AGORA ESTOU AQUI

sábado, outubro 18, 2008

João Marcelino tem toda a razão


Fica já esclarecido, que provavelmente nos últimos vinte e dois anos, poderei ter falado uma vez com João Marcelino. Acho que foi num curso de árbitros (julgo que um dos oradores) quando Marcelino era jornalista de futebol e tecia duras criticas a algumas arbitragens.
Mas que tem toda a razão no artigo que escreveu ontem no Diário de Noticias, lá isso tem.
E só não concordará com ele quem nunca jogou futebol.
Aqueles que nunca passaram por um balneário de campo de terra batida.
Aqueles que ao domingo não corriam depois do almoço para serem os primeiros a chegar aos campos das suas terras para serem apanha bolas.
Aqueles que nunca acompanharam as verdadeiras dificuldades do futebol de formação.
Há muitos candidatos a Queiróz, que nas suas aventuras deixam outros para trás, que não são "servilados" nem bajulados pelo seu grau académico.
Quem foi um futebolista profissional, nem sempre teve tempo para na sua juventude conciliar o grau académico. Aliás o próprio trabalho de Queiróz nas selecções jovens, foi sempre na base do primeiro o futebol e lá para o fim os estudos.
O discurso dos professores de educação fisica foi sempre assim; na pré-epoca fala-se na escola, nas avaliações, nos estudos, em Outubro já so se pensa em resultados, em ter craques.
Antes que venham com a "estória" do Mourinho, ele foi sempre futebolista, é filho de futebolista profissional, cresceu e foi educado num relvado, num pelado e num balneário e conciliou o seu grau académico, daí não ser tratado como professor, pois não precisa do título.
Deixo aqui o desafio para o Eugénio colocar o link, com os onze pontos, pois não vou copiar o texto todo para o artigo.
As passagens iniciais do artigo de João Marcelino;

"Nunca esperei nada de muito significativo desta nova etapa da selecção nacional com Carlos Queiroz. Há demasiados anos que o vejo como um treinador banal de alta competição, bom programador ao que dizem, disciplinado e trabalhador, bem relacionado, que utiliza o servilismo de uma parte da imprensa portuguesa ("professor" para aqui, "professor" para ali) para esconder a falta dos atributos que mais devem habilitar um homem com as suas funções: carisma, capacidade de liderança e sagacidade nas opções técnicas, sobretudo a partir do banco.
A ausência destas qualidades, a que se soma a falta de experiência significativa como jogador, já fora anteriormente visada nas passagens pelo Sporting (onde não ganhou ao leme da melhor equipa dos últimos 20 anos do clube), pelo Real Madrid (onde foi despedido) e pela selecção (em que falhou o apuramento para o Mundial de 1994). Descontando o trabalho às ordens de Alex Fergusson, um verdadeiro líder cuja longevidade desesperou o actual seleccionador nacional e o fez agora abandonar Manchester, o resto foram experiências irrelevantes no futebol do terceiro mundo.
Queiroz continua a recolher ainda hoje os dividendos do investimento feito em 1989 e 1991 com os títulos mundiais de sub-20, quando levou ao limite a capacidade familiar de alguns jovens com qualidade futebolística para os manter perto de 250 dias em estágios sucessivos - coisa absolutamente anormal para o escalão e que alguns desses jovens pagaram de forma dura em termos académicos e culturais. .... 11.O pior de tudo é o seguinte: em três meses apenas, Queiroz cortou a relação da equipa nacional com o seu público. Como se vai reconstruir agora essa ligação?"

27 comentários:

Anónimo disse...

Este jornalista tem toda a razão. O percurso no futebol sénior como técnico principal não deixa, aliás, quaisquer dúvidas. Onde é que ele teve êxito?!...

Anónimo disse...

Teoria da desinspiração
JORGE MAIA

Toda a gente tem uma teoria sobre a Selecção Nacional. Sim, eu também tenho uma. Não é melhor nem pior do que as outras, mas é a minha e eu gosto dela por isso. Ao contrário do que diz a corrente mais populista, não me parece que o problema com a Selecção seja a falta que Scolari faz ao futebol português. O problema com a Selecção é a falta que José Mourinho faz ao futebol português. Eu explico. Tal como Jesualdo Ferreira sublinhou ontem, Scolari chegou à Selecção sem a pressão de fazer um apuramento, mas, mais do que isso, sem a pressão de ter de fazer uma equipa. E não a fez. Já estava feita, por José Mourinho, no FC Porto que venceu a Taça dos Campeões Europeus com sete jogadores portugueses que Scolari, mesmo assim, manteve à distância até esgotar a margem de erro no seu primeiro jogo oficial: a derrota com a Grécia no jogo de abertura do Euro'04. Ora, essa base de trabalho construída por Mourinho foi sustentando o resto da Selecção e durou até ao Mundial de 2006. Depois esgotou-se e ninguém tratou de a repor. E assim, temos Queiroz a começar do zero, sem Mourinho que lhe valha nas aflições.
In "OJOGO"

Ricardo disse...

