AGORA ESTOU AQUI

sábado, novembro 10, 2007

CARTA ABERTA A ANTÓNIO SALVADOR


Ex.mo Senhor Presidente do Sporting Clube de BragaO site dos adeptos do SCB www.superbraga.com é um espaço de opinião livre de centenas de adeptos que vivem e sentem o SCB diariamente. No seu fórum, milhares de mensagens são colocadas diariamente sendo actualmente a sala de estar privilegiada ou o maior espaço de discussão do SCB no mundo (isto porque temos participantes e adeptos em todos os continentes). Todas as sensibilidades estão representadas e mesmo aqueles que, de uma forma menos racional mas apaixonada, querem participar na vida do clube, têm espaço ou não fosse o futebol um jogo de paixões e de massas...Como seria óbvio, partimos desde há muito para a discussão daquilo que muitos de nós designámos "o grande espectáculo do ano". Referimo-nos evidentemente à recepção ao Bayern de Munique no Estádio AXA. Desde o sorteio que se vem discutindo, com um misto de contentamento e exaltação, o "grande dia 29", em que a cidade - finalmente - encontraria a oportunidade de se "fundir" com o clube, criando uma imensa mole humana de apoio e fervor clubista.Ao longo destas discussões foram lançadas para debate dezenas de ideias que passavam pela captação de uma presença maciça de adeptos. Algumas delas, tomando em consideração a experiência da temporada passada na mesma competição, remetiam para a (comprovada) importância dos preços fixados para que esse objectivo fosse realmente atingido. Ao serem conhecidos os tarifários praticados, a desilusão instalou-se por completo entre todos e a euforia deu lugar a frustração e revolta. Todos perceberam que, com esta medida da SAD, a grande manifestação de clubismo por que todos ansiavam jamais se concretizará...Para além de veicularmos o descontentamento generalizado expresso pelos adeptos participantes no fórum superbraga.com, queremos expor-lhe as razões pelas quais a decisão relativamente ao tarifário fixado para esta partida é tida por muitos adeptos como injusta e irracional:1. Os preços não se coadunam com a fase de maturação do clube.A todos parece consensual que um dos objectivos primordiais do clube é que cresça na sua dimensão humana ao mesmo nível do que tem crescido nos últimos anos no plano desportivo. Ora, esta partida é vista por muitos como uma oportunidade de ouro para atrair para o clube um conjunto de pessoas que habitualmente estão afastadas dos estádios mas que fazem parte do nosso “campo de recrutamento” potencial, grosso modo, o núcleo populacional que gravita em torno da cidade de Braga e que com ela se identifica. Evidentemente, sendo certo que o cartel do Bayern de Munique é um grande chamariz, não se pode esperar que pessoas que estão pouco ou nada fidelizadas (relativamente ao clube e mesmo ao desporto-rei) adiram sem a isso serem incentivadas. A experiência da temporada passada mostra que o clube não tem uma massa de adeptos consolidada suficientemente grande para se permitir praticar os preços que são agora fixados. O preço é um incentivo essencial para “chamar” não só aqueles sócios que não acompanham tão de perto o clube, como aqueles que (ainda) não são associados mas que, com o devido “investimento” o poderão ser.2. A medida é, mesmo do ponto de vista meramente “economicista”, irracional.Mais uma vez, a experiência da temporada transacta mostra que com preços elevados (ainda assim não tanto quanto estes) e mesmo frente a adversários conceituados, a adesão dos sócios e adeptos do clube foi escassa – seis a oito mil espectadores. Ora, face ao cartel desta partida e ao entusiasmo que suscitou (mesmo entre pessoas que habitualmente não estão próximas do clube), é perfeitamente plausível que com preços mais razoáveis tanto para sócios como para outros adeptos, a receita de bilheteira seria (para não sermos demasiado optimistas) pelo menos idêntica.Evidentemente, todos estamos conscientes de que é necessário salvaguardar a saúde económico-financeira da SAD. Contudo, em face do que acima se expõe, não parece sequer que esse argumento imponha a fixação de um tarifário tão pesado.3. Em face da realidade sócio-económica da região e considerando a receita já garantida proveniente da cedência dos direitos de transmissão televisiva da partida, esta medida pode ser vista por muitos como imoral.Sendo conhecidas as dificuldades que a nossa região atravessa do ponto de vista económico e social (com grande incidência de fenómenos como a precariedade do emprego, o desemprego e salários abaixo da média nacional), este tarifário é lido por alguns como uma afronta.Uma SAD é evidentemente uma empresa que (também) se rege por critérios de racionalidade económica. Mas não nos podemos esquecer que o maior accionista da SAD é o clube, entidade da qual aquela retira o seu sentido e à qual presidem outros critérios, de natureza não-mercantil. A inserção do clube no meio em que está implantado implica que haja dos seus responsáveis alguma sensibilidade para os problemas que assolam as populações que são o seu suporte. Não o ter em consideração equivale a afastar o clube das pessoas que são o fundamento da sua existência. Para muitos adeptos, este aspecto não foi devidamente tido em conta na fixação deste preçário – o que, na sua perspectiva, é tanto mais censurável quando é público que a SAD “vendeu” os direitos televisivos da partida por mais de 500 mil euros.4.Os preçários praticados por outros clubes portugueses, com uma massa adepta mais numerosa, em competições com outra visibilidade, incluem entradas mais acessíveis.Bastará neste sentido um exemplo. Para a partida FCPorto-Marselha (Liga dos Campeões), recentemente disputada (06/11), foram colocadas à venda entradas (para os sócios portistas) pelos preços de 8, 10 e 15 euros (entre outros). E trata-se de um clube que tem um número de associados superior à lotação do seu estádio...Em face deste descontentamento generalizado que resume o sentir de muitas centenas de adeptos que usaram as paginas do forum superbraga.com para exprimir a sua sensibilidade, queríamos solicitar-lhe que reconsidere este tarifário de forma a que, a tão ambicionada FESTA DO BRAGUISMO se concretize a pretexto desta grande partida.Ser sensível a estes argumentos não será lido por ninguém como um recuo ou uma derrota; pelo contrário, ouvir o clamor dos sócios e adeptos e reconsiderar esta decisão será entendido como um gesto de sensatez e até de nobreza. Estamos certos de que o Senhor Presidente saberá encontrar uma solução equilibrada que se aproxime dos anseios dos sócios do clube, no que a este assunto respeita.Saudações braguistas!P.S.: Os responsáveis do superbraga.com sublinham que, desta forma, apenas pretendem dar voz às centenas de adeptos que no seu fórum quiseram tornar público o seu sentir relativamente a este assunto. Caberá ao Senhor Presidente decidir quanto à importância que essa voz merece.

