AGORA ESTOU AQUI

quinta-feira, novembro 06, 2008

É PRECISO EXTERMINAR O FCP

Há uma teoria corrente em Portugal que tem por axioma que é necessária a eliminação do FC Porto para se salvar o futebol em Portugal. Sobretudo por estas razões:- Porque ganha muito e pouco deixa para os outros.- Porque mesmo a ganhar não potencia o negócio-futebol.- Porque, apesar de tantas conquistas, continua a ser um clube regionalista e regional.- Porque não olha a meios para conseguir triunfar.- Porque o seu presidente convida árbitros para tomar café lá em casa.A inveja, sabe-se, é um pecado mortal. A perseverança uma qualidade humana que nos fez divergir dos outros primatas. Ou mesmo de animais predadores e de rapina.Durante muitos anos, repare-se também, o FC Porto não teve um símbolo. Antes de Pinto da Costa reparar no dragão que está no emblema do clube e da cidade que deu nome a Portugal, o símbolo portista era mesmo uma anedota - o "Andrade", figura antiga da história portista do tempo em que o futebol se jogava em pelados. resultado de uma disenção de irmãos a propósito de um recinto utilizado pelo clube.O Sporting tinha o leão, o rei da selva.O Benfica a águia, a rainha dos céus.O FC Porto tinha uma caricatura.Os últimos vinte anos do século XX e os primeiros do século presente perturbaram o normal curso da história. Assistiu-se a uma espécie de invasão dos bárbaros que urge combater com todas as armas. Esquece-se o povo, porém, que os bárbaros somos nós. Como nos diz a história de Portugal, quase tudo o que somos devemo-lo aos romanos e aos ditos mouros. Curiosamente, estes últimos regressaram ao nosso imaginário na figura de adversários dos portistas mais fundamentalistas. Em tempo de guerra não se respeita ninguém...esquecendo-se, por exemplo, que aos árabes devemos quatro séculos de progresso que nem o poder da reconquista conseguiu arrasar. E que Lisboa, por exemplo, a cidade que muitos portistas querem ver a arder, teve no século X um governador mestiço, ou seja, muito antes de Barack Obama ser eleito presidente do Quénia, perdão, dos Estados Unidos.Como se pegou na história como exemplo - e outro melhor não há -, continuo a acreditar que precisaremos de tempo e de distância para perceber a grandeza da obra realizada no FC Porto nos últimos 20/30 anos. Do FC Porto e do seu pontífice máximo, Jorge Nuno Pinto da Costa I e último. Não me estou a referir aos campeonatos conquistados, às conquistas internacionais, ao carisma do líder e à afirmação de uma identidade emocional. Estou apenas a afirmar uma realidade que muitos já quiseram contornar mas que nunca conseguiram. Porque a história não se apaga - quando muito, adormece durante algum tempo.O que ficou e o que está lá é a força de um clube que corre a galope do homem que nasceu para o que faz. E que mais uma vez irá provar que trata das crises como D. Afonso Henriques tratava dos mouros ou mesmo da mãe. Não me venham dizer que o primeiro rei de Portugal não devia ter usado todos os meios para atingir os fins que todos conhecemos. Ou devia ter tido visão de longa distância na perspectiva de que Portugal seria um mau país e uma boa província espanhola.É isso. Convém lembrar de vez em quando que o futebol é uma guerra e que o ódio dos inimigos é proporcional à força das nossas hostes. E, caramba, essa história do regionalismo se calhar não é um defeito mas apenas uma qualidade. Ninguém troca um queijo da serra por uma embalagem de "La vache qui ri".

Também em http://www.record.pt/noticia.asp?id=811038&idCanal=1089

28 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns Eugénio.
Excelente texto. Da azia alheia vai o FC Porto fazendo a sua força. E nem sendo eu portista, ou andrade, admiro a tenacidade do homem e a forma como colocou o seu clube como o mais bem organizado e profissional em Portugal. O resto, a maior parte das vezes, é conversa.
Por exemplo hoje, ao perder 0-2 com um clube turco, sobre quem é que os benfiquistas vão verter a azia? Claro, sobre o Pinto da Costa...


