AGORA ESTOU AQUI

terça-feira, janeiro 27, 2009

TRIO DE ASSALTO (ao nosso bolso)


O país está em crise? Não parece. Estou a ver o "Trio de Ataque", está a ser emitido na RTP N em directo - e sabe-se como é caro o tempo de satélite... - mas pelo menos deu para ouvir Mário Coluna afirmar que no seu tempo o Benfica não tinha problemas com a arbitragem (primeira confirmação de calabotismo) e que foi uma honra ter estado ao lado de Salazar, o homem que deu o seu nome à ponte "a que agora vocês chamam 25 de Abril".

Ok, está bem. Se é para isto, para a semana podem fazer o programa nas ilhas Maldivas. Obviamente, o professor Neca, que está no cenário, está de novo convidado.

Diz agora o Hugo Gilberto: "Neste momento temos uma tempestade tropical aqui em Moçambique, espero que possam ouvir este momento bonito".

Pena não ser um tsunami, amigo.

27 comentários:

José Lemos disse...

Eheheh

Anónimo disse...

No tempo do Salazar não se mandavam tantas asneiras para o ar! Hoje basta ter um computador.

Anónimo disse...

Segundo sei, de fonte segura, o programa foi patrocinado por um conhecido banco

Anónimo disse...

Crise? Qual crise? Pelo menos no que toca a gastar para o povinho pagar, não há crise nenhuma, porque é que o rapaz havia de poupar no tempo de antena?......Então não se gastam vinte mil euros por ano só em flores para o gabinete do 1º ministro?!...Ou há moralidade (e já sabemos todos que não há!) ou comem todos e quando esta merda falir, faliu...

Anónimo disse...

É uma vergonha! Copmo se desbaratam dinheiros públicos - nossos!
Será que o senhor Ministro responsavel pela RTP não tem nada a dizer?
jraugusto

Anónimo disse...

No tempo da escravatura, houve sempre escravos que ficaram eternamente agradecidos aos seus donos.Pelas declarações que fez o Coluna é, infelizmente, um deles.

Deixo's Poisar disse...

Pois é...
Não ponham o microfone em frente das velhas glórias benfiquistas muitas vezes, sobretudo daquelas, que por estarem longe e desligadas do dia a dia do nosso futebol, são menos cuidadosos naquilo que dizem.
"No meu tempo o Benfica não tinha problemas com a arbitragem" afirmou Coluna. Pois não tinha como todos sabemos e por tambem podermos dizer, parafraseando o grande Camões: - Eu vi, claramente visto muitos roubos vivos. Mas nesse tempo toda a gente aceitava isso sem reclamar porque se reclamassem as instituições do regime estavam lá para o impedir e depois a imprensa vendia bem a ideia de que tudo o que fosse bom para o Benfica era bom para o futebol português, era bom para o país.
Era tudo a bem da nação!
Agora as pessoas refilam e se as pressionam para se calarem, elas refilam ainda mais e depois, também aprenderam à sua custa, que a imprensa não merecia o crédito que lhe davam. Afinal, as "biblias" de então, como agora,não eram senão uma versão do corão e corrompida pelas interpretações mais fundamentalistas.

Mr. Shankly disse...

"(primeira confirmação de calabotismo)"

Chama-se a isto um jornalista?

Mocho Astuto disse...

é apenas a constatação de uma verdade

Anónimo disse...

um post a roçar o incacreditável...
se isto é um jornalista...

I rest my case.

P.S: Que tal ler sobre o caso Calabote, documentar-se e depois fazer um post sobre isso (incluindo a revolta dos homens de Torres Vedras no final do Torreense-FCP) antes de botar borrada?

Anónimo disse...

Mário Coluna não fez mais que confirmar o óbvio. O realizador, que também é desse tempo, mas julga que uma mentira repetida muitas vezes passa a ser verdade, até ficou branco. Naquele tempo Calabotes e Cª hoje por hoje Batista & Cª. E o regime não é muito diferente.

Anónimo disse...

O Coluna apesar de estar longe nem disse assim tão grande disparate.

