AGORA ESTOU AQUI

quinta-feira, setembro 25, 2008

"PARA QUÊ?" - UMA POSIÇÃO MAIS

De Humberto Santos, presidente da Associação Portuguesa de Deficientes, recebemos este e-mail:
"A Associação Portuguesa de Deficientes foi alertada por diversos associados e outras pessoas que, não tendo qualquer tipo de deficiência, se sentiram incomodadas com o conteúdo do artigo de opinião subscrito por V. Exa., colocado no seu blog, em 9 de Setembro, a propósito dos Jogos Paralímpicos. O que ressalta em primeiro lugar deste artigo é o facto de o Senhor reduzir os Jogos Olímpicos e os Jogos Paralímpicos “à caça à medalha”, menorizando, assim, todo o esforço e empenho dos atletas que neles participam. Mas enfim, trata-se da sua opinião e dela não vem mal ao mundo. O que a Associação Portuguesa de Deficientes não pode deixar de notar é o facto de este artigo deixar transparecer laivos de uma mentalidade retrógrada, mesquinha e discriminatória, mentalidade essa que condicionou, e ainda condiciona, a vida das pessoas com deficiência e lhes nega o usufruto dos mais elementares direitos humanos. De facto, o Senhor defende, da mesma forma paternalista que acusa os outros de proceder, que os atletas com deficiência possam praticar desporto, nas modalidades que classifica de uma “espécie de ATL”, mas acha que a prestação destes atletas não deve ser objecto de notícia, porque, em sua opinião, apenas serve “de motivação” para “estes pobres coitadinhos” (aqui aspas são nossas). Segundo o que se pode depreender das suas palavras, a filosofia dos Jogos Olímpicos – mais alto, mais forte, mais rápido – não se aplica a estes atletas. O Senhor acha que, no caso dos atletas com deficiência, o prazer de correr ou jogar, aliado à vontade de se exceder, ir mais além, tudo isto conjugado com o espírito de sacrifício, não é desporto é ATL. Acha que a prestação destes atletas não carece de ser valorizada pelos outros, deveria ficar intramuros, numa espécie de gueto, em que as pessoas se sentiriam recompensadas por os deixarem participar no que classifica como uma “espécie de ATL”. A história está repleta de ensinamentos sobre o enorme sofrimento que este tipo de preconceitos causou à humanidade e que no seu limite levou ao extermínio de milhares de pessoas com deficiência, além de milhões de outras pessoas que também eram “diferentes”. “Desenvolver as habilidades e a condição física específicas das modalidades, apreciar e ser capaz de participar em competições, participar a um nível apropriado à sua habilidade e experiência”, são os princípios transmitidos na Faculdade de Motricidade Humana sobre desporto. Nesta Faculdade, onde são formados os técnicos de desporto, incluindo os que vão treinar pessoas com deficiência, estes princípios valem para todo o tipo de desporto, independentemente de quem o pratica. Felizmente a sociedade evolui, os seus membros vão aprendendo com os erros e incorporando novas formas de olhar o seu semelhante. De igual para igual. Por isso existe uma Declaração Universal dos Direitos do Homem, uma Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres, uma Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial e, mais recentemente, uma Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Claro que nem todos acompanham esta evolução. Há sempre quem resista à mudança. Por medo ou ignorância. Felizmente é uma minoria que mais cedo ou mais tarde deixa de ter qualquer expressão. Não podemos deixar de louvar a cobertura dos Jogos Paralímpicos feita pela Comunicação Social. Sem preconceitos nem paternalismos. Não só foi positivo o facto de reconhecerem o valor destes atletas, como ajudou a desmistificar muitas ideias preconcebidas sobre as capacidades das pessoas com deficiência. Foi significativo o número de cidadãos que acompanhou os Jogos e vibrou com a prestação dos atletas paralímpicos. No futuro os Jogos Paralímpicos, como outras provas de desporto praticado por pessoas com deficiência, serão vistos como mais uma iniciativa no panorama do desporto nacional e internacional. Deixamos ao critério de V. Exa. tornar ou não pública esta nossa posição.
Com os melhores cumprimentos
O Secretariado Executivo daDirecção Nacional"

29 comentários:

Nuno Vitorino disse...

Oh Sr Eugenio,

Haja paciencia 2x, o Sr. não conhece a nossa força nem a dedicação por nos dada ao desporto....

