quarta-feira, novembro 17, 2021

Folha, o Cambalhota


Um 'bebé' do Mar que brilhou no Leixões e no Boavista e que vestiu também a camisola do Benfica.
Depois de ter estado 13 anos nos Estados Unidos, na comunidade piscatória de New Bedford, Fernando Folha fixou-se agora em Inglaterra, onde gere toda a logística relativa à área da alimentação de um hospital. Já superados os 60 anos, o avançado que ficou célebre pelas cambalhotas que dava depois dos golos que marcava, sobretudo com as camisolas de Leixões e Boavista, falou em exclusivo ao BnA, aquando de um encontro de antigos jogadores do Boavista, um momento que considerou “extraordinário”.


De 1979 a 1981, brilhou com a camisola do Boavista, marcou muitos golos e despertou o interesse do Benfica. Valentim Loureiro transferiu-o para a Luz por 4.500 contos, uma verba muito significativa na altura. Mas na Luz não houve cambalhotas e Folha acabou por rumar ao Varzim (três épocas), ainda voltou ao Bessa e finalizou a carreira passando por Beira-Mar, Trofense e Felgueiras.

O craque matosinhense tentou a sua carreira também como treinador e em 1992 esteve na subida do Estarreja à 2.ª Liga, seguindo-se uma experiência no Valonguense, uma primeira passagem pelas camadas jovens do seu Leixões e um salto a Mogadouro para retornar ao Mar antes de acompanhar Henrique Calisto na grande aventura do Vietname, onde esteve ao serviço do Dong Tam Long (três épocas) e do Hue. O futebol acabou em 2004.




Sem comentários:

Por favor, não pisem os malmequeres!

  Ia escrever qualquer coisa sobre isto mas o João Freitas - um dos melhores jornalistas que conhece - tirou-me todas as palavras da boca. ...