AGORA ESTOU AQUI

quinta-feira, setembro 13, 2007

ONDE ESTAVA O WALLY?


Gilberto Madaíl não esteve em Alvalade devido a "motivos pessoais". BnA lança um desafio à sua freguesia: onde estava ele, afinal?
1 - No bolso de Hermínio Loureiro
2- Sob o capachinho de Laurentino Dias
3- Em S. Bento da Porta Aberta
4- Na Gafanha da Nazaré
5- Foi dar um passeio de moto com José Couceiro
6 - A pintar o cabelo
7 - Em casa do Rui Santos a ver o jogo

6 comentários:

Da Rocha disse...

Na minha terra, na Gafanha da Nazaré. :)

Anónimo disse...

O episódio da agressão a Dragutinovic não é virgem no currículo de Scolari. No passado já aconteceram outras cenas de pugilato do seleccionador, um homem capaz de soltar uma lágrima com a mesma facilidade com que dá um murro quando ferve.

Desde o início da carreira de jogador, aliás, que Scolari é conhecido pelo carácter durão. Ele que era um central forte, implacável e feroz. Os episódios mais marcantes, porém, surgiram já desde que o brasileiro se tornou treinador.

O primeiro, pelo menos entre os mais mediáticos, surgiu em 1995, e teve do outro lado o treinador Wanderlei Luxemburgo. Foi durante uma meia-final da Taça Brasil, disputado no Olímpico de Porto Alegre entre o Grémio e o Flamengo.

Scolari era na altura treinador da equipa da casa e irritou-se com as queixas constantes de Luxemburgo sobre o comportamento dele no banco. No final do jogo, dirigiu-se ao adversário e deu-lhe um encontrão ao qual Luxemburgo não reagiu.

Em 1997, quando já treinava o Palmeiras, numa final do Brasileirão, Scolari teve outra cena que ficou para a história no Brasil. Desentendeu-se com o jogador Valber, do Vasco da Gama, junto à linha e bateu-lhe com a bola a cara.

O episódio mais marcante surgiu porém em 1998. Também no Palmeiras. No final de um treino, Scolari falava com os jornalistas, quando Gilvan Ribeiro, repórter do Diário Popular, lhe perguntou por que não deixava os adeptos ver o treino.

O treinador ficou irritado e respondeu que não tinha sido ele a determinar o treino à porta fechada, o jornalista insistiu que recebera indicação do guarda do recinto, os dois começaram a trocar acusações até que Scolari deu um murro na boca do jornalista.

Dois anos depois, ainda no Palmeiras, Scolari foi apanhado por uma televisão a pedir aos seus jogadores que batessem, cuspindo se fosse preciso, no avançado do Corinthians Edilson, num jogo da Taça Libertadores da América que era decisivo.

Portugal também teve um cheirinho do carácter difícil de Scolari quando se irrita. Numa conferência de imprensa, o seleccionador teve uma reacção agressiva para um jornalista que lhe fazia perguntas sobre Baía, repetindo «você está abusando, você está abusando».

O Anti Lampião disse...

é mesmo caso para dizer, Acredite quem quiser !!!

http://oantilampiao.blogspot.com/2007/09/caso-mantorras-arquivado.html

Anónimo disse...

o wally,esta a ouvir os telefonemas do Pinto da Costa.
ahahah

Anónimo disse...

Nem a 1 nem a 7 este cabrao tava de certeza numa sauna tailendesa e a levar com um pepino biologico no Anal ...

JP

Anónimo disse...

Até ao próximo soco


Luís Felipe Scolari apresentou, ontem, desculpas públicas pela agressão ao jogador Dragutinovic, da Sérvia. Felipão pediu desculpa aos adeptos, à Federação e à UEFA, mas deixou de fora a vítima da agressão, que foi Dragutinovic, e até a Federação da Sérvia, que também merecia um pedido de desculpas. Não é bonito e acima de tudo soa um pouco a falso.

O que aconteceu anteontem mais não é do que uma longa sucessão de tristes situações de falta de fair-play no futebol português, com a complacência das autoridades futebolísticas e até governamentais. Depois de termos um jogador a agredir um seleccionador (Sá Pinto a Artur Jorge, em 1997), um jogador a socar um árbitro (João Pinto a Angel Sánchez, no Mundial 2002), um trio de jogadores a baterem num árbitro assistente e no quarto árbitro (Paulo Bento, Abel Xavier e Nuno Gomes, na meia-final do Euro 2000), só faltava mesmo um seleccionador dar um murro a um jogador, sob a capa de estar a proteger um seu atleta (Quaresma).

Caso não tenham reparado, estas coisas nunca acontecem nos clubes. Acontecem nas selecções como consequência do clima de impunidade que se vive e que é proporcionado pela Federação.

Ontem, iniciou-se o processo de branqueamento do murro de Scolari. O pedido de desculpas foi o primeiro acto. Logo a seguir, caiu nas redacções um comunicado de todos os jogadores a solidarizarem-se com Scolari. Por estes dias, João Rodrigues (há décadas espécie de presidente-sombra da Federação) iniciará os contactos com a UEFA para conseguir o castigo mais reduzido possível para Scolari. Laurentino Dias voltará a dizer que estas coisas não podem acontecer, que é preciso ter juízo, etc., etc. E até Hermínio Loureiro, que começou o dia a escrever que o rei vai nu, acabou a emendar o discurso, porque se há coisa inaceitável no futebol português é a falta de gratidão, como bem definiu Luís Filipe Vieira, se é que me faço entender... E será que ninguém pensa em agir antes do próximo murro