AGORA ESTOU AQUI

sexta-feira, setembro 12, 2008

PINTO DE SOUSA

Conheço José António Pinto de Sousa há muitos anos mas, curiosamente, só passei a saber quem é durante o julgamento do processo originário do Apito Dourado. Há pessoas e personalidades que não enganam. O antigo presidente do Conselho de Arbitragem da FPF - que foi condenado em Gondomar e terá de responder por mais de 100 crimes num processo que está às portas do julgamento relacionado com as classificações dos árbitros - nunca precisou do futebol para viver e ao futebol chegou quase sempre por muita insistência dos amigos. As escutas telefónicas provam que nem sempre agradou a todos e quem o conhece sabe que a sua política foi sempre a de ter todos em harmonia. O que de certo modo explica as "cedências" que são conhecidas, ao permitir, por exemplo, que alguns dirigentes indicassem determinados árbitros. Esta semana, numa curta entrevista à Rádio Renascença, PS disse que de nada está arrependido, ou melhor, só está arrependido de ter sido dirigente desportivo. Não deve haver em Portugal um dirigente que tenha perdido tanto dinheiro como ele com o futebol! O prémio: banco dos réus e a solidariedade de poucos. Nestes últimos meses aprendi a respeitar e a admirar O Homem Pinto de Sousa e por ele ponho as mãos no fogo pois se praticou qualquer crime foi simplesmente porque O SISTEMA foi muito mais forte. A vida é assim. Em todas as curvas corremos o risco de ter um acidente.

20 comentários:

Anónimo disse...

Ou seja, o nacional-porreirismo no seu melhor...

Anónimo disse...

Mete nojo o teu graxismo e subserviência. Asqueroso mesmo. É um coitado, crucificado pelo sistema, sem vontade própria...yeah right.

João Sousa disse...

Assino por baixo. Como pessoa que não quis chatices envolveu-se na onda do deixa andar, de fazer favores a quem sem vergonha lhos pedia...
Até empregou o Veiga Trigo numa empresa sua em Beja para o ajudar.
Hoje aqueles a quem fez favores já não o conhecem...
Cambada de bandidos!

Anónimo disse...

<...e quem o conhece sabe que a sua política foi sempre a de ter todos em harmonia. O que de certo modo explica as "cedências" que são conhecidas, ao permitir, por exemplo, que alguns dirigentes indicassem determinados árbitros...>

Ó Pá vai lá ser anjinho ao c....
Tu para te dares bem com os teus vizinhos até lhes entregas a tua mulher aos fins de semana... AH AH AH AH .


<...Não deve haver em Portugal um dirigente que tenha perdido tanto dinheiro como ele com o futebol! >


Ó PÁ estás com tanta peninha dele que até lhe vais pedir o NIB e depositar-lhe algum na conta...

Sinceramente, opinião tão BAJULADORA, há muito que não lia...Deves estar-te a candidatar ao TACHO....

tEM jUIZO... QUE ATÉ ESTAVAS A FAZER UM BOM TRABALHO ANTES DO MARINHO VIR DE FÉRIAS... MAS ASSIM NÃO VAIS LÁ...

ESSA ESCUMALHA TEM DE PAGÁ-LAS TODAS...
quanto mais não seja, por andarem a fazer de nós um bando de lorpas, nós que gostamos de futebol e pagámos bilhetes e cotas para assistirmos, nós é que andamos a ser roubados, não é só a perder dinheiro...

Espero sinceramente que publiques o comentário que deixo... pois já os publicas-te bem mais ofensivos...

Anónimo disse...

Eugenio ninguem quer ver estes teus coments sem deficientes!!!
Nos queremos comentarios sobre os jogos paralimpicos.
Fala sobre as medalahas, sobre os cegos, as proteses e tudo o resto. Agora isto não interessa nada...

Anónimo disse...

Podes chamar o que quiseres ao nosso discurso, mas o que te custa é que ele é verdadeiro...
Enfim, é a lei da vida; cada um no seu lugar, cada um com o seu papel neste mundo. Triste, és um triste geninho!

