AGORA ESTOU AQUI

sexta-feira, abril 04, 2008

PENSO EU DE QUE

Seria bonita uma investigação aos sinais exteriores de riqueza e ao património de alguns dirigentes e árbitros do nosso futebol. Isso, sim, é que era história.

9 comentários:

Anónimo disse...

o problema é não haver quem o faça, porque essa tarefa de investigação não cabe aos jornalistas.

Certo?
Ou o problema está aqui?
http://xafarica.weblog.com.pt/arquivo/porto-noticia.jpg

Anónimo disse...

E já agora a alguns jornalista que podem passar férias em NY...

dragao vila pouca disse...

Dou-te um doce se souberes quem é o Rei Midas do futebol português.

Anónimo disse...

A começar por ti quem te pagou o teu MAC que a esta hora jà està todo Sebento ??

Trolha Pestana

Anónimo disse...

Só aos dirigentes do "GRANDE PORTO".......

Anónimo disse...

04 Abril 2008 - 09.00h

O Calcanhar de Aquiles
Prendas, política e futebol
Triste País este onde nunca chegam ao fim gravíssimas denúncias de corrupção, mas se mobiliza legiões para apurar se foram oferecidos relógios.


1. A pulsão eleitoralista que todos os nossos governantes trazem encaixada nas suas cabeças é tão inexorável como a herança genética. Não há nada que a trave ou desvie do seu caminho. Na hora própria ela se manifesta-se sempre em toda a sua exuberância. Como a natureza na Primavera. Mas este ano o milagre começou mais cedo. De um dia para o outro o espectáculo começou. O ‘socialismo’ rejuvenesceu. Acordámos e tínhamos em casa uma inesperada prenda. Fruto da época. A baixa da taxa máxima do IVA num fantástico 1%. Como os ‘brindes’ oferecidos aos árbitros de futebol para os ‘enganar’. E mais virão. Muitas. Para todos os gostos e feitios. O ciclo cumprir-se-á.

Menezes, surpreendido pela precocidade destes efeitos feéricos, perturba-se e queixa-se.

De tudo, para não variar. Porque já entendeu que o seu PSD é um carro de combate avariado. Agora, queixa-se da televisão pública. E não se queixa das privadas porque não rende. Atacar a TV pública é que é bom porque é atacar, simultaneamente, Sócrates, o Governo e o PS. A pouco santa trindade da nossa política. É claro que todos os governos têm a tentação de manipular a informação. É um facto histórico que já interiorizámos e a que quase somos insensíveis. Mas Menezes devia começar por se queixar de si próprio. Por ser incapaz de captar a atenção dos jornalistas (e do País) pela positiva. Por não conseguir fazer com que todos os órgãos de Comunicação Social tenham equipas de reportagem sempre no seu encalço. Por nos condenar à pasmaceira, ao lugar comum e à desesperança. Por não nos surpreender com as suas soluções. Por quase nos fazer esquecer que o PSD existe como alternativa. E, neste enquadramento, o que Menezes faz é um patético apelo para que olhem para ele. Não pede mais. Nem quer melhorar a qualidade da TV do Estado, que é muito melhor do que ele com o seu ‘complexo do desgraçadinho’ pretende fazer crer. Já o conseguiu. Minimamente. Se não for capaz de fazer melhor, tente outra vez.

2. A Liga de Futebol Profissional resolveu dar um arzinho da sua graça. Só por graça, bem entendido. Depois de anos e anos a olhar para o lado à espera de que os tribunais fizessem o seu trabalhinho (dela, Liga), lembrou-se de que afinal também tem uma Comissão Disciplinar. Fê-lo por várias razões: por julgar que Pinto da Costa está fragilizado. Por sentir que a família Loureiro pode estar ferida de morte. Por ter a certeza de que nem Boavista nem União de Leiria têm quem chore por eles. Por o FCP se estar a marimbar para perder seis ou mais pontos e provavelmente não levar a gracinha a mal. Mas, sobretudo, por julgarem que estão protegidos por um guarda-chuva que se chama ‘Apito Dourado’. Oportunismo, do pior.

Epílogo: triste País este onde nunca chegam ao fim gravíssimas denúncias de corrupção envolvendo muitos milhões, mas se mobilizam legiões de investigadores durante anos a fio para apurar se foram oferecidos ou não a alguns árbitros, não Ferraris, nem apartamentos ou contas bancárias em offshores, mas apenas uns reluzentes relógios ou outras prendinhas de enganar tolos ou ainda a generosa companhia de prestimosas damas altamente especializadas nas mais modernas técnicas de prestação de refinados prazeres sexuais a preços módicos.

Quem brinca com quem?

João Marques dos Santos, Advogado(CM)

atirador especial disse...

Mas que grande história que dava, especialmente para as bandas do Norte ..... certas figurinhas o
que eram à 30 anos ??? alguns do trabalho só conheçem o nome !!!

taraja disse...

Ihihi,
mas que grande
história e de histórias
que isso dava, sim, com o
orelhas a rei e soba, sobre todos,
e tirano e imperador do mundo inteiro,
isso, sim, é que era certo e estava bem.

rolando disse...

Falar é aí com João Marques, que é que lê nas entrelinhas das notícias e dos jornais e sabe bem o que diz...

Eh, com esses tribunais à procura de sinaizinhos, do apitito, da pulseira pà menina ou da taça que, copiada à pressa, veio a ver-se já nem era de cristal.

E tem sido assim, de há muito tempo. Aquesles ladrões roubam-nos, levam tudo pra pontes, palácios, aeroportos e mais luxos que bem rendem às suas empresas, como breve a essa Mota-Engil, e aos seus administradores, como ao Amaral Coelho e Jorge e outros políticos de anteontem à noitinha...

Oh, que palhaçada de confessados, trampolineiros, ladrões.

O Pobo é que paga, lá dizia o coro Gutierres. O Pobo é que paga. Deixò pagar, deixó pagar, é só fartar.

E tu quanto é que achas que vais pagar pela ponte, e tu e tu, já agora, também?

E pelo aeroporto, em si, às Engils, às Lusopontes e aos seus chefes de orquestra levados desses partidos do poder?

Ui, mas simpáticos ladrões!