AGORA ESTOU AQUI

quinta-feira, setembro 13, 2007

SOCO CANAL


Hoje, a partir das 22.30 horas, não perca no Porto Canal um especial Socolari, com a presença do accionista maioritário do BnA.

3 comentários:

Anónimo disse...

ora viva, senhor maioritário accionista, que lá estava, efectivamente, onde fui vê-lo, mais gordinho que na foto, digamos, mais forte, apreciando o seu fair play humorista, como a dose de realismo que baste a não nos sentirmos tão fracos ante equipas pelo visto tão fortes, sim, de um campeão e um vice, além da equipa da Nokia, que a da Sérvia também quererá bater-nos o pé lá em casa

e há contas por fazer, sempre, se os demais adversários do grupo não ganharem os jogos todos

porém, concordo que a coisa tá preta, insegura, com Portugal por essas partes de malta corredora de desertos longínquos e outra recém-guerreira dos Balkans, como por cá, diz o Bernardino, talvez a Norte, por ser Inverno, com esses outros corredores arménios, além dos invernais imperadores do telemóvel, tarefa impante

amelie

Anónimo disse...

Que gordo panascas

Anónimo disse...

Até ao próximo soco


Luís Felipe Scolari apresentou, ontem, desculpas públicas pela agressão ao jogador Dragutinovic, da Sérvia. Felipão pediu desculpa aos adeptos, à Federação e à UEFA, mas deixou de fora a vítima da agressão, que foi Dragutinovic, e até a Federação da Sérvia, que também merecia um pedido de desculpas. Não é bonito e acima de tudo soa um pouco a falso.

O que aconteceu anteontem mais não é do que uma longa sucessão de tristes situações de falta de fair-play no futebol português, com a complacência das autoridades futebolísticas e até governamentais. Depois de termos um jogador a agredir um seleccionador (Sá Pinto a Artur Jorge, em 1997), um jogador a socar um árbitro (João Pinto a Angel Sánchez, no Mundial 2002), um trio de jogadores a baterem num árbitro assistente e no quarto árbitro (Paulo Bento, Abel Xavier e Nuno Gomes, na meia-final do Euro 2000), só faltava mesmo um seleccionador dar um murro a um jogador, sob a capa de estar a proteger um seu atleta (Quaresma).

Caso não tenham reparado, estas coisas nunca acontecem nos clubes. Acontecem nas selecções como consequência do clima de impunidade que se vive e que é proporcionado pela Federação.

Ontem, iniciou-se o processo de branqueamento do murro de Scolari. O pedido de desculpas foi o primeiro acto. Logo a seguir, caiu nas redacções um comunicado de todos os jogadores a solidarizarem-se com Scolari. Por estes dias, João Rodrigues (há décadas espécie de presidente-sombra da Federação) iniciará os contactos com a UEFA para conseguir o castigo mais reduzido possível para Scolari. Laurentino Dias voltará a dizer que estas coisas não podem acontecer, que é preciso ter juízo, etc., etc. E até Hermínio Loureiro, que começou o dia a escrever que o rei vai nu, acabou a emendar o discurso, porque se há coisa inaceitável no futebol português é a falta de gratidão, como bem definiu Luís Filipe Vieira, se é que me faço entender... E será que ninguém pensa em agir antes do próximo murro