Boccia: Portugal termina competição com 5 medalhas
http://www.record.pt/noticia.asp?id=804223&idCanal=3439

José Ribeiro

Anónimo disse...

Burla com gente do futebol do por7o

Passou despercebida nos media ligados ao desporto, e em particular ao futebol, com excepção do Record, uma das maiores burlas da Banca portuguesa, que envolveu mais de 170 milhões de euros (cerca de 34 milhões de contos) e nomes sonantes do futebol do Norte do país. O autor desta proeza, na altura vice-presidente do FC Porto e administrador da FC Porto SAD, mas também gerente da Agência do Banco Mello (grupo BCP) no antigo edifício das Antas, no Porto, Nuno Espregueira Mendes, foi recentemente condenado a 6 anos de prisão efectiva por burla agravada.

Segundo o acórdão que o condenou, Espregueira Mendes montou uma negociata tipo D. Branca, pagando altíssimos juros (10% ao mês) à conta de depósitos na “sua” Agência (para o que ele próprio “financiava” os seus “clientes”), os quais eram investidos em aplicações com elevadas taxas de juro, aproveitando-se da alta de valores mobiliários (Bolsa) da altura, 1999/2000.

Entre os clientes que mais beneficiaram da generosidade desta D. Branca à moda do Porto, com empréstimos de grande monta, além do FC Porto (de uma só vez com 500 mil contos para reforço da tesouraria) e da FC SAD, figuram, nomes como Joaquim Oliveira (só de uma vez, em 6/5/1999, 1 milhão de contos), seu irmão António com mais de 500 mil contos em diversas alturas “para aquisição de acções na Bolsa de Lisboa”(sic), Adelino Caldeira, com 433 mil contos, com a mesma cristã finalidade, e uma numerosa lista de pessoas, todas de algum modo ligadas ao FC Porto, como os antigos jogadores Rui Barros ou Jaime Magalhães, etc., ou o presidente da Associação Comercial do Porto, dr. Rui Moreira, familiar de Espregueira Mendes e forte “investidor” nas habilidades bolsistas do antigo gerente bancário (tinha lá 500 mil €), negócio do qual disse que “não se lembrava” quando interpelado jornalisticamente sobre o caso.

Tudo começou a desandar quando a Bolsa entrou em depressão e as suas cotizações começaram a desvalorizar-se. O valor da carteira de títulos constituída por este bancário armado em banqueiro foi avaliado, então, em quase 20 milhões de contos (100 milhões de €). Tal como D. Branca enganou as autoridades durante todo o tempo, também o antigo administrador da FC Porto SAD ludibriou a própria auditoria do banco, que a certa altura o chegou a elogiar “pela proeminente carteira de clientes e pelo dinheiro que movimentava”. Pudera.

Anónimo disse...

Para salvar Pinto da Costa
FOI MESQUITA MACHADO QUEM DINAMITOU O CJ







O actual imbróglio do Conselho de Justiça (CJ) foi fria e intencionalmente montado pelo presidente da Assembleia-Geral (AG) da FPF, Mesquita Machado –Madaíl está nisto apenas como bombeiro de serviço --, para forçar o regresso de Gonçalves Pereira (GP) às suas funções de presidente daquele órgão. Essa era a garantia da anulação, sem recurso, dos castigos aplicados a Pinto da Costa e do Boavista. Para isso, Mesquita Machado (MM) inibiu-se de exercer as suas competências legais, de modo a que, no dia 8 de Setembro, data em que acabava a suspensão de GP, este retomasse as suas funções num CJ que o rejeitara e suspendera.

