiu no papel de intermediário do então presidente do Sporting de Braga, o empreiteiro João Gomes Oliveira, antecessor de António Salvador, também ele ligado à pedra e ao tijolo. Pinto surgiu a dizer a Leirós que o Braga dava 1500 contos por uma boa arbitragem sua num jogo com o Salgueiros (paz à sua alma). Leirós recusou e fez a denúncia através de uma carta dirigida a José Luís Tavares, então presidente da Comissão de Arbitragem da Liga. A Liga numa primeira instância suspendeu o funcionário e fez uma participação à Comissão Disciplinar e à Polícia Judiciária. Leirós foi também suspenso enquanto o inquérito corria. A 19 de Novembro de 1997, o árbitro é também suspenso pela FPF por se ter recusado a endereçar ao Conselho de Arbitragem a mesma carta que dirigiu a José Luís Tavares (a teoria dos vasos comunicantes aqui não se aplica). O Conselho de Arbitragem da altura era presidido por Barros Pereira, figura ligada à A. F. Braga, e integrava ainda Carlos Esteves, actual presidente da CA da FPF, e Avelino Ferreira Torres, esse arauto da transparência. A Liga ouviu Leirós e Carlos Pinto e até houve uma acareação. A Liga concluiu que havia indícios mas arquivou o processo por falta de provas. Leirós voltou a apitar - mas só depois de...Pimenta Machado ter mandado umas bocas - e Pinto voltou a secretariar. Disse PC: " Lamento que José Leirós esteja a ser lesado e desafio as instituições disciplinares a descobrir a verdade; faço votos para que tudo se resolva porque o José Leirós é um jovem com muita potencialidade e está a fazer falto nos sorteios." Disse Pimenta: "Critico a Liga porque está a penalizar quem teve a coragem de denunciar um acto condenável e com esta atitude está a fazer um convite à corrupção. Que outro árbitro a partir de agora irá denunciar a mesma situação?" Leirós voltou a apitar em Janeiro. Fez um Varzim-Salgueiros e na jornada seguinte foi nomeado para um Braga-Rio Ave! Leirós nunca mais foi o mesmo como árbitro, sendo sempre penalizado nas notas que recebeu. Abandona em 2002, depois de um incidente com José Luís Tavares. Leirós queixou-se do facto de existirem dois relatórios de avaliação, de um observador de Braga...nça, num jogo que fez. Tavares rasgou à sua frente um dos relatórios mas Leirós tinha feito fotocópias autenticadas na junta de freguesia de Leça da Palmeira. Mais tarde, o DIAP consegue determinar a existência de um terceiro relatório...

Leirós teve, por isso, de se dedicar ao cicloturismo, como elemento-chave do grupo...SAI DA FRENTE.

PS - Carlos Pinto já viu algumas das suas certidões do apito arquivadas - o que, na óptica de Morgada, não invalida processos na justiça desportiva - mas continua a ser arguido no caso das classificações dos árbitros que tanto vai dar que falar.

APITOS

Sobe para 18 o número de árbitros ditos de 1.ª categoria que podem vir a ser suspensos pela Comissão Disciplinar da Liga na sequência do Apito Dourado. Se fosse amanhã, seria um problema, pois apenas restariam 9 para os 18 jogos da Bewin Liga e da Liga Vitalis. Mas como provavelmente é para o dia de S. Nunca à tarde, ficamos todos mais descansados. A grande novidade é, afinal, os arquivamentos também contarem para esta guerra, na perspectiva da super procuradora. E tanta gente a pensar que tinha escapado por uma unha negra... Depois de a FPF ter dado o primeiro passo com inquéritos a 11 árbitros, entre os quais dois de primeira, e a um observador (José Mendonça, ex-jornalista e ex-treinador), chegou a hora da CD da Liga pôr o comboio em marcha. Vá lá, dia 20 de Abril completam-se 3 anos desde que Valentim inaugurou os calabouços da PJ do Porto.

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

DISCIPLINA

O Vitória de Guimarães acaba de suspender 3 jogadores por ter tido conhecimento que os mesmos estiveram na discoteca até às seis da matina a dois dias de um importante jogo. Tá bem. Acho que Manuel Cajuda não perde muito e só tem a ganhar com esta sanção disciplinar. Não há muito por escolher neste plantel do Vitória, quem sai não deve ser muito melhor do que quem vai entrar. E fica sempre a lição do treinador que num dos últimos jogos teve a acompanhá-lo no banco o relações públicas do clube. Pois, já todos sabemos que o presidente VM "gripou". Deve ter seguido o jogo pela internet.

terça-feira, fevereiro 06, 2007

DUAS BATATAS AO ESCRETE


Segunda vitória do Portugal de Scolari sobre o Brasil que foi campeão do mundo com Scolari. Sargentos como este é que nos fazem falta e não os de pacotilha que andam aí a incomodar quem trabalha. Duas batatas, duas, com Quaresma a agarrar a titularidade e com os burros do costume a não conseguirem pôr a funcionar a vesícula biliar. Coitados. A nossa selecção já ganha e reganha ao Brasil, foi à final do Euro, esteve a um passo da final do Mundial.
Scolari, sempre. E desta vez nem é preciso o BES pôr o lobby a funcionar...

