AGORA ESTOU AQUI

quinta-feira, novembro 22, 2007

TAMOS LÁ

Hoje, na minha tertúlia, estavam todos com Scolari. Para além de considerações tácticas, o colectivo percebia a fúria e a raiva do seleccionador nacional na conferência de imprensa que abandonou. Têm razão. O que estava em causa não era a qualidade do jogo produzido pela equipa portuguesa frente à retraída Finlândia mas sim o efeito da estratégia. Vamos a mais uma fase final de selecções, a segunda conquistada por Scolari, depois do Mundial 2006 e do vice-campeonato no Euro 2004. Querem mais? Repare-se: estivemos no Mundial de 66, só lá voltamos 20 anos depois, depois de um brilharete no Euro 84. Depois, com Oliveira, no Euro 96, em Inglaterra, também honramos a camisola e o mesmo aconteceu, com Humberto Coelho, no Euro 2000. Pelo meio falhamos o Mundial de 98 mas voltamos a estar no Mundial, em 2002, na Coreia/Japão, onde foi a desgraça que todos conhecemos e que o António Boronha tem fundamentado (e bem). Ou seja, a selecção portuguesa afirmou-se nos últimos dez anos como uma selecção de top, falhando apenas um apuramento em sete. O que é que querem mais? Scolari, já se sabe, coloca um ponto final no seu percurso no comando e Portugal após o Euro 2008 e o meu colega José Carlos Freitas então irá contar, em forma de livro, as histórias que apenas foram sussurradas (ficamos à espera, com ansiedade). Mas o que fica desde já é a marca Scolari. Não estou a falar da Caixa ou do dinheiro em caixa. Estou a falar simplesmente do carisma de um condutor de homens MUITO BOM e de um treinador que não inventa e que sabe ganhar. Obrigado, pois, Luís Felipe. Era apenas isto que te devíamos ter dito quando acabou o Portugal-Finlândia.

13 comentários:

Anónimo disse...

Na mouche. Primeiro comentário que vejo de um jornalista com cabeça, tronco e membros. Afinal ainda os há nao corporativistas?

Tiago disse...

Discordo, em parte. É certo que Portugal só recentemente costuma estar nas fases finais e só recentemente é que tem brilhado. Devemos isso a vários treinadores e entre os quais o Luís Filipe Scolari que teve um grande mérito.
No entanto, é também verdade que Portugal tem hoje uma selecção e um universo de jogadores que antes não tinha. A categoria dos nossos jogadores cresceu incrivelmente e não se pode dizer que as nossas selecções adversárias tenham feito o mesmo. Pelo menos eu não o considero.
A Selecção e o Scolari estão de parabéns pela qualificação mas nós queriamos muito mais. E mereciamos. Os jogadores da selecção são profissionais e, para além disso, são dos melhores profissionais do Mundo. Se temos um treinador campeão do Mundo, jogadores da melhor categoria que existe (incluindo o CR que é claramente um dos três melhores do Mundo), porque não devemos exigir qualidade?
Perguntem aos atletas de Portugal, extra-futebol, que qualidade é exigida para terem apoios do estado...esses têm que ser mesmo os melhores do Mundo se não quase não são reconhecidos.

Anónimo disse...

Não percebo, sinceramente, porque raio é que temos de estar eternamente gratos ao Luis Filipe.
É um excelente treinador de torneios curtos, campeonatos de mundo e da europa, e é só. De futebol entende pouco, da qualidade de jogadores menos ainda, não tem rasgo, não tem uma única e escassa ideia sobre o jogo enquanto está de pé junto ao banco no seu teatrinho burlesco.
A renovação da selecção nacional é feita na mais absulota incoerência, com avanços e recuos difíceis de entender. Neste apuramento quer os parabéns quando não ganhou um jogo a um adversário directo. Faz papel de vítima quando ganha, é incapaz de assumir uma derrota e nem sequer acho que seja um grande relações públicas. Tem é um conjunto de jornalistas amestrados e um daniel oliveira que "vendem" determinada imagem da figura. É o maior cínico do futebol português. Eu não acho que mereço os parabéns quando cumpro o meu trabalho. Sou pago para isso e estimulado a conseguir ainda mais do que me é pedido. Scolari cumpre a sua extenuante tarefa com serviços mínimos e não compreende que as pessoas queiram mais. Ainda quer a nossa gratidão por termos de aturar um cínico mal educado que não consegue fazer de um conjunto de craques uma equipa que saiba jogar a bola. Poupem-me! O senhor que agrediu um jogador e envergonhou um país inteiro merece os parabéns porque raio? A tua cupidez, eugénio, é tocante!

nm

Paulo Jorge Sousa disse...