"O Benfica não tinha problemas com a arbitragem". Pois não. Nem tinha e parece que continua a não ter.
Vendo bem o nome da puta da ponte foi das poucas coisas que mudaram...


LAM

Anónimo disse...

Porque é que estás a mentir quando sabes que o programa não custou um tostão à RTP (nem despesas de produção nem tempo de satélite).

Porque é que escreves esse disparate?

Além disso o programa foi excelente

João Sousa

Anónimo disse...

É pena não teres ouvido dizer que o programa saíu a custo zero à RTP porque fui tudo custeado por entidades moçambicanas e também é estranho não saberes que qualquer tempo satélite dos PALOP para Portugal é de borla por causa da RTP-África. Adorei o programa e irrita-me que passem a vida a dizer mal de tudo

João Oliveira

Anónimo disse...

Essa do tsunami fica-te mal. Cá para mim andas mortinho de vontade que alguma televisão te dê palco...

Carlos

A.C. disse...

Pois ele nem precisava de dizer isso da arbitragem. Os que têm mais de 50 anos sabem bem e ainda não esqueceram que o Benfica não tinha problemas com a arbitragem, quem tinha e tinham de ficar caladinhos eram os outros clubes, os grandes e os pequenos, mas mais particularmente o Sporting e o Porto, porque eram os que lutavam pelo mesmo objectivo, mas com recursos desiguais. E ai de quem refilasse, que o Salazar e a Pide não apreciavam nada que se desse a ideia de que o regime apadrinhava bandalheiras, nem mesmo no futebol...Alguns de nós ainda se lembram daquela velha propaganda tão querida do regime ( que convém relembrar, utilizou largamente a cortina de fumo dos três éfes) que dizia que o Benfica era o símbolo da portugalidade, do Portugal de aquém e de além mar, o clube que não admitia estrangeiros no plantel...e que quem não era benfiquista não era bom chefe de família...pois, sem querer, o Coluna veio relembrar tantas coisas que não era suposto serem relembradas ou sequer conhecidas. Sem querer, ele confirmou muito do que, antigamente à socapa, e hoje às claras, sempre se queixaram Porto e Sporting...Há dias em que o silêncio realmente não tem preço...

chateaufiesta disse...

Falam no caso calabote sem saberem dos factos... Aliás é engraçado falarem de um pseudo caso visto o FCP ter sido campeão no ano do famigerado caso na mesma.

http://oantitripa.blogspot.com/2007/04/perolas-porcos-calabote-ento-tomem-l-um.html

Anónimo disse...

Tsunami?... Bonita imagem, imaginar o Oliveira e Costa a tentar arrabanhar uma garrafa de uísque antes de subir a um coqueiro.

aNNóNNimo disse...

EQ

Meu caro, você é muito pior que a mulher de César! Nem é sério nem parece ser sério.
A sua atoleimada interpretação é capciosa, parcial e desonesta.
Porque não dar-lhe o sentido inverso?
O Benfica não tinha problemas com os árbitros porque lhos não criava - não reclamava, não pressionava, não os agredia, não os presenteava e sobretudo não TENTAVA CORROMPÊ-LOS.
Mas o que é preciso é continuar a lançar a cortina de fumo, desviando atenções, sobre a actuação da Máfia de 'Palermo'.

aNNóNNimo disse...

A.C.

Você parece ser uma sardanisca, apoiante da Santa Aliança(que João
Rocha denunciou!)com as osgas andrades e o seu 'impoluto', mas dissoluto, presidente.
O clube do Regime...!
O que poderíamos escrever àcerca deste assunto...Resmas!
Fico-me por dois apontamentos:

Foi o Benfica que teve como presidente da Direcção, o director da LEGIÃO PORTUGUESA (milícia armada, criada por Salazar, para defesa do Regime)?

NÃO! Não foi...Foi o Sporting!

Foi o Benfica que teve o seu Estádio integralmente pago pela CMP e inaugurado na data da implantação do Regime Salazarista?

NÃO! Não foi... Foi o FCPorto!

Nos primeiros 20 anos de DEMOCRACIA
entre 1974 e 1994, foram disputados
20 (Vinte) Campeonatos Nacionais!

