WWW.BOLANAAREA.PT

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Portugueses, às vezes...


Na lista dos finalistas de "Os Grandes Portugueses" estão três personalidades que quanto mais não seja merecem suscitar alguma polémica. São os casos de Salazar, Álvaro Cunhal e o Marquês do Pombal. O primeiro e o último tiveram tempo e oportunidade para aplicarem as suas "reformas", o do meio ficou-se pelo PREC. Com esta escolha, os portugueses mais uma vez revelam a sua ambiguidade e confirma-se que a grandeza nem sempre tem muito a ver com a justiça e o humanismo. E depois há esta coisa interessante de se juntar no mesmo saco fascismo, comunismo e despotismo. Mas aqui foi sagacidade - são sinónimos. Há que dar algum mérito a este tipo de homens. Repare-se: não fosse Hitler e não se tinha inventado a boneco insuflável. Não fosse Salazar e nem o João Botelho nem o Manuel de Oliveira teriam feitos filmes. Não fosse o Cunhal e ainda hoje todos diriam sem complexos, no fim de uma jornada de trabalho, 'até amanhã camaradas'. Não fosse Pombal e os principais ministérios portugueses estariam acantonados num prédio envidraçado sem vistas magníficas para o Tejo.
Portugal mais uma vez no seu melhor. Ou no seu pior. Conforme a perspectiva e graças à Maria Elisa, provando que podemos ser feios, porcos e maus mesmo sem termos inventado a buceta de silicone.

10 comentários:

judeu disse...

se um filha da puta desses que está na foto, é eleito por milhares de gajos e figura no top 10 dos ilustres, só posso dizer que há milhares de filhos duma puta no meu país.

PONHO O MEU DINHEIRO TODO que 95% dos filhos da puta que votaram nesse filho da puta, são todos da orla de lisboa e do sul do país.


MORTE A ESSES CÃES PIDESCOS filhos duma puta salazaristas. Esses lisboMERDAS salazaristas
era pôr uma bomba que os limpasse a todos caralho

Miguel Linhares disse...

caro Eugénio Queirós, chego á conclusão que os portugueses gostam de ditadores...enfim triste país este...
http://mundovistodabancada.blogspot.com/

Anónimo disse...

Um amigo que não é filósofo nem inventor da tirada continua cheio de razão. A herança de Salazar foi deixar-nos pobres e benfiquistas, até comunistas não assumidos e não votantes (a ver pelas eleições e os resultados do pcp).
Merda de País e de cidadãos, estes.

Anónimo disse...

eu votei 3 vezes no Prof. Salazar e sou do Porto.

Anónimo disse...

pelo menos na altura dele, os energumes como o judeu não andavam por aí a mostrar a falta de civismo em que este país caíu. convém não esquecer, no entanto, que o ditador era do norte e quem o combateu bravamente foram quase exclusivamente as pessoas do sul.

Anónimo disse...

Pronto, anónimo a quem não se deve responder: o Humberto Delgado nasceu em Alcabideche. Foda-se!

mosquito disse...

Santa Comba Dão está a sul do Porto.

judeu disse...

LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL!!

foram as pessoas do sul que combateram o FILHO DA GRANDA PUTA DO SALAZAR!!

A REVOLUÇÃO PARTIU DO NORTE DO PAÍS cARALHO!! SEUS FILHOS DUMA GRANDESSISSIMA PUTA SALAZARISTAS LISBOMERDAS!! DO NORTE, SEUS CARALHOS PEDÓFILOS!

E o outro atrasado que diz que é do Porto e que votou 3 vezes no FILHO DA PUTA,´ou é mentiroso ou então é um FILHO DA PUTA DUM CORNO LISBOMERDENSE que mora a Norte.

MORTE AOS MOUROS, SEMPRE!!!! SEMPRE!!!!

SALAZARISTAS PEDOFILOS FILHOS DUMA GRANDA PUTA

Anónimo disse...

Para situar geograficamente. O ditador era de Santa Comba, para os lados de Coimbra. O combatente Humberto Delgado nasceu em Torres Novas, pouco abaixo de Leiria. E está-se aqui a discutir quem era do Norte e quem era do Sul. Foda-se, repito.

mosquito disse...

Conclusão: Os grandes homens são sempre do norte de Lisboa...