AGORA ESTOU AQUI

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

Arbitragem em positiva discussão


Os antigos árbitros internacionais Jorge Coroado e José Leirós, em declarações à agência Lusa, são de opinião que a arbitragem portuguesa sofre um problema estrutural, que só poderá ser resolvido com mudanças na Comissão de Arbitragem (CA) da Liga.
«Não está bem definido o papel das pessoas, não há ligação entre presidente e árbitros. Há um afastamento, há uma atitude de altivez perante os árbitros», afirma Leirós, enquanto Jorge Coroado considera que «não é admissível que quem tem a acção disciplinar sobre os outros agentes desportivos tenha igualmente sobre os árbitros».
«Obviamente que o Vítor Pereira tem que sair e ser encontrada outra pessoa. Porque ele falhou», afirma Leirós, enquanto Coroado não fala em nomes, mas acha que a actual estrutura dirigente do sector «não defende os interesses da arbitragem», mas antes os «interesses pessoais

Entretanto, também na Lusa, o presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, diz que se tem assistido a «erros grosseiros» dos árbitros, atribuindo-os a falta de concentração, mas também à pressão exercida sobre os juízes.
«São muitos erros. Alguns não são admissíveis. O que mais me choca muitas vezes são os foras-de-jogo», afirma Carlos Esteves em entrevista à Lusa.
«A comunicação social e os clubes fazem muita pressão sobre os árbitros, o que pode fazer com que entrem para os jogos nervosos», prossegue, falando também em «falta de concentração dos árbitros».
Carlos Esteves não concorda de resto com algumas das opções que tem feito a actual Comissão de Arbitragem da Liga, nomeadamente a não nomeação dos árbitros após uma jornada em que tiveram exibições menos conseguidas. «Se um árbitro fez uma má arbitragem temos de lhe dar confiança dizendo: «Nós apostamos em ti». Se eu o paro, o homem desmoraliza. Devia ser-lhe dado um jogo logo a seguir, para ele não se sentir desmotivado», defende.
O dirigente considera positiva a existência de um órgão único que dirija a arbitragem, prevista na nova Lei de Bases do Desporto.
«Vai ser bom haver um conselho único, a situação de dois conselhos não é salutar para a arbitragem. A arbitragem deve estar toda concentrada no seio da FPF, que é a casa mãe do futebol. A Liga é um sócio ordinário da federação, não se justifica que a tenha», afirma.
Por outro lado, Carlos Esteves lembra que há cada vez menos jovens a seguir a arbitragem, sobretudo devido a «questões fiscais, que obrigam os jovens árbitros a declarar prémios»: «Já temos problemas a nível distrital, já há muitos conselhos em que muitos jogos não têm árbitros oficiais. É um problema complicado. Já houve conversas com o Governo para que autorize que a nível distrital esses prémios não sejam declarados.»