O Marcelino?!? Cruzes, credo! Deve estar com medo de perder o emprego se não formos ao Mundial, é o que é...

Albornoz disse...

Ó sr. Leiróz, só aqui entre nóz, afinal o nome do homem é Queirós, Queiróz ou Queiroz?

Nuno Pombo disse...

Andas mesmo a necessitar de emprego. Tem calma rapaz que o Marcelino não dá ponto sem nó e por isso não precisas de o bajular

Anónimo disse...

Caro Leirós, também estou de acordo com o teor do artigo, aliás como outros comentários na mesma linha ainda antes divulgados mas com menos publicidade aqui nestes posts, mas o senhor como disse só falou com JM duas vezes em 22 anos. Pois bem eu conheço bem o artista e o qjue lhe posso dizer é que ainda não há muitos anos esse senhor defendia com unhas e dentes o mesmo Queirós. Até se dava ao luxo de escrever artigos encomendados - como sucede agora com outro artista de nome RS - e reunia-se com Queirós para estudar a melhor estratégia. Por alguma razão a amizade emperrou e agora temos um belo artigo de um jornalista "brilhante" e "impoluto". Sr. Leirós deixo-lhe um conselho, "emita opiniões sobre pessoas apenas quando as conhecer um pouco melhor".

Anónimo disse...

Excelente crónica, assim como excelente foi a capa d' A Bola de quinta-feira. Chega de sermos um país de brandos costumes, a verdade é para se dizer!!!!!!

ofuteboltotal.com disse...

É certo que ao contrário do que muitos apregoavam (os amigos da crítica), Scolari deixou a fasquia elevada - muito elevada mesmo!..É certo que Queirós já cometeu alguns erros, e eu não deixei de lhe apontar alguns. É certo que parece começar a haver algum divórcio do publico com a selecção..

É certo que Queirós teve passagens discretas/muito pouco conseguidas por alguns locais, inclusive pela Selecção Principal de Portugal de onde saiu a mal..Obviamente que nessas passagens não incluo o Real Madrid porque me parece intelectualmente desonesto.

Mas também é certo que a sua última experiência foi a todos os níveis excelente. Obviamente que todos dizem que Alex Ferguson estava à cabeça de tudo, mas convém não esquecer que foi o próprio escocês que atribui grande fatia do sucesso ao trabalho do português. Secundado pelos principais jogadores do plantel (pelo menos),que "exaltavam" Queirós pela organização,conhecimento,método e competência a nível do treino.

E porque acredito na visão panorâmica de Queirós em relação aos quadros de todas as selecções,discordo completamente de João Marcelino quando refere que é estupidez,acreditar que o seleccionador também vai reorganizar o futebol jovem.Será que as provas dadas não chegam??Naturalmente que o fará (porque tambem foi contratado para isso) nesta fase ausente de jogos oficiais - até Fevereiro!Alguem tem duvidas??Ou será que chegando em Julho e com jogo já em principios de Setembro era mais premente esse revolução??

Depois,acredito também na evolução. Acredito que os anos passados no MU (onde já chegou com mérito,pq todos sabemos que não é qualquer um que lá chega) tenham servido para combater pontos fracos,reformular formas de trabalhar.

É certo que algo lhe falta que é de certa forma importante e que não se compra na feira: algum carisma/garra, aquilo que Scolari tinha para dar e vender. Mas penso que numa selecção principal,onde não existem aquelas disputas semanais na imprensa (como por exemplo num campeonato) tal não será tão importante. Pelo menos tão fulcral como aquilo que nos poderá oferecer - falo disso no Futebol Total - " http://ofuteboltotal.com/index.php?option=com_content&task=view&id=58&Itemid=39" ...

Portanto,este chorrilho de críticas logo nos primeiros despistes de Portugal parece-me manifestamente exagerado. E eu também jogo futebol, também corri para os campos quando era mais miúdo,etc etc (não consegui perceber a pertinência da comparação..)!

Apesar de tudo,os pontos 1,4 e 7 do "manifesto" de João Marcelino merecem a minha concordância,embora de forma não tão assertiva.