4 comentários:

Zé da Póvoa disse...

Aqui está o exemplo de uma boa causa, mas muito mal defendida. Quem é que consegue ler este comunicado de princípio a fim? E ainda por cima em letra muito miudinha.

Pedro Ribeiro disse...

"Quem é que consegue ler este comunicado de princípio a fim?"

É um texto que certamente será maçudo para alguns mas o seu objectivo é fundamentar devidamente a revolta dos adeptos e mostrar que o descontentamento não resulta de mero capricho, como as palavras de António Salvador pareciam querer significar ("quem paga acha sempre caro").

O objectivo não é somente "comunicar" o descontentamento ou divulgar alguma iniciativa. Isso é feito (e foi feito na medida do possível) de outra forma, designadamente através de cartazes, de mensagens sms em cadeia, e-mails, etc. Aqui tratava-se de fundamentar devidamente as várias razões que levam a que adeptos de diferentes sensibilidades estejam unidos no descontentamento - e nem todos o estão pelas mesmas razões. E de algum modo, tratava-se também de responder a alguns argumentos que defenderiam(?) esta medida da SAD bracarense.

O importante é que o país futebolístico tenha algum conhecimento disto e sobretudo que os adeptos "braguistas" e os bracarenses percebam que há alguma razão por detrás do sentimento quase instintivo de revolta.

No final, é importante que os nossos adeptos não se acomodem perante medidas que lesam o seu clube (e o próprio futebol). Mesmo que os objectivos não sejam atingidos, é importante que os dirigentes percebam que os adeptos não são uma massa acéfala, aos quais não há que prestar contas.

Espero que nós, braguistas, possamos mostrar alguma mobilização colectiva, ainda que esta iniciativa seja muito espontânea e por isso pouco coordenada.

Alvaro Magalhaes disse...

Como diz o outro....Sonhador, sonhador.

Zé da Póvoa disse...

Pedro Ribeiro,
Olha que a minha crítica foi feita no bom sentido.
Concordo com a campanha e acho muito bem que alguém se manifeste contra os abusos de quem só pensa em facturar. Pena é que por esse país fora não hajam mais movimentos como o vosso. No entanto, estas mensagens têm que ser mais curtas e incisivas, senão não são lidas e por isso perdem eficácia.
Saudações desportivas,