AGORA ESTOU AQUI

sexta-feira, dezembro 14, 2007

OS PAPISTAS


A pior coisa que pode acontecer ao Porto, cidade e área metropolitana, é ser defendido por uma confraria infelizmente consagrada como voz do Norte - em várias áreas da comunicação social e até do entretenimento - de uma forma que oscila entre o provincianismo e a inveja. Este Porto, dos papistas, convive bem com os diversos poderes e até com o poder que nas tertúlias e na blogosfera desdenha (por querer comprar): Lisboa. A capital, por sua vez, com todos os seus defeitos e défices democráticos, nem precisa de se esforçar muito para aproveitar este esforço simplório dos nortenhos encartados para evidenciar ao resto do país que, de facto, para pior já basta assim. Os rapazes que frequentam as marisqueiras do Norte e que gostam de fumar o seu puro prestam, sem o saber, um grande serviço aos "opinion maker" radicados em Lisboa ou em Bruxelas. Vem isto a propósito do chuveirinho que já se sente a propósito de um recente comentário de Pacheco Pereira, ex-frequentador do "Piolho", na SIC Notícias, no qual associou a violência urbana que se sente na Invicta à claque portista dos Super Dragões. Pacheco, sabe-se, não gosta de futebol. Pacheco, conhece-se, não gosta de Pinto da Costa. Pacheco, reconhece-se, às vezes exagera. Mas no fundo acaba por ser um dos poucos "produtos" do Porto que merece alguma credibilidade e respeito, pela sua real dimensão intelectual. Ouve-se o homem, lê-se o homem...e está lá, tem qualidade, pode-se não concordar mas tudo tem consistência e a sua independência é algo que se realça também. Pacheco Pereira é, de certa maneira, parte do património do Porto, embora o Porto que não saiu dos tacos, que desperdiça oportunidades e que vive de ressentimentos e de compradrios não o reconheça já como um homem do Porto. Felizmente por cá ainda há quem tenha vistas mais largas e não passe a vida a lamentar ser...lisboeta de pleno direito. Vamos por partes.

No Porto, nos últimos anos, há apenas 3 sinais fortes de afirmação:

- A capacidade desportiva do FC Porto de Pinto da Costa.

- A liderança efectiva e firme de Rui Rio na Câmara Municipal do Porto.

- A força e qualidade científica de alguns profissionais, por exemplo, aqueles que transformaram o Hospital de S. João no melhor hospital do país.
No plano cultural, é o deserto. No plano político, o caos. No plano social, o que se sabe. No plano da comunicação social, nada de especial para além de um "JN" há alguns anos com a mania que tem de ser um jornal nacional e que talvez por isso perdeu a liderança...nacional para um jornal que começou por ser um jornal apenas de Lisboa, o "CM".
O Porto vive, por isso, preso no seu labirinto e até os seus grandes arquitectos preferem trabalhar em Lisboa.
As Elisas, os Cardozos, os Gomes, os Almeidas, os Torres e os Baptistas tão cedo não nos deixarão em paz. Mais grave, os seus acólitos, os tais papistas, esses muito menos.
O Porto não tem culpa. Mas não merecia ser identificado com esta canalha.
PS - Permita-me apenas sugerir-lhe uma ligeiríssima, ainda que relevante e sobretudo justa, correcção ao seu post “Os Papistas”, quando afirma que «No Porto, nos últimos anos, há apenas 3 sinais fortes de afirmação». A Porto Editora é a maior editora portuguesa – e não apenas nos últimos anos... – e, mais importante ainda, a mais dinâmica e inovadora editora nacional, com projectos únicos que alcançam sucesso apesar dos espíritos contrários de determinados centros políticos e, ao mesmo tempo, têm reconhecimento internacional. Sempre com investimento próprio e sem pedir favores a ninguém (Paulo Gonçalves)

29 comentários:

Guarda Abel disse...

http://www.youtube.com/watch?v=-5CdfIA1evA
Vejam a partir do 1:38 :D

Levaste no focinho, badocha?

ze da povoa disse...