Eu nadava 800km por epoca, Sr. Eugenio nao preciso do seu apoio, mas exigo respeito.

Vai connosco a Londres?

Nuno Vitorino
Ex atleta paralimpico ATENAS 2004

Patricia disse...

Se a alta competição contempla, em algumas modalidades, escalões de atletas de acordo com características físicas (o peso dos atletas por exemplo), deixa de ser alta competição se os escalões se basearem noutras características físicas? (capacidade de visão, por exemplo).
E já agora, um jornalista desportivo devia saber o que diz a respeito do assunto, estar minimamente informado e, se não for pedir muito, revelar algum desportivismo, caso contrário atrevo-me a concluir que errou na profissão e deve passar o tacho a alguém que o preencha melhor.
(Ou será que para si desporto é só futebol e tudo o resto também é ATL? Se calhar o problema é esse...).

João Português disse...

Toma lá Eugénio, que já almoçaste!

Anónimo disse...

tou a começar a perceber.. podemos ignorar e fingir que tudo está bonito se de 4 em 4 anos "apoiarmos".

bom.. na verdade facilita.

Anónimo disse...

Hé o problema do Sr Humberto pelo teor da resposta tem é medo de perder o Tacho , mordomias etc etc ..
Voçes nao sabem é metade da missa que jà vai no adro


Janelas

Valdemar disse...

É estranha toda esta euforia. Um gajo não pode ser políticamente incorrecto nos dias de hoje. Nem num espaço que é seu, e que é um blog assinado.

Sugiro aos pobrezinhos dos deficientes e seus apoiantes, que cobardemente se escondem atrás de todas estas queixinhas, que formem um blog vosso, onde exponham as vossas ideias e opiniões, já que pelos vistos o que querem é a simpatia e a opinião das pessoas do vosso lado.

Gostam de ouvir "coitadinhos" quando passam na rua? Ou lá por terem menos alguma funcionalidade motora ou mental que a maioria das pessoas, acham-se mais do que essa maioria das pessoas? A crítica é livre, democrática e se não a suportam, jamais serão pessoas "normais" de pleno direito, jamais passarão do estatuto de "coitadinhos", por mais medalhas que vos pendurem ao pescoço.

E mais.

Sugiro que todos, até mesmo os cegos abram os olhos, porque as olimpíadas e todo este alvoroço servem apenas os interesses de quem quer desviar atenções do facto de que DURANTE 3 ANOS NINGUÉM QUERER SABER DE VOCÊS. É como ir deixar roupa e esmola aos pobrezinhos no dia de Natal e durante os outros 364 dias, nem para eles olhar na rua!

Mas o que me espanta é os próprios deficientes embarcarem nesta fantochada. E as associações que os representam. Não sei se esta farsa se deve a algum deficiente de mal com o mundo e com as limitações que possui, mas expõe bem a raiva que têm a quem ousa trata-los como qualquer cidadão.

Ou os deficientes estão acima de qualquer crítica?

Deixem o homem em paz. Querem comentar, façam-no. Não concordam com a opinião do Eugénio (pessoa que eu não conheço, nem fazia ideia que existia até há uma semana atrás)? Então argumentem onde de direito. O que estão a tentar fazer ao homem é uma cobardia só ao alcançe dos que se julgam superiores e impunes.

Nuno M. disse...

São os próprios atletas para-olimpicos e treinadores, os primeiros a dizer, que só lhes ligam nestas alturas.
Pessoalmente, não vibrei especialmente com a conquista de qualquer medalha para-olímpica, como vibro quando é conquistada por um atleta não deficiente. Não tiro valor a nenhum atleta para-olímpico, que de certeza, corre e nada mais que eu para chegar onde chegou.
O texto do Sr. Eugénio, foi mais um desabafo. Lá diz o povo que a verdade é amarga e a mentira doce. Quando o secretário de Estado do Desporto, disse que a conquista de uma medalha no Boccio foi o momento mais alto seu mandato, eu fiquei a pensar, "és mesmo político"...
Há palavras no texto do post "Para quê", que poderão não ser politicamente correctas e levar a interpretações menos abonatórias, mas para mim, o post tem muito de verdade, e a verdade, lá está, às vezes é amarga.
Aos atletas para-olímpicos, desejo a melhor sorte, na vida pessoal e desportiva. Eu penso que eles dispensam paternalismos, palmadinhas nas costas e apoios de circunstância. E penso que foi contra isto que o autor deste blog se quis insurgir.
Não queria escrever isto, mas sou neto de uma pessoa invisual, e sei de muitos problemas que afectam o dia-a-dia de uma pessoa com problemas. Raios parta a porcaria de dirigentes que temos que só se colam a estas coisas quando há visibilidade. Este país nada em hipocrisia. E tem de ser denunciada.