TUDO ESCLARECIDO



O Comunicado da Comissão Disciplinar da Liga sobre o recurso ao castigo de 2 jogos a Ricardo Quaresma atira por terra a teoria da conspiração. O CD analisou o caso à luz da lei existente, e aprovada pelos clubes, e dos critérios que definiu e que publicitou, critérios que mais uma vez os paineleiros da bola não tiveram em conta nas suas análises de coração quente. O costume, por aqui. Importante no comunicado também é a conclusão de que o RD da Liga tem buracos e que precisa de ser melhorado, nomeadamente admitindo o recurso a imagens televisivas que de algum modo possam complementar ou desmentir o relatório dos árbitros. Cada vez fica mais evidente que a grande aquisição de Hermínio Loureiro foi mesmo Ricardo Costa, o presidente da Comissão Disciplinar da Liga.
PS - Afinal...havia sumaríssimos. Argumenta a CD da Liga que tal se aplica quando os factos não sejam apreciados pela equipa de arbitragem, nomeadamente quando a bola está distante do acontecimento. É uma interpretação possível da lei e admissível. Derlei vai descansar 2 jogos, Caneira escapa porque o árbitro foi auscultado e entendeu que não se passou nada de mais. O árbitro é soberano para a CD da Liga. Se viu, viu; se reviu e não mudou, fica assim. Não deixa de ser um fortíssimo voto de confiança da CD nos árbitros, esses pobre coitados que são a única equipa que não tem adeptos, para além da Maria José Morgado.

NOVO VISUAL


Como em tudo na vida, há que mudar. Por isso mudou o design do BnA. Espero que gostem. O Virgílio Neves eu sei que vai gostar por causa do amarelo e do vermelho (grande capa aquela que fizemos só com letras garrafais vermelhas sobre um fundo amarelo!)

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

SUPER QUÊ?

Uma vez por ano, lá vem ela - a final do Super Bowl. O canal que a transmite arranja uns especialistas que passam largos minutos a explicar-nos as regras do jogo, prometem-nos uma atracção musical para o intervalo e a malta lá se tenta aguentar pela madrugada dentro. Confesso, desisti. Enquanto aguentei, li o "Público", a "National Geografic", o "Record", telefonei a alguns amigos, comi dois iogurtes e fui das vezes buscar lenha. Os Colts lá ganharam aos Beers mas só hoje é que confirmei o que já estava definido num campo onde 4 árbitros faziam de conta que arbitravam pois tudo era decidido na repetição dos lances. Tinha começado o dia a ver o Itália-França, em râguebi, para o Torneio das 6 nações e isso se calhar foi fatal. Ao início da tarde vi intensidade, vigor, velocidade...e a equipa médica a assistir um jogador em campo enquanto o jogo decorria. De madrugada vi uma coisa a que chamam desporto, praticada por mastodontes que têm de usar capacete de protecção, dirigido por 33 treinadores e assistido por 55 aguadeiros e 70 miúdas de mini-saia e de sorriso mumificado. É a América, claro. Mas podem desistir já de nos convencer que isto é futebol. O tanas!

sim


Obviamente...sim
Porque...sim
Claro que...sim
Então...sim
Logo...sim
Conscientemente...sim

Sim à despenalização do aborto. Não à hipocrisia
e ao puritanismo.

crime, dizem eles

16 jornalistas começam amanhã a ser julgados no Tribunal Criminal do Porto - é a primeira vez que tal acontece a este nível - pelo crime de violação de segredo de justiça, na sequência do caso Casa Pia. É notável. Sobretudo porque, estando em causa os mesmos crimes, um Tribunal de Lisboa arquivou outros tantos casos sobre a mesma situação! Mais notável ainda é o facto de os 16 jornalistas em questão correrem o risco, embora mínimo tendo em conta os precedentes, de serem condenados enquanto o processo Casa Pia continua para as calendas. O mais importante é, porém, o "espectáculo da justiça". Que, no fundo, toca a todos, mesmo àqueles que não têm contacto directo com os documentos sob o segredo de justiça mas não passam, na perspectiva de alguns pseudo investigadores, de verdadeiros malfeitores.

É o país que temos.