Pelo valor individual, espero agora que os índices colectivos de Portugal subam significativamente em Junho próximo. Apesar de tudo, parabéns Portugal!

altobola.blogspot.com

Anónimo disse...

- E a sua estupidez, oh nm,o que é??!! Sinceramente não sei o que queria mais!!! Queria se calhar que o selecção jogasse bem e bonito, e no fim não ser apurada para o EURO? Para um País como nosso, de 10 milhões, com um campo de recrutamento de jogadores muito restrito, com 4/5 baixas nos últimos jogos, ainda queria que jogassemos bem??!! Lembre-se que na fase de qualificação para o Mundial de 2002 o Brasil por pouco não era apurado para a fase final, com Scolari no leme!! E sabe bem o que aconteceu??!!.... eles foram Campeões do Mundo!!!! Se não gosta do Scolari está no seu direito, mas tem der reconhecer que ele nos levou a mais uma fase final de uma grande competição; competição essa, se tivermos todos os jogadores em boa forma física, técnica e táctica faremos concerteza uma boa campanha e com Scolari à frente!!!
- Tenho dito!!!!

GOMEZ

Luís Graça disse...

Seja o futebol um espectáculo, um jogo, um desporto ou o que quer que seja, enquanto houver bancadas num estádio eu tenho o direito de reivindicar diversão para o espectador. Quer isto dizer que não abdico de exigir atitude e qualidade.
Os resultados são o que fica para os arquivos. O génio é o que fica nas memórias.
Por isso mesmo é que vi miúdos de 6 anos malucos por um autógrafo do Borg, em Vale do Lobo, no Verão.
Scolari teve, uma vez mais, a sorte do seu lado.
E não pode haver limites às perguntas que lhe devem ser colocadas, para além dos da deontologia e da boa educação.

Anónimo disse...

Caro GOMEZ,

Talvez seja melhor ler com atenção o que eu escrevi para não dizer baboseiras.
Não venha escrever que leu, porque se o tivesse feito percebia porque é que o Scolari quase falhava o apuramento e depois foi campeão do Mundo. Vou fazer copy/paste.
"É um excelente treinador de torneios curtos, campeonatos de mundo e da europa, e é só. De futebol entende pouco,".
Gosto sobretudo do seu argumento fundamentalista, de resto idêntico ao que Scolari e a sua pandilha utilizam para se pôr a salvo da crítica, pintando o mundo a preto branco: os que estão com eles, os bons, e os que estão contra eles, os maus.
Eu nunca disse, sugeri ou insinuei que não queria que a selecção não fosse ao Euro. Nunca o diria porque gosto da selecção nacional. E é por gostar que devo ter a liberdade para criticar o que não me parece certo e este apuramento, até o GOMEZ concordará, foi aquém das expectativas. A equipa tem potencial para muito mais, mas não o mostrou neste fase e isso é lamentável.
A soma de craques desta selecção é impressionante, (Ronaldo/Nani-Manchester, Deco-Barcelona, Ricardo Carvalho-Chelsea, Tiago-Juventus, Pepe-Real Madrid,etc,etc)mas contas feitas o resultado da soma dos craques não dá a equipa que devia ser: INESQUECÌVEL! E é disso que eu tenho pena.
Passar bem.

nm

dragao vila pouca disse...

Uma vez que censuraste o meu comentário vais ter de me explicar pessoalmente porquê.

Quetzal Guzman disse...

Eu também não gosto do futebol de Scolari (já não tinha gostado do Brasil Campeão do Mundo), mas tenho que me vergar aos resultados. E como o EG diz bem, é um grande condutor de homenes. E no que toca a futebol de selecções, que é totalmente diferente do de Clubes, é isso que importa, até porque o tempo para definições tácticas é escasso. NM, se a renovação foi feita de avanços e de recuos, isso também se deve muito às constantes ausências de jogadores nucleares. Por outro lado, há que ter calma. O leque de selecionáveis é maior, mas se escolhermos os melhores 23, ainda assim estaremos longe de 2004. Há alguns jogadores que já ultrapassaram o auge, muitos com potencial, mas longe do amadurecimento ideal, e uma completa ausência de liderança dentro do campo e no balneário. Quem pode hoje assumir o papel de Figo, Rui Costa, Couto ou Costinha?

nmarques disse...