Captomente disse...

Coragem, Eugénio Queirós. Não aprecio muitos dos seus posts, porque, preconceituosamente ou não, julgo que o senhor valoriza demasiado os lados do "norte" mas aprecio a sua frontalidade.
Eu percebi o alcance das suas palavras no dito post mas a hipocrisia impera e por isso, neste mundo, quem diz a verdade, infelizmente, é quem é mais castigado.

*Tudo o que penso sobre este assunto, o leitor/blogger Valdemar já disse tudo.

ftotal disse...

Ao contrário da incrivel posição do Sindicato dos Jornalistas,penso que esta é uma posição justificada..

Já lhe expressei a minha opinião sobre todo este assunto no Relvado, e o Eugénio saberá melhor que eu as consequências que a mediatização pode trazer - para o bem e para o mal.

Cumps, "www.ofuteboltotal.com"

Diogo Sousa disse...

Apos esta novela toda, deixo aqui o meu voto de confiança e de força para o sr. Eugenio porque acima de tudo demonstrou sempre a sua posiçao, nunca escondeu nada de ninguem. Opinioes sao opinioes e o que seria do mundo sem opinioes difrentes?!

Abraço

Rock Santeiro disse...

Em definitivo entro na conversa, Eugénio. Já não resisto mais...
Sabemos, agora, que existem em Portugal três espécies de gente (não deveria ser assim, mas tanto o reclamam...). A saber: os Eficientes (de onde são oriundos hipócritas e incompetentes, sub-espécie que a Lei nos impede de exterminar), os Deficientes (nada a dizer, para mim são gente como outra qualquer) e os Instituídos. Os Instituídos são uma espécie que apareceu a seguir a outras, mas hoje em dia mais... instituída. Os Instituídos são gente que pouco faz e que só acha que faz quando o consegue comunicar, nem que comunique mais do que o que fez, que normalmente é nada. Mas, entre estes, também os há honestos. Porém, pouco lestos... São os Instituídos imbuídos do corporativismo, que é uma doença que ataca os olhos, os ouvidos e o próprio raciocínio.
Não deixa de ser giro que os Instituídos se dêem ao trabalho de blogar como qualquer outro ser humano. Só precisam é de perceber a regra: liberdade de expressão vale quando é justificada e argumentada. Mesmo que pouco ou nada. Isto é, custa-me um pouco perceber que os Instituídos entrem nestes debates com a sua farda, as suas caixas levantadas, os seus cargos a bold e as hipócritas vénias virtualmente pintadas nos ecrãs de tft.
Por aqui, pelos bloguers, pelas suas ideias, boas ou más, se prova que o que falta a este país é debate. E sem debate, confronto de ideias, não há LIBERDADE, caros eficientes, deficientes e instituídos!
PS. Para ser coerente, Eugénio, "postei" a carta que te enviei no teu post anterior.

Anónimo disse...

Li com atenção o mail do Presidente da Associção de Deficientes.

Antes de mais permita o Sr. Humberto Santos que lhe diga que, por vias travessas ou não, provavelmente da forma mais incorrecta possível, a causa dos deficientes (TODOS), teve neste blog levantada uma questão que é vossa (e NOSSA) e de todos os dias.
Um assunto que morreu nas direcções editoriais da imprensa (quem diria...), exactamente quando parecia ter morrido, foi renascida neste blog.
Por opiniões contra, a favor e assim assim.
Só um texto polémico e provocador poderia dar azo a tal repercussão.
Incorrecto e criticável como às vezes é preciso para soltar línguas.

Bem ou mal, teve esse efeito.
E, neste momento, nem é importante discutir-se ou saber se o texto do E.Q. foi sensato, objectivo ou correcto. Fosse o que fosse, despoletou discussão onde antes havia passividade e resignação.