O Benfica venceu 10 (DEZ), o Porto 8(OITO).
O Sporting APENAS 2 (DOIS)!
(Só voltam a ganhar após a S.A.)

O Sporting, que ganhava no tempo de Salazar, deixou de ganhar em Democracia e a eterna questão paira no ar.

Afinal quem era o 'protegido' do Regime...?!!!

Anónimo disse...

INOÊNCIO CALABOTE

por Pedro Fonseca


Uma mentira dita mil vezes não passa a ser verdade. Nos últimos dias, a tentação de ir ao baú da História para tentar explicar o presente, fez ressuscitar um nome: Inocêncio Calabote. Quem o fez não conhece a história, nem tem tempo para essas minudências do estudo e da investigação séria e rigorosa.



Tocou de ouvido e, como é natural, espalhou-se ao comprido. O presidente do SC Braga, é dele que falamos, arrisca-se a entrar no anedotário nacional ao desajeitadamente nem o nome do antigo árbitro ter conseguido proferir com exactidão. Quem lhe terá encomendado tal tarefa?



As gerações mais novas nunca ouviram falar de Inocêncio Calabote. Não será por isso António Salvador a fazer o papel de “historiador”, que, como o próprio denuncia sempre que abre a boca, não lhe encaixa no perfil.
A bem da seriedade de procedimentos e da honestidade intelectual, solicito a todos que embarquemos numa rápida mas elucidativa, esclarecedora e pedagógica viagem na máquina do tempo.
Recuemos a 1958/59. O campeonato estava ao rubro e o Benfica e o FC Porto chegavam à última jornada empatados em pontos. Os adversários eram a Cuf, no Estádio da Luz, e o Torreense, em Torres Vedras.
O FC Porto levava vantagem de 4 golos, na fórmula de desempate, entre golos marcados e golos sofridos. Era esta décalage que o Benfica tinha de ultrapassar para ser campeão. Sem imagens televisivas, foi através da rádio que se seguiram as peripécias em ambos os campos.
Na Luz, o Benfica entrou em campo 6 minutos depois das 15, hora de início do encontro, para tomar conhecimento prévio do resultado de Torres Vedras. Um estratagema muito recentemente utilizado noutros campos do país. Pelo facto, o clube foi multado.
Com 90 minutos cumpridos e 7-1 no marcador, Inocêncio Calabote prolongou o jogo por mais 4 minutos, devido a perdas de tempo de jogadores da Cuf, (os guarda-redes, por exemplo, nessa época podiam recrear-se com a bola na sua grande área o tempo que quisessem). Como termo de comparação, lembremo-nos que o árbitro Luís Reforço, no recente jogo FC Porto – Trofense, resolveu prolongar o jogo por 7 minutos. E quem não se lembra de um tal de Isidoro Rodrigues, que em 2001/2002, num Varzim – Benfica, prolongou o jogo 10 minutos para que os poveiros empatassem?
Voltemos a 1959. Com os jogos terminados, 7-1, na Luz, e 0-3, em Torres Vedras, o FC Porto acabou por se sagrar campeão com … 1 golo de vantagem. O curioso é que os testemunhos orais foram reescrevendo esta “estória”, tentando esconder alguns pormenores que fazem toda a diferença.
Calabote, que foi irradiado (sendo o primeiro árbitro a sofrer tal punição) já cá não está para se defender, mas é preciso que a História o reabilite e lhe faça justiça. Quanto mais não seja porque nunca viajou para o Brasil a custas de um clube de futebol, como Carlos Calheiros, nem fugiu a sete pés, em pleno relvado, de onze jogadores de um clube, o FC Porto, como José Pratas, nem atentou contra a verdade desportiva, como Martins dos Santos ou Jacinto Paixão.
O que tem sido escondido conta-se em poucas palavras. O Benfica marcou o seu sétimo e último golo aos 38 minutos da segunda parte, ou seja, 7 minutos antes do apito final (sem os descontos). Qual o árbitro que em 7 minutos não encontraria forma de beneficiar uma equipa com mais um golo? Inocêncio Calabote teria muito a aprender com alguns dos senhores que já citei.
Mas escondido tem sido, também, o que se passou no jogo de Torres Vedras. Ali, o FC Porto ganhava apenas por uma bola a dois minutos do fim, o que daria o título ao Benfica. Entretanto, marcou o segundo golo, o que também não chegava para ser campeão, mas a 20 segundos do final, Teixeira marcou o terceiro golo do FC Porto, que com isso arrecadou o título de campeão.
Mas houve mais, em Torres Vedras. O FC Porto fez 0-1 quando o Torreense jogava com menos um jogador, por lesão. A partir dos 20 minutos da segunda parte, o Torreense estava só com 10, por expulsão de Manuel Carlos, e viu ainda outro jogador expulso após o 0-2, por pontapear a bola para longe. O 0-3 é sofrido com apenas 9 jogadores em campo. Não foi de estranhar, por isso, que a arbitragem de Francisco Guiomar tenha sido muito contestada pelos locais. Mas disso, não rezou a história. Por enquanto…