Recorde-se que, perante o comportamento insólito, chamemos-lhe assim, de Gonçalves Pereira (o prof. Freiras do Amaral entendeu mesmo que havia conotações mais graves e recomendou o envio do caso à PGR), os restantes membros do CJ, que se mantinha legalmente em funções e com quórum, lhe aplicaram uma suspensão de 60 dias, cujo prazo terminava precisamente no dia 8/9/2008. De forma consciente MM não exerceu as suas competências, esperou que o referido prazo de 60 dias se esgotasse e, perante o pedido da Direcção de eleições para um novo CJ (por certo com Gonçalves Pereira e sem os outros), marcou-as para 4 de Outubro. O plano viria a ser abortado porque os 4 membros em funções no C J, depois de terem sofridos as pressões e manobras de Gonçalves Pereira para que mudassem o seu sentido de voto, de forma a anular as penas aplicadas a Pinto da Costa e ao Boavista, não queriam voltar a trabalhar com ele –e resignaram todos, inviabilizando a “lavagem” e o regresso de Gonçalves Pereira.

O PAPEL DE MADAÍL

O presidente da FPF, Gilberto Madaíl, posto perante esta embrulhada e a perspectiva de eleições no CJ, reuniu os sócios da Federação (associações regionais, Liga, associações dos árbitros, dos jogadores, etc.) e inquiriu deles se iria haver uma lista ou mais para o novo CJ (o sufrágio teria de ter pelo menos 25% do quórum da AG).

Não sem alguma surpresa, os sócios da FPF não só não tinham nenhuma lista ou ideia para ela, como endossaram ao próprio Madaíl a tarefa de “arranjar” um novo CJ. O presidente da FPF disse a este jornal que, sem dramatismos, vai procurara uma figura consensual e de prestígio, nos meios jurídicos, a quem solicitará, obviamente a indicação dos restantes membros (sete e mais dois suplentes). Isto não impede que apareçam outras listas, nos termos estatutários, até se admite em certos meios, como última tentativa desesperada para “salvar” Pinto da Costa e o Boavista, que apareça uma lista dedicada.

Anónimo disse...

No futebol português, uma equipa acusada de ter um jogador inscrito irregularmente, como o Belenenses, arrisca perder seis pontos. Uma equipa acusada de corromper dois árbitros, como o Porto, arrisca perder os mesmos seis pontos. Um erro burocrático tem a mesma pena que um crime. É possível que um homicídio, no âmbito de um jogo de futebol, em Portugal, valha ao assassino uma admoestação verbal. No máximo, um cartãoa zul

Anónimo disse...

Declarações de Carolina Salgado, Elmano Santos e Paulo Januário, que fazem parte da acusação a FC Porto, Boavista e respectivos presidentes, são fundamentais nos processos
A acusação
Jogo sob suspeita
FC Porto-Estrela da Amadora
(24 de Janeiro de 2004)
Protagonistas
FC Porto SAD; Pinto da Costa (presidente da administração da FCP SAD); Jacinto Paixão (árbitro); Manuel Quadros (árbitro assistente); José Chilrito (árbitro assistente).
Matéria de facto
- "Jorge Nuno Pinto da Costa anuiu que António Araújo, em nome daquela sociedade desportiva, disponibilizasse e pagasse os serviços sexuais das prostitutas aos árbitros Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado como forma de solicitação e obtenção de actuação parcial por parte daqueles árbitros no jogo com o "CF Estrela da Amadora" ou em jogos futuros a disputar com a "FC Porto SAD (...) actuou na qualidade de presidente do conselho de administração da "FC Porto SAD" e no interesse da sociedade desportiva".
- "Os árbitros Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado sabiam que a solicitação e aceitação de favores sexuais disponibilizados e pagos por um clube ou sociedade desportiva, directamente ou através de interposta pessoa, nomeadamente os acima descritos, constituíam prática contrária ao exercício das funções de arbitragem e que põem em causa essas funções".
Infracções e penas previstas
FC Porto SAD: infracção disciplinar muito grave, "corrupção da equipa de arbitragem", "na forma de tentativa", punida com "subtracção de três pontos na classificação geral, derrota no jogo tentado viciar [substituída por multa de 2500 a 5000 euros] e multa de 50 mil a 200 mil euros, reduzida a metade, isto é, 25 mil a 100 mil euros".
- Pinto da Costa: infracção disciplinar muito grave, "corrupção", "na forma de tentativa", sancionada com "pena de suspensão de seis meses a dois anos e multa de 625 a 6250 euros".
- Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado: infracção disciplinar muito grave, "corrupção da equipa de arbitragem", "na forma consumada", para a qual está prevista "pena de suspensão de dois a dez anos."