O conceito de independência anda mesmo pelas ruas da amargura! Há processos em que testemunhas e agentes da justiça confraternizam irmãmente, mas a independência de qualquer um deles não pode ser posta em causa!!! O Pacheco Pereira diz as maiores alarvidades, mas é muito independente. De quem?
O Eugénio tem a obrigação de conhecer bem os Super Dragões e saber que, entre eles, há gente de todas as classes sociais. Aliás,como em todas as claques. E nem vale a pena chamar à colação o assassinato levado a cabo pelos NN do benfica na pessoa de um adepto do Sporting no Jamor. Ou as diversas ligações da mesma claque ao mundo da droga que surgem a cada passo. Nos SD há meninos da Foz, ou da Antas, a par de gente do Aleixo ou das Fontaínhas. O melhor exemplo é que, há poucos meses atrás, o Madureira foi absolvido no Tribunal de Matosinhos, defendido de forma brilhante por um advogado que é seu colega nos SD. O intelectual da trêta (PP)já nem aceitação tem no próprio Partido, de outro modo saberia que entre os SD há muitos militantes da JSD que, por altura de eleições, também andam a colar cartazes e a defender as costas a ele e a outros como ele!

Anónimo disse...

O Pacheco é um nabo que pensa que é um intelectual de secretária que opina sobre o mosquito que caga a 5000km de distância.

O Pacheco não é do Porto!É de Santa Maria da Feira e é mais um nabo que foi para Marrocos.

Ele não tem nada a ver com o Porto, para além de se ter passado em muitos sítios como pessoa do Porto para daí tirar os seus dividendos em certas alturas propícias!


Tu não és do Porto nem tens nada a ver com o Porto. És um lampião frustrado e que é mais um que sonha em ir para MArrocos mudar as fraldas aos porcos de Lisboa.

Se queres falar do teu biclubismo, da tua adoração por Lisboa, do teu cofinismo parolo, da tua burrice fala. MAs não fales do Porto, que não tem nada a ver contigo.

E também vou andar à tua procura no Olival.Nem que tenha de ir a Matosinhos.

Eugénio Queirós disse...

Ora cá está a velha arruaça daqueles que se julgam "donos" do Porto. Parece que ainda não está à venda...

chefe disse...

Excelente texto geninho. Afinal não és nada tapadinho.

A bem do Porto faz falta uma vassourada em certas mentalidades e pessoas.

Anónimo disse...

Pareces a COFINA a falar.

dragao vila pouca disse...

O J.C.Soares apareceu no meu blog queria saber o que censuraste, mostrou um nível que tu não tens.Sobre o post em referência, nem merece comentários, P.P., Rui Rio, C.da Manhã,não me faças rir.Deixo-te um desafio tenta explicar-me como seria um Mundo à imagem e à semelhança do P.Pereira?

Anónimo disse...

Estes lampiões parolos que moram na aldeia gostam muito de se fazer passar por Portuenses.

Coisa que não são.

Eu sei que a azia é muita, mas porque não falam das vossas aldeias ou do vosso clube de frustrados.

Afinal esetamos no natal, está na altura de falar no circo.

ricardo disse...

Eu sou lisboeta e portista (mais ou menos o contrário do Eugénio, por assim dizer) e, sinceramente, não percebo como é que [a liderança de Rui Rio na Câmara Municipal do Porto] é "efectiva e firme" mas [o Porto] "No plano cultural, é o deserto. No plano político, o caos. No plano social, o que se sabe. No plano da comunicação social, nada de especial"
Porra, então para que serve um Presidente da Câmara? Não é precisamente para fazer com que a cidade evolua em todas estas vertentes? (já pareço o Manuel machado a falar)...
Tenha lá paciência, Eugénio, mas o que você diz, neste caso, não faz sentido absloutamente nenhum. E já agora, a talho de foice (mas sem martelo) continuo sem perceber como foi possível os portuenses elegerem - para um 2º mandato!!! - um homem tão fraco, tão medíocre, tão merdoso, tão poucochinho. Pior só mesmo os otários dos lisboetas que acreditaram (pausa para riso) que Santana Lopes daria um bom Presidente da Câmara de Lisboa...