LAM

Anónimo disse...

Benfica me encanta.
Quique(raio de nome)Flores
Ai! se fosse o Paulo Bento...

Rui Fangueiro disse...

Sr. Doutor Geninho, nunca vou conseguir compreender o porquê de um "clube regionalista e regional" continuar a causar tanto ódio e asco entre as "pessoas". Sinceramente, não chego lá...
Mas tenho alguma pena de si... Nunca vai saber o que é, na verdade, fazer parte de um "clube regionalista e regional", o tal que luta contra todos os poderes instalados e instituídos, contra TUDO e contra TOLOS!
À margem de TODAS as baboseiras que, ultimamente têm sido proferidas, o que se passou ontem em Kiev é pois próprio de um "clube regionalista e regional": a vitória do querer, do acreditar até ao fim, do enorme brio profissional, da inigualável mística, do inefável orgulho em poder envergar a malha de um "clube regionalista e regional"... Nunca vai poder saber...
O "clube regionalista e regional", por intermédio do seu líder máximo, usa de todos os meios para atingir os seus fins? Trinta anos de conquistas, internas e ALÉM-FRONTEIRAS, sob a égide do obscurantismo corruptivo? Não digo que não... Mas, esperem lá, no tempo do outro Senhor, não se usavam de todos "os meios para atingir os seus fins?" E o, AGORA muito em voga, "obscurantismo corruptivo", seria algo ainda por inventar? Pois é claro que sim!! Foram mais de quarenta anos de uma TOTAL TRANSPARÊNCIA, VERDADE, ISENÇÃO, LIBERDADE, RESPEITABILIDADE para com um tal "clube regionalista e regional"... E é como diz: "essa história do regionalismo se calhar não é um defeito mas apenas uma qualidade".
É tão único pertencer a um "clube regionalista e regional"... Mas claro, nunca vai poder saber...
Abraço...
(Não quererá antes exterminar o Galatasaray?...Ooops, sorry, too late for that...)

Anónimo disse...

É verdade Géninho. É contratando 97 jogadores de qualidade inferior ao Mantorras que se consegue derrotar o Porto e fazer passar a imagem que o Porto só ganhava com corrupção. Depois publicam os portugueses que mais ganham no Mundo e em 10, 9 eram jogadores do FCP. Os tais que só ganhavam com cafés e fruta.... Pobre país e pobres jornalistas que fazem estes fretes.

Anónimo disse...

Quanto te pagou o gangster da costa por este arrozoado? Existem poucos mercenarios em Portugal, um a mais ou a menos...

MasterPT disse...

Quanto é que o 'bufolas' te pagou por este lamentável texto!?

...lambotas!

Anónimo disse...

O Geninho a escrever assim ainda acaba a trabalhar no Fcp. Se não conseguir sabe que terá sempre emprego nas empresas do Reinaldo. Nas limpezas! É tramado o que um gajo tem de fazer pra ganhar a vida. Mas a culpa é do patrão!

Anónimo disse...

Os benfiquistas vertem azia sobre o Bufas! O LAM verte esporra!

Pedro disse...

Estou estarrecido.
Por esta não contava eu.
A minha admiração pelo texto escrito, limpinho, transparente, real.

Ser portista é um orgulho.

Anónimo disse...

Caro Eugénio,
volto ao seu contacto, para contrapor em alguns pontos.

- Porque mesmo a ganhar não potencia o negócio-futebol.
- - ->> não potencia o negócio futebol? então quem é que o potencia?...
Deve ser a tal história...há aqui diferentes formas de arte em causa: - uma é mostrar futebol dentro de um campo, outra deve ser fabricar R&C's bonitos, e discursos para boi dormir.

- Porque, apesar de tantas conquistas, continua a ser um clube regionalista e regional.
- - ->> Vamos já fazer o teste "SonaSol Limão" com este senhor. Ele que escolha o sítio (Bruxelas? Milão? Moscovo? Viena?) e nós fazemos um teste de popularidade dos principais clubes portugueses.