in Blogue "Tertúlia Benfiquista"

Kadja disse...

Fazem do Calabote uma bandeira, para encobrir Calheiros, Guimaros, Rolas, Pratas, entre tantos outros que nos últimos 25 anos andaram com o clube condenado por corrupção ao colo.

Confirmação de Calabote, por palavras do homem que capitaneou uma equipa que chegou a várias finais de Taças dos Campeões e selecção nacional a um terceiro lugar no Mundial, com sete/oito jogadores dessa mesma equipa.

Infeliz!!!

Anónimo disse...

(... Anónimo disse...
INOÊNCIO CALABOTE..)


Esqueceu-se de um promenor! E muito importante.É que o treinador-adjunto na altura do Benfica, chamado Valdivielso passou o jogo Torriense-Porto, sentado no banco do...Torriense!!! E no final do jogo foi chorar como uma Madalena para os balneários do clube da casa.Quem o disse foi a imprensa na altura.Pergunto eu:ESTEVE SENTADO NO BANCO DO TORRIENSE A FAZER O QUÊ???
É capaz de explicar?

O que eu escrevo aqui, foi extraído dos jornais da época.

Dragon Ball disse...

Ai agora o protegido do regime era o vizinho do outro lado da 2ª Circular...Que lindo que era tudo se a gente não tivesse memória...

aNNóNNimo disse...

Dragaum Bolas

Foi o Benfica que teve o seu Estádio integralmente pago pela CMP e inaugurado na data da implantação do Regime Salazarista?

NÃO! Não foi... FOI o FCPorto

Foi o Benfica que teve dirigentes que após o 25 de Abril de 1974, tiveram de FUGIR para Espanha e para o Brasil, por serem fascistas?

NÃO! Não foi...Foram dirigentes do Sporting e do Porto.

Foram os jogadores do Benfica a fazerem a saudação NAZI, numa final da Taça de Portugal?

NÃO!Não foram ... Foram os do FCPorto e os do Sporting!

P.S. - Como vê não era só pela '2ª Circular', taumbém era pela bia nuorte, carago!

aNNóNNimo disse...

Anónimo

Meu caro, asnónimo:
- O que é que não entendeu para berrar dessa maneira?
- A ser verdade o que afirma e uma vez que não havia telemóveis - Seria ele o dono dos pombos correio ?:-))
- Os carneiros andrades são uns cómicos. LOL!

Novo Bandarra disse...

Puta de vida...anda o país desportivo há tantos anos a jurar que o clube dos seis milhões (só?...), aquele que os esbirros da ditadura salazarista tratavam tão carinhosamente por encarnados, o dos símbolos da pátria multicontinental e multirracial, o dos bons chefes de família portugueses, era o ai Jesus do regime fascista...e vai o aNNóNNimo zás!!! num golpe de génio à Houdini, à Luis de Matos ou à David Copperfield, vira a coisa de pernas para o ar, o vermelho passa a ser verde e azul, o azul e o verde passam a ser vermelho e...decreta: afinal os clubes do regime fascista foram, nada mais nada menos, o Porto e o Sporting!!! E toquem trombetas, que o aNNóNNimo disse! Em terra de aldrabões e pantomineiros tens futuro, rapaz! Porque espera o país?...