AGORA ESTOU AQUI

sábado, fevereiro 02, 2008

MORGADO vs. PINTO DA COSTA

A acusação agora pendente sobre Pinto da Costa, Felícia Cabrita e Ana Sofia Fonseca não passa de um fait-divers. Só um Estado que nem sempre vai a direito é capaz de valorizar um desabafo inserido numa das muitas biografias de PC que se seguiram ao terramoto de Dezembro de 2004, com epicentro no Porto e ondas de choque em Tuy, Évora e Braga. O que disse PC para merecer ser acusado de ofensa à pessoa colectiva, o Ministério Público, que exerce a actividade pública? Disse que havia uma campanha montada – “eles querem lá saber da Carolina, isto é contra mim...” – presumivelmente pelo MP e pela PJ e que se sentia a viver num país onde a PIDE foi substituída pelo Ministério Público. Considerou o MP que foi posta em causa a sua credibilidade e prestigio, pelo que o DIAP de Lisboa, chefiado por Maria José Morgado, autora da queixa..., decidiu acusar o presidente do FC Porto e as autoras da sua biografia com muitas luzes e algumas sombras. Pinto da Costa, na fase de inquérito, não quis falar, bem assim como as jornalistas. Mas tentaram contestar o processo. PC, por exemplo, fez um requerimento e juntou uma entrevista do PGR Pinto Monteiro, ao jornal Sol, na qual este dizia que no MP há o conde, a marquesa, o visconde e o duque. Ao mesmo tempo, Felícia, a jornalista que trouxe para a luz do dia o escândalo Casa Pia, contestou a atribuição do processo à Equipa Coordenadora do Processo Apito Dourado alegando que este estaria a apreciar em causa própria, invocando ainda a incompetência da equipa sedeada na Rua de Vale do Pereiro, ao lado do Gabinete Português de Detecção e Prospecção de Petróleo (o que poderá ter muito a haver), para o analisar por não ser um processo conexo do Apito Dourado. Debalde. O DIAP de Lisboa decidiu que o objecto do processo está conexionado com o Apito Dourado e que a reclamação hierárquica dirigida a Morgado não faz sentido. Ouviu-se ainda o editor da biografia, José Maria Calvin, já no final de Dezembro do ano passado, e este informou que o contrato foi feito com as autores e não com PC, sendo que a sinopse da obra que tirou 17.500 exemplares também foi da responsabilidade das reputadas jornalistas. O relatório final analisou diversas provas documentais, excertos do livro, documentação enviada pela editora, sinopses e ainda um artigo sobre a PIDE extraído da...WIKIPÉDIA (!!!!!), artigos da Enciclopédia História de Portugal, da Infopedia e também um texto de Fernando Rosas e Fernando Brandão sobre a PIDE inserto no Dicionário da História do Estado Novo. Concluiu-se que o livro se trata de uma biografia oficial mas autorizada. Quanto ao cerne da questão, foi considerada ofensiva ao MP porque este defende a legalidade democrática em contraponto com a PIDE, que era um organismo de polícia judiciária dependente do Ministério do Interior com funções administrativas e de repressão. Numa pesquisa que o próprio relatório final considera breve, verifica-se que a PIDE baseava as suas técnicas de tortura e operacionais nas técnicas da GESTAPO, sendo responsável directa e indirectamente pela morte de pessoas, pelo que não se encontra qualquer similitude entre o papel desempenhado hoje pelo MP e o da PIDE no passado. Conclui-se ainda que o livro teve duas edições, chegando a um potencial mercado de 600 milhões de leitores! E que PC não conseguiu explicar a comparação entre a PIDE e o MP, facto agravado por ser alguém com enorme visibilidade e peso mediático. A acusação, por seu lado, refere que os 3 acusados decidiram escrever um livro sobre alguns aspectos da vida de PC, que a biografia foi autorizada pelo presidente do FCP e que este aprovou o seu teor. “Os arguidos sabiam que as suas condutas são susceptíveis de ofender a honra, o bom nome e o prestígio do MP num número incalculável de vezes que pode atingir milhões, lê-se na acusação.

Um bocado exagerado, não acham?

13 comentários:

kolchak disse...

Da tua parte nao seria de esperar outra coisa!
Elas doiem como caralho, não é verdade!?

tim tim disse...

A verdade custa como o caralho

Águia Real disse...

Não tive pachorra para ler esse arrazoado!Mas pergunto-lhe:
Desconhece que por por ofensa de menor gravidade um qualquer Juiz lhe pode dar voz de prisão?

Lanis disse...

Exageradissimo,ora bolas!
O que estaria correcto era o arguido dourado colocar mais 2 ou 3 processos contra o Estado por ter sido "coartada" a sua liberdade em deixar fluir a estupidez natural e a sua má formação!
Ah! E convinha pedir umas chorudas indmenizações...Dizem-me que as REPUTADAS, e digo eu,plumitivas escrevinhadoras se fazem pagar muito bem...

johana disse...

“Os arguidos sabiam que as suas condutas são susceptíveis de ofender a honra, o bom nome e o prestígio do MP num número incalculável de vezes que pode atingir milhões”, lê-se na acusação.

Um bocado exagerado, não acham?
..............

Um bocado exagerado?...