No entanto,eu acredito na nossa qualificação!! Obviamente que há coisas para mudar,e Queirós é suficientemente inteligente e competente para o fazer. Se não for, cá estarei para dar a mão à palmatória.

Cumprimentos, Futebol Total.

Anónimo disse...

O artigo é muito bonito, sim senhor, mas já houve tempo em que o sr. Marcelino parecia um rafeiro amestrado do prof. Queiroz. Vão ler os textos que ele escreveu no Record, vão lá...

Anónimo disse...

Ó Leirós

Não ponhas mais na carta, ao concordares com o Marcelino estás a defender o teu "tachito" e a puxar lustro ao mesmo "patrão"!
Se te esforçares, consegues escrever com algum nexo...

simon disse...

Joao Marcelino tem toda a razão, diz o Leirós, pan y vino. Mas tem razão ele no quê? Ele, que nunca esperou nada... ele que não sabe ler ou ver ou leria a chusma de diatribes escarrapachadas nas caras dos jornais do outro dia contra o seleccionador, que até dá vergonha tamanha monotonia de de crítica da imprensa jornalística. E o Marcelino queria mais? Queria o Leirós maior derrotismo, ó Leirós, sulista, mouro, aficcionadao militão? Vão é lá passear, seus invejosos, cobardolas, dados à estranja mais que ao comum cidadão que há em nós.

E não perdoam nada, seus tratantes, iguais ao busha, logo ao hitlero, a um qualquer maluco imoerador romano.
E que fulanos mais dados à inveja, igual ao bieira, esse intriguista banal, corriqueiro!

Fogo!

Anónimo disse...

Há coisas que não são para quem quer. São para quem pode e sabe.

Scolari podia até não ter lido os livros todos que leu Queiróz. Pode nem ser tão expedito em questões tácticas. Pode nem ser tão bem falante e prazenteiro com a comunicação social como Queiróz.

Mas, com as falhas conhecidas, algumas até "detectadas" por Queiróz (o problema do def. esquerdo criticado por Queiróz e que, parece, voltou ao mesmo...), Scolari CONSTRUIU uma equipa. Fosse porque até permitiu que "empresários" se passeassem pelos hotéis da selecção, fosse porque até lhes levava o pequeno almoço à cama, fosse pelo que fosse, construiu uma equipa.
Com fragilidades que se vieram a revelar fatais? Sim. Mas vendeu cara todas as derrotas e chegou onde poucos antes tinham chegado.
O resto é letra.

E nisto estou em desacordo também com o que diz Jesualdo Ferreira ao tentar deitar água na fervura: Nenhuma equipa se constrói em meia dúzia de dias. Até aí concordo, toda a gente sabe. Mas a equipa de Queiróz, tirando 2 ou 3 elementos (que aliás nunca foram titulares), já estava formada há muito. Todos já se conheciam. É portanto diferente de um qualquer clube em que chegam no início da época paletes de novos jogadores.

Falta qq coisa a Queiróz. Que admito, faltará a muitos treinadores. Mas será essa diferença que faz duns campeões e de outros meros críticos do trabalho dos outros.


LAM

Anónimo disse...

Muito bem. Grande artigo que subscrevo inteiramente.
Os queirosianos (mistura de Queiroz e marcianos) e não queirozianos como erradamente se escreve estão em vias de extinção e de dar cabo do futebol português.
O dramático desta situação é remediar depois do fim do ano os estragos que os queirosianos fizeram, mas enfim tantos países destruidos por guerras que depois se modernizaram.
JB

frosques disse...

Como as putas, o Leirós e o Marcelino, também o Eugénio Queirós vez por outra dá de frosques e não põe as patas nestas matas à berma da estrada, vazia.

Anónimo disse...

A propósito desse Marcelino, li uma coisa curiosa no Blog da Bola que reza assim: "Li hoje, só metade, porque enjoei a meio, o artigo de opinião de João Marcelino no DN e só o li, porque fui bater à porta do vizinho, Boronha e vi lá um link para a peça. Mas que grande peça.
Escreve João Marcelino, que um grande grupo de jornalistas se mostram servis em relação a Carlos Queiróz e nem sequer vou discutir os motivos dessa opinião, pois já todos os conhecemos porque realmente sofremos com o que aconteceu na quarta-feira em Braga, mas também sei, que Queiróz foi um asno quando aceitou de novo o cargo de seleccionador, sabendo melhor que toda a gente, o clima que o esperava e as armadilhas que lhe estavam preparadas.
Em relação ao tal servilismo, esqueceu-se o João Marcelino, que nós por cá, não somos burros e como tal, sabemos muito bem como ele é obrigado a gerir o seu mercado de notícias. Aliás, nenhum dos jornais do grupo Global Notícias pode assumir a bandeira do combate ao servilismo, sem correr o risco de toda a gente desatar à gargalhada.
Eu sei o que dói ao João Marcelino, aliás ao seu patrão.
Se Portugal não for apurado para o Mundial de 2010, a FPF pode perder cerca de 15 milhões de euros, mas Joaquim Oliveira pode perder o triplo ou mais, porque como todos sabemos, no próximo Mundial, não lhe vão faltar novamente contratos de exclusividades, não só nas transmissões dos jogos, como em todas as outras actividades ligadas a viagens e markting. É isso que lhe dói."

