AGORA ESTOU AQUI

sábado, agosto 15, 2009

MAIS DO MESMO

Ciclicamente, o desporto português sobressalta-se com a emergência de um potencial ás do ténis. Frederico Gil foi o último fenómeno. Agora que o "craque" corre o risco de sair de mansinho do top 100 do ranking mundial, confirma-se aquilo de que já se suspeitava: o ténis luso é um desporto de betinhos e enquanto não se massificar jamais teremos a possibilidade de ter um tenista realmente de elite.

11 comentários:

JNF disse...

"o ténis luso é um desporto de betinhos e enquanto não se massificar jamais teremos a possibilidade de ter um tenista realmente de elite."

Ou melhor, simplesmente, NÃO HÁ CONDIÇÕES para um português se treinar em Portugal. E parece que também não há grande vontade dos portugueses em irem para o estrangeiro. Esse é o problema. Queremos ser os maiores da nossa rua. Mas só.

LAM disse...

Completa, absoluta e radicalmente de acordo.
A base e o cerne da questão são essa frase:
"enquanto não se massificar jamais teremos a possibilidade de ter um tenista realmente de elite."

à atenção dos clubes meramente futeboleiros.

LAM disse...

JNF.
"Não há vontade em irem para o estrangeiro"?

Vontade? ou condições para o poderem fazer?
Pelo que conheço, nessa ou outras modalidades que implicam investimento, o problema não está na "vontade", está na possibilidade económica de ir criando uma carreira fora de portas. Quem tem condições para o fazer? muito poucos decerto.
Daí que modalidades como o ténis, por exemplo, deveriam ter o apoio de clubes "instalados" que promovessem a sua massificação.
Estes "fogachos" de Frederico Gil são a prova de que só da alguma quantidade poderá vir a qualidade. Aliás a mesma receita do que qualquer desporto, nada de novo.

Anónimo disse...

E também não há vontade dos portugueses betinhos abrirem as portas a portugueses menos betinhos. Já viram o que era um betinho de boas famílias ser batido por um não betinho? Era uma vergonha para a família...

Pedro disse...

É verdade que enquanto a Matadinho andar a debitar um churrilho de barbaridades enquanto RP do torneio de Vale de Lobo, passará essa imagem...

Acredita-se que neste blog se possa postar algo quando o Rui Machado entrar no Top 100 (2ª feira proxima será já 108º)

É verdade que infelizmente existe esta conotação, é verdade que o Gil vai sair na proxima 2ª feira de Top 100 (ao fim de 6 meses), é verdade que o país está cheio de um pedantismo que não favorece o desenvolvimento neste caso do ténis, mas posso eu e muitas outras pessoas gostar muito de ténis, sem fazer parte de nenhum tipo de aristocracia, nem da de sangue azul original, nem daquela que lá chegou à pala de malabarismos domesticos registados em suporte digital e posteriormente facultados ao povo.

Fica a ideia:

- Quando o Rui Machado entrar no top 100, o tenis continuará com a conotação que tem hoje, será mediatizado por uma série de gente que não sabe o que é o desporto e continuará a papaguear as barbaridades do costume, mas continuará a haver aqueles que gostam verdadeiramente de ténis.

Fica o conforto de saber que esta discussão não se limita às nossas fronteiras, ela é discutida em muitos outros países...

João disse...

Pois é... Quando um dos maiores obstáculos para a massificação do ténis, sem contar com as óbvias faltas de condições técnicas em muitos "clubes de bairro", à falta desses mesmos "clubes de bairro" e do óbvio amadorismo reinante na modalidade em portugal, temos que olhar para os jornais desportivos que de desportivos só reportam o futebol e ocasionalmente numa caixinha da capa outra qualquer modalidade desportiva!

Desporto de betinhos??? Diria antes que tal como todos os desportos neste país, o ténis só é exaltado quando há bons resultados, de resto, é a miséria que se vê todos os jogos olimpicos, mundiais, etc... Nunca se lembram das condições de treino, mas felizmente o futebol agora vai passar pelo mesmo...

ginoveve disse...

Falto lá eu, faltamos lá nós, que nos votamos ao trabalho, ao treino, e não andamos de passeio a exibir-nos pelas revistas Mais.

Demais, dados ao desporto, à modalidade do ténis, como às outras, aí damos o coiro todo, sem pensarmos em andar a vendê-lo como o canastrão do Zé Cid, que pediu, é ter lata, meio milhão dele, para posar nuzinho e feioso como é prà Playboy.

E esses quequinhos sonham com a América, só pode, sem mesmo irem ao Iraque e ao Afganistão, como o Busha, naquele oirum, mas aprovam, qual burroso, sem artes, porém, da mesma queda pra actores.

Sartor disse...

esquece, Eugénio, foi quase meio século de lavagem cerebral do Estado Novo Salazarista ao povo, com fado, fátima e futebol. Neste país só há lugar para o futebol. Foi o fardo de palha que foi dado a comer ao povo durante muitas décadas. Hoje em dia só se vê grunhos no futebol! A tribo do futebol é uma cambada de atrasados mentais, golpistas, enganadores, hooligans, trapaceiros, putanheiros, tudo do pior que existe na sociedade encontra-se no futebol. Só vândalos.

Agora desportos de elite e de fair-play e respeito pelo adversário, como tenis, golfe e outros desportos que tais, jamais farão parte da nossa cultura a curto ou médio prazo.

A sociedade é ainda o reflexo do regime ditatorial que regeu este país durante décadas e os vícios incutidos ao povo ainda estão cá.
E na sua quase globalidade em Lisboa, o centro das operações, a "capital do império".

Anónimo disse...

É impressionante!
Estamos em 2009 e o pobre do Salazar ainda é o culpado de tudo o que é mau em Portugal.
Tristes do caralho!!!

salomeh disse...

Salazar é burro e o socrates ainda mais, sem falar da manela leites, nos balha nosso sinhor.

AG disse...

!!o ténis luso é um desporto de betinhos e enquanto não se massificar jamais teremos a possibilidade de ter um tenista realmente de elite.!!

Exactaqualfactamente. é um desporto de cócós. Mas masturbam-se.