Outra coisa ao Sr. Humberto Santos:
Não acha que deveria ter havido, por parte da imprensa, escrita, rádio ou TV, outro envolvimento nas causas dos cidadãos com deficiencia?
Não deveriam ter sido aproveitados os feitos de ateletas mais dotados em várias disciplinas, provavelmente entre iguais os mais beneficiados socialmente, para chamar a atenção dos casos de absoluto abandono em que se encontram muitos deficientes em Portugal?
Não acha o Sr. Humberto Santos que a ocasião foi impar para que a imprensa desse voz e criasse rede de solidariedade, até apoios do Estado (ávido de medalhas), para os cidadão com deficiência menos dotados desportivamente?
E algo disso aconteceu?. Algum orgão de comunicação aproveitou o evento, a mediatização do evento, para divulgar os casos extremos de luta pela vida de centenas ou milhares de excluídos por terem deficiências?
Já agora, a sua associação alguma vez interviu, junto dos orgãos de comunicação, para que a questão mais vasta e às vezes complicada socialmente de muitos portadores de deficiência, fosse associada positivamente aos feitos dos ateletas olímpicos?

Não. E o Sr. Humberto Santos sabe que não.
Quem de certeza não sabe, mas também nunca se preocupou com isso, é o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas. Acordou agora.


LAM

Erste Mal disse...

Só uma pergunta... há algum atleta paralímpico com estatuto de alta competição? Português, pelo menos?

Anónimo disse...

Queria ver o que dizias se tivesses 1 pessoa incapacitada na familia!
olha que a obsedidade é considerada 1 doença!
Vê-te ao espelho!

MAISKEMALUKO disse...

Caro Geninho, para uma retirada estrategica, sugiro que vas passar uma temporada, para o Burkina Fasso, no meu apartemu, enquanto preparo o regulamento para o "CAÇA AO GENINHO" !!!!!

Anónimo disse...

Deixa passar Eugénio!

Há um "comentador" da vida política e social em França(Stephane Guillon), que tem tido um espectáculo num teatro em Paris, onde passa ao crivo entre outras coisas, a participação dos paraolimpicos franceses.Os ditos "eficientes" tem-no enchido de nomes feios.Sabes quem o apoiou? Aqueles a quem chamam deficientes e que foram ver o espectáculo:"Até que enfim que há alguém que fala de nós como pessoas ditas normais e que não nos olha como uns "COITADINHOS".

midi d'ossau disse...

O que se passa com os deficientes não é diferente do que se passa com tudo o resto. Ou não é verdade que só votamos de 4 em 4 anos e que no intervalo a nossa opinião não conta para nada? Ou não é verdade que só somos solidários com as mais diversas causas quando são lançadas campanhas mediáticas e enquanto as mesmas duram?
A grande maioria de nós, incluindo o Eugénio, somos uma espécie de deficientes que práqui andamos. No caso dele, o ATL chama-se Record, mas também já passou por outros ATL's (calculo que também vou ter várias comissões de ética à perna só por este pensamento espúrio).
Mas depois de saber o que o Eugénio pensa sobre os deficientes que praticam desporto ou sobre o desporto para deficientes, como queiram, fico curioso de saber o que é que ele, bem lá no fundo, pensa sobre os eficientes que praticam futebol ao mais alto nível: esses que ele ajuda a promover diariamente e que enchem os bolsos com quantias não acessíveis ao comum dos mortais para praticarem a «arte» do chuto na bola. Esses mesmos eficientes que dão entrevistas repletas de chavões e que ele poderia muito bem escrever sozinho, como faz aqui no Bola na Área, sem se dar à massada de ir até à sala de imprensa, de tão previsíveis e estafadas que são as respostas. Chavões que, aliás, de 4 em 4 anos, os deficientes têm o direito de copiar.
O que mais aprecio no Eugénio, mesmo quando não concordo com ele, é que gosta pensar com a sua própria cabeça.

+1doVitória disse...

Quero para já louvar a atitude do Sr. Eugénio em publicar as criticas, da mesma forma que o critiquei quando achei despropositado o que na altura postou!
Mostrou ser uma pessoa com muita dignidade já que poucos fariam o que o Sr. fez!!!
Espero que tenha sentido auto-critico, veja onde errou mas não se amedronte perante criticas e insultos de gente anónima!

Anónimo disse...

a minha namorada tem 3 seios, isso é uma deficiência, e nem por isso pode competir nos paralimpicos/para-olimpicos

não é descriminação???

se bem que é uma deficiência que me agrada muito!

quanto ao chamarem obeso ao eugénio.. tsc tsc... é mesmo conversa de magrinho sem argumentos.... quando não se sabe o que responder, chama-se gordo á pessoa e tá feito... eu sei porque tenho um primo mongolóide obeso... e tambem nao foi aos olimpicos...