Anónimo disse...

Ò SARAMAGO, explica tu !!!!!......

Anónimo disse...

Ao "Feroz Centralismo" nem uma critica !!!......

Porque será ???!!!......

orora disse...

vá, deixem-se de arruaças e, seja o que for, otal de PP lembra a minha tia juaquina, também opinion maker, de bagagem de sobra intelectual como ele, e assim intrigista e fala-barato e vaidosa, tão desprezível, invejosa e sábia, do peorio, Eugénio, de Santa Maria da Feira, tamém, c'os diabos!

e eu não sabia que ainda lá saio ao Pacheco da treta, caraigo!

Anónimo disse...

Não é de homens como PP,que o país precisa e muito menos o GRANDE PORTO!!!!!!......

Anónimo disse...

Detestei este TEXTO.

Anónimo disse...

o eugénio gosta do centralismo, aliás tem orgasmos só de pensar nos carneiros de lisboa.

e mais uma vez repito que este lampião não é do Porto nem tem nada a ver com o Porto.

É um fracassado lampião de matosinhos(ponto).

Anónimo disse...

o eugénio gosta do centralismo, aliás tem orgasmos só de pensar nos carneiros de lisboa.

e mais uma vez repito que este lampião não é do Porto nem tem nada a ver com o Porto.

É um fracassado lampião de matosinhos(ponto).

Anónimo disse...

o eugénio gosta do centralismo, aliás tem orgasmos só de pensar nos carneiros de lisboa.

e mais uma vez repito que este lampião não é do Porto nem tem nada a ver com o Porto.

É um fracassado lampião de matosinhos(ponto).

Quinhentinhos disse...

Os comentários aqui expostos por supostos defensores do norte, mostram a degradação cultural e civilizacional do Porto, que perdeu o seu espírito crítico devido a um fundamentalismo bairrista, alimentado por pessoas que têm constantes problemas com a justiça.
Os meus parabéns ao autor do post e já agora ao Pacheco Pereira, pela coragem de remaram contra a maré.

Anónimo disse...

O Porto para além dos referidos é acima de tudo o Porto de Siza Vieira e Sobrinho Simões, talvez os nomes maiores de todo o norte.
Inflizmente Pacheco tem mais tempo de antena mas em comparação com os atráz citados é somente um rato de esgoto.
Eu acredito que se um dia a verdadeira democracia for efectivamente exercida a nivel planetário, o lugar de PP e outros escrivas do reino que defenderam e continuam a defender a a invasão do Iraque, será conjuntamente com obando dos 4 que a decidiu a prisão de Guantanamo.
Parece que já estou a ver o PP de fato-macaco laranja (penso que a cor do equipamento dos actuais prisioneiros se manterá) a aplaudir freneticamente o seu colega Durão Barroso, igualmente fardado, a receber o prémio nobel da paz.

Anónimo disse...

PP e um frustado, que tem a mania de que e intelectual e fica fulo por nao ser apaparicado com tal.
PP aprendeu no Partido Comunista quando la esteve a dialectica Marxista e nisso e muito bom, por isso tem algum sucesso nos seus debates, aplica a dialectica para debater os temas e como sabemos este tipo de discurso vai dando voltas mas nao leva a parte nenhuma. O mesmo acontece com o PP, debate os assuntos mas nunca fez nada em parte nenhuma, a parte de viver a custa da mesa farta dos parlamentos, nunca produziu nada, a nao ser um livro de Cunhal que odiava porque o homem conseguia ser superior, mas muito, no discurso e na dialectica, odiava-o, o livro uma pequena vinganca, porque Cunhal sempre o desprezou.