Ugh... Ogénio, um bocadão!...

e atão, quando outra gaja escreveu o sabido romance de cunho encarnado, a dicas de uma tal pinhona e protecção de pêjotas de Lisboa, sigundo os jornais, que uma morgada leu, prontamente, à cata de ditos, gritos de vingança, como um pgr tamém e depois deu filme pa gozo benfiquistas e mais bufos, lembra?, isso tudo não ofende, pra mais vindo de gente, de pessoas, entidades que se querem dar o sério, anh? e não amesquinham o pobre cidadão acossado por meio portugal de inveja... eu que digo?... por bem dois terços do portugal da sigunda circular, passando a ponte do Freixo?...

e não será tudo isso abuso intimidatório e prepotente, ó caro ogénio, que bem fez botar a aí ridículo a má consciência, embrulhada embora de justicialidade e um como sério de legalidade...

pois não irá nisso evidente uma certa ordem de dois paus, duas medidas, quando se amandam, voluntariosos, num pleno jeito de vindicativa desfeita, benfiquistas de natureza e nascimento, se não de família, a ler tal cartilha, numa onda concertada de maldizer, de malquerença contra PC e o FC do Porto, arvorada logo em fundamento de justiça?...

que nem a pide que deus tenha se terá exposto assim tão ao léu, muitas vezes, de camisa, se não nua, como ora esse rei, que topou, quando o viu, outra criança!...

pois não é forçada a coisa, apenas, não, Eugénio, mas basto hipócrita e ridícula, igualmente, sem falta de uns pingos do chantagioso medo que respiga a prepotência.

KOSTA DE ALHABAITE disse...

E o romance da Carolina, não ofende ninguém? O ministério público é lisboeta e está tudo dito. Vê o país e as pessoas a partir da janela lisboeta, ou seja, tudo o que é do Porto é para matar...

samueli disse...

Eh, o rei vai nu, de verdade!...

E o povo é tolo, por força...

Que já não pode um homem queixar-se, defender-se, lamentar a prepotência de um ministério dito público, de Lisboa...

Não, pois deve manter-se caladinho, ouvir e tremer de medo, ante a arruaça armada de Lisboa.

Enquanto se atira ao cesto outro pito de encarnado.

Eh, o rei nu, sem camisa!

zéluis disse...

leio e estou de acordo com o respigado aí, em parte, pra mais que, acho eu, a prepotência não difere entre o... como é que se diz... entre o Hitler e o Busha, sendo que este é só mais forte do que era o Sadham da história, como os Miloseviks, com ressalva que estes é que vão a tribunal, se não são decapitados, e aquele fica a rir-se...

assim noutras coisas que se vê, mesmo ilustradas pela Wikipédia, senhores, a prepotêmncia, não difere, portanto, tamém, da pide para o mp, se é igual a prepotência...

do jeito de se querer abafar um homem à força, servindo tudo ao efeito, que enquanto se escuta a uns não se escute a outros, para exemplo, ou não se lhe dê valor igual às escutas, ocorrendo mais que lá porque um bufa se vá logo atrás, serviçal, de tal queixa, a ponto de se reabrir casos dados em tribunal por improcedentes sobre a mera base de um livro em rol acintoso (vergonhoso) de peçonha e projectos de vingança...

isto assente em pormenores, intensionalmente humilhantes, de bufaria, ri-se a gente, com gosto, é verdade, como se o bieira não fosse o maior bufo e a carola não bufasse tanto ou mais que muita gente, ihihi!...

ai, bão é lá gozar com outro, senhores, ó gente bingatiba da sigunda circular de Lisboa!

conde de abranhos disse...

E quando o arguido dourado for absolvido, como é que vai ser? O MP vai dar com os bacorinhos na água, meus senhores. Tava tão bem arquivadinho o processo, lá na prateleirinha que lhe corresponde. Não havia necessidade...

Anónimo disse...

Exagerado?!? Não é para afagar o ego a 6 milhões de tugas ávidos por um apedrejamento em praça publica. Exagerado, caro eugénio não brinque, este é o país real e a revolução de abril pelos vistos não serviu para nada. Liberdade de expressão....

O Mendes bota deve estar tramado....

Anónimo disse...

Antes de mais pergunto onde está a moral funcionalda Drª Morgado, enquanto responsável pelo Mº Pº, para falar em legalidade e Estado de Direito! Enquanto militante activa do MRPP onde é que encaixava o "Estado de Direito"?
Depois, a avaliar pela entrevista do PRG e da recente do director da PJ o Mº Pº se tem algum prestigio já é muito pouco, pelo que qualquer tentativa de ofensa é muito pequena!
Em rigor, o que o Mº Pº agora demonstrou foi que, como a PIDE, também persegue delitos de opinião.
ACL

johana disse...

Deixa lá, filho, que a seu tempo a verdade lá vem ao de cima...

Como essa agora, como outras, que não largam o PdaC e o FCdoPorto, por esta e mais aquela reminiscência de sonhos mal sonhados de noite e de dia, tal é o despeito, a inveja e a azia, meus filhos...

Que nem admira que o tal de MP, sim, pior do que a Pide, não pare de requerer mais lenha pa queimar quem não lhe cheira, se não é do Benfica, não vai a morgado e como os outros não ande em negócios, sempre, sempre, de mais bufaria!...

- penso eu de que...

Anónimo disse...

fds sempre com a bufaria isto bufaria
aquilo.
qq pessoa sabe que esses fdps nao precisam de ser bufados,esta a vista de todos e vamos ver quanto tempo isto dura, se nem o cabrao do salazar se safou nao ia ser agora este .