O FUGITIVO


Vítor Magalhães, o presidente do Vitória quando este desceu à II Divisão (onde está para ficar), está a ficar conhecido como "O Fugitivo". Ninguém o vê em Guimarães ou nos arredores. Desde que as claques arremassaram uns petardos e lançaram uns panfletos na sua residência, o líder vitoriano evita ir à cidade-berço. Resultado, uma equipa cada vez mais desamparada, à espera das eleições e com 2 meses de salários em atraso. Um verdadeiro descalabro da equipa que durante os 24 anos de vigência de Pimenta Machado apenas por 3 vezes ficou atrás do Sporting de Braga na tabela classificativa. Mas o Braga hoje pertence a outra galáxia. Muito, muito distante.

Jornada 17

A teoria do "já podem encomendar as faixas para o FC Porto", que tanto pano para mangas deu aos nossos comentadores que nasceram com o rei na barriga, mas que (como se vê) rapidamente são apanhados com as calças na mão consequência de mais uma diarreia mental, já era. Apetece-me quase citar um amigo meu que acredita que o tuga Magueijo conseguiu pôs em causa a teoria da relatividade. Ok, Xavi, não percebo nada de matemática... A nova teoria do nosso futebol é uma espécie de teoria do caos. Reparem no que aconteceu este fim de semana. Jogos intragáveis, lentos, pobretanos; jogos de alta intensidade, como os de Alvalade e da Luz. E mais uma vez os comentadores a pedirem processos sumaríssimos, quando se sabe que estes já eram, que só o que está no relatório do árbitro é substância... A desatenção do costume numa ciência colada a cuspo. O que resulta essencialmente da ronda 17 é:
- A confirmação da crise do líder e campeão, pese embora Jesualdo Ferreira ache que não. Perder com o Atlético, com o Leiria (que perdeu em Aveiro) e com o Estrela (que nunca tinha ganho na casa portista) é o quê? Azar?
- O futebol empolgante do Benfica e a resistência fantástica de um Boavista que ameaça subir na tabela, misturando-se no pelotão das equipas que lutam pelo 4.º/5.º lugares.
- A grande reviravolta do Sporting, se bem que suportada em erros do árbitro...madeirense Duarte Gomes. Os leões não foram às compras, se pudessem tinham despachado o Bueno mas como não foi possível lá tiveram que levar com o seu fabuloso tetragolos.
- A arbitragem de Pedro Henriques na Luz, deixando faltas por marcar mas potenciando, e de que maneira, o jogo jogado num desporto, como o futebol, que é de contacto.
- A preciosa vitória da Académica, uma das melhores equipas do campeonato, que se afasta um pouco da perigosa boca do aspirador, onde voltou a cair o Vitória de Setúbal.
- 12.ª grande penalidade não marcada esta época a favor do FC Porto. À dúzia é mais barato? Não, são as sequelas da reabertura do Apito Dourado. E isto não vai ficar por aqui...

sábado, fevereiro 03, 2007

LIÇÃO


Lição táctica de Daúto Faquirá ao professo Jesualdo Ferreira. Sem Quaresma, este FC Porto é um avião sem asas. Foi só aguentar, aguentar e depois...espreitar. Os 2 jogadores do Estrela que saltam do banco decidem o jogo. 3 pontos para o faquir da Reboleira. Benfica a 4 pontos do campeão nacional, com a pressão a aumentar agora que o Sporting está só a 3 pontos, depois de um jogo de altíssima intensidade com o Nacional, com um erro clamoroso de Duarte Gomes/BES a dar aos leões um penálti de bandeja.

A correr o Mundo


Pronto, temos um primeiro-ministro patrocinado pela Adidas (será contrafacção?). José Sócrates continua a literalmente correr o mundo, continuando pujante na sua versão Tony Blair. Só falta mesmo saber quem é a sua actual namorada. O preço da gasolina, o abandono escolar, a aberração que é o referendo do aborto, as gaffes dos ministros... bem, o que é isso? Nada. Temos um primeiro-ministro em grande forma. E muito assunto para as revistas de consultório de dentistas. Querer mais é desejar o regresso de Santana Lopes e das suas fotos à pirata num cruzeiro das Caraíbas. Convenhamos, também tinha a sua piada...

ESTÁDIO DE CHOQUE

Rui Santos assinala 30 anos de (bom) jornalismo com o lançamento do seu primeiro livro - Estádio de Choque. É uma obra de inéditos, sem romance, do melhor comentador de futebol deste pequeno país. Carlos Queirós e Judite de Sousa vão apresentar a obra, em Lisboa, de amanhã a oito dias. Uma oportunidade mais para o Rui estar com os seus (muitos) amigos. O livro, esse, já é um sucesso!

Por favor, não pisem os malmequeres!

  Ia escrever qualquer coisa sobre isto mas o João Freitas - um dos melhores jornalistas que conhece - tirou-me todas as palavras da boca. ...