Cada um que tire as suas ilacções...

nandao disse...

Eugénio, fale sobre os artigos do Rui Cartaxana deste fim de semana, sobre a violação dos regulamentos disciplinares da LIga por Pinto da Costa.

Coloque isso em debate, ou não lhe interessa?

No mínimo a penalização significa a perda de todos os pontos conquistados até agora, e a perda de 3 pontos em cada jogo onde foram utilizados jogadores inscritos de forma irregular.

Woody disse...

Que post ridículo... Se Portugal é o que é hoje em termos de futebol é graças às bases lançadas por Carlos Queiroz... Um treinador que só ganhou dois campeonatos do Mundo e que só ganhou tudo o ano passado no Man Utd...
Desde quando é que ter estudos é um defeito? Acusar o homem de ter tido tempo para estudar é das acusações mais absurdas que já vi...

Anónimo disse...

Bom.... esse Sr. Marcelino também disse o mesmo do Mourinho quando ele foi para o Porto.....Portanto é mais uma bacurada de mais um jornalista português.

Anónimo disse...

A conversa, parece-me, não é sobre curricula nem passados mais ou menos gloriosos.

É aparentemente tão simples que custa compreender como é que não há tanta gente com essa aptidão:
O Scolari mobilizou uma equipa e um País em torno da selecção. O Queiróz, por quem eu tenho muito respeito enquanto treinador de futebol, esfrangalhou uma equipa e divorciou os portugueses da selecção.

(antes que venham os teóricos da "formação que demora tempo" convém lembrar que a equipa era practicamente a mesma e o "povão", esse, nem se mexeu.)

LAM

Anónimo disse...

e o que o marcelino diz dos paraolimpicos??

Rock Santeiro disse...

Há algo mais nessa crónica de J. Marcelino: a crítica aberta e sustentada. Independentemente de quem tem razão - eu, por exemplo, acho ainda extemporâneo crucificar o seleccionador -, o que o meu País precisa é de quem fale abertamente. Pode ser que as coisas mudem quando terminarem os paninhos quentes. Mas, da mesma forma, era importante travar as acusações e insultos quando se debatem temas ou pessoas. Mas isso só com bom senso. E esse, infelizmente, não é ensinado nas telenovelas...

Anónimo disse...

Toda a gente sabe que a não qualificação para a final do Mundial na África do Sul será um "furacão" em casa do sr. Joaquim Oliveira. Lá vai ele que voltar a pegar na caixa dos pregos...
Por isso, os seus empregadotes terão de escrever enquanto é tempo para dar o chuto no Queiroz que vai comer as rabanadas para Moçambique.

Zé da Póvoa disse...

Agradeço ao Sr. Leirós o facto de me ter censurado um comentário. É que, de facto, eu apenas pretendia conhecer o seu espírito democrático. Para quem aparece a candidatar-se a juntas de freguesia em eleições autárquicas, não abona muito a sua atitude "castradora" da opinião dos outros.

big brother disse...

Cuidado Marcelino!
Não abuses da Liberdade de Expressão.
Olha que ainda acabas isolado num armazém como fizeram ao jornalista de O JOGO que despoletou o Apito Dourado.
Ou será que tu, afinal, és mesmo a voz do dono e escreves para defender o negócio do Oliveirinha.

maiskemaluko disse...

Queremos que o tal de marcelino, fale dos paraolimpicos, isso e que interessa !!!!

Jose Leirós disse...

Sr. Zé da Póvoa disse

Agradeço ao Sr. Leirós o facto de me ter censurado um comentário.

Fique sabendo que nada censurei

Anónimo disse...

o José Leirós quando andava dentro das quatro linhas era a porcaria que todos sabem. Agora que anda cá fora a servir-se do futebol para outros voos é a merda que se vê. Um pouquinho de vergonha na cara não lhe fazia mal nenhum. Já agora escreva aí as suas façanhas sr. Leirós. Ou quer que eu lhe avive a memória?