- Porque o seu presidente convida árbitros para tomar café lá em casa.
- - ->> bof...pormenores..uns convidam para casa, outros fazem visitas às cabines dos árbitros...

A inveja, sabe-se, é um pecado mortal.
- - ->> não é mortal. felizmente para as estatísticas da população portuguesa...

Em tempo de guerra não se respeita ninguém...esquecendo-se, por exemplo, que aos árabes devemos quatro séculos de progresso que nem o poder da reconquista conseguiu arrasar.
- - ->> Eu não devo nada a árabe nenhum, com todo o respeito. A reconquista teve alguns problemas, deixou por cá ficar uns que não são bárbaros, nem árabes, nem porra nenhuma.

E que Lisboa, por exemplo, a cidade que muitos portistas querem ver a arder...
- - ->> Lisboa a arder? que parvoíce. Olhem que programa turístico bonito: ver um jogo de futebol no Porto, e dar um passeio à beira-rio em Lisboa. É tão bonita...arder? que estupidez...

Ninguém troca um queijo da serra por uma embalagem de "La vache qui ri".
- - -> ESCREVE-SE "LA VACHE QUI RIT"

Desculpe lá Eugénio, mas foi cromo a escrever isto. Deixe lá o francês.

JC

Aurélio Estorninho disse...

grande artigo Geninho... muito bem escrito
apesar de seres benfiquistas consegues escrever coisas destas.
o teu leixões é que anda de vento em poupa.
abraço

p.s. quando é que convidas para um branco da gaivosa?

aNNóNNimo disse...

Mas este arrazoado de parvoíces, foi uma encomenda do "Papa-açorda", - em mais um período obscuro e difícil do seu pontifícicado - ou é o produto de algum "conselho" dos supermurcões gays...?
Falas de primatas... O "chimpanzé"
e o seu bando chegaram-te a 'roupa ao pêlo'?
Foi por isso que querias fechar o "tasco"?
Continua a abanar a cauda e a 'ganir' baixinho com a língua de fora, que o D. Corleone de Contumil, além de asnos também gosta de canídeos!
Não! Tu não tens culpa...!A culpa é de quem te 'atribuiu' a carteira de 'jornalista'.

Anónimo disse...

Tristeza Srº Eugénio... Tenho pena de si por se eventualmente pensar o que escreve.

Foi mas um textozinho encomendado?

Pois é... há que fazer pela vida.

NONY

Pepe disse...

É um misto de elgoio e critica, inveja e admiração, mas parabéns pelo artigo e frontalidade nos prós ao FCP. (Perdoe-me o juízo de valor) Vindo de alguém que creio que é deliberadamente anti-portista só fica bem.

Gomez disse...

- Até parece, pelo que li do texto, que é apologista da "corrupção" que grassou (grassa?) no FCP??!!!!! É que muitos e muitos dos títulos ganhos por esse clube sabe-se como foram ganhos (principalmente os intra-muros)!!!!!

aNNóNNimo disse...

Ainda não houve tempo, para publicar o meu comentário, ou eu li nas entrelinhas as razões da tua 'quase' desistência e da publicação, deste 'azurrado' (azul+BURRO) texto "lambe cús"?

Kick Against the Pigs disse...

Toda a corrupçao é para abater. E como o fputascorrupçao é o expoente da corrupçao tem que fechar as portas. simples nao é.? Agora kero ver deixares passar esta meu boi gordo, e pelos visto amante da mafia corrupta.

Anónimo disse...

O ASSOMO PATÉTICO DE EUGÉNIO QUEIRÓS
Se um jornal desportivo aparecer na mesa do meu Café habitual, leio-o na diagonal, vejo também na diagonal os artigos respectivos sobre o Meu Benfica e terminei a leitura.
No Record On-line, mesmo de borla, pura e simplesmente não leio.
No entanto, um Caro Companheiro de blogue, num dos seus comentários chamou a atenção para um artigo de Eugénio Queirós, com o título “É preciso exterminar o fcp”, na rubrica Linha Directa.