Caro nm

"Scolari é um excelente - sublinho a excelência, tão rara neste país -treinador de torneios curtos (campeonatos da Europa e do Mundo, mas só. De futebol não percebe nada".

Está a falar por oposição aos outros seleccionadores que tivemos, com raras excepções, que percebiam muito de futebol, mas eram maus treinadores de "torneios" curtos?

Por acaso, essa sua afirmação tem a sua piada. Ofereço-lhe outros exemplos para a sua cartilha:

1) Fernando Pinto é um excelente gestor, mas de aviões percebe pouco;

2) Pinto da Costa é um excelente presidente de clubes, mas de gestão percebe pouco;

3) O Quaresma é um excelente futebolista, mas de jogo colectivo percebe pouco.

Foi um apuramento demasiado pragmático, mas o objectivo foi conseguido. Este é uma equipa de excelentes jogadores, como o dia, mas também a era a de Figo, Fernando Couto, Rui Costa, João Pinto, etc. E depois Ricardo Carvalho falhou muitos jogos, Deco tb (e, quando presente, esteve muitas vezes abaixo do mínimo exigível), Tiago foi quase inexistente, Pepe só se estreou agora.

Uma boa imagem desta selecção é a de Ricardo Quaresma: o talento portista só brilhou, durante alguns minutos, em Alvalade frente à Bélgica. Em tudo o resto, foi uma sombra de si mesmo. Vai-me dizer agora que não é competente? Ou que não percebe de futebol? Ah, já sei: tem um conjunto de jornalistas amestrados que o promovem? É isso, não é?

Já agora: já viu como seríamos um país melhor se todos os portugueses cumprissem o seu trabalho como Scolari? Sem brilhantismo, sempre criticados pelos outros, mas cumprindo sempre o que lhes era exigível. Era bom, não era?

Já agora, para quem gosta tanto de números e balanços:

1) Portugal foi a equipa do grupo com menos derrotas. Uma, na Polónia.

2) Portugal teve o melhor ataque 24 golos), em igualdade com a Polónia;

3) Portugal teve a segunda melhor defesa (10 golos); a melhor foi a Finlância, que só sofreu 7 golos, mas também só marcou 13.

Helder disse...

Eu nem gosto de me meter nas discussões que não me dizem respeito, mas como até para a má-vontade e para a incoerência há limites, gostaria de perguntar como é possível dizer-se que alguém é um excelente treinador de torneios curtos, campeonatos do mundo e da europa, mas dizer-se que de futebol entende pouco? Se o ridículo matasse meu Deus...

Anónimo disse...

O unanimismo à volta de Scolari é repelente mas só me resta emigrar. Em Portugal precisamos, desde o 25 de Abril, de lideranças fortes que nos indiquem um caminho que seguimos sem pensar. E isso basta-nos.
O que aconteceu à letra daquela música, "queremos mais, queremos mais". Porque é que havemos de louvar um apuramento burocrático que teve o brilho de uma repartição pública?
A história do futebol vai reservar a Scolari excelentes participações em campeonatos da europa e do mundo(torneios curtos), soube aproveitar um trabalho de base que começou a ser feito muitos anos antes por gente como Carlos Queirós, Jesulado Ferreira, Nelo Vingada, Agostinho Oliveira, Rui Caçador, etc. Mas o que é que Scolari acrescentou a esse trabalho? Manteve o rumo da política de formação? Melhorou-o?
Não digam que isso não faz parte das suas competências, porque ele foi o primeiro a mostrar na sede da FPF quem era o chefe. Ponham lá as bandeirinhas nas janelas e aplaudam o homem. Depois não se queixem quando olharem para o que resta e virem um imenso vazio, a única herança que um oco pode deixar.
Hasta luego,

nm

Yazalde 70 disse...

OTARIO. se soubesse ganhar nao tinhamos perdido a final de 2004 isto sem contar com a vaca que tivemos em 2006 e agora nem se fala.