AGORA ESTOU AQUI

quarta-feira, fevereiro 04, 2009

Árbitros sujeitos a análises...?


A agencia noticiosa LUSA divulgou que os árbitros podem vir a fazer companhia aos atletas nos controlos antidoping, após as competições. Em França, a autoridade nacional de combate ao doping (AFLD) prepara-se para efectuar análises aos "juízes" de futebol, râguebi e andebol, já em 2009.

Em Portugal, o antigo árbitro internacional de futebol Jorge Coroado confirma que o fenómeno do doping se estende ao sector, enquanto outro "juiz" já retirado, José Leirós, tem a certeza de que "nunca existiu doping na arbitragem portuguesa".

O perito e director do Laboratório de Análises e Dopagem (LAD), Luís Horta, admite a hipótese de efectuar testes aos árbitros, caso as autoridades internacionais assim o estipulem, embora se trate de algo que "não está, para já, em cima da mesa".

"Não tenho dúvidas em afirmar que, no seio da arbitragem, havia - não sei se ainda há porque já não estou no meio - quem recorresse a isso. [Os controlos aos árbitros] já deviam ter chegado há mais tempo", afirmou Coroado à Agência Lusa, concordando com a medida para "proteger a saúde das pessoas e evitar efeitos nefastos mais tarde na vida".

O antigo árbitro recordou um episódio, "nos primórdios da carreira", quando tomou "duas aspirinas porque era muito atreito a enxaquecas" e a "respiração fazia-se muito mais facilmente, mas a ressaca foi muito pior e as pernas pareciam pedra".

"Passei uma noite horrível e nunca mais tomei um comprimido em dia de jogo. Mas há realmente gente que se socorreu de artifícios para atingir determinados objectivos, nomeadamente conseguir fazer testes físicos e apresentar-se em campo em condições mínimas", continuou, embora defendendo que tem que haver o mínimo de preparação física e que as substâncias químicas não passam de uma "ajuda".

José Leirós, por seu turno, desmente qualquer caso de recurso a substâncias proibidas por parte de árbitros porque a actividade é exercida "a partir de uma certa idade e as pessoas já têm consciência de que essas práticas são prejudiciais à saúde".

"Espero que essa medida não se aplique em Portugal. É impensável colocar-se essa hipótese de os árbitros se doparem. No meu tempo não existia essa prática. Até porque os treinos não são assim tão exigentes e a actividade física normal é suficiente para uma pessoa se preparar para os jogos", afirmou Leirós.

Esta semana, a AFLD anunciou o seu programa de acção para 2009, incluindo testes regulares ao sangue de atletas para detectar a presença de hormona de crescimento, entre outras análises sanguíneas, num total de 9.000 testes antidoping previstos, e os inovadores controlos antidoping aos árbitros, após os jogos e também de surpresa, durante os treinos e sessões de formação.

"A França é um país autónomo e, como tal, a AFLD pode adoptar as medidas que entender por bem, mas não é uma coisa que esteja, para já, em cima da mesa junto da Agência Mundial Antidopagem (AMA). O Conselho Nacional Antidopagem (CNAD) tem por política adoptar todas as normas internacionais, portanto, caso haja essa decisão, estaremos dispostos a efectuar, através do LAD, esses controlos aos árbitros", disse Luís Horta à Lusa.

Relativamente ao fenómeno da dopagem dos árbitros, Horta reconheceu já ter sido confrontado com o assunto e a necessidade de actuação das autoridades em vários "colóquios e outros eventos".

"É uma hipótese que faz todo o sentido porque se trata de agentes desportivos como os outros, com intervenção directa nas competições, e a verdade desportiva é um valor superior", concluiu o especialista português.

9 comentários:

xutos disse...

deviam fazer um teste alcolémica que alguns bebem muito tinto do benfica!

Anónimo disse...

O Sr. Leirós ainda não percebeu que não somos todos tótós. Como é que ele pode assegurar que não houve nem há doping nos árbitros que até têm de garantir um nível físico determinado? Ele acha que quem toma, se toma, doping se lhe vai confessar?!...O senhor pensa que somos todos parvos ou atrasados mentais?... Ou anda muito armado em defensor da classe a ver se se lembram dele pra algum tachito?...

http://nufaa.blogspot.com/ disse...

Profissionalizaçao dos homens do apito já....

Ricky_cord disse...

E testes ao alcool também se aconselham a alguns

Nuno Nogueira Santos disse...

Nova interpretação da Liga: "Golo" significa "beber água ao intervalo"
em
http://aoutravarinhamagica.blogspot.com/2009/02/ainda-o-goal-average.html

Anónimo disse...

Ò Sr.Leirós,È normal nomear um arbitro, Benfiquista, antigo atleta e da grande Lisboa????!!!!

simon disse...

Eh, já demorava a caça a tanto apito do Benfica, vermelhos como o Vilarinho, bem antes da moeda ao ar.

Anónimo disse...

Pedro Proença apita F.C. Porto-Benfica (para a escória do rigor e da moral centralista, nomear um árbitro lisboeta para um jogo desta importância, é uma situação perfeitamente normal e insuspeita, mas, se fosse ao contrário, estariam criadas as condições suficientes para "realizar" um filme ou "escrever" um livro. É a «seriedade», à moda da capital no seu melhor. Enfim, mais do mesmo.
In "renovaroporto"

Anónimo disse...

Os artistas do apito ás vezes(quase sempre)se não estão drogados, parecem...