AGORA ESTOU AQUI

sexta-feira, maio 30, 2008

PRESTÍGIO


Tiago Trigo, Paulo Costa, Bruno Paixão e João Santos apitaram a semana passada jogos da Taça Kirin, no Japão. Pelo meio, deram uma conferência sobre a arbitragem da portuguesa. Também ficaram a saber que no Japão o pessoal só tem 15 dias de férias (aqui já vamos em 25) e que é norma dar-se 5 dias à empresa para provar o envolvimento no sucesso da mesma. Estamos a falar do país do primeiro mundo onde o povo que trabalha só tem uma folga semanal. Para compensar, têm a gasolina 40% mais barata que em Portugal, pagam só 5% de IVA e a taxa de impostos não pode ultrapassar os 20%. Diferenças que não se ficam por aqui. Os 4 portugueses pela primeira vez sentiram-se autoridade. Nos estádios, os polícias por quem passavam batiam-lhes sempre a pala! Bonito.

12 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

E depois temos marmanjos como tu que passam a vida a passear à custa dos corruptos. E que são pagos para dizer que são simpatizantes benfiquistas.

És uma vergonha, Eugénio!

atirador especial disse...

Bonito, o quê ?

Anónimo disse...

à força de eliminar os posts façam como eu caralho mudem de tasca Blogues à muitos ..

Monhé

Anónimo disse...

"Clubismos à parte - ok, assumo o meu: Benfica! -, acho..."

Mais um que se diz Benfiquista... mais um na lista:

- Almeida Pereira (ex-candidato a director da PJ do Porto), grande "Benfiquista" mas que vai para as antas ver os jogos do Porto ao lado do Bufas-mor.

- José Manuel Meirim, outro ferveroso "Benfiquista" e que é o sócio 1090 do C.F. "Os Belenenses" e unha com carne com o Bufas.

- José Marinho, outro doente pelo "Benfica" mas que sempre foi próximo dos Oliveiras e sempre se assumiu de outras cores na sua roda de amigos!

- Camilo Lourenço, nem há palavras para descrever o seu "benfiquismo"... é tanto que nem a sua familia sabia.

Pelo caminho que isto vai, daqui a dias o Tavares-Teles e o Sousa Tavares também são Benfiquistas!!!

Anónimo disse...

Sr Eugénio, não acha estranho na foto do jogo os arbitros não terem sistema de comunicação.
Pois,foram proibidos ao intervalo do primeiro jogo de usarem o sistema de comunicação, pois a lei do Japão proibe essa tecnologia.

Anónimo disse...

Corre a todo o vapor a defesa do F. C. Porto no recurso apresentado ao Conselho de Justiça da Federação

Em causa está o caso em que Pinto da Costa foi condenado a dois anos de suspensão pela Comissão Disciplinar da Liga (CD), no âmbito do processo Apito Final.

O JN teve acesso a um dos quatro pareceres pedidos pelos portistas a alguns dos mais conceituados especialistas jurídicos portugueses, assinado por Manuel da Costa Andrade, professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, concluindo-se que a estratégia dos dragões para conseguir a absolvição do presidente da SAD assenta em três aspectos fundamentais: a impossibilidade de utilização de escutas telefónicas num processo disciplinar desportivo; a falta de credibilidade das declarações de Carolina Salgado, num contexto de comprometimento com a perseguição ao arguido;a fragilidade do acordão da CD da Liga que serviu para condenar Pinto da Costa.

Ricardo Costa, presidente da CD e professor assistente na mesma Faculdade em que Manuel da Costa Andrade é catedrático, é especialmente visado no parecer, acusado de ter condenado o presidente do F. C. Porto "sem provas susceptíveis de sustentar, no respeito pelos princípios constitucionais do princípio 'in dubio pro reu', a imputação ao arguido de qualquer facto ilícito, disciplinar ou outro".

As críticas a Ricardo Costa são particularmente duras, entendendo-se no parecer que o acordão da Liga valorou o princípio da presunção de culpa, e não o da presunção de inocência. "Na certeza de que julgar é um exigente exercício de renúncia e despojamento e não a gratificante e narcisista exibição de troféus de caça, sob os holofotes a aureolar um inebriante e 'inesquecível' momento de glória", escreve Manuel da Costa Andrade, referindo-se à conferencia de imprensa em que o presidente da CD da Liga anunciou a condenação de Pinto da Costa. "Já causa mais angústia e quase arrepio a serenidade autocomplacente com que se argumenta que os arguidos não podem negar a existência das conversas interceptadas. Para evitar lastros desproporcionados de hipérbole, limitar-nos-emos ao mínimo.

E a lembrar que aí está uma afirmação que os Torquemadas da Inquisição não desdenhariam. Também eles fizeram história (triste) sobre a tranquilidade e a serenidade de que os acusados, afinal, não podem negar a existência das conversas", acrescenta o catedrático, num ataque cerrado a Ricardo Costa.

Este parecer, já enviado ao Conselho de Justiça da FPF, juntamente com outro assinado por Damião Cunha, professor de Direito do Processo Penal da Faculdade de Direito do Porto, a que se juntarão mais dois a enviar nos próximos dias, pretende desmontar o acordão, argumentando que, sem a possibilidade de utilização de escutas, restavam à CD as declarações de Carolina Salgado para chegar a uma condenação de Pinto da Costa.

Relativamente à impossibilidade de utilização das escutas telefónicas, Manuel da Costa Andrade escreve que o processo disciplinar da Liga "consegue pela porta de trás o que a Constituição lhe veda pela porta da frente, subvertendo o direito processual penal, degradando-o de um ordenamento preordenado à protecção de direitos fundamentais, num entreposto de contrabando de escutas para o processo disciplinar, e fugindo à vigilância da Constituição da República".

Sobre Carolina Salgado, lê-se no parecer que "não tendo esse depoimento sido controlado pela defesa nem corroborado por outras provas, a sua credibilidade é nula.

A sua valoração seria ilegal e inconstitucional". "Retiradas as escutas, todo o edifício probatório da CD fica suspenso e preso pelo fio das declarações de Carolina Salgado. Um fio, por sua vez, muito ténue, mesmo irrelevante, sobretudo se desguarnecido da indispensável corroboração que só as excutas poderiam assegurar", diz o catedrático.
"JN"

Toupeira disse...

O Eugénio acha que é ofensivo dizer que os ditos apitadores podiam ter ficado no Japão, atenta a qualidade demonstrada pelos mesmos ao longo da sua carreira e por isso removeu o post de 30 de Maio. Porreiro, pá, regressamos ao lápis azul (neste caso, duplamente azul). É por isso, que às vezes venho a este blog para reentrar na realidade do que é a liberdade democrática. Parece a Av. dos Aliados, quando o SB foi impedido por um bando de energúmenos de comemorar o título nacional: eis o último reduto regional, onde só se fazem as manifestações que uma determinada pessoa quer, qual Astérix de pacotilha. Parabéns, por nos lembrar que o 25 de Novembro foi uma coisa linda!

Toupeira disse...

Obviamente, meu caro Eugénio, e desculpe ter-me esquecido no post anterior de lho pedir, o referido post não é para ser publicado. Trata-se apenas de chamar a sua atenção para os critérios utilizdos na respctiva filtragem pois já aqui li coisas extremamente ofensivas para pessoas concretas, sem que tivesse impedidod a sua publicação

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

A primeira fotografia deve ter sido tirada em PALERMO enquadra-se na paisagem

GeracaoBenfica disse...

por falar em arbitros

http://geracaobenfica.blogspot.com/2008/06/fugiu-lhes-boca-para-verdade.html