A acusação
Jogo sob suspeita
Beira-Mar-FC Porto
(18 de Abril de 2004)
Protagonistas
FC Porto SAD; Pinto da Costa
(presidente da FCP SAD);
Augusto Duarte (árbitro)
Matéria de facto
- "Jorge Nuno Pinto da Costa recebeu Augusto Duarte em sua casa, na véspera de jogo a disputar pela equipa daquela sociedade desportiva e a arbitrar por Augusto Duarte, e ofereceu-lhe a quantia de 2500 euros como forma de solicitação e obtenção de actuação parcial por parte do árbitro naquele jogo ou em jogos futuros em que arbitrasse a "FC Porto SAD"".
- "O árbitro Augusto Duarte acedeu reunir-se com o presidente da "FC Porto SAD" em casa deste e na véspera de jogo em que iria arbitrar aquela equipa e aceitou a mencionada quantia de 2500 euros bem sabendo que praticava actos contrários ao exercício das suas funções de árbitro e que essa oferta punha em causa a credibilidade dessas funções".
Infracções e penas previstas
- FC Porto SAD: infracção disciplinar muito grave, "corrupção da equipa de arbitragem, "na forma de tentativa", punida com "subtracção de três pontos na classificação geral, derrota no jogo tentado viciar [substituída por multa de 2500 a 5000 euros] e multa de 50 mil a 200 mil euros, reduzida a metade, portanto, de 25 mil a 100 mil euros.
- Pinto da Costa: infracção disciplinar muito grave, "corrupção", "na forma de tentativa", que implica "pena de suspensão de seis a dois anos e multa de 625 a 6250 euros".
- Augusto Duarte: infracção disciplinar muito grave, "corrupção da equipa de arbitragem", "na forma consumada", para a qual está prevista "pena de suspensão de dois a dez anos".
A acusação
Jogos sob suspeita
Boavista-Académica
(20 de Setembro de 2003);
Beira-Mar-Marítimo
(16 de Janeiro de 2004);
Benfica-Boavista
(18 de Janeiro de 2004); Belenenses-Boavista
(28 de Fevereiro de 2004).
Protagonistas
Boavista SAD; João Loureiro (Valentim Loureiro não foi acusado por estar, na data dos factos apurados, sob alçada disciplinar do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol e não da Comissão Disciplinar da Liga).
Matéria de facto
- "Valentim Loureiro actuou em defesa dos interesses da "Boavista SAD" e com a autoridade de presidente da LPFP [Liga Portuguesa de Futebol Profissional] com intenção de coagir Elmano Santos [árbitro] de forma a obter desse árbitro actuação parcial que viesse a ocasionar condições anormais na direcção do encontro supra referido entre a "Benfica SAD" e a "Boavista SAD", assim como nos encontros futuros em que a "Boavista SAD" fosse interveniente, condições essas que beneficiassem a "Boavista SAD" no resultado desse jogo e de jogos futuros".
- "João Loureiro agiu na qualidade de presidente da "Boavista SAD" com intenção de coagir Elmano Santos de forma a obter deste árbitro actuação parcial que viesse a ocasionar condições anormais na direcção do encontro "Benfica SAD" vs "Boavista SAD", condições essas que beneficiassem a "Boavista SAD" no resultado do jogo".
- "Valentim Loureiro e João Loureiro actuaram de forma concertada, ambos com intenção de condicionar Elmano Santos e a obter deste árbitro actuação parcial que viesse a ocasionar condições anormais na direcção de encontros disputados pela "Boavista SAD", condições essas que beneficiassem a "Boavista SAD" no resultado de jogos".
- "A "Boavista SAD", por intermédio da actuação de Valentim Loureiro e João Loureiro, exerceu forma de "violência moral" sobre o árbitro Elmano Santos com o fim de ocasionar condições anormais na direcção do encontro supra referido (...), assim como nos encontros futuros (...)".