João Sem Nome

Patrícia disse...

Parece que ninguém está a perceber que a questão aqui não é o facto de ter sido apontada (com razão) a hipocrisia e o paternalismo perante os deficientes (em geral, não só os atletas).
O que foi ofensivo, de mau gosto, e que merece sem qualquer sombra de dúvidas um pedido de desculpas foi o facto de o desporto adaptado ter sido comparado a um ATL ou a um freak show, um desfile de coitadinhos, quando estamos a falar de atletas que dedicam a vida ao desporto de forma profissional e conquistam marcas dignas de alta competição independentemente das deficiências que possam ter (basta gastar 2 minutos e ver, por exemplo, os tempos conseguidos nas provas de velocidade).
Abdicar do paternalismo é uma atitude positiva, mas abdicar do respeito, da educação e das boas maneiras é uma vergonha.
E não venham dizer que foram escolhidos "termos infelizes". De qualquer outra pessoa eu aceitaria essa justificação. De um jornalista profissional não. Saber escrever e saber expressar-se com objectividade é o mínimo que se pode esperar desse profissional. Já humildade, infelizmente, não há profissão que a inclua como pré-requisito.

Anónimo disse...

Estou cada vez mais estupefacto com tudo isto!

Apesar de não concordar com o dito post na integra, uma coisa é certa: existe sim uma hipocrisia enorme em toda a envolvente dos jogos paraolimpicos. Já o disseram e bem, os restantantes 4 anos os deficientes continuam sendo ignorados e discriminados. E mais, estes que recebem apoio são apenas meia dúzia num total de largos milhares que existem em portugal!

E depois aparecem estas especies de corporações, associações e outras coisas que tais, que como bem sabemos, são um dos maiores entraves à evolução das mentalidades. É ironico mas é verdade. Pouco fazem... pouco agem... só reagem a seu belo prazer. Para mais, todos sabemos com que fins elas são constítuidas, bem como são geridas... normalmente por eficiente que "gostam muito dos tadinhos... dos euros".

Enfim HAJA PACHORRA PARA TANTA HIPOCRISIA!

Isto é uma autêntica caça ás bruxas dos tempos modernos. Cada um é livre de opinar o que bem entende. Meterem o Sindicato ao barulho é mesquinho e no mínimo cobarde!

Ahh e o Sindicato deveria ter mais que fazer que se preocupar com a blogosfera. Preocupe-se antes com a corrupção dos seus sindicandos, com as sistemáticas violações de segredos de justiça, com as devassas das vidas privadas... porque não faz isso? Não convém.. não é! São esses milhares de jornalistas sem escrupulos que os sustentam!

Ahhh e reparem só o RÍDICULO: Esse tal CD do SINDICATO CONHECE E SABE TANTO SOBRE A BLOGOSEFERA QUE JULGA QUE OS BLOGS TÊM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO! Enfim... a risada é geral, tanta ignorância meu deus!

Força aí Eugénio!

AMJ

Pedro Amante disse...

Não vão ao teatro os "normais" rir-se das figuras dos ditos "normais"? Alguém se zanga?

Mas pelos visto,os ditos "deficientes" não irão ao teatro ris-se de uma peça sobre os ditos "deficentes"?

Esse é um assunto tabu no qual não se pode falar.

Rui Sousa disse...

Erste Mal disse...
Só uma pergunta... há algum atleta paralímpico com estatuto de alta competição? Português, pelo menos?


Pelo menos 35 atletas mas que rebecem um 3º dos ditos "normais"

maiskemaluko disse...

Para o nony da namorada com 3 seios; Que sorte meu, ela pode ter os dois no porta-mamas, e ainda tens um para brincar !!!!!!
Geninho um post com uma paraolimpica com 3 mamas... Força
ai meu kamba !!!!

Anónimo disse...

O que incomoda a Humberto Santos é que a exposição mediática traz mais importância ao seu cargo e mais patrocínios aos paralímpicos. E quando alguém criticou a exposição mediática, abanou os ganhos do senhor.