Ao lê-lo, senti compaixão de tão pobre escriba. Vi-o como um náufrago, no meio do imenso oceano, angustiado e sòzinho, completamente desesperado. Vi um título e um texto descabelado, sem nexo, exactamente à imagem de muitos junta-letras que anos e anos se camuflaram para desvirtuar as realidades e verdades que mais tarde ou mais cedo teriam de vir ao de cima.

Quando acabei de ler este artigo??? ocorreu-me uma situação, que é um fiel retrato, igual àquele que os servos fiéis, esbirros e lambe-botas do antigo regime faziam com seu mentor, Salazar, senhor todo poderoso e único. Devotadamente dedicavam-lhe artigos, discursos ou simples actos de subserviência total, em que cantavam hossanas ao comportamento e actos do seu “padrinho”, pois assim o “tacho” estaria sempre assegurado.

Realmente, quando lemos algo de alguém que se intitula jornalista e é alimentado por um diário desportivo, não podemos deixar de rir do ridículo de um “fulano”, que acima de tudo deveria ter a ética, a contenção e o senso devidos de não abusar da boa-vontade e da boa fé dos leitores.

Este artigo é antes do mais um apelo dramático e patético de um autêntico desesperado.
É de alguém que prevendo a “orfandade” se agarra ao “padrinho”, como um náufrago se agarra a uma tábua de salvação.
Mas a tábua está podre. Apodreceu ao longo de trinta anos. Não há “produto” que lhe valha. Está corrompida e o estado de degradação é tal que já não pode ser mais branqueada. Nem que venham mais lavadores e detergentes como o pretendem fazer respectivamente, o autor e o seu próprio artigo.
Por isso este “fulaninho” também será arrastado para a lama, para o chiqueiro que ele próprio ajudou a criar, por mais que ele berre por “pseudoregionalismo” ou engula alarvemente pedaços de queijo da serra contrafeitos.
É uma questão de tempo!
A “mama” está a acabar-se!

Se soubesse o que estava a escrever, nunca diria que a inveja é um pecado mortal. No máximo um pecado venial. Por isso o autor do reles artigo em causa não vai morrer disso. Se calhar, terá uma morte lenta e sofredora, vendo desmoronar-se progressivamente um império tenebroso e medonho de uma corja que ele sempre apoiou. Pelo que tem feito, da forma como se tem comportado, seria merecedor de assistir a uma catástrofe que clama aos quatro-ventos e ser condecorado a título póstumo com um dragão enferrujado. É a paranóia histérica da táctica habitual que todos tão bem conhecemos.
Sabendo e descaradamente dizendo o que se passou durante anos e anos em “Palermo” e o extermínio que lá houve, aí sim, extermínio, em relação a muitos clubes, de que o Progresso e o Salgueiros são tristes exemplos, quer usar de uma forma maquiavélica a mesma arma mas no inverso, e de uma forma habilidosa. Ninguém dá crédito a um escriba com uma “prosa” tão reles como esta. Os marginais da escolta pretoriana e das limpezas “à bexiga” decerto que o ouvirão. Só esses!
Mas tem sempre de ser denunciado, bem como a premeditada e habitual estratégia de vitimização.

Um escriba deste calibre, vendo o chão fugir-lhe debaixo dos pés, apela subliminarmente à guerra para justificar o “branqueamento” que pretende que ocorra. As alucinações do costume.
Fala em animais predadores e de rapina. Esqueceu-se de falar dele próprio e dos animais corruptores e corruptos, dos animais criminosos e dos animais patifes mais cobardes que se acobertam nos “media”, e que ele não tem coragem para denunciar. Ou será que assim teria de ser juiz em causa própria?

Diz o iluminado que a história não se apaga.
Ai não, não!
E mais. Ninguém conseguirá. Nem mesmo aquele que durante anos e anos protagonizou a figura do que há de mais sinistro neste país e que fez com que se apagasse da história do seu clube o seu grande fundador e que deu ordens aos lacaios para alterar a data de fundação do clube, mudando-a para uns anos antes onde quem provavelmente jogava era o FC Mija na Escada!