Infracções e penas previstas
- Boavista SAD: infracção disciplinar muito grave, "coacção [sobre equipa de arbitragem]", "na forma consumada", punida com "baixa de divisão e multa de 50 mil a 200 mil euros".
- João Loureiro: infracção disciplinar muito grave, "coacção [sobre equipa de arbitragem]", "na forma consumada", sancionada com "pena de suspensão de um a oito anos e multa de 2500 a 25000 euros.
a A Comissão Disciplinar (CD) da Liga de clubes acredita que os depoimentos de Carolina Salgado, ex-companheira de Pinto da Costa, do árbitro Elmano Santos e do assistente Paulo Januário são suficientes para contornar a questão de uma possível invalidade das escutas telefónicas como elemento de prova nos processos disciplinares instaurados ao FC Porto, Boavista e respectivos presidentes. Apesar dos testemunhos dos dois árbitros terem sido obtidos na sequência destas intercepções telefónicas, este órgão jurisdicional de-
verá defender, segundo o PÚBLICO apurou, a autonomia dos depoimentos daqui resultantes.
As escutas telefónicas são um dos elementos de prova com mais peso nos processos movidos ao FC Porto e Boavista, mas os depoimentos de algumas testemunhas ouvidas durante a fase de inquérito são igualmente fundamentais para a acusação aos dois clubes e presidentes. O problema é a forma como alguns foram obtidos, tendo as inquirições resultado directamente da participação das testemunhas nas intercepções telefónicas, como irão alegar os acu-
sados. Esta não será, contudo, a in-
terpretação da CD da Liga, que defenderá, por um lado, não terem si-
do as escutas a fundamentar alguns dos depoimentos e, por outro, serem completamente autónomos em
termos probatórios os que daqui resultaram.
No primeiro caso estará, por exemplo, o de Carolina Salgado, que acabou por ser ouvida fora do âmbito das escutas, corroborando algumas das situações apuradas no decorrer das mesmas. A ex-companheira de Pinto da Costa confirmou a visita do juiz Augusto Duarte a casa do presidente do FC Porto, na véspera de dirigir o jogo dos "dragões" com o Beira-Mar, em Aveiro, onde o líder portista é acusado de ter entregue ao árbitro um envelope com 2500 euros, como está referido no processo de acusação, a que o PÚBLICO teve acesso (ver caixa em baixo). Num outro depoimento, Carolina Salgado revelou que Pinto da Costa lhe confirmara ir "arranjar umas meninas" para disponibilizar à equipa de arbitragem liderada por Jacinto Paixão, após ter conduzido um encontro entre o FC Porto e o Estrela da Amadora.
No caso de Elmano Santos e Paulo Januário, os seus depoimentos resul-
taram das escutas telefónicas a Valentim Loureiro e João Loureiro. Os dois árbitros foram directamente contactados pelo ex-presidente da Liga e antigo dirigente do Boavista, como consta no processo instaurado pela CD à SAD do clube e a João Loureiro.
Elmano Santos e Paulo Januário não integram o lote de acusados por não ter sido encontrado qualquer indício de ilícito disciplinar da sua parte, mas acabaram por prestar depoimentos na CD presidida por Ricardo Costa. "No momento em que tomou conhecimento da sua nomeação oficial para o referido jogo [Benfica-Boavista, da 18.ª jornada da temporada 2003-04], Elmano considerou "demasiada coincidência" o telefonema que Valentim lhe fizera e ficou com a impressão de que o presidente da Liga já saberia da sua nomeação quando lhe efectuou o telefonema [dias antes a informar o árbitro de que um processo disciplinar que estava a correr contra o juiz madeirense na CD iria ser arquivado]", pode ler-se no processo.

