AGORA ESTOU AQUI

quinta-feira, março 26, 2009

UPS

Podem ler hoje no "Record" uma história muito curiosa sobre uma experiência pioneira na classificação dos árbitros. Um primeiro passo da adopção das novas tecnologias à arbitragem. Na época de 2002/2003, sob a direcção de Luís Guilherme, a Liga avaliou os árbitros com base em imagens integrais dos jogos que apitaram. A lista que estão a ver nada tem a ver com a classificação final. O 2.º classificado, por exemplo, até desceu de escalão...
A lista, que não está rubricada, foi mostrada ontem no tribunal de Fafe por um ex-membro da Comissão de Arbitragem da Liga, Júlio Mouco, o tal que foi afastado por Luís Guilherme e Mário Graça antes do final do respectivo mandato. Porque sei que são curiosos sempre vos posso dizer que para além das classificações normais, com as notas dos observadores, os árbitro foram pontuados com as notas dadas pela comissão de análise TV e dos observadores (50 por cento para cada lado).
Por isso, Hernâni Duarte surge, no mix TV/observadores, na 2.ªa posição e na lista final é último, com Duarte Gomes sem nota pois esteve lesionado nessa época e José Pratas a reformar-se. O mano mais novo de Augusto desceu à 2.ª categoria com o prémio de quase ter sido o melhor nas avaliações feitas através da televisão, nesta experiência piloto da CA da Liga que até aqui foi secreta.
Curioso tambem o facto de Jorge Sousa ter sido em 2003 o ano árbitro do ano com as novas tecnologias, só conseguindo sê-lo de facto em 2008. Esta foi a época em que Pedro Proença foi o árbitro do ano, embora na tabela com nota TV surja no meio do pelotão. C0m razões de queixa podem estar, isso sim, os árbitros António Resende, José Godinho e António Taia, despromovidos com Hernâni quado na tabela com TV não ficaram em zona de descida. Nessa tabela, como podem ver se ampliarem a imagem, os árbitros em zona de descida são Hélio Santos, João Vilas Boas, José Godinho (único comum às duas listas nesta posição) e, surpreendentemente, Paulo Paraty, sendo que este último acabou em 18.º na tabela oficial.
Reflexão imediata: vale mesmo a pena avaliar os árbitros depois do visionamento completo dos seus jogos na TV ou será que é melhor deixar o assunto nas mãos dos observadores?

14 comentários:

Nuno Nogueira Santos disse...

Portugal sempre foi o país dos pequenos poderes. O país das pequenas arbitrariedades. Das pequenas falcatruas. Das pequenas corrupções. Das pequenas cunhas. Dos pequenos surrealismos quotidianos que nos chegam a tirar o gosto ingénuo de brincar. O problema é que, por alguma razão, “grunhos” destes nem sempre se ficaram nos últimos anos pelo posto de zelador do Parque Urbano de Ermesinde. Alguns, estão no poder!

Ler aqui:
http://aoutravarinhamagica.blogspot.com/2009/03/ja-e-proibido-brincar.html

aNNóNNimo disse...

A lista que estão a ver nada tem a ver com a classificação final. O 2.º classificado, por exemplo, até desceu de escalão...

Ehh!Ehh!Ehh!
Não devia AGRADAR ao "Conselheiro Matrimonial",,,

Anónimo disse...

Duarte Gomes é o primeiro não é? Ou foi repescado para marcar aquele celebre penalti na taça da Liga na Reboleira do Adu?

ADP disse...

E o amigo Eugénio não comenta???

http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_digital/news.asp?section_id=6&id_news=114184

3aneldaluz disse...

Será caso para se falar em tráfico de influências?

É que de facto os nomes de Antonio Taia, José Godinho, António Resende e Hernâni Duarte não são nomes muitos conhecidos da arbitragem. Mas isto é apenas a minha opinião...

Abraços,

3aneldaluz.wordpress.com

bancada16 disse...