Estes artistas hão-de ir brincar aos polícias e ladrões para outro lado!
Que vergonha para o país, ter jornalistas deste baixo quilate!

Por último, gostaria de relembrar o que se passou na América dos anos trinta, com Al Capone e muitos “media” da altura.

Por incrível que pareça mas é verdade, em Chicago, nos anos 30, Al Capone, um criminoso que matou e mandou matar, só foi parar ao presídio de Alcatraz condenado por crime de fraude fiscal. Al Capone, "Scarface", que ia à igreja e contribuía para obras de beneficência foi um criminoso hediondo e implacável, um dos maiores "gangsters" de todos os tempos. Nos E.U.A, nessa altura, muitos dos "media" davam-lhe cobertura cúmplice, sendo inclusivamente nomeado em 1929 para "personalidade do ano", a par de Homens da importância do físico Albert Einstein e do líder pacifista Mahatma Gandhi.

Esta foi uma forma de muitos jornalistas, veladamente uns e descaradamente e desavergonhadamente outros, apoiarem e idolatrarem a "causa mafiosa" e o “gangsterismo” de Al Capone, usando muitos e variados caminhos.

Não é difícil identificar muitíssimas semelhanças com o que se passa no nosso país e muito particularmente numa determinada região, e também com muitos jornalistas que são autênticos pontas-de-lança destas farsas, pois não?

A ESCANDALEIRA CONTINUA. E A DIVERSOS NÍVEIS COMO SEMPRE!

GRÃO VASCO

PS. Já repararam na “guerra surda” de R. Cartaxana versus E. Queirós? Vamos ver quem é que vai ser trucidado.

--------------------------------------------------------------------------------
Copyright © 1999-2008 Google

Anónimo disse...

Que puta de diarreia mental.

Além de desconhecer e bem a história, confunde tudo e todos...

Anónimo disse...

Só tenho uma palavra para si: RIDICULO

Armindo disse...

Oh sôrGénio

Com que então, é uma no cravo e outra na ferradura, né?

Mas escusa de na forma tentada, se colar a nós - BI-CAMPEÕES DO MUNDO!

Somo comos os elefantes...

Abraço e viva o Gal... ups, o Leixões, carago!

Alcibíades disse...

Isto quando os super-dragões estão sossegados dá jeito escrever bajulações destas para ver se o azar não nos bate de novo á porta. Em suma: fraqueza/pobreza de espírito.

Tiago Silva disse...

Estimado Eugénio Queirós,

Um homem livre faz do uso da palavra a sua razão.

Cumprimentos,

Tiago Silva

coitados deles disse...

os SALAZARISTAS estão em brasa! coitados, não valem a ponta dum corno desde o 25 de abril de 1974, desde o tempo em que se acabou a teta SALAZARISTA e agora vivem dé resquícios e "esmolas kits", mas lá vão ganhando 2 campeonatos de 15 em 15 anos.

o clube salazarista morreu em 1974.

hoje não existe, são a versão batatoon da coisa.

Xerxes disse...

Parabéns Eugénio.

Anónimo disse...

É, de facto, um texto vergonhoso de um verdadeiro lambe-botas.

Defender quaisquer meios para atingir os fins é uma defesa vergonhosa da corrupção por parte de um jornalista (ou espécie de...)

Mais um que se curva perante o Papa. E não estou a falar em vénias.

jonas disse...

que desilusão sr, Eugénio!!!!

numa altura destas a defender o fcp e principalmente o pinto da costa com tanta lisura???? não dá para entender...
só porquê perdeu 3 jogos toda a gente se poe em palpos de aranha???
sempre pensei que era um jornalista isento, mas estou a ver que toda a gente tem um preço. espero ao menos que o Pinto da Costa não o apanhasse em época de SALDOS... vergonha...

Anónimo disse...

Caro sr. Eugénio Queiroz, tentar apaziguar os ânimos é uma coisa, agora, tentar lavar o suborno, a fuga, o paternalismo encapotado, o gansterismo, os actos mafiosos, em suma, o crime generalizado e sem perdão já é outra coisa!