O que é estúpido nisto é que parece que não se pode escrever nada mais realista e duro sobre os paralímpicos porque eles são deficientes! Estão em desvantagem... é a teoria do coitadinho. Parvoíce pegada.
Já sobre os paralímpicos foi o contrário, a moda era criticá-los...

Giro.

Anónimo disse...

Bla,bla,bla,bla,bla. As pessoas não gostam de ouvir as verdades. Continuamos com hipocrisias e com o politicamente correcto. Quando alguém diz aquilo que realmente pensa e que muitos outros pensam, mas preferem ser falsos e dizer o contrário, ficam todos espantados...

A imprensa deu uma boa cobertura, lol,....Se soubessem o que muitos jornalistas dizem acerca dessa competição. Acho que muitos ficavam surpresos. As piadas habituais, do género os nosso deficientes são melhores do que profissionais, mas valiam ter enviado apenas os deficientes e tantas mais.

Anónimo disse...

Eu pessoalmente apoio os deficientes todos os dias, até colei o autocolante deles no vidro do carro.

Anónimo disse...

"É como ir deixar roupa e esmola aos pobrezinhos no dia de Natal e durante os outros 364 dias"

E quando o ano é bisexto?

Anónimo disse...

Ai, ai... Isto sim, é optimo!!!

Sempre ouvi dizer que mais vale falarem bem ou mal do que não falarem!!! Assim se vê como estes, que voçês chamam de "deficientes", conseguem abanar qualquer um de vós. Porque se assim não fosse, não havia todo este bate boca aqui num simples blog...

Falam, falam, falam e não dizem mesmo nada de geito e não conseguem chegar a um consenso!

Com toda esta discussão e pouca clareza, talvez porque a língua portuguesa é muito traiçoeira, será que ainda não perceberam que o conteúdo do post que lançou esta polémica, no fundo está a "defender" os ditos "defecientes", pois tem toda a razão quando diz que só se lembram deles de 4 em 4 anos, quando vão representar o País e trazem as tão desejadas medalhas, o que significa que é por este meio que o resto do mundo começa a ter noção de que existe um país chamado "Portugal". Sim... porque há quem ache ridiculo e que se ofenda por ouvir um estrangeiro qualquer a responder á pergunta " Já foi a Portugal?", um " sim, sim... Estive em Madrid!!" e que fazem cada um de voçês para mudar isto??? São voçes que trabalham, lutam e dão a cara para elevar a bandeira do vosso país???

Pois... concordo que é bem mais fácil ficar sentadinho na minha cadeirinha, a criticar e dar bitates sobre coisas que nem sei bem o que são mas que acho que "eu" é que tenho a razão, nem vale a pena ver para saber porque é assim e pronto!

Mas voltando ao post, a atitude criticada é mais que válida e concordo a 100%. Pois, enquanto o Futebol é considerado o desporto rei, são gastos milhões de euros por DIA e todos os dias aparece nas nossas televisões e ninguém os critica por aparecerem, quando vão a Campeonatos da Europa, é a vergonha que é (infelizmente, claro!), o desporto dos outros não é nada, os quais trabalham tanto ou mais que os jogadores de futebol...( digam-me, onde está a igualdade aqui de que voçês tanto falam?) Pois... não está! asério?! Agora vir dizer que é apenas um ATL, aí já não posso concordar porque se quisessem passar o tempo por passar, iam passear, beber uns copos e lá de mês a mês íriam então fazer um bocado de exercício, que tanta falta faz mas não, é feito diáriamente e nada ao de leve...

Em relação á pergunta... Sim, estes atletas têm estatuto de alta competição, até porque todos eles trabalham ou estudam e o facto de o terem é importante para conciliarem tudo!!!

É obvio que existe hipócrisia, e a primeira delas é estarem aqui a dizer que concordam com post em que tão defender a igualdade, e no fim quando vêm algum deficiente na rua até desviam o olhar ou até riem-se na cara dele com aqueles comentáriosinhos mesquinhos. Há hipocrisia nesta abordagem aos Jogos Paralimpicos, e nos Jogos Olimpicos, não há? Porque também a maioria atletas olimpicos só os vi pela primeira vez na divulgação destes Jogos Olimpicos! ( Aqui parece que há alguma semelhança, não?!)

Se querem mostrar que defendem a IGUALDADE, então façam qualquer coisa e MOSTREM à sociedade, não chega andar a falar que é isto ou aquilo... FAÇAM alguma coisa que se veja!!!