O Duarte gomes do penalty da reboleira?! Isso foi para quê? Taça da liga?
Pensava que o Duarte Gomes tinha ficado conhecido pelo penalty fantasma do jardel na luz....

RefereeTip Manager disse...

É importante alertar, relativamente a esta avaliação, que os árbitros considerados como mais categorizados dirigem normalmente jogos mais "criticos" onde, também por norma, estão presentes mais camaras de televisão.
Ora havendo mais camaras, há mais angulos de analise dos lances e, havendo mais prespectivas de cada lance, mais fácil é descobrir os erros.
Concluindo, os árbitros que nessa época dirigiram mais jogos dos "grandes", foram aqueles a quem mais erros terão sido descobertos pelas camaras e não os que terão, de facto, cometido mais erros.

Valdemar disse...

Cavalheiro Eugénio, na escola de jornalismo não ensinaram a fazer scan a documentos?

Era para ficar artístico?

Ou sempre sonhou ter um dedo polegar a aparecer numa foto?

Abraço

Mário Martins disse...

Eugénio, não há possibilidade de uma imagem melhor? É que este documento é histórico.
Abraço.
Mário Martins

À Coca disse...

Claro que já há muito tempo que se sabe dos arranjinhos para promover os árbitros que interessa e para sacanear os outros, mas ver assim a coisa preto no branco é sempre muito interessante...para até os mais cépticos perceberem como é que certos mediocres chegam a internacionais e se mantém lá tanto tempo...Pois é...

Anónimo disse...

Ó amigo Eugénio: as classificaçoes sao feitas no inicio da época. Já se sabe quem desce quem sobe. Tem um árbitro na 1ª, de Lisboa, que é muito religioso, vai muito á igreja ou á Capela, na época antes de subir já sabia que ia subir.
O Malquerença foi promovido a internacional porque era o bufo do José Luis Tavares!!!
Sao verdades como estas que é preciso desenterrar.

O observador (des)técnico

Bonga disse...

Isto é muito fixe ó Eugénio, mas desculpa vou ter de deixar uma bicada.

O verdadeiro cancro da arbitragem portuguesa está mesmo nas observações e consequentes classificações dos árbitros ao longo da época. Para mim isto é óbvio.

Os observadores são uma corja de senhores mais-velhos, sem nível, sem formação adequada, que andam por ali apenas porque se relacionam bem com os gajos das associações e afins. Muitos são ex-árbitros com muitas dicas por contar.

Até agora, e fazendo uma análise genérica, os piores árbitros são aqueles que obtêm melhores classificações no final da época. Ainda há pouco tempo "recebemos" na 1ª Divisão um árbitro de nome Cosme Machado que, coitado, não tem a mínima sensibilidade para o jogo.

Eu pergunto: como é que este rapaz chegou ao topo da carreira, como? O gajo não sabe o que é jogar a bola, não entende isto dos futebóis. Mas deve ter "padrinhos".

Também nas "escutas" do Apito Borrado foi perceptível que quase tudo girava à volta das descidas e promoções a árbitro internacional.

O problema é que ninguém, mas rigorosamente ninguém (dirigentes, técnicos, estruturas oficiais - Liga, Federação -, ÁRBITROS e comunicação social, até) está interessado em acabar com esta mama.

E depois, todo o barulho que se faz à volta dos árbitros tem apenas e sempre um único objectivo: tirar partido e benefício próprio!

Claro que no final do dia não há quem aguente este estado de coisas...

A merda toda é que ninguém tem coragem de mexer neste esquema - e seria tão, mas tão simples.

Eugénio Queirós disse...

Mário, foi o que se pôde arranjar...

Jorge Pessoa e Silva disse...

Nunca percebi como uma avaliação com grande grau de subjectividade (decisões do árbitro em campo) pudesse ser avaliada por outra de igual ou ainda mais subjectividade (observadores). Só há uma forma de avaliação justa: as imagens televisivas. Quanto muito, seria como na patinagem: uma nota artística dada pelos observadores (autoridade, segurança, movimentação em campo, rapidez de decisão, etc...) e uma nota técnica pela televisão.