WWW.BOLANAAREA.PT

sábado, abril 22, 2006

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS, UMA VERGONHA!


Por uma guerra inteligente contra os preços das empresas petrolíferas. Está previsto que o preço da gasolina irá ultrapassar brevemente os 1,40 Euros/litro e do gasóleo os 1,20 Euros/litro!!! Você quer que os preços baixem? É preciso agir conjunta e solidariamente.
Alguém sugeriu uma ideia genial, muito mais sensata que aquela em que nos pedem para não comprar gasolina no dia tal e no dia tal. As empresas petrolíferas rir-se-iam desta campanha porque sabiam que nós não poderíamos ser continuamente prejudicados recusando sistematicamente comprar gasóleo e gasolina: seria muito mais uma estupidez da nossa parte do que um problema para elas (empresas).
Mas a proposta seguinte poderá ter resultados bastante eficazes, se para tal for levada a rigor. Leia completamente esta mensagem e junte-se a nós.
As empresas petrolíferas e a OPEP querem fazer-nos crer que o preço que elas nos impõem é um bom negócio para ambas as partes. Mas, muito provavelmente, os 0,60 Euros/litro para o gasóleo e os 0,80 Euros/litro para a gasolina já seriam preços mais do que justos.
Parece existir uma cartelização no sector dos combustíveis. De facto, a Galp tem o monopólio da refinação e existe pouca importação directa pelas outras petrolíferas. Além disso, a Galp controla, também, uma série de infra-estruturas de armazenagem.
Assim, a falta de concorrência estrutural no mercado português é um factor importante. Temos de actuar decididamente para lhes mostrar que, num mercado livre e concorrencial, são ambos os compradores e os vendedores que controlam os preços de mercado e não apenas um deles. Face aos aumentos, por vezes até mais do que uma vez por semana, do preço dos combustíveis, devemos reagir como consumidores que somos.
A única forma de se verificar a queda do preço terá de passar por uma vontade firme em não comprarmos gasolina ou gasóleo a essas empresas petrolíferas, mas sem que sejamos nós os prejudicados. Como necessitamos das nossas viaturas não podemos prescindir dos combustíveis, mas, poderemos actuar de forma a ter um impacte real no mercado dos combustíveis se agirmos todos juntos contra estes preços. EIS A PROPOSTA:
NÃO COMPRAR UMA GOTA DE COMBUSTÍVEL ÀS TRÊS MAIORES EMPRESAS: GALP, BP e REPSOL.
EXISTEM OUTRAS EMPRESAS COMO A CEPSA, ELF, ESSO, etc.. Se aquelas empresas virem as suas vendas de combustíveis reduzirem, serão obrigadas a baixar os seus preços. Se uma delas baixar os seus preços, as outras empresas terão também de os baixar. Mas para criar o tal impacte, temos de conseguir a compreensão e a colaboração de milhões de clientes da Galp, BP e Repsol. A Internet dá-nos a possibilidade de conseguir isso. Se esta mensagem for entregue a 10 pessoas e se cada uma destas dez a transmitir a dez pessoas amigas e assim por diante, esta mensagem será lida por cerca de UM MILHÃO DE CONSUMIDORES após seis gerações (envios). Tudo o que temos a fazer é enviar desde hoje esta mensagem a dez pessoas amigas e pedir-lhes para fazerem o mesmo, as outras fazerem o mesmo e assim sucessivamente. E, claro está, em paralelo abster-se de reabastecer a(s) viatura(s) naquelas empresas, ou seja BOICOTÁ-LAS. E é tudo ! Se agirmos conjuntamente vamos conseguir a diferença! Acredite que pode provocá-la e passe esta mensagem aos seus amigos e conhecidos. NÃO SE PERDE NADA EM TENTAR

4 comentários:

Anónimo disse...

até este movimento chegar às televisões, não me acredito que se consiga mobilizar muita gente. há que publicitar esta campanha e fazê-la chegar à televisão.

Alvaro Magalhaes disse...

Nao tens hipotese , pois a Galp , abastece o mercado Portugues todo, repara a unica maneira , seria as empresas de transportes fazer uma greve mesmo a serio , mas isso infelizmente neste Portugal , nao acontece, pois nao temos os tmates dos espanhois ou franceses, e assim sendo, nada a fazer.
Escreve o que digo pois esta mais que certo.

AFerreira disse...

As petroliferas, hem?!?! E os 160% de impostos que o estado cobra sobre o preço base da gasolina.

Estão a apontar ao alvo errado.

Anónimo disse...

a solução é deitar fogo a umas estações de serviço!