Porto disse...

ó eugénio, estou triste contigo. És de cá e apresentas-me um texto só de problemas, e não trazes para o debate nenhuma solução. Pareces um fundamentalista sulista e clubista dos clubes opressores e ditadores de lisboa, que espezinham o PORTO cidade por causa de questões meramente futebolísticas, como o azeiteiro do post de cima denominado de "quinhentinhos".

Ao que ele vem, sabemos nós.

É uma corja nojenta que precisa de ser irradicada do nosso país. É o vómito centralista, esse pus salazarista, que tarda em querer perecer.

de ti, ó eugénio, esperava mais.

É verdade que o Porto está com problemas, sociais acima de tudo. Não há emprego, não há investimento, não há ordenados capazes, as pessoas migram para fora.

Limitem-se em debater os reais problemas do Porto e deixem-se de associar a cidade a claques ou o que o valha, pois o 1º que vem com esse discurso, sabemos logo ao que vem e perde todo o respeito no seu argumento.

Se queres debater o Porto, debate-o, mas de forma séria. Não te ponhas armado em "blog da bola", onde há um alvo a abater.

isto chega ao ponto de eu ver pelos blogs e foruns de bola, pessoas a atacar o Porto cidade!! porque querem atacar o Porto clube a todo o custo. É nojento, é vil, é cobarde.

Anónimo disse...

Ò "quinhentinhos" eu se tivesse um "NICA", chmava-lhe "Howard King(ex/arbitro)"......

Quanto ao resto, bem, o Norte è cada vez das regíões mais pobres e então o GRANDE PORTO,particularmente a cidade do Porto, è sempre a DESCER, sobretudo nos ultimos anos....

Anónimo disse...

O Pacheco Pereira,já nem pronuncia tem ???!!!

o Porto, está cada vez mais "CONFORMISTA" e menos "IRREVERENTE",ou seja mais "OBEDIENTE" aos interesses "CENTRALISTAS", tal como o resto do país ???!!!

Anónimo disse...

As costas largas do F.C. Porto

As declarações de Pacheco Pereira em que ele estabelece uma ligação entre a sucessão de assassinatos de pessoas ligadas à noite, o F.C. Porto e o PS Porto seriam risíveis, apesar de insultuosas para as instituições visadas, se não reflectissem também uma visão etnocêntrica, que teima em reduzir os portuenses a portistas. Mas também não é de estranhar vindo de quem um dia descobriu que no Porto se vivia um clima de "guerra civil" só porque ouviu insultos durante uma campanha eleitoral.

Achar que o futebol está na raiz destes crimes é ver pequeno, é esconder as condições sociais, civilizacionais e criminais que permitiram que eles aconteçam. É, se quiserem, equiparável a considerar que o massacre de Columbine pode ser atribuível à música de Marilyn Manson, ou que o aparecimento de grupos de Extrema- -Direita se deve ao Benfica ou ao Sporting.

Quanto à gestão autárquica, acho que sim. Apesar de algumas tentativas, os socialistas não conseguiram inverter o abandono do centro histórico, que, irremediavelmente, se acentuou quando, em anteriores mandatos, começaram a desenraizar-se populações para os bairros sociais. Mas, e o senhor que lá está agora, vai para sete anos, não tem nunca contas a prestar? Acabar com as instituições de apoio social no centro histórico ou desmantelar o Observatório de Segurança contam como factores positivos? E o que tem feito o Conselho Municipal de Segurança durante estes meses? Existe?

O presidente Rui Rio, tão lesto a acusar a Polícia de baixar os braços, devia olhar para a sua autarquia e explicar aos munícipes como tem permitido que tantas discotecas, essas sim no cerne destes crimes, funcionem sem licença, sem ser encerradas, ajudando à sensação de impunidade em que esta gente se movimenta.