Anónimo disse...

Querem comprar o Mantorras!
Marotos, pregaram uma partida ao Rui Costa.
Faça uma noticia se tem sentido de humor:

http://www.bazul.org/index.php?topic=17807.0


http://www.bazul.org/oldgames/ytyty.jpg

http://www.bazul.org/macacao/play/20080912-1626-Mensageiro.wav

Anónimo disse...

os fcpor7o e os corruptos do futebol portugues

http://br.youtube.com/watch?v=gQBjtjdEChs

Anónimo disse...

http://br.youtube.com/watch?v=lDNkbCOi7e8&feature=related

maiskemaluko disse...

Geninho tens razao, esse tal de Pinto de Sousa deve ser como tu dizes e boa pessoa, acompanhou com as pessoas erradas.
Mas isto nao interessa nada, fala dos paraolimpicos, para a malta descarregar em ti a sua raiva de viver num Pais tao mal frequentado.
Vai em frente Geno.

Anónimo disse...

Sr. Eugenio,
Subscrevo inteiramente as suas palavras, realmente nunca ouvi ninguém que conheça o Sr. Pinto de Sousa que não tenha uma opinião semelhante à aquela que muito elequentemente nos transmitiu.
Louvo-lhe a coragem de apresentar publicamente este artigo, porque ter uma opinião desalinhada com a "moda",é normalmente motivo para dissabores. Basta recordar-se do artigo dos paralimpicos,onde, em abono da verdade, se pôs muito a jeito com o ultimo paragrafo do artigo.
Entretanto, permita-me uma sugestão. Abstraindo-me de introduzir os valores da educação e do respeito pelas pessoas, pois este blog é visitado por uma heterogenia imensa de pessoas, tenho a lamentar, mas tambem a sugerir,que não permita INSULTOS E PALAVRÕES, sob pena de destruir este blog.
Para bem do nivel do seu blog e daqueles que o visitam, pois este espaço vem granjeando prestigio tornando-se num dos melhores blogs nacionais, faça o favor de reflectir sobre este assunto.
Portanto, para a defesa da sua boa imagem e reputação profissional e para bém dos que gostam de informação e opinião(com elevação),muito desejaria continuar a ter acesso a um blog de qualidade.
Subscrevo-me com votos de bom fim de semana.

Passaralho disse...

lol
lol
lol
lol

O SISTEMA também o está a assustar a si, Eugénio. E muito!
Já alinha no jogo de desculpabilizar tudo e todos?
Por exemplo, eu posso ser muito seu amigo, mas se me pedir para dar um tiro em alguém ou para roubar alguém, eu mando-o a alguns sítios um bocado alternativos...

Haja vergonha, por favor.
Você abusa da falta dela quando lhe dá jeito, ou quando está entalado, não sei...
Já tem alguém atrás de si há muito tempo a assustá-lo no escuro, é? Ou está na "causa" de forma voluntária?

E note, nem sequer estou a julgar ninguém antes do tempo. Abstenho-me disso.

Haja vergonha, por favor.
O país não precisa de gente assim. Nem de quem alinha nas "panelinhas", nem de quem as defende...

Anónimo disse...

http://legionofdragons.blogspot.com/2008/09/hermnio-loureiro-e-ricardo-costa-2.html

Anónimo disse...

http://legionofdragons.blogspot.com/2008/09/hermnio-loureiro-e-ricardo-costa-2.html

Anónimo disse...

es um cobarde so publicas o que te convém ! um covarde geninho !
vais morrer como os grilos!
c o v a r d e..

aNNóNNimo disse...

Meu caro, o homemzinho até pode ser um santo!

De pau carunchoso, diria eu.

Mas, genuflectiu e abanou (perante o Papa-açorda!,) tem que "rezar"!
E o Papa de igual modo...haja paciência!