Crimes como estes não são facéis de explicar, as suas razões profundas são difíceis de entender . Fácil, fácil, é dizer que a culpa é do F.C. Porto.

(Por David Pontes no "Jornal de Notícias" em 14-12-2007

Anónimo disse...

Companheirão

Para Pacheco Pereira não há por aí crime violento que não envolva a claque do FC Porto. Assim mesmo: uma claque! Ora, em boa verdade, entre os sócios do FC Porto, não há uma claque e sim duas.

É pelo rigor, ou pela falta dele, que podemos avaliar se uma opinião está destinada ao debate de ideias ou a alimentar uma campanha. No caso, conforme sublinharam os outros dois comentadores do programa "Quadratura do Círculo" da SIC Notícias, Jorge Coelho e Lobo Xavier, não é intelectualmente aceitável circunscrever a escalada de crimes violentos ao futebol, a uma claque e a uma cidade.

No caso de Pacheco Pereira, é tanto mais impróprio quanto a sua ambição ao reconhecimento público como intelectual e guia de opinião. E até uma ameaça na medida em que ele ostenta os títulos de professor, sociólogo, historiador e do seu currículo fazem parte cargos públicos como o de ex-deputado, ex-eurodeputado, ex-dirigente nacional do PSD e ex-mandatário de Rui Rio na primeira candidatura à Câmara Municipal do Porto.

Aliás foi num desses momentos da sua vida pública, precisamente a primeira campanha eleitoral de Rio para a presidência da Câmara, que Pacheco revelou ter sido ameaçado fisicamente, em plena Ribeira do Porto. Já na altura, dissera ele, pela tal claque.

Que este episódio de uma campanha eleitoral do PSD anti-Pinto da Costa, à época apoiante do regresso de Fernando Gomes à presidência do município, sirva, agora, de nexo de causalidade para uma campanha extra-eleitoral é verdadeiramente nojento.

Mas de Pacheco Pereira podemos esperar tudo desde que vivamos na Área Metropolitana do Porto. A mais recente testemunha disto mesmo foi Luís Filipe Menezes e o seu "staff" cujos métodos na campanha eleitoral para a presidência do PSD o companheiro Pacheco comparou ao então muito falado bando do multibanco.

Um companheirão, este companheiro Pacheco que, além do mais, deve sofrer de autismo. De outro modo, teria dado ouvidos ao companheiro Rio que já declarou que em vez de tanto Apito Dourado do que as polícias deviam tratar em força era desta onda de criminalidade violenta.

(Por Manuel Tavares no jornal "O Jogo" em 14-12-2007)
___________________________________________

Anónimo disse...

Coitado do PP e do Eugénio.

zé da telha disse...

mas diz o "Expresso" que teme a Polícia o chefe da claque Dragões esteja corre ameaças de vida, como quem diz o que há muito se pensava se não andava ali na rusga dessa noite portista, como no apito dourado e assim no encarnado, como no best-seller Carolina, igual que em "Corrupção", a mão clara do Benfica, tão clara e agressiva e manhosa e bruta como a de polícias contra o rebanho dragão que, epocalmente, se desloca à Luz, pa sofrer bastonada, aperto e humilhação, do Sporting até à cova dos lampiões em fúria, por essa Telheiras acima...

mas estava à mostra, mãezinha!

Super Dragões 1986 disse...

partem tudo é os dragões, fodem tudo é os dragões..

joaquim agostinho disse...

Sou mouro mas não concordo com esta depreciação do Porto: Acho que este post é uma "provocação" típica do EQ para provocar a discussão, mas não posso deixar de lembrar a melhor escola de economia do País a Faculdade de Economia do Porto e além de Siza Vieria, Souto Moura, Graça Morais, Agustina Bessa Luís, etc. que penso, são todos daí.